Well, whatever… Nevermind.

Well, whatever… Nevermind.

 Um dos vídeos mais famosos do Nirvana é uma filmagem amadora de um show da banda em Dallas numa pequena casa de shows. O show foi um caos, vários problemas técnicos, PAs falhando e etc. Sem falar que o som do Nirvana sempre foi barulhento, abusando de microfonias. Eis que durante a música Love Buzz, na hora do solo de guitarra, Kurt Cobain faz um stage dive com guitarra no lombo e tudo. Ele está lá curtindo, se debatendo em cima da plateia, quando um dos seguranças o puxa de volta para o palco. Mas ele não quer ir, e, no reflexo, enfia a guitarra na testa do tal segurança. Quando Kurt volta ao palco, o segurança com a cabeça sangrando tá full pistola e já chega no soco e na bicuda pra cima dele e o caos se instaura. Nem o mais otimista dos seres humanos que visse este vídeo antes de setembro de 1991 acreditaria que aquela banda seria capaz de desbancar Michael Jackson na lista dos discos mais vendidos do ano.

A música pop produziu os mais variados fenômenos da década de 1950 pra cá. Um branco do sul dos Estados Unidos que misturou country com música negra, 4 moleques de uma cidadezinha portuária da Inglaterra que faziam músicas de amor e aposentaram a fase dos topetes no rock, um inglês que imortalizou sua imagem com um raio na cara e uma música plural e por aí vai. Mas nenhum desses fenômenos foi tão radical quanto a ascensão da banda Nirvana. Por mais que Elvis tenha sido um revolucionário misturando o country dos brancos com o R&B dos negros, o cenário musical estava pronto para isso. Os Beatles foram uma evolução natural daquele movimento que já contava com Buddy Holly e Little Richards. Bowie foi um gênio justamente por saber ler o que havia de melhor na vanguarda da música pop e recriar à sua maneira. Em nenhum desses casos houve ruptura. Com o Nirvana foi diferente.

Photo by: Michael Lavine

Até dá pra dizer que o rock estava em evidência em 1991. Mas era um rock afetado, narcisista. Guns n’ Roses lançava o megalomaníaco Use Your Illusion I e II, U2 se rendia ao pop em Atchung Baby e no front do rock mais pesado, o Metallica se rendia a baladas e mais melodias do que agressividade no clássico Black Album. O punk rock estava esquecido. A música alternativa, que sempre foi efervescente, vale dizer, continuava de boa ali no underground sem incomodar ninguém.  Pra não falar que não rolava rock alternativo no mainstream, o clipe de Losing my Religion, do R.E.M. estava bombando e o Sonic Youth tinha lançado Goo, um disco bem sucedido por uma grande gravadora, um ano antes.

Photo by: Kirk Weedle

Aliás, foi por causa do Sonic Youth que o Nirvana acabou assinando com a Geffen Records. Dizem que o pensamento dos executivos da gravadora era o seguinte: se o Sonic Youth vendeu 50 mil discos, o que eles consideravam um bom desempenho para uma banda alternativa, se o tal Nirvana vendesse igual ou um pouco mais, já valia a pena. Acontece que em dezembro de 1991, três meses depois de lançado, Nevermind já vendia 300 mil cópias por semana! Tudo por causa de um riff de guitarra grudento, uma letra reclamona e um clipe poderoso.

Photo by: Kirk Weedle
Photo by: Kirk Weedle

Nevermind é um disco brilhante e irretocável. Ali estão as melhores composições de Kurt Cobain, executadas por uma banda afiadíssima, um baixo marcante e preciso, uma bateria cavalar, harmonias incríveis e uma produção soberba. É um monte de elogios grandiosos, eu sei, mas não é exagero. Apesar de estar recheado de hits, o disco foi puxado por Smells Like Teen Spirit. Uma música que Kurt Cobain escreveu inspirado nos Pixies com sua dinâmica de guitarras distorcidas, verso suave e explosão no refrão. O clipe reforçava a letra da música, que reclamava da apatia juvenil, apresentando uma mini rebelião num ginásio de colégio com cheerleaders com o símbolo da anarquia punk estampado em suas blusas. Era tudo que uma juventude cansada de bandas super produzidas e astros pop inatingíveis precisava.

Photo by: Michael Lavine

A honestidade, o sarcasmo e principalmente as músicas excelentes do Nirvana caíram nas graças do mundo pop. Nevermind tirou Michael Jackson do topo dos discos mais vendidos e chutou a porta para um mundo desconhecido entrar. De uma hora pra outra, roqueiros maltrapilhos, de cabelos ensebados e usando bermudas e camisas de flanela passaram a frequentar capas de revistas e ter seus discos entre os mais vendidos. Na real, a maioria das bandas que apareceram como grande novidade da música já eram veteranos, com pelo menos três ou quatro discos já lançados na bagagem. Mudhoney, Pixies, Sonic Youth, Soundgarden, Screaming Trees, L7… essa turma toda já estava na ativa desde os anos 1980.

O Nevermind é o disco mais importante da década de 1990, e completa neste ano 30 anos de lançado. Responsável por uma revolução na música e no comportamento. Não se trata só de um disco com 12 músicas ótimas. Trata-se do disco de uma banda que sempre que podia, falava bem de outras bandas, que tinha personalidade e muito talento. Nevermind é a obra prima, mas tudo que o Nirvana lançou é bom demais. Bleach, Incestcide, In Utero, Unplugged in NY, os singles, discos ao vivo, bootlegs… não tem coisa ruim. É por isso que a morte de Kurt Cobain em 5 de abril de 1994 ainda é sentida e lembrada até hoje. E enquanto existirem jovens descontentes com guitarras na mão, continuará sendo.

Photo by: Charles Peterson

Vai fundo!

Para ouvir: Todo mundo conhece os clássicos do Nirvana. Mas tem muita coisa nas beiradas de toda a obra da banda que é genial e merece ser ouvida. Por isso, fizemos um top 10 tracks Nirvana que fogem do óbvio.

Para assistir:Tem muito material interessantíssimo sobre o Nirvana. Vou citar dois: Primeiro o home vídeo Nirvana Live! Tonight! Sold Out! que conta toda a trajetória da banda até a morte prematura de Kurt Cobain. O outro é o documentário Montage of Heck, que se presta a contar a história do Kurt Cobain através de sua própria obra e com vídeos e gravações cedidos pela família. Inclusive a produção é assinada pela Frances Bean Cobain, filha de Kurt.

Para ler: Claro! A indispensável biografia de Kurt Cobain  Heavier than Heaven, escrita pelo jornalista Charles R. Cross. Um livro completíssimo, super bem escrito e delicioso de se ler. Livro essencial para quem gosta de música.

Fazer Mais!

Fazer Mais!

Não dá pra ter limite. A gente sempre tem que querer mais, ser mais, fazer mais. Não é porque você faz bem determinada coisa, que você vai se limitar a fazer só essa coisa. Sócrates, Wladimir, Casagrande e Zenon eram jogadores de futebol, jogar bola era o que eles faziam de melhor. Mas eles fizeram mais e usaram o futebol pra promover ideias de democracia e igualdade num período turbulento da nossa história. Em 1982 a Democracia Corinthiana mostrava para um país sob um regime ditatorial que as coisas podiam ser melhores se o povo tiver liberdade de escolha.

E o John Lennon então! O negócio dele era compor e tocar canções, certo? Claro! Mas ele também quis fazer mais. Em 1969 botou nas ruas de algumas cidades do mundo a campanha War is Over. Além de colar centenas de cartazes, lambe lambes e outdoors com os dizeres “War is Over if you want it”, John e Yoko deram várias entrevistas coletivas para falar sobre paz, direitos humanos e o fim da Guerra do Vietnã.

Enfim, histórias não faltam de pessoas que quiseram fazer mais e ainda fazem a diferença na sociedade. É muito legal perceber que dá pra fazer mais fazendo o que a gente sabe fazer de melhor. É assim que a Strip Me, produzindo camisetas sensacionais, também encontrou uma forma de fazer mais. Aliás, sempre esteve no DNA da Strip Me integrar, transmitir um estilo de vida cosmopolita que abraça a diversidade e a cultura. Uma marca que se orgulha de suas origens, que incentiva a produção local, a sustentabilidade e novos talentos. Mas ainda dá pra fazer mais! Por isso a Strip Me faz doações a cada venda realizada no site.

Funciona assim: A Strip Me auxilia 4 ONGs diferentes. Quando você faz uma compra no site da Strip Me, uma parte do valor é doado para uma dessas organizações. Para quem está comprando, não muda nada, não tem alteração de valor. O que acontece é que quem está comprando pode escolher o destino dessa doação. Ou seja, você pode escolher se esse dinheiro vai para o combate à fome ou para a proteção aos animais, por exemplo. As ONGs beneficiadas lutam por causas nas quais a Strip Me também acredita.

A ABCP, Associação Beneficente e Comunitária do Povo, surgiu em 2007 na cidade de São Paulo com o objetivo de amparar pessoas em situação de rua, bem como oferecer educação e moradia e esperança, para que essas pessoas sejam integradas à sociedade com dignidade. A ONG realiza projetos como o PopRua, auxiliando famílias, crianças e adolescentes, gestantes em situação de vulnerabilidade e famílias em processo de adoção, por meio de atendimentos sociais, concessões de cestas básicas, palestras, cursos de capacitação e oficinas de esportes e cultura. As doações da Strip Me neste caso são revertidas em cestas básicas. www.abcpovo.org.br

A Endeleza é uma organização brasileira que atua na África promovendo educação, alimentação e qualidade de vida. O nome vem do swahili, língua nacional do Quênia, e significa prosperidade. A educação, o empoderamento e a sustentabilidade formam a base dessa ONG que atua no Quênia com um centro de desenvolvimento humano e uma escola primária sustentável onde crianças e adolescentes desfrutam de alimentação e educação. Só a Strip Me já ajudou a servir 1235 refeições até agora E esse número vai crescer ainda mais com o tempo! www.endeleza.org

O Instituto Clélia Angelon surgiu em 2006 levantando bandeiras como a defesa dos direitos humanos, defesa dos animais e preservação do meio ambiente. É uma organização que busca construir uma sociedade mais justa e consciente. Para isso, cria, desenvolve e apoia vários projetos que visam a igualdade, a preservação do meio ambiente, os direitos humanos e dos animais, além de difundir os ideias da sustentabilidade e do veganismo. Aqui as doações da Strip Me são convertidas em mudas de hortaliças que são plantadas e cultivadas pela ONG. www.facebook.com/institutocleliaangelon

O Grupo Escoteiro Ipê Amarelo é uma entidade sem fins lucrativos, filiado à União dos Escoteiros do Brasil e declarado de Utilidade Pública no Município de São José, no estado de Santa Catarina. Através da filosofia do escotismo, o Grupo Ipê Amarelo promove o desenvolvimento do caráter, senso de civilidade, saúde física e intelectual de crianças e jovens na faixa etária de 5 a 21 anos, além de promover vários projetos e campanhas assistenciais e de cunho ambiental. Aqui as doações da Strip Me são destinadas a custear campanhas e atividades do Grupo Escoteiro. www.ipeamarelo.org

Todas essas ideias incríveis e super valiosas a Strip Me assina embaixo e faz sua parte para que elas se mantenham vivas e floresçam cada vez mais. Em meio a tanta confusão e coisa ruim que rola mundo afora, é bom demais saber que tem gente remando pro lado certo, acreditando na vida. Melhor ainda é saber que cada um de nós também está fazendo a sua parte. A desigualdade, fome, crimes ambientais, crueldade contra animais e falta de educação e cultura são a nossa guerra. E ela pode acabar, se você quiser.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist inspiradora com canções que transmitem, representam e divulgam todos os nossos ideais. Top 10 tracks para fazer mais!

Para assistir: O documentário One Strange Rock é brilhante. Mostra vários aspectos intrigantes, assustadores e maravilhosos dessa bolota que gira no espaço, e que a gente chama de planeta Terra. Além de muita informação e imagens incríveis, este doc conta com a narração bem humorada de Will Smith. Vale a pena conferir. Tem no catálogo da Disney Plus.

Imunização Racional

Imunização Racional

É muito famoso o episódio em que os Beatles, entre outros artistas famosos, foram até Rishikesh, na Índia, para um retiro espiritual baseado nas tradições hindus de meditação. A estadia dos Beatles por lá acabou mal, numa situação que já apareceu em tantas versões diferentes, inclusive por parte dos rapazes de Liverpool, que ninguém sabe exatamente o que aconteceu. Supostamente, o guia espiritual Maharish Mahesh Yogi, que era muito admirado por todos e se dizia casto e livre de pensamentos mundanos e das drogas ou sexo, havia tentado abusar sexualmente da atriz Mia Farrow durante o retiro. Lennon e Harrison se revoltaram e foram questionar o guru. Após da discussão, os Beatles abandonaram o retiro acusando o Maharish de ser mentiroso, de se fazer valer da fama da banda para se divulgar e etc. Isso aconteceu em 1968. No início dos anos 1970, quando os Beatles se separaram, essa história já era conhecidíssima em todo o mundo. Mas aparentemente, o cantor brasileiro Tim Maia, se soube dessa história, não prestou muita atenção. Ainda bem.

Crédito: Imagem de Divulgação do artista

Em 1974 Tim Maia já tinha 3 discos de sucesso estrondoso no currículo. Mas além de ser conhecido pela música, Tim Maia também era famoso por ser um puta louco, que não media esforços para consumir uma dieta farta em comidas altamente calóricas, muito álcool, nicotina e todo o tipo de drogas imagináveis. Naquele ano, em uma de suas costumeiras visitas a seu amigo Tibério Gaspar, Tim Maia, que estava viajando de mescalina, viu jogado na sala de Tibério um livro. Ele pegou e começou a folhear, se interessou, levou pra casa e o leu inteiro. Por alguma razão desconhecida, aquele livro fez todo o sentido na cabeça de Tim. O livro era O Universo em Desencanto .

Crédito: Acervo da família

Pra resumir, esse livro dizia o seguinte: Nós, humanos, não somos originalmente da Terra. Somos do planeta Racional Superior, e estamos exilados na Terra. Aqui estamos animalizados, sujos e magnetizados por forças negativas. Todos precisamos alcançar a imunização racional, que só pode ser alcançada lendo e seguindo os ensinamentos do livro O Universo em Desencanto. Uma vez imunizados, estaremos prontos para que os discos voadores venham nos buscar e nos levar para nosso planeta de origem. Só mesmo o Tim Maia louco de mescalina pra cair numa patacoada dessa! Mas ele não só caiu, como forçou toda a sua banda a entrar na mesma onda. Dali por diante, todo mundo só poderia usar roupa branca, porque muitas cores nos magnetizam, ninguém mais pode beber, fumar, cheirar, fazer sexo sem fins de reprodução e nem comer carne vermelha.

Crédito: Imagem de divulgação do artista

Claro que a banda não gostou nada da brincadeira. Mas, a princípio, todo mundo  fingia que estava seguindo tudo direitinho, porque eles estavam produzindo um som inacreditável. Tim Maia vinha de um fim de relacionamento que o devastou, mas o deixou muito criativo. Além do mais, ele estava ouvindo feito louco Curtis Mayfield, Isaac Hayes, Sly & Family Stone… e produzindo canções inspiradíssimas, influenciadas por essa turma. Quando pintou o lance Racional, Tim Maia simplesmente pegou essas canções incríveis que tinha escrito, colocou letras falando única e exclusivamente sobre imunização racional e o O Universo em Desencanto. Gravou assim o Tim Maia Racional. Com o disco pronto, Tim levou até sua gravadora para que fosse prensado e distribuído. Óbvio, que a gravadora não aceitou. Todo mundo admitia a qualidade musical da bolacha, mas as letras das músicas  faziam do disco um suicídio comercial. Tim Maia, então, abandona a gravadora, cria seu próprio selo, a Seroma Discos, e lança de forma independente Tim Maia Racional Vol1 e Vol2. Vale dizer também que, sob a filosofia Racional, Tim Maia parou de beber, fumar, usar drogas e comer carne vermelha. Ele emagreceu e sua voz ganhou uma potência e brilho assustadores. A performance vocal dele nessa época é de arrepiar.

Acontece que esse papo chato de imunização racional era dose mesmo. Ninguém aguentava. Mas o Tim Maia trabalhava incansavelmente em prol da causa Racional. Mas a vida dele só piorava. Ele estava sem dinheiro, a mulher o abandonou (de novo), estava sem gravadora, os músicos estavam de saco cheio e também ameaçavam deixar a banda… até que em setembro de 1975, já há um ano insistindo nessa maluquice, Tim Maia acordou com uma puta vontade de comer uma picanha mal passada, tomar cerveja e fumar um baseado (não necessariamente nessa ordem). Foi ter uma conversa com o guru da parada, o seu Manuel Jacintho Coelho, ninguém sabe o que exatamente foi dito, mas Tim Maia saiu de lá irritado, foi pro seu apartamento, botou fogo na suas roupas brancas, mandou quebrar todos os discos que ainda não tinham sido vendidos e, peladão, enquanto suas roupas pegavam fogo, gritava da sua janela um caminhão de palavrões dirigidos ao guru Racional.

Crédito: Imagem de divulgação do artista

A vida voltou ao normal, Tim Maia na sua dieta de sempre, voltou a compor canções pop de altíssimo nível e acabou transformando seus discos da fase Racional em verdadeiras relíquias da música brasileira. Como ele ficou puto (com razão) com tudo que aconteceu, nunca mais falou no assunto e deu fim nos discos, que se tornaram raríssimos. Depois da morte de Tim Maia em 1998, os dois discos da fase racional foram redescobertos, viraram cults e os poucos discos existentes começaram a aparecer sendo vendido por mais de 2 mil reais. Mas não acaba aí. Ninguém sabia, mas estava guardado num estúdio pequeno no Rio o Tim Maia Racional Vol3. As fitas foram gravadas pouco antes de Tim Maia deixar a seita e ficaram guardadas nesse tal estúdio porque Tim Maia não havia pago pelas horas de gravação, e o dono não liberou as gravações pro Tim. Em 2011 o músico e produtor carioca Kassim pegou esse material bruto, deu um talento e disco foi finalmente lançado.

Crédito: Sonia D’Almeida

O que a gente mais precisa nos dias de hoje é imunização. E quem precisa ser racional são os governantes. Mas tá difícil, né. Enquanto a nossa imunização não chega (sem falar na racionalidade do governo), o jeito é esperar de boa. Vai que a Cultura Racional tá certa e a gente acaba vendo algum disco voador por aí. Aliás, não sei se você sabe, mas na música mais famosa dessa fase, a clássica, Imunização Racional (Que Beleza), Tim Maia não canta meros “uh uh uh, que beleza”. Mas sim ele canta “UFO UFO UFO, que beleza”. Pega pra ouvir com calma, com o fone de ouvido que você vai se ligar. Por essa nem o Fox Mulder esperava, hein… então a gente finaliza por aqui. A verdade está lá fora. De máscara, claro.

Vai fundo!

Para ouvir: Aquela playlist imunizada no capricho! Selecionamos o que há de melhor nos 3 volumes do Tim Maia Racional. Um Top 10 Tracks Tim Maia Racional.

Pra ler e assistir: Não dá pra deixar de recomendar a biografia do Tim Maia escrita de forma deliciosa pelo Nelson Motta. Vale Tudo: O Som e a Fúria de Tim Maia é um livro sensacional que conta todos os causos, a obra e a trajetória da vida do Tim Maia. E o filme Tim Maia, lançado em 2014, dirigido pelo Mauro Lima tem o roteiro adaptado do livro do Nelson Motta. E, olha, o filme tá disponível no catálogo da Netflix.

Perfil Collab STM: Adão Iturrusgarai

Perfil Collab STM: Adão Iturrusgarai

Não tem nada mais controverso, apaixonante, provocante e original do que o humor!  Pode se teorizar em cima o quanto for, tentar impor limites, regras… o humor de verdade só funciona quando incomoda, quando te faz rir e pensar ao mesmo tempo. Exemplo disso é a obra inteira do Adão Iturrugarai. Cartunista, roteirista, escritor e artista visual, sempre com um pé na comédia, quando não com o corpo todo. Não é à toa que um artista desse naipe faz parte dos collabs da Strip Me.

O Adão nasceu em Cachoeira do Sul, cidade gaúcha localizada no centro do estado, na região conhecida como Depressão Central, onde o relevo é de baixa altitude. Inserido em plena depressão central, Adão não viu outra opção senão ser humorista e contrariar tudo que estivesse ao seu alcance. Pra ajudar ainda tinha o rock n’ roll, que também servia de incentivo a rebeldia. Adão achou no desenho a sua voz, e desenhava em tudo quanto é lugar. Calçadas, muros, paredes do banheiro da escola… às vezes até numa folha de papel. Tudo isso de caso pensado, sabendo que ia incomodar.

As primeiras referências vieram do legendário Pasquim com seu humor crítico e os desenhos do genial Henfil. Mas a parada mudou mesmo quando tomou contato com o Angeli, Laerte, Glauco… aquela geração de artistas que realmente revolucionou o cartum brasileiro. Com eles, vieram as obras de Robert Crumb e Gilbert Shelton, e Adão realmente achou seu caminho. Claro, tudo isso misturado ao rock n’ roll e ao cinema, que já era uma paixão, aqueles filmes franceses da nouvelle vague e tal. Tudo isso moldou um artista de personalidade forte e muito plural. Tanto que, além do desenho, Adão já trampou como roteirista em programas como o divertido TV Colosso e o ótimo Casseta e Planeta, ambos na Globo dos anos 1990.

Mas o Adão é conhecido mesmo pelos desenhos. Criou personagens emblemáticos como a dupla Rocky & Hudson, cowboys gays que precederam o famoso filme Brokeback Mountain, e a Aline, uma mocinha bem libertária, pra dizer o mínimo. Nos anos 1990 chegou a editar uma revista, além de participar de publicações como a Chiclete com Banana, do Angeli. Ah, inclusive ele participou como um quarto amigo no clássico trio Los Tres Amigos (Angel Villa, Laerton y Glauquito). De lá pra cá, seus cartuns, charges e tiras ilustram publicações brasileiras e de vários outros países na América Latina e Europa.

E foi essa mistura de inquietação, cultura pop, rebeldia e rock n’ roll que ligou o Adão Iturrusgarai com a Strip Me. Sempre ligado em ícones pop, Adão sempre curtiu fazer releituras de obras famosas e capas de discos, desenhos que funcionaram perfeitamente como estampas de camisetas. Depois de recriar capas de discos como Nevermind, Velvet Underground and Nico, Goo, entre outros, Adão viu que o Abaporu dava pano pra manga. Aí vieram várias versões incríveis e divertidíssimas deste ícone do modernismo antropofágico brasileiro. Aliás, total antropofágicas artisticamente essas versões do Adão.

O Adão é um baita artista massa, que a Strip Me se orgulha demais de ter como collab. Com certeza um dos cartunistas mais importantes do Brasil, criativo e questionador, que deixou para trás a depressão central em que vivia quando jovem, para hoje desfrutar de caminhadas matutinas, onde seu cérebro incansável fervilha de ideias que serão colocadas no papel ou não). Pra conhecer o trampo do Adão além das estampas da Strip Me, você pode acessar o site dele que tem muito conteúdo legal e também o Instagram.
iturrusgarai.com
@adaoiturrusgarai

Vai fundo!

Para ouvir: Claro que a playlist deste post foi concebida pelo próprio Adão. E como o bicho é do contra, acabou selecionando 11 canções, ao contrário das costumeiras 10 tracks. Mas tudo bem, a gente acabou liberando diante das ótimas escolhas que ele fez. Confere aí o Top 10+1 tracks do Adão.

Este e outros Carnavais.

Este e outros Carnavais.

O carnaval é parte essencial da identidade do Brasil. Não há como negar. Você pode não gostar de samba, de folia, de multidões pelas ruas… mas ainda que você simplesmente aproveite esses dias de feriado para ir para uma cachoeira no meio do mato, ou ficar em casa lendo livros ou vendo filmes, o carnaval já te influenciou também. Sem falar que o carnaval está aqui desde os tempos do descobrimento e ajuda a contar a história do país! As marchinhas, sambas e sambas enredo são verdadeiras crônicas de sua época. E, em alguns casos, os compositores desses sambas acabaram se tornando grandes ícones, extremamente influentes, da música e cultura popular brasileira.

Carnaval Rio de Janeiro circa 1950 – Photo by Marcel Gautherot

De cara, já vamos falar do ilustre Angenor de Oliveira. Nascido em 1908, o nome escolhido pelo seu Sebastião e dona Aida de Oliveira, pais do bebê, era Agenor. Mas na hora do registro no cartório, acabou saindo Angenor. Mas isso ninguém ficou sabendo. Porque todo mundo chamava ele de Agenor mesmo na infância. Morando no bairro das Laranjeiras, o menino ganhou um cavaquinho aos 8 anos de idade e já saiu pela rua acompanhando os blocos que rolavam por lá. Quando ele já era adolescente e torcedor do Fluminense, a família, com problemas financeiros, se mudou para um favela que começava a se desenvolver no morro da Mangueira. Lá fez amizade com um jovem um pouco mais velho chamado Carlos Cachaça. Para levantar um dinheiro, Angenor começou a trabalhar como ajudante de pedreiro.  Para evitar chegar em casa todo dia com o cabelo sujo e cheio de cimento, ele trabalhava usando um velho chapéu de seu pai, o que lhe rendeu o eterno apelido de Cartola. Com Carlos Cachaça, Cartola não só compôs grandes canções como também fundou a Estação Primeira de Mangueira, escola de samba mais emblemática do país.

Cartola com as premiações da Mangueira em 1969 – Photo by Maureen Bissiliat

Na mesma época em que Cartola escrevia seus primeiros sambas na Mangueira, em outro bairro do Rio de Janeiro, outro jovem se destacava como grande compositor de sua comunidade. No bairro de Vila Isabel, em 1910 dona Marta Rosa teve um parto complicadíssimo, em que se fez necessário o uso do fórceps para salvar as vidas da mãe e do bebê. Como se não bastasse, o rebento ainda nasceu com hipoplasia, uma má formação da mandíbula. O que fez com que ele crescesse com uma fisionomia muito particular. Por nascer em dezembro, perto do Natal, o nome escolhido pela dona Marta e seu Manuel Rosa foi Noel. A família Rosa não era rica, mas tinha uma vida confortável. Noel estudou no famosos Colégio de São Bento, mas apesar de demonstrar ser muito inteligente, era avesso aos estudos, que trocou facilmente pela música e a vida boêmia. Seu primeiro sucesso veio em 1930, o clássico Com que Roupa Eu Vou? Seus sambas passaram a ser gravados pelos maiores nomes do rádio e embalavam os blocos de carnaval de todo o Rio de Janeiro e, posteriormente, do Brasil. Mas para Noel Rosa a festa durou pouco. Dado aos excessos, morreu de tuberculose aos 26 anos de idade.

Noel Rosa em ensaio fotográfico de 1934 – Photo by Arquivo Nirez

Aliás, é importante dizer que esse lance de escola de samba é coisa nova, do começo do século XX. Porque o negócio antes era só bloquinho de rua mesmo. E era uma loucura. Você já sabe que o carnaval é uma festa que remonta a tempos antigos, muito antes do cristianismo. Em 520 a.C. já rolava a Saceia, na Babilônia, uma festa em que por 5 dias os principais criminosos condenados a morte eram considerados reis e tinham todos seus desejos atendidos, até que no quinto dia, eles era torturados e mortos. Depois vieram as festas gregas e romanas como a Saturnália, no Egito tinham as festas em homenagem a deusa Isis, deusa da fertilidade… eram todas festas de liberou geral, muito vinho, aglomeração e etc. Até que veio o cristianismo. Por volta do século VII o Papa Gregório Magno instaurou a festa de carnis nevale, do latim se traduz como negação da carne ou proibição. Ou seja, era um dia de preparação, em que se consumia muita carne, para que se ficasse os próximos quarenta dias sem comer nada de origem animal, a famosa quaresma que antecede a páscoa. A turma reclamou que um dia era pouco, o vaticano deu o braço a torcer e viraram três dias, e era uma festa daquelas! E lógico que isso chegou no Brasil junto com os portugueses, que eram um povo muito católico. As primeiras cidades brasileiras foram Salvador, Olinda e Rio de Janeiro, cidades que mantém até hoje a tradição inabalável do carnaval.. Com essa tradição católica, misturou a cultura indígena e africana, em Pernambuco o Maracatu começa a ser desenvolvido, como você já leu aqui… e cá estamos nós hoje.

Carnaval de rua no Rio de Janeiro da década de 1950 – Photo by José Medeiros

Cá estamos nós hoje sem carnaval, aliás, né! Mas tudo bem. Não é a primeira vez que o Brasil fica sem carnaval. Já passamos por isso em 1892 e 1912. Mas isso é outra história. Até porque se é pra falar de história, vamos falar do carnaval de 1919! Esse sim! O carnaval mais triunfante, arrebatador e alucinante de todos os tempos! Foi o carnaval que comemorou o fim da Gripe Espanhola. Depois de um ano e meio de confinamento, sofrimento, morte, falta de remédio, falta de vacina, falta de ação do governo… finalmente a epidemia da Gripe Espanhola estava controlada e todos podiam sair às ruas! A alegria era tanta que os foliões invadiam as casas por onde passavam arrastando os moradores para a rua para pular o carnaval!

Capa da Gazeta de Noticias sobre o carnaval de 1919

O carnaval deste ano, que não existiu, já passou. Falta pouco pra gente poder sair por aí, aglomerar gostoso e fazer folia, cada um do seu jeito. A gente não vê a hora de fazer o nosso carnaval! Seja no bloquinho de rua ou na cachoeira. Diversão e arte, e os melhores rolês, Strip Me vai estar sempre presente.

Vai fundo!

Para ouvir: A gente falou de Cartola e Noel Rosa, mas são muitos os nomes fundamentais no samba e carnaval. Lamartine Babo, Haroldo Lobo, Chiquinha Gonzaga, Martinho da Vila, Adoniran Barbosa… tudo isso você confere na nossa playlist carnavalesca. Top 10 tracks do bom e velho carnaval.

Para assistir: No texto sobre bossa nova, publicado aqui anteriormente, foi citada a peça Orfeu Negro, escrita por Vinícius de Moraes com música de Tom Jobim. Pois em 1999 foi lançado Orfeu, filme de Cacá Diegues que faz uma releitura da obra de Vinícius de Moraes. O filme é ótimo e, entre outras qualidades conta com uma ótima trilha sonora sob o comando de Caetano Veloso. Não é um filme tão fácil de achar, mas vale o esforço.

Para ler: Com certeza um dos melhores livros que li até hoje é a biografia de Adoniran Barbosa, o mestre do samba paulista. Adoniran – Uma Biografia, escrito por Celso de Campos Jr é um livro excelente! Lançado em 2004 pela editora Globo, este livro apresenta não só a história detalhada da vida de Adoniran Barbosa, como entrega um panorama da comunicação no Brasil, o rádio e o surgimento da televisão. Livro recomendadíssimo!

Maracatu Atômico!

Maracatu Atômico!

A intenção deste blog não é ficar dando aula de história, ter um tom professoral, nem nada do gênero. Estamos aqui pra falar de tudo que envolve o universo da Strip Me de maneira agradável, empolgante e divertida. Por isso mesmo, normalmente usamos causos e histórias interessantes envolvendo o tema abordado, que por si só consigam ilustrar e dar um panorama sobre o que está sendo falado. Foi assim que falamos aqui sobre os modernistas e o movimento antropofágico e sobre a bossa nova, por exemplo. Mas o assunto deste texto é tão interessante e tem uma origem tão forte, que vale a pena a gente fazer uma abordagem através da história do Brasil.

Photo by: Yuri Graneiro
Photo by: Ueslei Marcelino
Photo by: Percio Campos

Afinal, qual é a manifestação cultural mais genuinamente brasileira? De pronto muita gente pode dizer que é o samba. Outros podem ir mais fundo e dizer que são as danças e pinturas corporais dos índios. Porém, a essência do Brasil é a mistura. É verdade que essas terras já eram dos índios há muito tempo. Mas não dá pra negar que o Brasil nasceu, de fato, com a chegada dos europeus no século XVI. Sendo Assim, podemos dizer que que a manifestação cultural brasileira mais autêntica é o maracatu! A origem da palavra é tupi: maracá-tu, que significa batida do maracá. Maracá é um chocalho, um instrumento de percussão. Entretanto, o maracatu era praticado essencialmente por negros e mamelucos, escravos. E tinham em sua simbologia, cortesãos, estandartes, reis e rainhas, influência dos europeus. Mais brasileiro impossível, né?

Photo by: Yuri Graneiro
Photo by: Ueslei Marcelino

No século XVII Pernambuco era a maior região produtora de açúcar no país. Ali, os senhores de engenho reprimiam qualquer manifestação cultural ou religiosa dos escravos. Mas havia uma exceção: a coroação do rei e da rainha do Congo. O rei do Congo era uma espécie de líder dos negros da região, tinha contato direto com os senhores de engenho e muitas vezes era quem conseguia conter possíveis revoltas e fugas, por isso, a coroação do rei e da rainha do Congo era uma festividade tolerada. Era um dia de festa onde havia muita música e alegorias, que foram inseridas pelos negros para facilitar a aceitação dos europeus, como estandartes coloridos e personagens interpretando vassalos e cortesãos do rei e da rainha. Também neste evento os negros aproveitavam para fazer seus rituais e orações aos orixás. Essa festa foi a semente do maracatu. Mas ele tomou forma na zona da mata pernambucana, nos quilombos de escravos que fugiam das fazendas. Ali negros se misturavam aos índios, e a festa de coroação do rei do Congo recebia influência das tradições indígenas, como a dança em roda e também uma mistura de ritmos tribais. Com o passar do tempo, tudo isso foi se misturando e criando uma identidade única.

Photo by: Percio Campos
Photo By: João Velozo

No século XVIII o maracatu já era uma tradição enraizada na cultura de todos os escravos de Pernambuco. No século seguinte, com a abolição dos escravos, as festas de maracatu migraram para os terreiros de candomblé e passou a ir para as ruas durante os dias de carnaval, onde a população abraçava o ritmo, as cores e alegorias. Entre os anos 1950 e 1980 o maracatu esteve em baixa. Não foi esquecido, mas ficou restrito a poucos terreiros de Pernambuco, perdendo espaço para o frevo, que também era um ritmo muito apreciado e, para a população em geral, tinha a vantagem de não ter nenhuma ligação religiosa.

Photo by: Yuri Graneiro
Photo by: Marcus Leoni

Na década de 1990 vários artistas e agitadores culturais de Pernambuco começaram a resgatar o maracatu, o desvinculando do candomblé, tornando-o mais atrativo. Na frente deste movimento estava a Mangue Beat, cena musical que resgatava o maracatu usando instrumentos contemporâneas como guitarras e também misturando diferentes estilos musicais. Estamos falando de Mestre Ambrósio, Mundo Livre SA e, é claro, Chico Science & Nação Zumbi. Nunca o Maracatu Atômico de Jorge Mautner fez tanto sentido.

Photo by: Ueslei Marcelino
Photo by: Marcus Leoni

Hoje o maracatu está presente no carnaval pernambucano e segue firme e forte com grupos que, além de serem agremiações carnavalescas, são centros comunitários que ensinam música, teatro e mantém viva a história do estado de Pernambuco. Alguns desses grupos são tradicionalíssimos e estão em atividade desde o século XIX. Além do mais, pode se dizer sem medo de errar que o samba surgiu desses batuques do maracatu que extrapolaram os terreiros de candomblé. O maracatu é a essência da cultura popular brasileira. Uma mistura de influências e raças que resultam numa explosão de cores, ritmos e muita história. Com certeza o maracatu faz parte da nossa identidade, ainda mais se ele vem misturado com uma guitarrinha distorcida e um som de arrebentar  pra todo mundo poder curtir. Afinal, esse é o nosso negócio: Diversão e arte!

Photo by: Percio Campos
Photo by: Marcus Leoni

 Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist cheia de ritmo pra você conhecer, entender e gostar de maracatu. Top 10 tracks maracatu!

Para assistir: Recomendo um documentário simples, mas bem interessante e repleto de imagens incríveis sobre a cena cultural, em especial no período do carnaval, na cidade de Olinda. Olinda – Cidade Cultura tem direção do Marcelo de Paula, foi lançado em 2002 e conta com depoimentos de artistas do naipe de Alceu Valença! Vale a pena ver. Disponível no catálogo da Amazon Prime Video.

Para ler: A editora Cobogó tem uma coleção de livros publicados chamada O Livro do Disco. Até agora são 21 livros, cada um dissecando um disco influente da música pop. Tem de tudo, do Low, do Bowie, ao Clube da Esquina, do Estudando o Samba, do Tom Zé, ao In Utero, do Nirvana. E, claro, está lá O Livro do Disco Da Lama Ao Caos – Chico Science & Nação Zumbi, escrito pela excelente jornalista Lorena Calábria e lançado em 2019. Livro mega recomendado, bem como todos desta coleção.

Rolê After (Pandemia)

Rolê After (Pandemia)

A empatia, paciência e compreensão são algumas das mais louváveis características que o ser humano pode ter. E muitos de nós temos sido pacientes, compreensivos e empáticos uns com os outros. Mas a verdade é que já deu, né? O Coronavírus já consumiu tanto da gente, que fica cada vez mais difícil continuar acompanhando as notícias, conversar com pessoas mais radicais e tal. É por isso que hoje estamos aqui pra falar sobre um futuro de esperança, sobre a volta às coisas boas da vida! Afinal de contas a vacina já é uma realidade e agora é só esperar chegar a nossa vez de tomar essa agulhada delícia e correr pro abraço! E já vamos nos preparando porque rolê bom é o que não vai faltar!

Claro que ainda vai demorar um pouquinho. Por mais ansiosos que a gente esteja, ainda vão uns bons meses aí. O pessoal do legendário festival Coachella, na California, por exemplo, está otimista até demais. O festival está com as datas confirmadas para os dias 9, 10 e 11 de abril! Porém, não há nenhuma informação sobre o lineup. Levando em consideração que os Estados Unidos não estão numa situação muito mais confortável que a nossa, aqui no Brasil, em relação a pandemia, 3 meses é muito pouco tempo pra conseguir normalizar tudo, e para que as pessoas se sintam seguras suficiente para se acotovelar na frente de um palco entoando hinos do rock. Outra lenda dos festivais, o Tomorrowland, que rola na Bélgica e reúne a nata da música eletrônica, também está confirmado. Mesmo ainda sem lineup anunciado, a data está confirmada: 16 a 18 de julho. São grandes festivais, com um otimismo quase utópico. Pouco provável que eles se realizem nessas datas, mas não custa sonhar.

No Brasil a turma está sendo um pouco mais modesta e menos afobada nas datas. Por aqui as programações são todas para o segundo semestre, com exceção de um. O João Rock, festival super concorrido, que acontece em Ribeirão Preto (SP) já há 20 anos, segue com data confirmadas para 19 de junho. Porém, é claro, sem lineup definido. A edição que rolaria em 2020 e foi adiada tinha nomes como Gabriel, o Pensador, Erasmo Carlos, Planet Hemp, Titãs, CPM 22 e outros. Especula-se que este lineup será mantido. Outro que ainda não tem nenhum artista confirmada no cast, mas já tem data certa e ingresso á venda é o mundialmente famoso Lollapalooza. A edição brasileira está confirmada para 10, 11 e 12 de setembro. Na real, parece que todo mundo está apostando em setembro como o mês do liberou geral! O Coala Festival, que também rola na cidade de São Paulo e é mais ligado à MPB também está confirmado. E adivinha pra quando. Dias 11 e 12 de setembro! No mesmo fim de semana do Lolla! Pelo menos no quesito lineup o Coala saiu na frente. Já tem confirmados nomes como Gal Costa, Alceu Valença e Maria Bethânia.

Mas calma que ainda tem mais coisa para setembro, o mês da esperança! 24, 25, 26 e 30 de setembro, bem como 1, 2 e 3 de outubro, rola o inabalável Rock In Rio! Convenhamos que um festival que, em sua primeira edição, em 1985, com o Brasil nadando numa inflação estrambólica, conseguiu trazer Queen, AC DC, Iron Maiden e mais uma car@*#%da de artistas grandes, realizou edições especiais fora do Brasil e etc, merece a alcunha de inabalável. Pois bem. Tem lineup confirmado? Claro que tem! Tem novidade?  Novidade, novidade mesmo, não tem. É o Iron Maiden de novo, o Dream Theater, Megadeth, Sepultura… que são bandas legais, mas já tocaram mais de uma vez no Brasil e tal. De diferente mesmo, vai rolar o Living Colour, uma baita banda bacana e que vai ter participação do Steve Vai, um show que, com o perdão do trocadilho com o guitarrista, vai valer a pena ver.

Mas não é só de shows, festivais, filas imensas para ir ao banheiro químico e enlamear o tênis que a gente sente falta, né? Também dá uma saudade danada daquele cineminha esperto no domingo de tarde, aquela pipoca e refri caríssimos, mas que são uma delícia, entrar naquela sala escura, ver um filme massa naquela puta tela enorme, com sonzão… putz! Que coisa boa! E, olha, se tudo der muito certo e a gente puder voltar a frequentar uma sala de cinema em segurança ainda neste ano, lançamento bom tem de sobra! Em março tem o curioso confronto Godzilla Vs Kong, em abril o controverso Marighella deve chegar aos cinemas e, para os fãs da Marvel, rola a Viúva Negra. Em maio tem uma das franquias mais prolíficas do cinema, Velozes e Furiosos 9 será lançado. Em junho tem mais super-heróis com Venom – Tempo de Carnificina e a sequência de terror Invocação do Mal 3. Em julho o pessoal saudoso dos anos 1980 vai pode vibrar com Top Gun – Maverick, o pessoal dos anos 1990 vai poder pirar no remake de Space Jam e o pessoal 2000 tem mais um da Marvel pra conta: Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis. Em agosto é a vez da DC Comics entrar em cena com o Esquadrão Suicida. Em outubro, James Bond já chega deixando claro que está sem tempo, irmão, porque estreia 007 – Sem Tempo para Morrer. Novembro chega com mais um lançamento nostálgico, Ghostbusters – Mais Além e mais uma franquia longeva, Missão Impossível 7. Pra fechar o ano, dezembro chega com Matrix 4, pra tentar corrigir a catástrofe que foram os dois últimos  filmes da franquia, ou jogar a última pá de cal na coisa toda.

É isso. 2021 chegou, já tem vacina e a gente está começando o ano a todo vapor! Tá todo mundo cansado, sem paciência e tudo mais com essa situação toda de pandemia. Mas vamos fazer essa forcinha e continuar sendo pacientes e, principalmente, tendo empatia e cuidado uns com os outros. É assim que a gente vai conseguir passar por isso mais rápido e poder curtir todos esses rolês incríveis e muitos outros, que nos fazem tão bem!

Vai fundo!

Para ouvir: Caprichamos numa playlist só com aquelas músicas clássicas pra pirar e cantar junto num festivalzão lotado! Top 10 tracks pra cantar junto em arenas!

Para assistir: A sugestão hoje é assistir Matrix, o primeiro filme da franquia e obra prima dos irmão Wachowski. É um filme que dispensa apresentações, lançado em 1999, foi super inovador nos efeitos especiais e trouxe várias questões filosóficas amarradas a um roteiro excelente. Quem sabe você não toma coragem para assistir os Matrix 2 e 3, pra esperar dezembro chegar.

Bossa Nova!

Bossa Nova!

“Em 1958 o Brasil estava irreconhecivelmente inteligente!”

Foi oque escreveu o crítico e jornalista Roberto Schwarz sobre este período realmente efervescente do país. Em 1955 Juscelino Kubitschek assumiu a presidência e, com seu plano desenvolvimentista, batizado “50 anos em 5”, abriu o comércio estrangeiro, alavancou a economia e construiu a cidade de Brasília em espantosos 3 anos. Em harmonia com essa onda de euforia e esperança política e econômica, o Brasil foi campeão da Copa do Mundo de futebol pela primeira vez em 1958, na Suécia, imortalizando as pernas tortas de Garrincha e mostrando ao mundo um jovem e talentoso jogador de 17 anos chamado Pelé. O Cinema Novo dava seus primeiro passos após o lançamento de Rio 40 Graus, de Nelson Pereira dos Santos, e, principalmente, foi lançado em 1958 o compacto de Chega de Saudade, canção de Tom Jobim e Vinicius de Moraes interpretada por João Gilberto.

Crédito da imagem: cbf.com.br

A Bossa Nova não foi um movimento artístico na concepção mais ortodoxa do termo. Ela não foi pensada, arquitetada, teve seus dogmas e características bem definidos. Eram apenas jovens de classe média alta carioca que queriam tocar samba e gostavam de jazz, viviam em apartamentos de frente para o mar e, apesar de gostarem muito de samba, não se identificavam com as letras e interpretações dramáticas de Nelson Gonçalves e Orlando Silva, era muita dor de cotovelo. Essa molecada de Ipanema e Copacabana, no Rio de Janeiro, se reunia pra ouvir Chet Baker e Cole Porter, e também João Donato, Cartola, Dorival Caymmi. Dessa mistura, começaram a surgir as primeiras canções. Mas tudo muito disperso. Cada um tocava de um jeito. A unidade surgiu através da Santíssima Trindade da Bossa Nova: Tom Jobim, Vinícius de Moraes e João Gilberto.

Ipanema na década de 1950 – Photo by: José Jonas Almeida
Vinícius de Moraes, Tom Jobim e João Gilberto – Photo by: Paulo Peres

Em 1954 Vinícius de Moraes, poeta já aclamado em todo o país, escreveu a peça de teatro Orfeu da Conceição, adaptação do clássico grego transposto para a realidade dos morros cariocas. Vinícius procurava algum músico para musicar os poemas que faziam parte da peça. Nessa época, Tom Jobim era muito jovem, vinte e poucos anos, tocava em algumas boates e fazia alguns bicos durante o dia pra pagar o aluguel. Havia um bar em Copacabana onde ele sempre parava no fim da tarde pra tomar uma cervejinha antes de ir pra casa. Numa dessas tardes, lá estava Vinícius de Moraes com alguns amigos bebendo e papeando. Um amigo em comum chamou Tom para a mesa e o apresentou ao Vinícius, dizendo que aquele garoto era o cara certo para musicar os poemas de Orfeu da Conceição. Vinícius então passou a explicar toda a ideia da peça, os poemas, como ele queria a música… falou entusiasmado por um tempão. Tom Jobim ouviu calmamente tudo que Vinícius tinha a dizer. Quando acabou, Tom Jobim olhou para o Poetinha e disse: “Tá tudo muito bom, muito bonito. Mas vai rolar um dinheirinho?”. Vinícius olhou bem para a cara do rapaz por alguns segundos em silêncio, para em seguida explodir numa gargalhada. Nascia ali uma amizade e parceria que duraria por toda a vida.

Em 1956 as músicas de Orfeu da Conceição foram lançadas em vinil como trilha sonora da peça. Foi o primeiro disco da parceria Tom e Vinícius, que já trazia um clássico: a música Se Todos Fossem Iguais a Você. A parceria entre Tom Jobim e Vinícius de Moraes não parou mais desde então. Em abril de 1958 aconteciam as gravações do disco Canção do Amor Demais, um álbum inteiro de composições da dupla interpretadas pela Elizete Cardoso, umas das mais renomadas cantoras da época. Este disco é a pedra fundamental da bossa nova. Apesar de Elizete Cardoso ser uma cantora à moda antiga, com voz forte e marcante, além do disco ser inteiro de composições de Tom e Vinícius, um jovem músico baiano recém chegado ao Rio de Janeiro participou da gravação como músico contratado, tocando violão. Era João Gilberto. Uma das músicas do disco era Chega de Saudade. Durante a gravação da música, João Gilberto interrompeu a cantora dizendo: “Olha, não é assim não a música. Você está cantando errado.”. Todo mundo no estúdio congelou com a audácia daquele jovem corrigindo uma das divas do rádio brasileiro. O problema estava no trecho da música que diz: “apertado assim, calado assim, abraços e beijinhos…”. Ela, incomodada, falou: “Estou cantando errado? Então por que você não me ensina como é?”. Elizete estava cantando o trecho de forma corrida, muito reta. João Gilberto então cantou baixinho, enfatizando cada pausa das notas entre as palavras. Um produtor que assistia as gravações, em seguida convidou João Gilberto para gravar um disco, cujo primeiro compacto foi justamente Chega de Saudade, cantada com toda a sua suavidade e beleza. Foi quando toda aquela turma da zona sul do Rio de Janeiro entendeu como tocar samba. Nascia a Bossa Nova.

João Gilberto dizia para seus novos amigos, os jovens cariocas como Roberto Menescal, Carlos Lyra, Nara Leão e tantos outros, que o problema de tocar samba no violão é que o ritmo do samba tem muitos instrumentos fazendo coisas diferentes. O segredo é escolher um, no caso o tamborim. A batida do violão na bossa nova nada mais é do que o ritmo que o tamborim imprime no samba. Com essa turma toda já escolada e com essa nova formatação musical elaborada pela santíssima trindade: Os acordes de jazz de Tom Jobim, as letras delicadas e ensolaradas de Vinícius de Moraes e o ritmo e jeito de cantar peculiar de João Gilberto, fizeram com que a bossa nova se espalhasse pelo mundo. Em especial os Estados Unidos se renderam ao banquinho e violão de maneira impressionante. O saxofonista de jazz Stan Getz gravou um disco com João Gilberto e até mesmo Frank Sinatra chegou a gravar um disco inteiro em parceria com Tom Jobim, imortalizando The Girl From Ipanema. Para concluir, em 1962 o Carnegie Hall, em NYC, recebeu três shows com os principais nomes da bossa nova, todas as apresentações absolutamente lotadas. Por muitos anos a frente Garota de Ipanema e Wave renderam a Tom Jobim o posto de segundo compositor  mais regravado no mundo, perdendo somente para os Beatles. Certa vez Tom Jobim foi perguntado a respeito disso e respondeu bem humorado: “Vamos lembrar que os Beatles são 4. Eu sou um só.”.

No fim, não importa muito entender os fundamentos da Bossa Nova, quem influenciou quem, quem inventou o quê… o que importa é o rolê, são as histórias divertidas, é a turma reunida chacoalhando o violãozinho. Até porque muita coisa rolou depois. Com o golpe de 1964, teve um racha nessa turma, uma parte achava que tinha que fazer música de protesto e outra parte queria se manter fiel às raízes, cantando que o barquinho vai e a noitinha cai. Depois veio Tropicália e absorveu algumas coisas da bossa nova, depois veio os anos 80, world music, David Byrne, mais pra frente Stereolab, Beck e Sean Lennon encantados com as brasilidades… E já estamos em 2021 e a Bossa Nova ainda está por aí, continua representando a boa música, as amizades e os bons rolês!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist deliciosa que mistura clássicos da bossa nova dos anos 1960 e seus ecos dos anos 1990 pra frente. Um top 10 tracks cheias de bossa!

Para assistir: Além de figura essencial para a bossa nova, Vinícius de Moraes foi um dos artistas mais completos e geniais do Brasil. Por isso, o documentário Vinicius, do diretor Miguel Faria JR. e lançado em 2005 é fundamental e delicioso de se ver. Só pela rima sobre o Poetinha que Tônia Carrero declama já vale a pena assistir: “Se eu tivesse, se eu tivesse muitos vícios, o meu nome então seria Vinicius. Mas estes vícios fossem muito imorais, então eu seria o Vinicius de Moraes.”. Ah, e tá fácil de ver. Tem na Netflix.

Para ler: Para entender melhor este período histórico tão mágico, o livro Feliz 1958- o Ano que Não Devia Terminar é leitura obrigatória. Escrito pelo escritor e jornalista Joaquim Ferreira dos Santos e lançado em 1998 pela Editora Record, é uma obra que conta a delícia de ser brasileiro naquele final sorridente dos anos 50. O autor entrevistou personagens daquele ano, mergulhou nos arquivos de O Cruzeiro, ouviu fitas da Rádio Nacional e trouxe um perfil do período mais exuberante do país no século XX.

SUMMER DAYS!

SUMMER DAYS!

O mês de janeiro é sinônimo de férias e verão. É época de juntar a turma, encher o carro com cooler, cadeira, guarda sol, toalha e botar o pé na estrada! É tempo de acordar um pouquinho mais tarde, pegar a bike e sair de rolê. Usar e abusar daquela piscina que fica coberta e esquecida no meio do ano. É quando o calor faz do ar condicionado seu melhor amigo. É quando a gente fica ativado no modo barman e começa a criar variados drinks com bastante gelo. Sem falar nos dias de chuva, que se você está em casa, começa a ouvir sua cama chamar baixinho, e se está na rua, nem liga de se molhar e acaba curtindo o rolê.

E, pode reparar, a Strip Me tem as camisetas mais f#@*s para os rolês de verão! Convenhamos que não tá dando pra sair muito de casa, né? Tá um fuzuê lá fora e, enquanto a tão aguardada vacina não estiver no esquema pra nós, o jeito é segurar a onda mesmo. Ainda bem que o tecido das nossas camisetas é 100% algodão de alta qualidade, tornando as camisetas super leves e frescas. Ideal pra ficar em casa e curtir aquele meeting com a galera no Zoom com o copinho de gin tônica na mão, ou se jogar no sofá pra curtir um filminho ou uma série e até pra ficar na beira da piscina jogando conversa fora com a família.

Mas claro que dá pra dar uma escapada de dentro de casa pra curtir o verão em sua plenitude, ao ar livre. É só ter responsabilidade. Pega o carro, se abasteça de bebidas, comidinhas, pega o crush e vai acampar, procura uma praia mais deserta ou simplesmente faz um piquenique num parque que esteja mais vazio. Explore lugares novos, tem essas pousadas mais afastadas da cidade que tem cachoeiras na redondeza, dá pra fazer umas trilhas. O segredo é manter a caixinha de som carregada pra poder sempre curtir um sonzinho e esquecer a correria da cidade, se ligar mais na natureza.

Agora, se você tem aí um baita espaço legal ao ar livre e tem um grupo pequeno (eu disse pequeno, hein) de amigos que estão se cuidando e tal… olha, dá até pra juntar pra tomar uma cervejinha, pegar uma piscina, relaxar e esquecer um pouco dos problemas. É só ficar todo mundo numa boa distância um do outro, cada um levar sua bebida e seu rango, usar máscara… enfim. Você já tá ligado como funciona, né? Por mais que a gente esteja de saco cheio disso tudo, fazer diferente é pior pra todo mundo Mas fazendo a parada direitinho, dá pra aproveitar muito bem o verão com poucos, mas bons, amigos.

O verão é a estação mais divertida do ano, e isso ninguém pode negar! E a gente só quer que você aproveite cada minuto! Seja na praia, na beira da piscina, acampando, andando de bike, tomando banho de chuva, ou pegando um ar condicionado fresquinho em casa, a Strip Me tem sempre a camiseta certa! Diversão e arte! E responsabilidade, claro! Aproveite o verão! E aproveite também a nossa Summer Sale, com várias estampas com um descontinho esperto! Confere lá no site!

Vai fundo!

Para ouvir: Nossa Playlist Top 10 Summer Songs tá um arraso. Clica aí e divirta-se!

Para assistir: Vamos combinar que verão também é ficar em casa de bobeira de tarde e assistir de novo aquele filme que você já viu dezenas de vezes! Neste quesito, Curtindo a Vida Adoidado (Ferris Bueller’s Day Off) é imbatível Filme que todo mundo já viu e não cansa de ver de novo! Filminho que é a cara do verão!

Para Ler: Todo mundo conhece o Vinícius de Moraes pelas suas parcerias com Tom Jobim e Toquinho ou pelos seus sonetos. Mas Além de poeta, Vinícius era um cronista dos mais encantadores. Para Viver um Grande Amor é um livro delicioso que reúne várias crônicas bem humoradas e inspiradas do Poetinha, desses que você pode abrir em qualquer página que vai se encantar. Leitura recomendada para aqueles momentos relax na beira da piscina.

Perfil Collab STM: As curvinhas mágicas de IAANKS

Perfil Collab STM: As curvinhas mágicas de IAANKS

A gente gosta do mundo assim: sem barreiras, sem limites para a arte, com muito bom humor, e onde todo mundo, mas todo mundo mesmo, tenha seu espaço para se expressar. Não por mera coincidência, rola essa identificação tão massa entre a Strip Me e a Iaanks, afinal a gente acredita nas mesmas coisas.

A Iaanks é uma artista que representa com fidelidade o mundo novo. Nascida no Piauí, passou a infância no Maranhão e hoje, morando em Goiás, ela traz dentro de si a cultura nordestina do cordel e suas instigantes xilogravuras, mas carrega também as delícias dos desenhos animados matutinos, de He-Man a O Fantástico Mundo de Bobby. Na juventude, pintaram Laerte, Angeli, Adão Iturrusgarai, Robert Crumb, Hayao Miyazaki… só mestre, né? Além de todas essas referências, ela é formada em Artes Visuais na UFG (Universidade Federal de Goiás) e atualmente é mestranda em Arte e Cultura Visual na mesma universidade.  Ou seja, um encontro entre a brasilidade com a cultura global, a intersecção entre o conhecimento acadêmico e a leveza da simplicidade pop. Enfim, já deu pra sacar o quanto a Iaanks manja do riscado.

Aliás, curioso notar que ela costuma se referir aos seus desenhos como rabiscos, que, no fim das contas não deixam de ser, só que são muito mais. Suas ilustrações de curvinhas acabam definindo um traço único, cheio de personalidade e vida. Segundo ela mesma, são desenhos que falam “sobre situações rotineiras que atravessam medos, angústias e desejos, manifestando crises, conquistas e relatos que vão além do meu olhar.”. Justamente por serem uma interpretação de um olhar tão pessoal, os desenhos da Iaanks são muito originais. Com muito sarcasmo e cores pastéis eles refletem uma mulher consciente, forte e muito criativa.

Importante reforçar isso. Uma mulher. Em especial no cartum, mas nas artes visuais de maneira geral, poucas são as mulheres que tem sua arte devidamente valorizada, em contra partida, são muitas as artistas mulheres que produzem obras de qualidade incansavelmente. A Iaanks citou algumas delas: Tais Koshino, Flávia Brioschi, Júlia Balthazar, Helena Obersteiner, Lara Fuke, Estela May, Fabiane Langona, Fernanda Bornancin, Mariana Corteze e muitas outras. A gente quer um mundo sem barreiras, mas ainda há muitas a serem quebradas.

Mas a gente vai quebrando essas barreiras como dá! De preferência com bom humor, dando aquelas alfinetadas gostosas em quem merece e com muita diversão e arte! Por isso que a collab da Iaanks com a Strip Me segue firme e forte.  Pra finalizar você confere um pouco do nosso bate papo com a Iaanks.

STMAnalógica ou digital? Você desenha direto no computador/tablet ou curte a tinta no papel?

Iaanks – Dos dois modos, não abro mão da experiência de desenhar no papel mas peguei uma birrinha de tinta e lápis de cor então, faço o desenho com lápis e canetinha nanquim, digitalizo em um scanner velho, jogo no Photoshop e faço todo o restante, cor, luz etc. É basicamente esse todo o processo, sigo acumulando pilhas de papel que acabam virando outros trabalhos, mas não ando fazendo as melequinhas bouas com tinta ou lápis de cor.

STMAlém de desenhar e passar nervoso, o que tem feito em casa, durante a pandemia?

Iaanks – Tenho estudado e escrito bastante porque estou chegando na fase final da minha pesquisa de mestrado, inclusive tem sido difícil conciliar o trabalho de pesquisadora com os trabalhos de ilustração, um dos lados sempre acaba sofrendo e minha ansiedade escalando alturas maiores. rs

STM Não precisa nem dizer que sua arte sempre passa uma mensagem, de todo o tipo, aliás. Tem alguma coisa que você queria dizer para as pessoas e ainda não conseguiu traduzir em um desenho?

Iaanks – Pizza com café é uma delícia!

STMQuem ou o quê te inspira e te faz querer desenhar? E quem ou o quê te desanima a pegar na caneta?

Iaanks – Minhas amigas e amigos me inspiram diariamente, sempre que me sinto frustrada em relação a alguma situação complicada ou desanimada em concluir projetos super desgastantes elas/eles estão por perto me arrancando um riso frouxo com os causos mais bestas, esses causos sempre se contorcem em várias ilustrações. Estou em um relacionamento há onze anos e dessa história também saem muitos desenhos, bons, ruins, engraçados, aleatórios do tipo “que merda é essa?” Meu companheiro também é ilustrador então, nossas ideias se cruzam por vezes resultando em muitas ilustrações que as vezes até seguem a mesma linha de pensamento, apesar de muito diferentes. Mas costumo me inspirar mesmo é nas pessoas que observo de longe, pessoas que vejo na rua, nos lugares onde frequento (ou frequentava, pois, pandemia!), nas atitudes rotineiras vistas pela janela do ônibus, durante a aula, no balcão do bar… Sabe aquela pessoa que fica de ouvidão nas conversas do ônibus, sou eu, é eu sei… Pois dessas conversas ouvidas pela metade, saem muitos desenhos. Hehe

O que me desanima de verdade é ver gente que descredita meu trabalho, que divulga minhas artes apagando minha assinatura ou sem citar meu nome, que usa sem autorização para fins que nem de longe se aproximam com o que acredito e defendo.

STM – Os heróis do Cazuza morreram de overdose. E os seus heróis, na vida e na arte, ainda estão por aí? Quem são eles?

Iaanks – São elas! Mulheres que fazem e fomentam arte independente, que estão no corre diário por um espaço onde seu trabalho possa ser protagonista de novas narrativas. Mulheres empreendedoras, cientistas sociais, professoras como minha mãe, nordestina paulera que apesar de todas as condições de insalubridade nos presídios onde deu aula, nunca deixou de lado os desejos que impulsionavam a gastança de canela debaixo de um sol de 40 graus…

STM Diversão e arte além dos teus desenhos, o que você curte?

Iaanks – Gosto muito de patinar, jogar vídeo game, fazer festinha aqui em casa e chamar gente até não caber mais (inclusive, vem logo vacina!), ler quadrinho, ver filme de animação 2D e sair pra conhecer gentes, gosto muito de falar então conhecer gente me dá margem pra exercitar o cunversêro. :p

STMQual a sensação de saber que seus desenhos enchem o peito de muita gente Brasil afora através da Strip Me?

Iaanks – Coração vira uma bolinha de manteiga derretendo no fundo da frigideira quente, bestinha de alegria.

STMManda aquele recadinho fofo de Ano Novo pro pessoal.

Iaanks – 2021 também vai ser uma merda.

É isso. Sendo este o primeiro post do ano, mandamos aquele f*32-se caprichado pra 2020, e que venha 2021! A Strip Me já vai começar o ano cheia de novidades. Fica de olho!

Feliz Ano Novo!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist caprichada com o que não sai dos ouvidos da Iaanks. Um top 10 tracks escolhidas a dedo por ela!

Para assistir: Na onda de valorizar cada vez mais a arte feita por mulheres, recomendo demais o ótimo filme A Voz Suprema do Blues (título original: Ma Rainey’s Black Bottom). Produção da Netflix, esse filmaço mostra uma sessão de gravação tensa da Ma Rainey, a primeira cantora de blues a ter um contrato numa grande gravadora. A atuação de Viola Davis é absurda e o filme como um todo é sensacional! Tem na Netflix e é recomendadíssimo!

Para ler: Gemma Correll é uma ilustradora britânica muito criativa! Ela já tem vários livros lançados, infelizmente, nem todos saíram aqui no Brasil O que eu recomendo hoje é um dos que não tem versão em português, entretanto, vale a pena demais conferir! É tão crítico quanto engraçado e com ótimos desenhos. O livro se chama The Worrier’s Guide to Life e dá pra comprar o ebook facinho.

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.