Surreal!

Surreal!

Vai viver, cara! Pega esses padrões que estão aí e coloca na gaveta no lugar das tuas camisetas! Deixa eles lá guardadinhos e liberta as camisetas. Pensa no que elas podem te dizer. Você tem que se lembrar que nem sempre a lógica ajuda. Muito ajuda quem não atrapalha, aliás. Imagina todo mundo vivendo a vida em paz, mas imagina mesmo! Imagina mais que o John imaginou! Sem regras, sem senso crítico. A realidade é um detalhe.

The Return of Ulysses – Giorgio de Chirico (1968)

Engraçado que o mundo muda tanto, mas tem umas coisas que continuam iguais. A novidade de ontem já está velha, mas segue ativa, alive and kickin’! No começo do século vinte uma turma pirou no Freud e na psicanálise. Era como descobrir um novo mundo, que sempre esteve lá, novidade velha. Subconsciente, instintos, imaginação, sonhos. Um mundo além da realidade, sur real, que em francês significa além do real. Aí pegaram a conversa do Freud, juntaram com aqueles quadros incríveis e maluquíssimos do De Chirico e daquela turma dele de pintores italianos e começaram a ter ideias.

A guerra acabou! War is Over! Olha o John de novo aí. Só que no caso é a Primeira Guerra Mundial. Acabou a guerra. E agora? Tem um pessoal que acha que viver sem conflito é muito chato, monótono. E se não tem conflito do lado de fora, vamos pro lado de dentro. Mas vamos dar nome aos bois, né? André Breton, Alberto Giacometti, Antonin Artaud, Salvador Dalí, Joan Miró, René Magritte, Max Ernst, Luis Buñuel, Paul Éluard, Louis Aragon e Jacques Prévert. Tem de tudo! Escritor, cineasta, pintor, dramaturgo, escultor… os surreais surrealistas!

Cara, essa turma começou a criar, criar, criar, e acabou revolucionando o mundo das artes! Sim, porque começaram a criar atravessando a barreira do real, do padrão, da regra, do senso crítico! O Salvador Dalí chegou a ser expulso da academia de artes que fazia parte, porque subvertia todas as regras e conceitos artísticos vigentes na época. As obras de caras como o Dalí e o Miró fizeram artistas já famosos e considerados geniais repensarem seu jeito de produzir. Pablo Picasso foi um que acabou sendo atingido pelos surrealistas.

Vale dizer que essa turma toda, ainda que de origens diferentes, uns espanhóis, outros franceses… nos anos 1920 estavam todos residindo em Paris, e eram parceiros de arte e de copo, vivam pelo cafés e bares parisienses tomando conhaque e falando sobre sabe-se lá o quê. Nessa época Paris era o centro do mundo. Todo mundo ia pra lá. Inclusive, talvez você se lembre que eu já te contei aqui que a Tarsila do Amaral convivia com essa turma em Paris e foi também influenciada por eles, trazendo pro Brasil uma arte moderna e caótica que teria seu ápice com a publicação do nosso amado Manifesto Antropofágico!

Olha que loucura! Os surrealistas revolucionaram a porra toda, porque, à partir deles, outros artistas se sentiram livres para criar suas próprias paradas inspirados por essa visão de mundo véio sem porteira. Os escritores da geração beat são filhos diretos de Artaud, Aragon e Prévert, escrevendo num ritmo frenético, se preocupando mais com o ritmo do que com a estética e gramática. Nas artes plásticas Eduardo Paolozzi, Laurence Alloway, Reyner Banham, Smithson e Richard Hamilton pegaram  a estética surrealista  e a iconoclastia da indústria cultural para criar a Pop Art! Dá até pra gente ir longe e dizer que a concepção de uma arte sem limites e cheia de ruídos possa ter influenciado indiretamente o rock de vanguarda de bandas como Sonic Youth, Devo e Jesus & Mary Chain. Essa parte das bandas pode ser viagem minha, certamente é viagem minha, convenhamos. Mas meio que faz sentido, e já que estamos sendo surrealistas aqui, vou manter no texto.

Pois então…
Vai viver, cara! Pega esses padrões que estão aí e coloca na gaveta, no lugar das tuas camisetas! Deixe que as tuas camisetas falem com você! A Strip Me te ajuda nessa libertação! Da VHS ao meme, do jazz ao punk, do Michelangelo ao grafite! Vai viver, cara!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist cheia de som doido! Hoje é surrealismo! O gerente ficou maluco! Top 10 tracks sem pé nem cabeça.

Para assistir: Esse rolê toda da Paris da década de 1920, você confere no divertidíssimo filme Meia Noite em Paris (original: Midnight in Paris), do Woody Allen e lançado em 2011. Vale a pena demais assistir. Além de rolar a treta de viagem no tempo e tal, aparecem vários dos artistas citados aqui neste texto. E tá facinho de ver. Tem no catálogo da Amazon Prime Video.

Para ler: Cara, se você gosta de ler e quer pirar lendo uma parada nova, com uma linguagem totalmente diferente, dificilmente você vai encontrar algo mais impressionante do que os livros do Guimarães Rosa. Recomendo deste mestre o ótimo Tutameia  – Terceiras Estórias, lançado em 1967. É um livro de contos curtos e fantásticos!

Adicionar um comentário


Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.