Press Start

Press Start

Tudo indica que os jogos são tão antigos quanto a humanidade. Quando os primeiros seres humanos começaram a se organizar em sociedade, deixando de ser grupos de nômades que se limitavam a caçar e comer o que encontravam, e passaram a se estabelecer em um determinado local, plantar e realizar outras tarefas, com certeza ali já tinha alguém tirando no palitinho pra ver quem ia construir  uma cabana ou lavar os potes sujos de comida. Certamente já tinha também uns dois ou três que apostavam alguma coisa quando um homem saía pra caçar algum bicho feroz: “Aposto duas pedras e uma ponta de flecha que ele não volta vivo.”. “Eu aposto as pedras, a lança e mais esse punhado de trigo que ele volta. Eu já vi ele caçando um búfalo sem lança nem nada uma vez.”. Mas enfim, claro que a gente não vai tão longe e contar a história dos jogos na humanidade. Vamos dar um salto temporal considerável e chegar em 1970.

A década de 70 foi onde tudo começou para quem se liga em vídeo games. Nessa época, pra jogar um jogo eletrônico, você tinha que sair de casa com algumas moedas, e as opções eram poucas. Tinha que entrar num bar pra jogar essencialmente pinball e um ou outro jogo de computador como o clássico Space Invaders. Eram máquinas do tamanho de uma geladeira, com uma tela e alguns botões, onde você inseria uma moeda e tentava se manter o maior tempo possível jogando sem “morrer” e ter que inserir uma nova moeda. Além do mais, alguns desses jogos arquivavam as pontuações mais altas e o jogador podia inserir seu nome. O que fomentava uma certa competitividade entre os frequentadores do local.  Tais aparelhos são conhecidos como arcade. Inicialmente eles ficavam em bares e lanchonetes, mas depois se popularizaram tanto que passaram a coexistir em salas com vários arcades, eram os fliperamas.

Anos antes, no fim dos anos 60, um estudante de engenharia elétrica da Universidade de Utah, nos cafundós dos Estados Unidos, chamado Nolan Bushnell começou a trabalhar em parques de diversão para levantar um dinheirinho. Ele gerenciava algumas máquinas de pinball e começou a ter ideias. Juntou com um camarada e montou uma empresa de tecnologia chamada Syzygy, que fazia manutenção nas máquinas de pinball, mas tinha como objetivo maior criar novos jogos. Em 1971 eles criaram o jogo Computer Space, que se tornou um dos primeiros arcades da história. E era uma parada revolucionária pelo simples fato de que eles usaram peças usadas de outros aparelhos e conseguiram realizar funções que antes só rodavam em computadores grandes em um aparelho pequeno e mais barato, usando circuitos de uma televisão velha.

O jogo não era grande coisa se a gente olhar hoje em dia, mas para época foi incrível. Fez um sucesso enorme. No ano seguinte a empresa começou a trabalhar num novo projeto. Mas antes de seguir em frente teve o bom senso de trocar de nome. Deixaram de lado o nome horroroso Syzygy para passar a se chamar Atari! O tal projeto novo se tornou mais um hit. Era basicamente uma partida de tênis vista de cima, com um quadrado branco sendo a bola e duas retas brancas como raquetes, que se movem para cima e para baixo. O nome do jogo era Pong. Arcades de Pong foram espalhados por vários pontos dos Estados Unidos e renderam uma boa grana. Jogar em arcade era muito divertido, mas tinha um problema sério: a hora de parar. Caso você não tivesse pais controladores que exigissem que você estivesse em casa antes do anoitecer, você corria o risco de o dono do bar desligar a máquina e te mandar embora para ele poder fechar o estabelecimento. Em 1975 a Atari conseguiu resolver esse grande problema criando um aparelho que você conectava na televisão de sua casa e podia jogar o Pong. O console foi lançado no natal daquele ano e vendeu duas vezes mais do que o esperado pela empresa.

A Atari começou então a desenvolver novos jogos que viravam arcades e também consoles pra se jogar em casa. Um desses jogos era o Breakout e foi desenvolvido por um hippie meio sujo, que vivia fumando um cigarrinho de artista, chamado Steve Jobs. Mas Bushnell tinha um sonho maior, e muito caro. Desenvolver um só console que pudesse rodar vários jogos diferentes, como uma vitrola que toca vários discos. Ainda que os negócios fossem bem, a Atari não lucrava tanto a ponto de bancar um projeto desse porte. Eis que a gigante Warner, que já se tornava um grande conglomerado multimídia se interessou pela empresa e a comprou. Agora sim, Bushnell poderia realizar seu sonho. Em 1977 é lançado o Atari Video Computer System, Atari VCS. Pouco Tempo depois ele foi rebatizado com o nome pelo qual ficou realmente conhecido, o Atari 2600.

O Atari era realmente um aparelho impressionante. Era um hardware simplíssimo, com apenas 128 bytes. É isso aí, bytes! Não é nem megabyte e nem gigabyte! É só bytes mesmo! Pra você ter ideia, hoje em dia tem celular por aí que pode chegar a 1 terabyte de memória! Enfim, acompanhava o console dois joysticks e um jogo, além de terem disponíveis para compra separadamente 8 cartuchos de jogos. Foi uma revolução e uma festa. Festa esta que durou pouco. Até então, a equipe da empresa era super bem entrosada, e era um bando de malucos que trabalhava de bermuda e andavam descalços pelo escritório, além de fumar maconha livremente e fazer festas homéricas quando metas de vendas de novos jogos eram batidas. Mas a Warner começou a cortar as asinhas dessa turma. Insatisfeito, Nolan Bushnell resolveu abandonar o barco em 1978. Se desligou da Atari para realizar outro de seus planos mirabolantes: uma rede de lanchonete chamada Chuck E. Cheese’s

Em 1979 outros funcionários da Atari, David Crane, Larry Kaplan, Bob Whitehead e Alan Miller, deixam a empresa para fundar a sua própria, a Activision. Primeira desenvolvedora de jogos para consoles que se tem notícia. Eles começaram desenvolvendo jogos para o Atari 2600, mas logo passaram a produzir também para outros consoles como o Odissey e o Coleco Vision.  É da Activision clássicos como Pitfall, River Raid e Enduro. Mas o fato é que à partir daí, a coisa começou a ficar feia pra Atari. Uma sucessão de erros fez com que a empresa começasse um declínio inimaginável. Além de querer lançar cada vez mais jogos, sem se preocupar tanto com a qualidade e a concorrência crescente de consoles de outras marcas que começavam a desnortear a Atari, a empresa já tinha perdido praticamente todas as pessoas responsáveis pelos grandes jogos e pelo próprio console Atari. Pra piorar, a Warner, através da Atari, se meteu a querer desenvolver computadores para competir com a IBM. Não tinha como dar certo.

O curioso é que quando as coisas começaram a andar mal nos Estados Unidos, o Brasil começava a tomar conhecimento do Atari e a molecada pirou forte. O Atari chegou oficialmente por aqui em 1983. Antes disso, algumas poucas pessoas tinham acesso ao console através de comissários e aeromoças que viajavam para o exterior, turistas que traziam na mala… enfim, não era nada fácil. Mas quem descolava um virava rei. E o Brasil funciona de um jeito diferente, né. Pois teve uma empresa de São Paulo que pegou um Atari, desmontou, entendeu como funcionava e… pirateou! Sim! Meses antes do Atari chegar ao Brasil, você podia encontrar nas lojas o Dactari! Claro, não funcionava tão bem e tal. Mas quebrava um galho. Porém, na mesma época, a Philips do Brasil comprou os direitos do Odissey e passou a comercializá-lo no Brasil. Na sequência veio o Atari e foi uma verdadeira loucura. O que mais chamou a atenção no lançamento do Atari no Brasil no fim do ano de 1983 foi a campanha publicitária genial criada na DPZ pelos publicitários Francisco Petit, Washington Olivetto, Paulo Ghirotti e Gabriel Zellmeister. Nas peças o Atari era vendido como “O Inimigo”, com títulos como “O inimigo número 1 da solidão” e “O melhor inimigo do homem”.

A história do Atari e dos vídeo games que vieram depois dele, como o Nintendo, o Master System e o Mega Drive, é incrível e repleta de detalhes espinhosos. Uma verdadeira odisseia até chegarmos aos dias de hoje, com games incrivelmente realistas, com roteiros cinematográficos, e também com os jogos online. Uma história que a gente vai contando aos poucos, saboreando cada momento. Afinal, esses jogos clássicos extrapolaram o mundo dos games e viraram ícones pop de toda uma geração. Inovar, romper barreiras, criar livremente, se divertir e, ainda por cima, virar ícone da cultura pop. Tá na cara que a Strip Me ia chegar chegando com uma coleção de estampas sobre games! Confere lá na nossa loja essas estampas e vários outros lançamentos!

Vai fundo:

Para ouvir: Uma playlist no capricho com músicas sobre vídeo games. Top 10 tracks Video Game!

Para assistir: Tem um documentário interessantíssimo sobre a chegada dos consoles de vídeo game no Brasil chamado 1983 – O Ano dos Videogames no Brasil. O filme é dirigido por Artur Palma e Marcus Chiado Garrett e foi lançado em 2017. Além de muitos depoimentos, o filme conta com várias imagens bem legais da época do lançamento desses games aqui no Brasil. Vale a pena demais assistir. Tem completinho no Youtube, só clicar aqui.

Adicionar um comentário


Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.