Soy Loco Por Ti, Tropicália!

Soy Loco Por Ti, Tropicália!

Você sabe que o mundo moderno só começou pra valer em 1967, né? Pelo menos pra cultura pop, isso é indiscutível! Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, The Velvet Underground & Nico, do Velvet Underground, e Piper at Gates of Dawn, do Pink Floyd, foram lançados, Belle de jour, de Luis Buñuel, A Primeira Noite de Um Homem, de Mike Nichols e Week End, do Jean Luc Godard, estreiam nos cinemas, Gabriel Garcia Márquez lança o clássico livro Cem Anos de Solidão, enfim, a lista é longa de tanta coisa boa que saiu neste icônico ano. E o mais importante disso tudo é que o Brasil não ficou atrás. Por aqui também se produziu muito. Na verdade foi em 1967 que nasceu um movimento artístico que acabaria influenciando muita gente o mundo todo!

Capa do disco Tropicalia ou Panis et Circenses (1968)

Em abril de 1967 é apresentada uma obra muito marcante no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, fazendo parte da mostra Nova Objetividade Brasileira. Trata-se de uma espécie de cenário, um ambiente labiríntico com areia no chão, representações de plantas, araras, pôsters e uma televisão. O autor da obra é Hélio Oiticica, pintor, escultor e cenógrafo. A obra em questão chamava-se Tropicália. O jovem compositor baiano Caetano Veloso ficou impactado com a obra, passou a usar a palavra tropicália para designar certas brasilidades e a usou como título de uma de suas canções. Enquanto isso, na cidade de São Paulo, a banda O’Seis era rebatizada com o nome Os Mutantes, nome sugerido por Ronnie Von aos seus amigos Arnaldo e Sérgio Baptista e Rita Lee, todos eles beatlemaníacos. Ao mesmo tempo, na Bahia, Tom Zé se preparava para se mudar para São Paulo, onde daria início a sua carreira musical, influenciado por Jackson do Pandeiro e poesia concretista. Estava tudo pronto. Era só juntar as peças.

Tropicália – Hélio Oiticica (1967)

Essas e outras peças se juntaram de vários formas: místicas, por pura amizade, por afinidade musical, por interesse financeiro, ou porque alguém falou “putz, tem um amigo meu que tem uma erva hidropônica incrível! Vou ligar pra ele.”. O Tropicalismo, ou simplesmente Tropicália, sem querer acabou se tornando um movimento cultural que engloba a produção de várias obras, extrapolando a produção musical, que conseguiam sintetizar a identidade brasileira com elementos da cultura pop de vanguarda que rolava mundo afora, em especial na Inglaterra, França e Itália. Glauber Rocha encabeçava o cinema novo e lançava o emblemático Terra em Transe, artistas como o já citado Oiticica explorava o surrealismo e a pop art, Rubem Fonseca lançava o ousado Lúcia McCartney, livro de contos de narrativa rápida, coloquial, um jornalismo gonzo ficcional. E a música, que era a trilha sonora de tantas cores e linguagens. Uma mistura fina de psicodelia, rock ‘n roll, bossa nova, e orquestrações.

Capa do disco Caetano Veloso (1968)

E é mesmo na música que dá pra perceber a grandeza dos tropicalistas. O segundo disco de Caetano Veloso, lançado em 1968, é super inspirado, com clássicos como Alegria Alegria, Superbacana e Soy Loco Por Ti America. A obra inteira dos Mutantes é invejável e influente até hoje no Brasil e no exterior. Grande Liquidação, Estudando o Samba e Todos os Olhos são discos geniais de Tom Zé. Sem falar no excelente disco coletivo Tropicália ou Panis et Circenses, uma obra irretocável, um disco fundamental que reuniu Gilberto Gil, Caetano Veloso, os Mutantes, Tom Zé e Nara Leão, tudo sob a batuta inventiva de Rogério Duprat, um maestro inquieto que teve aulas com Stockhausen na Alemanha, onde, por acaso foi colega de classe de Frank Zappa. E houveram vários outros artistas que não eram parte dessa turminha descolada do Gil e Caetano, mas que bebiam da mesma fonte e produziram grandes obras genuinamente tropicalistas, como os Novos Baianos, Jorge Ben e, em especial, o Ronnie Von, que provavelmente foi um dos artistas mais inventivos  e defensor da psicodelia. Seus álbuns de 1968 e 1970 são antológicos. Então, quando você vir aquele tiozinho na televisão tomando vinhos caros, comendo risoto e falando sobre como combinar a gravata com o sapato, lembre-se que esse cara já fez muita loucura nessa vida.

Capa do disco Ronnie Von (1968)

O legado do tropicalismo é imenso. Pra começar, foi influência direta para o Chico Science e o Fred Zero Quatro e a concepção do manguebeat. No sul do Brasil, a psicodelia também correu solta e fez com que surgissem bandas como Graforréia Xilarmônica e o maluco Júpiter Maçã.  Na gringa artistas como Beck, Devendra Banhart e David Byrne confessaram sua admiração por artistas como Mutantes e Tom Zé. Mas como eu comecei este texto citando o Sgt Pepper’s… vou terminar contando como foi o encontro entre o Sérgio Dias, guitarrista dos Mutantes com o Sean Lennon, filho do John. O Sérgio Dias conta que quando os dois se encontraram, o Sean rasgou mil elogios à obra dos Mutantes, tão inventiva, tão envolvente, com melodias tão bonitas, numa roupagem rock brilhante… e por fim perguntou a ele de onde vinha tanta inspiração para criar aquilo tudo. O Sérgio sorriu e disse pro Sean: “Sabe a banda do teu pai? Então…”

Capa do disco Jardim Elétrico (1971)

Vai fundo!

Para ouvir:  Uma playlist tropicalmente quente tá te esperando no Spotify com 10 tracks deliciosas representando o tropicalismo.

Para assistir: Eu podia te recomendar algum filme cabeça do Glauber Rocha e tal… mas prefiro pegar leve e te recomendar a divertidíssima animação Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock n’ roll. Filme dirigido pelo Otto Guera com roteiro e desenhos do mestre Angeli. Este filme é o supra sumo do legado da tropicália! Humor, psicodelia e uma trilha sonora fantástica!

Para ler: Apesar de não versar exclusivamente sobra a tropicália, a autobiografia da Rita Lee é um livro saborosíssimo! Conta de forma bem particular sobre a produção musical da época sem tabus ou nostalgia exacerbada. Uma leitura mega recomendada pra quem seinteressa por música de maneira geral.

Menos é Mais!

Menos é Mais!

Está tudo conectado, cara! Não, não estou falando da internet! Estou falando da vida, do mundo, e até mesmo deste blog! Aqui você já leu sobre a geração beat que mudou a literatura, sobre a Pop Art que revolucionou a cultura pop, já leu sobre as delícias de se entregar a uma estrada e viver experiências incríveis, tudo isso relacionado aos conceitos que você carrega na mente e no peito, através das nossas camisetas.

Donald Judd – Joe Fig (2020)

O minimalismo tem tudo a ver com esse lance de tudo estar conectado. Afinal, ele começou como um movimento artístico paralelo à Pop Art, nos anos 1950, mas acabou se tornando uma filosofia de vida, que influencia a moda, a arquitetura, comportamentos de consumo e hábitos de saúde. Como o próprio nome sugere, o minimalismo vai contra os exageros, mostrando  que com o mínimo de cores, de elementos, de produtos… é possível criar lindas obras de arte, ter espaços funcionais e confortáveis e uma vida feliz e equilibrada.

Lines from Points to Points
Sol LeWitt (1975)

Na arte, o minimalismo tem como principais nomes Sol LeWitt, Frank Stella, Donald Judd e Robert Smithson, todos artistas norte americanos que abriram caminho para a Pop Art. Afinal, a arte minimalista é pautada pelo uso de cores fortes e figuras geométricas, buscando a essência das coisas. A grande diferença do minimalismo em relação à Pop Art é que a maior parte das obras são abstratas e muito subjetivas. A linearidade e simplicidade das obras minimalistas influenciaram muito a arquitetura, que passou a valorizar espaços amplos e linhas retas e simétricas. O holandês Gerrit Rietveld foi um dos arquitetos mais influentes do começo do século XX. Foi uma das cabeças por trás do De Stijl, movimento artístico europeu, e precursor da arquitetura minimalista.

Black Adder – Frank Stella (1968)

E uma coisa puxa a outra. Começou nas artes plásticas, depois foi para a arquitetura. A arquitetura já trouxe em sua linguagem o conceito estético aliado a funções práticas. Ou seja, com linhas retas, cômodos amplos, sem muitos móveis, o ambiente fica naturalmente mais iluminado e com maior espaço de circulação, transmitindo tranquilidade, conforto e… liberdade! O pensamento minimalista propõe o apreço ao que nos é essencial. Assim como na arquitetura, ter espaços livres em nossas vidas, onde cada um possa se dedicar a si mesmo, seja meditando, tocando um instrumento musical, lendo um livro… não se prender ao consumismo compulsivo, não trabalhar obsessivamente, mas sim fazer viagens, conhecer pessoas e se conectar com tudo que lhe pareça positivo.

Polygons – Frank Stella (1974)

E olha que a gente está só arranhando a superfície aqui. Porque o conceito minimalista foi adaptado em todas as áreas. Na música existem eruditos como Phillip Glass, que incorporou o minimalismo em melodias simples, mesmo usando orquestrações, bem como o duo White Stripes, que tem toda uma linguagem minimalista, desde sua formação (guitarra e bateria) até a estética de seus discos, usando majoritariamente duas cores, inclusive, um dos melhores discos da dupla se chama De Stijl! Tá vendo? Tudo conectado, cara! Também tem escritores considerados minimalistas, que se fazem valer de palavras mais simples e uma estética mais apurada na impressão de suas obras. Esses autores estão mais vinculados à poesia concreta, como E. E. Cummings, Ezra Pound e os brasileiros Augusto de Campos e Décio Pignatari. Também tem o minimalismo na moda, que propõe o uso de roupas mais confortáveis, com estampas discretas, ou nenhuma estampa, e cores mais sóbrias, porém, nada imposto, mas sim proposto, entendendo que quem sabe o que é melhor para você é você mesmo. E ainda tem alimentação, yoga, tatuagens… o minimalismo está em tudo!

Double Nonsite – Robert Smithson (1968)

Então é isso. Já deu pra sacar que o minimalismo é liberdade! Sinta-se livre para usar e abusar dele. Você pode começar agora mesmo dando uma olhada nas nossas camisetas minimalistas. Que tal?

VAI FUNDO!

Para ouvir: Sempre presente nossa playlist com 10 tracks especialíssimas. Aqui temos um Top 10 de canções que trazem o minimalismo em seu DNA, seja na melodia, seja na estética dos discos.

Para assistir: The White Stripes Under Great White Northern Lights é um filme imperdível! Retrata a tour da dupla pelo Canadá com apresentações explosivas ao vivo e alguns depoimentos bem interessantes.

Para ler: Para quem curte poesia, o livro 2 ou + corpos no mesmo espaço (o título é assim mesmo, tudo em minúsculas… minimalismo, né) é muito saboroso! Do poeta e músico Arnaldo Antunes, este livro traz o olhar moderno e sensível do autor sobre uma época de muitas mudanças no mundo. Livro lançado pela editora Perspectiva em 1997.

Volta a fita.

Volta a fita.

O que é a morte, se não o maior mistério da vida? O que é o tempo, se não um persistente, e por vezes perverso, professor? Mas calma, que não vamos seguir nessa linha tão filosófica e existencial. Apesar de vida, morte e tempo, serem pontos essenciais na nossa conversa de hoje. Afinal, o que faz com que mídias como o vinil, a fita cassete (a.k.a. K7), fitas de vídeo VHS e até mesmo câmeras fotográficas de filme e máquinas de escrever, venham ganhando espaço entre jovens e adultos de hoje?

Como cada caso é um caso, hoje vamos focar nas fitas cassete e VHS, e mais pra frente, em outros textos, nos dedicamos ao vinil, que tem uma história bem particular, à máquina de escrever, câmeras fotográficas e etc. A primeira coisa a ser dita sobre as fitas, é que estamos diante de uma verdadeira ressureição.

photo by: flashback80s.blogspot.com/

Ao longo dos últimos 25 anos, as fitas K7 e VHS foram dadas como mortas. No fim dos anos 90, começaram a surgir os CDs graváveis. Eram incríveis 700Mb que você podia entupir com suas mp3 favoritas para reproduzir no computador, ou ainda “queimar” o CD com músicas no formato wav. Que poderiam ser reproduzidas em qualquer CD player. Morria ali a fita K7, onde cabiam menos músicas, o processo de gravação era mais demorado, pular de uma faixa para outra não era tão fácil, a fita tinha vida útil limitada, podia mofar, ser acidentalmente mastigada por algum deck tape ruim… Os mesmos problemas acometiam a VHS. O alvorecer do século XXI trouxe a popularização do DVD. Era o fim das multas das vídeo locadoras por não devolver um filme rebobinado. Parecia ser um fim permanente, a morte das fitas.

Photo by: altpress.com

Mas o descanso eterno dessas mídias começou a ser perturbado há cerca de cinco anos, mais ou menos. Foi ficando cada vez mais popular, em aplicativos como o Instagram, o uso de filtros retrô, ou vintage, em vídeos, emulando os desgastes da velha fita VHS, ruídos visuais como chuviscos e imagem tremida viraram febre. Enquanto isso, em 2014, o filme Guardiões da Galáxia surpreendeu a todos com um roteiro divertidíssimo, excelentes efeitos visuais e, principalmente, uma trilha sonora arrebatadora, baseada na fita K7 que o protagonista do filme ouve ao longo de toda a trama em seu walkman. Aliás, a trilha sonora do filme foi lançada em fita K7! Em edição limitada, claro, custando uma fortuna. Foi o pontapé inicial para quem tinha mais de trinta anos, ir procurar aquela caixa de sapato cheia de fitas embaixo da cama, e para quem tinha vinte e poucos anos correr sebos, antiquários e lojas especializadas em música atrás de fitas, walkmans, e toca fitas em bom estado.

Photo by: b937.radio.com

Essa onda nostálgica fez com que lojas de discos, barbearias e até bares com essa pegada old school descolasse um videocassete e uma tv para reproduzir filmes, coletâneas de clipes e etc, para entreter seus clientes. E tem um pessoal que levou essa prática pra casa, não necessariamente substituindo as plataformas de streaming ou o blu-ray player, mas adicionando o videocassete como uma terceira opção de reprodução de vídeo. O revival do VHS é real, mas é pequeno comparado com a fita K7.

Photo by: tonedeaf.thebrag.com

As lojas especializadas em música que estavam confortavelmente vendendo discos de vinil a preço de ouro, em pouco tempo tiveram que se mexer pra disponibilizar para seus clientes opções também em K7. E não estamos falando só de coisa velha não! As fitas K7 voltaram a ser fabricadas e tem artistas atuais lançando seus discos neste formato, caso, por exemplo, dos Arctic Monkeys na gringa e do Planet Hemp por aqui.

Photo by: Simon Turner/Alamy

Enfim, parece que as fitas voltaram dos mortos e vão ficar por aqui por um bom tempo. Seja pela nostalgia dos mais velhos ou pela experiência sensorial dos mais novos, de ter a caixinha de plástico com a capinha, poder, de fato, ver a mídia sendo reproduzida, apertar botões… Então vai lá dar uma olhada embaixo das camas aí na sua casa, no porão, naquelas coisas velhas encaixotadas… de repente, você acha umas fitinhas legais lá. E se você não tiver onde reproduzi-las, você pode usar como artigo de decoração hipster no teu quarto, ou quem sabe até, você pode fazer um chá…

Photo by: chrisinboston.wordpress.com

VAI FUNDO!

Para ouvir: Nossa tradicional playlist tá lá no Spotify, com 10 faixas matadoras que entrariam facilmente em qualquer mixtape dos anos 80.

Para assistir: O filme citado no texto vale a pena ser visto, mesmo que você não seja muito fã de super heróis. Guardiões da Galáxia é um filme muito divertido e com uma trilha sonora incrível, que por si, já faz valer a pena conferir o longa. O filme está disponível no catálogo da Amazon Prime Video.

Para ler: Eu ia colocar este título como sugestão de filme, mas me lembrei que o livro é bem mais legal. Alta Fidelidade é uma obra imperdível! O escritor inglês Nick Hornby é imbatível ao contar histórias recheadas de referências pop, musicais em especial. Baseado neste livro, o filme de mesmo nome, com o John Cusak, é muito bom, mas o livro é melhor! E as dicas do personagem principal de como fazer uma mixtape ideal são impagáveis!

Cheers!

Cheers!

Quando alguém com mais de 40 anos de idade diz frases como “No meu tempo de criança o mundo era um lugar melhor.”, não há o que se discutir. Trata-se de uma falácia alimentada pela nostalgia de uma época que não volta mais. Ainda bem. São muitas as coisas que fazem da atualidade um lugar melhor. E para comprovar este ponto de vista, apresento um único e simples exemplo: a cerveja!

Photo by: ViewApart / Getty Images

Dando uma geral na história rapidamente, a cerveja foi descoberta sem querer pelos sumérios aproximadamente 6 mil anos atrás, quando deixaram um líquido a base de cevada fermentar por tempo demais. O líquido alcoólico agradou a turma. Mil anos depois, os egípcios aprimoraram a receita, que foi acompanhando a humanidade ao longo dos séculos. Na idade média, somente membros do clero sabiam ler e escrever. Eles tinham acesso aos hieróglifos egípcios, onde viram algumas receitas da bebida e passaram a produzi-la nos monastérios. Foram os monges que adicionaram o lúpulo para ajudar a conservar a bebida por mais tempo e dar um sabor mais refrescante. Popular na Europa, em especial entre os povos germânicos, foi mais ou menos nessa época que foi instaurada na Baviera a lei de pureza, que muitos seguem até hoje.

Photo by: vinepair.com

Tomar cerveja sempre foi um ato essencialmente social, feito em grupo em celebrações. Hoje não é diferente. Não existe lugar como a mesa do bar, onde grupos se juntam ali em volta, sempre acompanhados de garrafas de cerveja, para rir, chorar, resolver conflitos, problemas econômicos, escalações de times de futebol, discutir listas de discos favoritos, comemorar aniversários, jogar truco, falar mal dos outros e, eventualmente, comer um torresminho. E não é só no bar.  A cerveja está presente em quase todo momento em que haja uma confraternização, comemoração ou uma simples reuniãozinha informal entre amigos para relaxar.

Photo by: Shutterstock

Mas cerveja, juntar a turma no bar, rir, falar abobrinha, comer torresmo… são coisas que sempre existiram, é verdade. O que faz da cerveja um ótimo exemplo de que vivemos numa época melhor que outrora é justamente tudo o que sabemos sobre ela hoje. O Brasil sempre foi um grande consumidor de cerveja, mas só dos anos 90 pra cá que começamos a falar sobre qualidade, conhecer os diferentes tipos de cerveja e começaram a pintar as primeiras microcervejarias artesanais, isso tudo possível devido à valorização do real na época. Com o dólar muito barato, tivemos mais acesso a produtos importados, tanto cervejas gringas começaram a pipocar aqui, como as máquinas e insumos necessários para a fabricação também ficaram mais acessíveis.

Photo by: brewdog.com

Atualmente, com a internet e todo tipo de informação disponível, não só sabemos as diferenças entre uma IPA, uma stout, uma pale ale, uma pilsen, como também ficamos por dentro das harmonizações, tipo uma cerveja de trigo acompanhando um peixe, uma red ale acompanhando uma carne de porco mais condimentada e por aí vai. Ou seja, aquele almoço em família, reunir a turma no bar ou fazer um churrasco ficou muito mais gostoso, pois você tem à mão toda a informação que precisa, pode comprar sua marca de cerveja favorita pela internet, caso seja um rótulo difícil de achar em supermercados, pode pesquisar as melhores harmonizações, sem falar que com essa popularização de cervejas premium e artesanais, temos muito mais variedade de rótulos hoje do que em qualquer tempo do passado.

Então, já sabe. Se alguém vier com esse papo de “no meu tempo era melhor”, é só chamar a pessoa pra tomar uma e colocar essa conversa em dia.

Photo by: Shutterstock

VAI FUNDO!

Para ouvir: Claro que temos uma playlist temática sobre cerveja, com 10 tracks empolgantes pra animar aquela cervejada com a turma.

Para assistir: Vale A pena conferir o filme Jogada de Mestre (título original: Kidnapping Mr. Heineken). Como sugere o nome em inglês, o longa retrata o espetaculoso sequestro do dono da cervejaria Heineken nos anos oitenta. Dirigido por Daniel Alfredson e lançado em 2015, não é um filme difícil de achar entre as plataformas de streaming por aí.

Para ler: Para quem curte cerveja, o livro Larousse da cerveja: A história e as curiosidades de uma das bebidas mais populares do mundo é uma obra indispensável. O autor, Ronaldo Morado, é especialista no assunto, foi dono da cervejaria Colorado e hoje dá consultoria empresarial no ramo.

It’s Alive!

It’s Alive!

Quem curte música e costuma ir em shows com certeza vai se identificar com este relato. Eu, Paulo, além de redator, com quase 40 anos de idade, sou músico de fim de semana, costumo tocar com a minha banda por aí e tal, já vivi muita coisa. E posso te afirmar sem medo de errar que uma das experiências mais marcantes da minha vida relacionada á música, foi o primeiro show da banda Pearl Jam no Brasil, em dezembro de 2005. No fim de 2020 este evento completo 15 anos. É um tempo considerável, mas olhando friamente, só uma ou outra coisa mudou drasticamente. Pra começar, meu ingresso foi comprado pessoalmente na bilheteria do estádio do Pacaembu. Já rolavam vendas online, mas tinha várias restrições, não era toda bandeira de cartão de crédito que era aceita e cartão de crédito era a única forma de pagamento aceita online. Outra diferença gritante é que não tinha ninguém, fosse na fila durante o dia, fosse durante o show, com celular na mão, tirando selfie, conferindo redes sociais e etc. Os telefones celulares já eram populares na época, mas não eram smartphones, não tinham internet, câmera e etc.

Pearl Jam, Brasil 2005 – Photo by: Getty Image

9 anos depois a experiência já foi outra quando resolvi assistir o Soundgarden no Lollapalooza de 2014, também em São Paulo. Comprei meu ingresso pela internet, na compra do ingresso também já comprei uma vaga de estacionamento, não tinha filas pra entrar no espaço (tudo bem que cheguei lá os shows do dia já tinham começado) e tava todo mundo com celular na mão postando selfies, filmando os shows e etc. E o show do Soundgarden foi arrasador, um dos melhores que já presenciei.

Soundgarden Lollapalooza 2014 – Photo by: Buda Mendes

E agora cá estamos, em 2020. Uma pandemia acabou com a alegria de quem curte  se enfiar no meio de uma multidão para ficar cara a cara com um artista ou uma banda, pirar com as músicas, cantar junto, pular e, eventualmente, até abraçar desconhecidos em frenesi ao cantar aquele refrão. Ainda que apareça a tão esperada vacina, será que daqui pra frente tais eventos vão voltar a ser como eram?

Photo by: Shutterstock

No dia 11 de agosto deste ano, no Virgin Money Arena Unit, em Newcastle, Inglaterra, Sam Fender fez um show para 2.500 pessoas divididas em 500 plataformas separadas por dois metros de distância. Tudo foi pensado para evitar aglomerações. Você compra seu ingresso pela internet, junto já compra seu pacote de comida e bebida que desejar, que será entregue em sua plataforma antes do show começar, o estacionamento e a entrada na arena para acessar as plataformas também foram pensado para que não hajam filas ou aglomerações e haviam em todas as plataformas, bem como nas dezenas de banheiros tubos de álcool em gel. O preço do ingresso? 32,50 libras (cerca de 230 reais) por pessoa, com mais uma taxa de 20 libras (cerca 141 reais) por plataforma. Cada plataforma suporta 5 pessoas confortavelmente e a taxa da plataforma é individual, e não por grupo de 5.

Photo by: The Belfast Telegraph Archive

Outra tendência são os shows no estilo drive in. Ou seja, você vê o show de dentro do seu carro. Aqui no Brasil já rolaram alguns shows assim. Aparentemente teve aceitação, mas eu acredito que a turma só comprou a briga porque é o que tem pra hoje, o famoso melhor que nada, não tem tu, vai tu mesmo. Porque ir pra uma arena ficar olhando pro palco de dentro do carro, o som que você ouve não é o som direto do palco, com energia. O som do palco é transmitido por bleutooth e você vai ouvir pelo sistema de som do seu carro. Não tem PAs, som alto, adrenalina. Enfim, um puta negócio sem graça. Melhor pegar na internet um show gravado em HD da sua banda favorita, se esparramar no sofá e assistir na televisão.

Photo By: Lukas Kabon/Anadolu Agency

Da virada do século XXI pra cá, nós vivemos uma evolução em termos de entretenimento, shows e grandes festivais. Muita coisa mudou desde o Woodstock de 1969. Nos festivais de hoje a música não é mais a protagonista, é uma das diversas atrações oferecidas entre espaços temáticos de meditação, rodas gigantes, espaços de gastronomia, lojinhas de moda, badulaques e discos, palestras … enfim. São eventos desenvolvidos para proporcionar experiências de vida, interação humana, transcendência, diversão, conscientização.

Sunset during Coachella 2014 – Photo by: Alan Paone.

O futuro dos shows e grandes festivais é incerto. Vamos torcer para que eles possam renascer e continuar nos proporcionando momentos inesquecíveis, como foram para mim aquele Pearl Jam em 2005 e o Soundgarden em 2014.

Photo by: Andrew Southam

VAI FUNDO!

Para ouvir: Selecionamos em uma playlist caprichada com 10 tracks ao vivo de arrebentar!

Para assistir: Para entender como tudo começou, vale muito a pena ver o documentário Woodstock – 3 Dias de Paz, Amor  e Música. Lançado em 1970 e dirigido por Michael Wadleigh, este filme mostra toda a organização do festival e as principais apresentações dos 3 dias de shows, entre eles The Who, Joe Cocker, Janis Joplin, Jimi Hendrix

Para ler: Apesar de não ter sido lançado no Brasil, vou recomendar um livro muito bom. All Access: The Rock Photography Of Ken Regan. Ken Regan fotografou boa parte dos grandes nomes do rock n’ roll no palco. De Bob Dylan a Madonna. São fotos incríveis com ótimos comentários do autor. Não é um livro fácil de achar, mas vale a pena procurar.

Pista Livre

Pista Livre

Uma estrada sem fim, que vai se estreitando até o horizonte, um céu mesclado de azul, laranja e amarelo, que pode ser uma alvorada ou um entardecer, dos dois lados da estrada planícies de mato e rochas. Nenhum sinal de civilização, nenhum outro carro na pista, só o seu. Enquanto pisa no acelerador e contempla o céu, o vidro aberto deixa entrar um revigorante sopro de ar fresco. Você aumenta o volume e canta junto com Mick Jagger: “I’ll never be your beast of burden, I’ve walked for miles my feet are hurting”. O conjunto dessas imagens e sensações é chamado de Liberdade.

Photo by Maizal Najmi (2017)

Road trips fazem tão bem que deveriam ser receitadas por médicos periodicamente, como tratamento preventivo contra o stress e problemas cardíacos! Road trips deveriam ser um direito básico de todo ser humano. Tais viagens deveriam ser incentivadas e cada vez mais celebradas. As road trips são um patrimônio da humanidade. Se você ainda não experimentou uma viagem assim, se prepara. Vou te dar algumas dicas aqui.

Photo by Dominika Roseclay (2018)

Primeiro você decide se quer fazer essa viagem sozinho, com sua namorada, seu namorado, par romântico, crush, com sua esposa, ou marido, e filhos ou com alguns velhos amigos. Se você for sozinho, uma playlist bem elaborada é a coisa mais importante, a música será sua melhor amiga, é com ela que você vai conversar durante todo o trajeto. Viajar sozinho é o único caso em que o destino não importa. Você para onde quiser e quando quiser. A estrada também pode ser o cenário para grandes romances. Viajar com a namorada é uma ótima oportunidade de estreitar laços, curtir a companhia um do outro, parar no meio do caminho para curtir paisagens e por aí vai. O mesmo vale para a família. Uma road trip é uma ótima oportunidade para mostrar para o seu filho que não existem limites a serem conquistados neste mundo. Tudo é possível. Já uma viagem com velhos amigos… bom, a única garantia é que tudo pode acontecer.

Photo by Roman Odintsov (2019)

Estamos acostumados a ver nos filmes as longas viagens pelos platôs e cânions ressecados norte americanos, a eterna busca do oeste pela rota 66. Mas te garanto que na Améria do Sul você encontra estradas, caminhos, paisagens e destinos tão empolgantes e incríveis quanto os de Hollywood. Claro que você vai passar por algumas estradas esburacadas, mas vai valer a pena. Pode ser por caminhos litorâneos quentes e sedutores, os caminhos belos e montanhosos de Minas Gerais, os caminhos selvagens pelo Mato Grosso que te levam até os mistérios da Bolívia ou Colômbia, ou ainda o épico e deslumbrante trajeto dos antigos bandeirantes seguindo pelas serras catarinense e gaúcha até os desertos gelados da Argentina.

Photo by Simon Matzinger (2013)

O mundo e os valores da sociedade estão mudando, cara! Ainda bem! Você não precisa ter uma casa grande, uma carreira profissional quadradinha num escritório. Você precisa é viver! Ter experiências! Para isso, você só precisa de um bom carro, que pode ser seu ou simplesmente alugado, uma longa e seleta playlist musical, uma garrafinha térmica de café, muita água, alguns sanduíches ou salgadinhos, umas frutas e uma estrada que te encante e desafie. Ponha esse pé na estrada e vai viver!

Photo by Nick Bondarev (2018)

VAI FUNDO!

Para ouvir: Lógico que a gente tem uma playlist com 10 tracks para te inspirar a pegar a estrada! Confere lá!

Para assistir: Existem dezenas de grandes filmes que envolvem estradas e viagens. Assassinos Por Natureza, Thelma & Louise, Easy Rider, Pequena Miss Sunshine… mas a minha dica aqui é o maravilhoso Um Mundo Perfeito, dirigido por Clint Eastwood, protagonizado por Kevin Costner e lançado em 1993. Dá pra ver ele completinho no YouTube na faixa.

Para ler: Já falamos aqui sobre a Beat Generation, eu sei. Mas não dá pra falar de road trip e não citar, recomendar e exaltar o fundamental livro On The Road, obra máxima de Jack Kerouac. Uma verdadeira bíblia para quem quer passar um bom tempo na estrada.

Para ver: A fotógrafa Joanna Proffitt rodou os Estados Unidos um ano atrás com sua exposição “An Arizona Road Trip”, com fotos incríveis de cânions e desertos beirando as estradas do sul e oeste dos Estados Unidos. Boa parte destas imagens estão disponíveis no site da fotógrafa, na seção “Landscape”. Dá uma olhada.

10 cortes de cabelo masculino para 2019

10 cortes de cabelo masculino para 2019

Uma das formas mais fáceis de renovar o visual é escolhendo um novo corte de cabelo. Ele dá o “molde” ao rosto, ressalta o seu estilo e reforça seus traços.

Além de ser muito eficaz, tanto para passar aquela boa impressão no ambiente de trabalho quanto na hora da paquera. Então, listamos 10

Uma das formas mais fáceis de renovar o visual é escolhendo um novo corte de cabelo. Ele dá o “molde” ao rosto, ressalta o seu estilo e reforça seus traços.

Além de ser muito eficaz, tanto para passar aquela boa impressão no ambiente de trabalho quanto na hora da paquera. Então, listamos 10 cortes de cabelo masculino para 2019!

1. New Pompadour

Esse corte é basicamente uma atualização do topete clássico, só que menos certinho. Tem mais movimento e textura no topo. Resumindo, ele fica parecendo uma “bagunça organizada”.

2.  Crew Cut

Aqui, apara-se o topo do cabelo com a tesoura, enquanto os lados são raspados. Um dos pontos fortes é que é extremamente fácil manter esse corte. E o melhor: você pode deixar os cabelos em ordem em cinco minutos, antes de sair de casa.

3. Top Dreads

Estamos falando de um dos estilos de cabelo mais tradicionais já usados: os dreads. Neste caso, uma modernização deles. Os lados são raspados e os pequenos dreads, no topo, ficam jogados pra trás, numa queda sutil.

4. Shoulder Length

Nos cortes de cabelo masculino para 2019 não poderia faltar uma opção para cabelos compridos. Pode deixar que o cabelo cresça até o ombro, fazendo um volume considerável. Você o jogará todo para um dos lados. Fica como se fosse uma franja comprida.

5. Classic Side Part

Eis outro corte clássico reinventado. A parte de cima do cabelo fica alta e você penteia para trás e para o lado ao mesmo tempo. Nos lados, quem fizer seu corte poderá aparar ou, simplesmente, raspar. Fica ao seu critério!

6. Buzz Cut

Se você não tem muita paciência para ficar arrumando o cabelo sempre que for sair, esse corte é ótimo. Ah! E o buzz cut está na moda! Trata-se, nada mais, nada menos, que os cabelos convencionalmente raspados. O look fica bem masculino com esse corte.

7. Curly Undercut

Uma ótima alternativa se você tem os cabelos cacheados é o curly undercut. Aqui, os lados ficam cortados bem baixos; e a parte de cima alta. Quando for arrumá-los, dá para fazer com que fiquem bem bagunçados, quando quiser descontração.

8. Degradês

A moda do degradê veio com força nos cortes de cabelo masculino para 2019. A lateral, nesse caso, fica bem baixa. O degradê vai no comprimento dos cabelos de baixo para cima. Combine o corte com alguns dos outros looks que listamos.

9. Ive League

Esse corte é uma referência ao visual da década de cinquenta. Aqui, ele vem de forma renovada, tendo os lados bem baixos e a parte de cima em maior comprimento. Os cabelos do topo devem ser penteados para o lado.

10. New pompadour e franja

A manutenção desse corte não é tão simples como nos outros que citamos aqui. Trata-se de um tipo de topete, porém caído para o lado. É parecido com o pompadour, mas com o acréscimo da franja.

E aí, já escolheu qual será seu novo look? Alguns dos mais estilosos cortes de cabelo masculino para 2019 pedem mais cuidado que outros. Mas vale a pena gastar uns minutinhos a mais para ficar na moda e apresentar um visual totalmente novo. Use e abuse da criatividade ao adaptar cada um deles ao seu tipo de cabelo e seu estilo!

Esperamos que tenha curtido nossa seleção para renovar seu estilo e causar uma ótima impressão. Fique sempre por dentro de nossas dicas! Cadastre-se na nossa newsletter e não perca nenhuma delas.

10 fatos que você (talvez) não saiba sobre a NASA

10 fatos que você (talvez) não saiba sobre a NASA

Por André Cardoso

1.

A NASA (National Aeronautics and Space Administration) foi criada pelo presidente Dwight Eisenhower em 1958 como resposta ao lançamento do SPUTNIK (o primeiro satélite artificial) pelos soviéticos em 1957, que daria início a chamada Corrida Espacial.

2.

A NASA possui dois satélites de codinome “Tom & Jerry”. A trajetória das órbitas deles faz com que um esteja atrás do outro numa eterna perseguição.

3.

Um NAZI na NASA. O engenheiro alemão Wernher von Braun projetava armas para a Alemanha Nazista. O foguete V2 foi a arma mais notória projetada por ele. Após o término da Segunda Guerra Mundial, Von Braun teve seus crimes perdoados em troca da prestação de serviços para os EUA. Ele foi encarregado de chefiar o projeto espacial americano. Pode-se dizer que homem chegou à Lua com tecnologia nazista.

4.

Duas cópias do VOYAGER GOLDEN RECORD foram lançadas junto às sondas espaciais Voyager 1 e 2 em 1977. Os discos de ouro foram projetados para durar bilhões de anos na esperança de serem um dia encontrados por uma civilização alienígena. A gravação contem sons variados de animais e da natureza. Contém saudações em diversos idiomas e músicas de diversos lugares e épocas. A seleção de músicas vai de Mozart a Chuck Berry, incluindo canções de povos indígenas, de forma a representar a espécie humana como um todo. Você pode ouvir as faixas do disco neste link:

5.

Como parte do treinamento de sua equipe de funcionários, a NASA exibe o filme “Armagedom” e pede para os treineiros identificarem o maior número possível de imprecisões científicas. ♫ I could stay awake just to hear you breathing

6.

A NASA paga 18 mil Dólares para pessoas ficarem deitadas numa cama por 70 dias. Isso é feito para estudar os efeitos advindos de um longo período sem usar os músculos para sustentar o peso do corpo. E aí? Você é do tipo que adoraria ganhar dinheiro para ficar deitado assistindo séries e filmes? Deixo aqui outra pergunta: Será que nos são fornecidos os tais travesseiros da NASA?

7.

A espuma viscoelástica do chamado travesseiro da NASA foi inventada nos anos 1960 para revestir os assentos dos foguetes espaciais, protegendo, assim, os astronautas das imensas pressões sofridas na coluna durante o lançamento.

8.

Segundo os terraplanistas da Flat Earth Society, a NASA forja imagens e dados para esconder do mundo a “verdade” de que a Terra é plana. Por trás dessa conspiração estariam os seguintes objetivos:

• Esconder a verdade da Bíblia;

• Lucrar bilhões ao receber fundos para viagens espaciais (que são eventos forjados, sobrando, assim, bilhões de Dólares para a elite dirigente da NASA);

• Esconder do restante mundo a existência de recursos valiosos na Antártica, que ficam escondidos atrás de uma muralha gigante de gelo que circula os limites da Terra (um imenso disco plano).

9.

A NASA estabeleceu a meta de colocar seres humanos em Marte em algum momento da década de 2030. Será que poderemos assistir a esse evento em TVs de altíssima definição? Muito provavelmente surgirão teorias da conspiração afirmando que as imagens foram forjadas.

10.

Sex on the Moon. Em 2002, Thad Roberts, um estagiário da NASA de 25 anos, para impressionar uma garota que conhecia há apenas três semanas, roubou pedras lunares de um cofre da NASA. Após o delito, ele foi para um motel, jogou as pedras lunares em cima da cama e fez sexo com a garota em cima das amostras do terreno lunar. Ele foi pego pelo FBI tentando vender as valiosas pedras pela internet. Pegou oito anos de prisão.

Camiseta NASA Strip Me, disponível em www.stripme.com.br 😉



Sobre o autor

André Cardoso tem um enorme interesse por cinema, literatura, música e pelas diferentes ciências. Sempre considerou extremamente suspeito o fato da maioria das pessoas considerar que a maioria das pessoas é ignorante. Essa conta não fecha. Ele espera de coração que ele não faça parte do grupo dos idiotas que julgam que os outros é que são idiotas.

Van Gogh: 6 curiosidades

Van Gogh: 6 curiosidades

Simplesmente um dos pintores mais influentes do século 19, o holandês Vincent Willem Van Gogh morreu em 29 de julho de 1890, com apenas 37 anos de idade, dois dias depois de dar um tiro no próprio peito. A vida toda de Van Gogh foi marcada pela luta contra vários distúrbios mentais que psiquiatras modernos tentam até hoje diagnosticar com base nas mais de 800 cartas que o pintor enviou para amigos e familiares.

Marwan Medhat, projeto “Live Art Project”

Seis curiosidades sobre a vida e obra do Pintor

Van Gogh começou a pintar com 27 anos

Só que, quando começou, não parou nunca mais. Produziu nada menos que 900 obras em menos de 10 anos. Antes da carreira de pintor, tentou a sorte como vendedor de arte, professor e até mesmo como pastor.

Self portrait with Felt Hat, Van Gogh, 1887

Van Gogh vendeu apenas um quadro em vida

Sete meses antes de sua morte, Van Gogh teve um quadro vendido por 400 francos na Bélgica: o The Red Vineyard, ou Vinhedo Vermelho. Um século depois seu quadro mais caro foi vendido por 148,6 milhões de dólares.

The Red Vineyard

Van Gogh morou com uma prostituta

O artista era um cara de muitos amores, em sua maioria, seus affairs eram prostitutas. Sien foi sua favorita, com quem morou e até ajudou nas tarefas domésticas, como cuidar de seu bebê. Ela aparece em vários retratos feitos por Van Gogh.

Van Gogh pintou Noite Estrelada em um manicômio

Um de seus quadros mais conhecidos, Noite Estrelada, foi pintado em um manicômio de Saint-Remy-de-Provence, na França, lá em 1888. Van Gogh se internou voluntariamente após ter cortado a própria orelha.

Van Gogh tem uma história tão sensacional que virou filme

Com Amor, Van Gogh(sim, tá na Netflix), que foi lançado em 2017 e indicado ao Oscar de melhor animação, conta os últimos anos da vida de Van Gogh. É o primeiro filme inteiro em animação com pinturas. Para isso, 125 artistas estudaram a técnica de Van Gogh e criaram mais de 65 mil frames de pintura a óleo para dar vida aos seus quadros.

Claro que a STM faria sua homenagem: T-shirt Van Gogh – STM. Curtiu? Cola na loja online e garante a sua! 😉

Camiseta Van Gogh - STM
Camiseta Van Gogh – STM

Curiosidades sobre O Grito, de Edvard Munch

Curiosidades sobre O Grito, de Edvard Munch

Muito provavelmente Edvard Munch não imaginava que se tornaria o autor de uma das obras de arte mais importantes conhecidas do mundo: o quadro O Grito. A obra, de 1893, é ícone do expressionismo e retrata angústia e desespero.

Quadro O Grito

Algumas curiosidades sobre O Grito

do cult ao pop

Comparada às obras de Leonardo Da Vinci e Van Gogh por sua importância o quadro também ganhou o universo pop. Foi homenageado por revistas, desenhos animados como Os Simpsons e por filmes como a saga “Scream”, ou Pânico no Brasil, onde serial killers usam máscaras com a expressão do personagem do quadro.

Até o gênio Andy Wahrol já homenageou a obra. E a gente não podia ficar de fora: também criamos nossa homenagem: a Camiseta O Grito STM, clica aqui e já garante a sua lá na loja online.

Camiseta O Grito STM
Camiseta O Grito STM, disponível em: 
https://www.stripme.com.br/masculino/camiseta-o-grito

Um quadro, quatro versões

Munch fez quatro versões de O Grito + uma em litografia para a reprodução em jornais. A intenção era ir substituindo as originais conforme elas fossem vendidas. As pinturas foram feitas entre 1893 e 1910, mas muitas cópias foram feitas nos anos seguintes longo dos anos. Veja todas as originais aqui:

Versão mais famosa, pintada no ano de 1893 em óleo e pastel sobre cartão.
Está em exibição na Galeria Nacional de Oslo.
Versão feita a lápis, também de 1893, e também encontra-se na Galeria Nacional de Oslo.
Versão em cartão, de 1910. Podia ser encontrada na Galeria Nacional de Oslo até 2004, quando foi roubada. 
Versão datada de 1895, produzida em pastel sobre cartão. Em maio de 2012 se tornou a pintura mais cara arrematada por US$ 119,9 milhões em um leilão.
Versão em litografia para reprodução em jornais

inspirado em fatos reais

As nuvens alaranjadas da obra de Munch são um pôr do Sol real, registrado no diário do pintor. A inspiração veio de uma tarde em Oslo, capital norueguesa, onde observou as cores quentes no céu.

roubo cara de pau

Uma das versões expostas na Galeria Nacional de Oslo foi roubada em plena luz do dia. Os ladrões ainda deixaram um bilhete dizendo “obrigada pela falta de segurança”. Ela foi recuperada, mas apresentava danos irreparáveis segundo especialistas.

primeira exposição

O Grito foi exposto pela primeira vez em 1903. A obra integrou uma série de seis peças chamada Estudo para uma Série: Amor, em Berlim, cidade alemã. A imagem da angústia e do desespero estampada no quadro encerrava a série. De acordo com Munch, o desespero era “o resultado final do amor”.

UOU!
Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.