Samba rock: o que é, quem inventou e os 10 discos essenciais.

Samba rock: o que é, quem inventou e os 10 discos essenciais.

No embalo do mês do rock, a Strip Me traz o rock à brasileira por excelência. O samba-rock começou na década de 1950 e segue sendo uma das mais genuínas expressões artísticas do Brasil. Saiba tudo sobre este gênero aqui.

“Eu só boto bebop no meu samba quando o Tio Sam tocar um tamborim. Quando ele pegar no pandeiro e na zabumba, quando ele aprender que o samba não é rumba. Aí eu vou misturar Miami com Copacabana, chiclete eu misturo com banana e o meu samba vai ficar assim. Olha aí o samba-rock, meu irmão!” Ironicamente a primeira menção ao termo samba-rock se encontra nesta música de 1959, um dos grandes clássicos da música brasileira, interpretada pelo mestre Jackson do Pandeiro. E a ironia é que a canção é justamente um manifesto em prol da pureza do samba contra os estrangeirismos que invadiam o Brasil naquela época, exigindo que, se é pra rolar essa fusão, que seja feita igualmente. Nem mesmo ritmicamente a música remete ao gênero. Ainda assim, pode ser considerada um dos pontos de origem do samba-rock. Hoje a Strip Me dá uma geral no samba-rock, com suas origens, principais nomes e os 10 discos essenciais do gênero.

No passinho.

O samba-rock é um caso interessante, onde a dança veio antes que a música. Anos antes de Jorge Ben eternizar sua batida de violão inigualável no clássico Samba Esquema Novo, já rolavam em São Paulo grandes bailes, onde pessoas de classe média e classe baixa se divertiam e dançavam ao som dos grandes sucessos internacionais e brasileiros da época. Em meados dos anos 50 os melhores salões de baile da cidade de São Paulo eram animados por grandes orquestras e prevalecia um elitismo descarado, com segregação racial e tudo. Já os bailes frequentados pelas classes menos abastadas eram animados por grandes sistemas de som, onde rolavam os discos de sucesso do momento. Como era comum rolar um rock e depois um samba no som, o pessoal começou a misturar os passos de dança. Principalmente os negros que frequentavam esses bailes, começaram a desenvolver passos de twist e rock no ritmo do samba. E isso virou febre, essa nova dança acabou chegando no Rio de Janeiro e ganhou o nome de samba-rock.

Tudo Ben.

Se a gente quiser ser muito técnico e racional, podemos dizer que o samba-rock é um samba onde a acentuação rítmica é alterada, sendo o compasso do samba, que é binário (2/4), adaptado ao compasso quaternário (4/4) do rock. Além disso, é marcante o uso de guitarra, baixo e bateria, com o adicional de alguma percussão e naipe de metais. Mas como toda arte realmente expressiva e original, tudo aconteceu naturalmente, de maneira instintiva.

É senso comum que quem realmente inventou o samba-rock foi Jorge Ben Jor (à época conhecido apenas como Jorge Ben). O próprio já contou em entrevistas que, sendo um músico autodidata, acabou desenvolvendo uma batida de violão única ao tentar emular o violão bossanovista de João Gilberto. Isso fez com que ele tivesse uma batida de violão mais suingada e sincopada, que ficava entre a bossa nova e o rock. Apesar do disco de estreia de Jorge Ben, Samba Esquema Novo, ser um clássico absoluto, com músicas como Mais que Nada e Chove Chuva, seus 4 primeiros discos são discos mais convencionais, de samba e bossa nova. Foi em 1969, com o disco entitulado simplesmente Jorge Ben, que Jorge conscientemente começou a lapidar seu estilo, criando algo novo. Neste disco estão hits como País Tropical, Que Pena (Ela Não Gosta Mais de Mim), Charles Anjo 45, Take it Easy My Brother Charles e Cadê Tereza. E o samba-rock seria cristalizado definitivamente como gênero musical distinto no antológico disco de 1974 A Tábua de Esmeralda, onde Jorge Ben realmente alcança seu auge criativo.

10 discos essenciais do samba-rock.

Jorge Ben (1969) A Tábua de Esmeralda (1974) África Brasil (1976)

Jorge Ben Jor estabeleceu os fundamentos do samba-rock nesses 3 discos. No disco de 1969 ainda encontramos muitos elementos, incluindo as bases rítmicas, mais voltadas para o samba, mas tanto na temática das letras quanto nos arranjos, dá pra sacar algo mais. São canções mais ensolaradas e empolgantes. N’A Tábua de Esmeralda Jorge Ben já consolidou uma cadência singular e arrebatadora. A real é que convencionou-se chamar o gênero de samba-rock, simplesmente por misturar a música brasileira com elementos da música negra norte americana, o rock aí incluso. Mas, além do rock, também o soul e o funk fazem parte dessa mistura. A Tábua de Esmeralda já abre com uma levada de violão irresistível, que nada mais é do que um samba funkeado. E o disco todo tem essa toada, com composições brilhantes. Em África Brasil Jorge Ben atinge um nível altíssimo de qualidade em suas canções. Um disco conceitual muito bem elaborado onde, através de canções como Ponta de Lança Africano, Taj Mahal, Xica da Silva, A História de Jorge, África Brasil (Zumbi), Jorge Ben se conecta seus ancestrais e conta a história dos negros no Brasil. É um disco irretocável.

Di Melo – Di Melo (1975) Cheio de Razão – Bebeto (1978) Branca Mete Bronca – Branca di Neve (1987)

Como já foi dito, o samba-rock também tem em seu DNA muito do soul e funk. E foram artistas mais ligados nesse tipo de som que embarcaram na onda do samba-rock, alguns com mais ênfase no groove, o que deu uma nova cara ao estilo. Por isso, o disco do pernambucano Di Melo figura entre os mais relevantes não só do samba-rock, mas da música popular brasileira dos anos 70. Com grandes canções, Di Melo mescla ritmos e estilos com naturalidade. O disco em questão, seu primeiro LP, ainda hoje é reverenciado pela sua inventividade, sendo sampleado por muitos DJs mundo afora. Já com o pé mais fincado no samba, Bebeto foi outro que entendeu bem a mensagem de Jorge Ben e conseguiu conceber um disco delicioso de se ouvir, cheio de suíngue e boas melodias. O percussionista Branca di Neve foi outro que soube como poucos compor grandes canções com muito sambalanço. Branca di Neve era paulista e fez parte do lendário grupo Os Originais do Samba, além de ter sido músico de apoio de artistas como Toquinho e Nara Leão. Depois de toda uma vida dedicada a tocar com outros artistas, somente no fim dos anos oitenta resolveu gravar suas próprias composições. Branca Mete Bronca é uma aula de samba-rock.

Por Pouco – Mundo Livre S/A (2000) Samba Esporte Fino – Seu Jorge (2001) Samba Rock – Trio Mocotó (2001)

A excelente banda Mundo Livre S/A tem sua existência completamente ligada ao movimento manguebeat e ao rock mais convencional. Ainda assim, em seu quarto disco de estúdio acabaram por cometer uma obra que reverencia e referencia o samba-rock e, em especial, Jorge Ben Jor. Com letras impactantes, as canções vão além do suíngue do samba-rock ao incorporar também elementos de hip hop e outros estilos. Uma obra prima que abre as portas do século XXI na música brasileira com muita classe. No ano seguinte Seu Jorge lança seu primeiro disco, uma obra arrebatadora. Puxado pelo hit Carolina, é um disco saborosíssimo, desses que não dá vontade de pular nenhuma faixa. Compositor de mão cheia, Seu Jorge usa o samba-rock, o soul e a gafieira pra enfileirar grandes canções, a maioria exaltando o Rio de Janeiro. No mesmo ano, o legendário Trio Mocotó retornou às atividades depois de um hiato de décadas. E aqui estamos falando de verdadeiros mestres do samba-rock, afinal o grupo foi a banda de apoio de Jorge Ben entre 1969 e 1971, para em seguida seguir carreira solo. O Trio Mocotó gravou com Jorge Ben os discos Jorge Ben (1969), Força Bruta (1970) e Negro é Lindo (1971). Em 1973 a banda lançou seu primeiro disco próprio, que teve boa repercussão na mídia, mas não vendeu muito e a banda se separou em seguida. Voltaram só em 2001 com um disco arrebatador e irresistível. Excelentes canções executadas com brilhantismo e uma produção moderna e vigorosa! Um disco fundamental.

Gil & Jorge – Gilberto Gil e Jorge Ben (1975)

Mais do que um disco essencial para entender o samba-rock, Gil & Jorge é um disco monumental da música brasileira, cuja história da concepção do álbum é das mais pitorescas. No início de 1975 calhou de vir passar uns dias de férias no Brasil ninguém menos que Eric Clapton. André Midani, diretor da gravadora Philips, ao saber da notícia, logo tratou de organizar uma festinha para o guitarrista inglês, contando com vários dos artistas brasileiros contratados da gravadora. Lá estavam Caetano Veloso, Rita Lee, Gilberto Gil e Jorge Ben, entre outros. Festa rolando, eis que pintam uns instrumentos e uma jam é iniciada. Em certo ponto, só estão Clapton, Gil e Jorge Ben, o primeiro com uma guitarra o os outros dois com violões, rolando altos improvisos. Mas logo Clapton desiste de tocar, um pouco incomodado. O fato é que os improvisos de Gil e Jorge, com ritmos cambaleantes e harmonias truncadas deram um nó na cabeça do guitarrista inglês. A dupla seguiu improvisando em cima de temas já existentes e também criando novos. No dia seguinte à festa, Midani reservou alguns horários num dos estúdios da gravadora e fez com que Gilberto Gil e Jorge Ben reproduzissem aquela jam com uma banda de apoio e que tudo fosse gravado. Assim surgiu o disco antológico Gil & Jorge. E, de fato, é um disco fenomenal.

Assim como o gênero musical segue firme e se renovando, o samba-rock enquanto dança também ainda resiste e é praticado em salões por todo o país. Definitivamente uma expressão cultural brasileira única, riquíssima e recheada de boas histórias. Um prato cheio para instigar e inspirar a Strip Me. Vem conferir a nossa coleção de camisetas de música e de brasilidades pra se conectar com esse sambalanço gostoso. Aproveita pra dar uma olhada nas coleções de camisetas de arte, cinema, cultura pop, bebidas, games e muito mais. No nosso site, além disso tudo, você também fica por dentro de todos os nossos lançamentos, que pintam por lá toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist cheia de suíngue com o que tem de melhor no samba-rock! Samba-rock top 10 tracks.

Dia do Rock: As 10 guitarras que mudaram a música.

Dia do Rock: As 10 guitarras que mudaram a música.

Para celebrar o Dia do Rock, nada mais adequado do que falar sobre o símbolo máximo do gênero, a guitarra. A Strip Me elenca os 10 modelos de guitarra mais marcantes da história do rock ‘n roll e da música pop.

O que veio primeiro? A guitarra ou o rock ‘n roll? Este não é um caso do ovo ou a galinha. Claramente a guitarra veio primeiro, desenvolvida na década de 1940. Não existe um consenso sobre um marco zero, ou o registro da primeira guitarra fabricada e quem a criou. Técnicos e músicos foram desenvolvendo ao longo do tempo, primeiro tentando amplificar o som do violão e depois, com a invenção do captador, começou a evolução da guitarra. O captador foi criado em 1923 pelo músico e engenheiro acústico americano Lloyd Loar. Trata-se de um dispositivo que transforma a vibração das cordas de aço em sinais elétricos, que são transformados em ondas sonoras num amplificador. Em 1932 um músico suíço radicado nos Estados Unidos ficou amigo de Loar, conheceu sua invenção e desenvolveu um protótipo de um instrumento de braço longo e corpo com curvas arredondadas, equipado com uma placa eletrificada com o captador de Loar. Este protótipo foi patenteado por seu criador, Adolf Rickenbacker, e é considerado por alguns historiadores como a primeira guitarra propriamente dita.

Mas desde que Bill Haley gravou a seminal faixa Rock Around the Clock empunhando uma Gibson ES 300 o mundo nunca mais foi o mesmo. Em seguida, Chuck Berry imortaliza a Gibson ES 335 com seu duck walk e Elvis Presley leva o rock ‘n roll para todos os cantos do mundo, sempre acompanhado de seu fiel escudeiro, o guitarrista Scotty Moore, que tocava uma linda Gibson ES 295 dourada, guitarra esta que ficou conhecida como a guitarra que mudou o mundo. Apesar de inicialmente ser um instrumento pensado mais para o jazz e blues, logo a guitarra se tornou a locomotiva do rock. E muitos foram os diferentes modelos desenvolvidos nesses 70 anos de excessivo uso da escala pentatônica. A Strip Me traz os 10 modelos de guitarra que entraram para a história do rock.

Cigar Box Guitar

Se a gente pensar no rock ‘n roll como atitude e life style, dá pra considerar que tudo começou mesmo no fim do século XIX. Os Estados Unidos viviam uma depressão econômica grave. Para quem curtia fazer um som, a situação era delicada, já que os instrumentos musicais eram caríssimos. Assim, no melhor estilo Do It Yourself, músicos de bluegrass e blues aproveitavam caixas de charutos, que eram de madeira e davam boa acústica, para criar instrumentos que simulavam banjos e rabecas. Eram instrumentos que iam de 1 a 4 cordas. No começo do século XX, depois da invenção do captador, músicos de blues eletrificaram esses instrumentos, buscando novas sonoridades. Quem primeiro se notabilizou ao utilizar uma cigar box fazendo as vezes da guitarra foi Blind Willie Johnson, um dos pioneiros do blues. Mas não podemos chamar o instrumento de guitarra, já que a cigar box ali tinha menos cordas e um braço mais curto. Foi outro bluesman quem fez da cigar box uma guitarra de fato. Bo Diddley adorava a sonoridade da cigar box e levou a ideia para um luthier. A ideia era fazer uma guitarra convencional, com 6 cordas e braço de 21 escalas, além de um captador, mas o corpo sendo uma caixa quadrada de madeira. Outros guitarristas curtiram a ideia e as cigar box guitars se popularizaram. Além de Diddley, Billy Gibbons do ZZ Top, os mestres do blues Albert King e Buddy Guy e até mesmo Paul McCartney já se aventuraram tocando uma cigar box guitar.

Gretsch Country Gentleman

A Gretsch começou como uma pequena fábrica e loja de instrumentos de percussão. Com bom olho para os negócios, o jovem Fred Gretsch se ligou na crescente popularidade das guitarras Gibson entre músicos de jazz e big bands e começou a fabricar guitarras similares, mas mais baratas. Com ótimo senso estético, as guitarras de Gretsch tinham um design mais elegante e cheio de detalhes. Nos anos 50, sua sonoridade encorpada encantou guitarristas que começavam a se aventurar no r’n’b e rock ‘n roll e foi parar nas mãos de gente como Chet Atkins, Carl Perkins e Eddie Cochran. Se tornou assim o maior símbolo do rockabilly, estilo que, além dos músicos citados, teve no início representantes como Elvis Presley e Jerry Lee Lewis. Nos anos 80 a banda Stray Cats reacendeu a chama do rockabilly, tendo a frente o talentoso guitarrista Brian Setzer, que sempre usou guitarras Gretsch. Para além do rockabilly, a guitarra Gretsch Country Gentleman já foi um dos instrumentos favoritos de George Harrison e é o sonho de consumo de muito guitarrista por aí.

Fender Telecaster

Fender e Gibson rivalizam desde os anos 50, disputando o posto de marca favorita dos músicos. Até 1950 a Gibson dominava o mercado e, até então só existiam guitarras semi acústicas ou acústicas. Foi Leo Fender que desenvolveu a primeira guitarra de corpo maciço a se tornar popular. O fato de o corpo do instrumento não ser oco diminuía microfonia e permitia um som com mais sustentação. A Tele foi logo adotada por vários guitarristas, em especial músicos de country, que apreciavam seu som mais seco e grave. Já no final dos anos sessenta, a Tele se popularizou entre os guitarristas de rock. No lendário show dos Beatles em cima do prédio da Apple, George Harrison usa uma linda Telecaster rosewood, e essa mesma guitarra foi utilizada na gravação de boa parte do disco Let It Be. Mas a tele se tornou icônica mesmo nas mãos de dois gênios. Um é Keith Richards, que imortalizou a tele com a afinação aberta em sol, sem a corda mi mais grave. O outro é The Boss Bruce Springsteen, com riffs simples, mas brilhantes.

Rickenbacker 360/12

A Rickenbacker sempre produziu bons instrumentos, mas até o começo dos anos 60 era uma marca modesta e sem grande expressão. Quem catapultou a marca foram os Beatles. John Lennon e George Harrison se encantaram com o timbre mais estridente e vigoroso das guitarras da marca e passaram a utilizá-las. Mas foi o modelo 360/12 que realmente mudou tudo. Foi a primeira guitarra de 12 cordas que a Rickenbacker fabricou, e acertou logo de cara. George Harrison logo a adotou e é possível ouví-la em várias gravações dos Beatles entre 1964 e 1966, incluindo clássicos como A Hard Day’s Night e Ticket to Ride. A sonoridade límpida e única dessa guitarra encantou também outros músicos (por causa dos Beatles, diga-se). Assim, a Rickenbacker 360/12 tornou-se uma das marcas registradas da sonoridade da banda The Byrds e toda a cena folk rock que se formava na California. Este modelo também brilhou nas mãos de caras como Tom Petty, Johnny Marr, Pete Townshend e Jeff Buckley.

Gibson ES 335

Certamente uma das guitarras mais marcantes da história da música. Uma guitarra semi acústica robusta e versátil. Um de seus diferenciais é a combinação dos dois captadores hambucker com as reentrâncias do corpo do instrumento, criando um som mais denso, que num volume mais alto, mesmo sem nenhum efeito, pode soar levemente distorcido. Foi um dos primeiros modelos desenvolvidos pela Gibson e logo se tornou o mais popular, sendo desbancado apenas pelo modelo Les Paul anos depois. Mas até hoje é o segundo modelo da marca mais vendido. A ES 335 é simplesmente a guitarra de Chuck Berry. A lendária guitarra Lucille do mestre B.B. King é uma Gibson ES 335 preta. Também é a guitarra favorita de Andy Summers, John McLaughin, Johnny Rivers, Noel Gallagher e muitos outros. Ah, sim. Também é a guitarra que Marty McFly usa para tocar Johnny B. Goode em 1955.

Mosrite Ventures II

Samie Moseley era guitarrista e aprendiz de luthier. Trabalhou na fábrica da Rickenbacker, onde aprendeu muito. Na metade da década de 50 decidiu abrir sua própria fábrica de guitarras. Nascia a Mosrite. Moseley se ligou no sucesso que a Telecaster e a recém criada Stratocaster, da Fender, estavam fazendo e investiu na criação de guitarras de corpo sólido, com design mais moderno. No começo dos anos 60 fez uma parceria que mudou o rumo da empresa. Junto com o guitarrista Don Wilson, Moseley criou uma guitarra especial para a banda de Don, The Ventures. Era um instrumento cuja sonoridade era mais aguda e parecia ter um vibrato natural. Além disso, tinha um design diferente, mais alongado. E foi o modelo Mosrite Ventures II que mudou o mundo, ao se tornar a guitarra preferida de um moleque em New York no começo dos anos 70. Claro que estamos falando de John Cummings, que ficaria mais conhecido como Johnny Ramone. Por causa dos Ramones, a Mosrite se tornou símbolo do punk rock. Até porque, antes do Johnny Ramone, Dave Alexander dos Stooges e Fred Smith do MC5 já usavam guitarras Mosrite. E décadas depois, uma Mosrite também foi a primeira guitarra de Kurt Cobain.

Fender Jaguar

Falando em Kurt Cobain, a Fender Jaguar não pode ficar de fora dessa lista. Criada pela Fender em 1962 justamente para competir com a Mosrite, era a guitarra ideal para a crescente onda de surf music de bandas como The Shadows e The Ventures. A Jaguar é uma evolução da Jazzmaster, instrumento que a Fender criou para agradar os guitarristas de jazz, com um timbre mais encorpado e versátil. A Jaguar vinha com mais possibilidades de sons através do controle independente dos captadores. Foi um modelo que dominou o mercado nos anos 60, mas depois perdeu espaço para a Les Paul e novos modelos da Gretsch. Mas nos anos 80 foi redescoberta na Inglaterra pela turminha pós punk, sendo a guitarra número 1 do Johnny Marr, guitarrista dos Smiths, e nos Estados Unidos pelos alternativos como Thurston Moore e Lee Ranaldo do Sonic Youth. Mas quem fez a Jaguar voltar com tudo mesmo, foi Kurt Cobain (que começou a usá-la justamente por influência do Sonic Youth). Nessa época, a Jaguar já havia passado por algumas reformulações e, agora vinha com captadores hambucker, mais robustos que os single coil utilizados nas primeiras levas do modelo nos anos 60. A Jaguar ficou marcada como a guitarra de Cobain, mas também teve muitos outros guitarristas célebres a empunhando, como Elvis Costello, Tom Verlaine, Mark Arm, Black Francis e muitos outros.

Gibson SG

A Gibson começou a fabricar a Les Paul em 1952, para entrar no mercado das guitarras de corpo sólido. Ganhou adeptos e tudo ia bem. Mas, no começo dos anos 60 as vendas da Les Paul começaram a cair. Além do valor, os guitarristas tinham duas reclamações recorrentes sobre o modelo: era muito pesada e o acesso às últimas escalas do braço era desconfortável. Assim, a Gibson se empenhou em desenvolver uma nova guitarra sólida, com a mesma qualidade da Les Paul, mas mais leve e com novo design. Nascia a Gibson SG (abreviação de Solid Guitar). E funcionou. A SG se popularizou rapidamente. Além do timbre potente, braço mais confortável e corpo mais fino e mais leve, seu design moderno agradou a turma do rock ‘n roll. Se tornou a guitarra de pesos pesados como Tony Iommi, Carlos Santana, Robby Krieger, Mark Farner e Max Cavalera. Também foi a guitarra que conquistou uma das mulheres mais importantes do rock ‘n roll. Sister Rosetta Tharpe já tocava guitarra com distorção no blues, muito antes do rock, e por isso, ela é considerada uma das pioneiras do rock. Quando a SG pintou no mercado, Sister Rosetta a adotou, e em suas apresentações mais notáveis no começo dos anos 60, ela toca uma bela SG branca. E, é claro, a SG, se tornou a marca registrada de Angus Young e é o modelo que remete imediatamente ao AC DC.

Gibson Les Paul

Apesar das críticas lá nos anos 60, a Les Paul nunca deixou de ser fabricada, e nem de vender muito. Sim, ela é uma guitarra pesada. Mas justamente pelo seu corpo sólido mais largo, ela tem um timbre tão marcante e profundo. Esse timbre também se deve aos dois captadores hambucker que produzem um som cristalino, sem ruídos e muito encorpado. Na real, é impossível conseguir um timbre igual ao de uma Les Paul com outro modelo de guitarra. A combinação desse timbre intenso da Les Paul com um amplificador valvulado como um Marshall produzem um som poderoso e irresistível. É por isso que a Les Paul é um dos modelos mais vendidos no mundo até hoje e é um dos maiores ícones do rock. Basta pensar em caras como Jimmy Page, Slash, Pete Townshend, Frank Zappa, Ace Frehley, Zakk Wylde, Marc Bolan e Neil Young, que automaticamente você verá uma guitarra Les Paul.

Fender Stratocaster

Não tem pra ninguém. A boa e velha Strato é a guitarra número 1 do mundo. Além de ser absoluta no rock, é uma guitarra versátil que serve muito bem a músicos de todos os estilos. Ao contrário da Les Paul, a Stratocaster é muito versátil, tem 3 captadores single coil, que permitem várias combinações de sonoridade. Apesar de serem captadores mais suscetíveis a ruídos e microfonias, tem um som com mais brilho e presença. A Strato é uma guitarra confortabilíssima de se tocar, com um braço fino e corpo leve. E seu design é marcante e imponente, o símbolo máximo do rock ‘n roll. Uma Strato plugada num amplificador Fender Twin Reverb é incomparável! Não é à toa que é a guitarra escolhida por Jimi Hendrix, Eric Clapton, Jeff Beck, Ritchie Blackmore, Rory Gallagher, Steve Ray Vaughan, John Mayer, David Gilmour e tantos outros. Aliás, David Gilmour é sabidamente o proprietário da Fender Stratocaster com o número de série 0001, fabricada em 1954. Se uma Fender fabricada hoje em dia já custa uma grana alta, imagine essa aí.

Menção honrosa: Frankenstrat

Se estamos falando de guitarras que ajudaram a revolucionar a música, não dá pra não falar de Eddie Van Halen e sua inigualável guitarra. Eddie Van Halen revolucionou o jeito de tocar guitarra no heavy metal. Além de sua habilidade assombrosa e inventividade, ele buscou inovar também em seu equipamento. Assim, não só desenvolveu efeitos e distorções próprias, como foi até a fábrica da Fender propor algumas alterações em sua Stratocaster. A guitarra batizada como Frankenstrat é uma Stratocaster com um captador hambucker na ponte e dois single coil no meio e no braço, além de uma ponte floyd rose, microafinação e uma pintura vermelha com traços brancos e pretos. A sonoridade de Eddie Van Halen com sua Frankenstrat influenciou diretamente guitarristas não só do metal, mas de vários gêneros, ajudando a popularizar guitarras com ponte floyd rose e microafinação.

Alguns anos atrás circulou uma notícia, verdadeira diga-se, de que a venda de guitarras elétricas tinha caído vertiginosamente ao redor do mundo. Isso aconteceu por vários motivos, incluindo o imediatismo inerente às novas gerações, acostumadas a ter tudo pronto no celular e também pela popularização de ferramentas digitais de produção musical. Mas assim como a guitarra nunca vai deixar de existir e empolgar jovens sedentos por música e boas doses de rebeldia, o rock ‘n roll também segue firme e forte. Pode não ser o gênero mais popular do mundo, como já foi outrora, mas certamente é o que mais tem consumidores fiéis e apaixonados. A Strip Me, que exala rock ‘n roll por todos os poros, concorda que todo dia é dia de rock, por isso nossa coleção de camisetas de música está recheada de estampas lindas com as mais variadas referências ao rock. Uma pegada, aliás, que se encontra em todo o nosso catálogo, incluindo as camisetas de arte, cinema, cultura pop, bebidas, games e muito mais. Cola lá no nosso site pra conferir e ficar por dentro de todos os nossos lançamentos, que pintam por lá toda semana.

Vai fundo.

Para ouvir: Uma playlist com grandes canções de alguns dos guitarristas citados neste texto. Guitarra top 10 tracks.

Para assistir: Para quem se liga em guitarras e guitarristas, vale a pena conferir o documentário A Todo Volume, que reúne Jimmy Page, Jack White e The Edge para conversar sobre música, guitarras e para tocar também, é claro.

Menu de Bar: As 10 delícias que são marca registrada de um bom boteco.

Menu de Bar: As 10 delícias que são marca registrada de um bom boteco.

Bar, boteco, botequim… o nome varia, mas define um lugar simples, aconchegante e repleto de sabores! A Strip Me entrega hoje a real sobre o que há de melhor no cardápio do boteco.

Vovó já dizia que saco vazio não pára em pé. Lógico que, na maioria das vezes, a gente vai no boteco pra jogar conversa pra fora e cerveja pra dentro da goela. Mas se alimentar durante esse processo é fundamental, tanto para equilibrar o nível alcoólico no organismo, como para realmente apreciar uma gastronomia que compensa uma possível falta de requinte com muito sabor e fartura. Sim, comer bem também faz parte da aura do boteco.

Mas antes de realmente adentrarmos nos pormenores do cardápio, é importante definirmos aqui a que tipo de boteco nos referimos. Repare bem, existem vários tipos de bares. Tem aquele mais raiz, que se resume a um balcão, três ou quatro mesas com cadeiras estampadas com marca de cerveja, engradados empilhados num canto e um senhor de meia idade, normalmente mal-humorado atrás do balcão. Fica aberto o dia todo e em raríssimos casos tem mais de 3 opções de alimento disponíveis. Outro é o barzinho do happy hour, ele abre só depois das cinco da tarde, tem ali um espetinho sendo feito na hora e outras opções de tira gosto, mas não permanece aberto noite adentro. Tem também o bar da noite, um boteco mais bem preparado, com um cardápio legal de porções, atendimento bom, uma tv passando futebol sem áudio, enquanto toca um sambinha no som ambiente. É o bar que fica até de madrugada e onde uma ou outra mesa acumula um número considerável de saideiras.

Mas o bar ao qual nos referimos hoje é aquele que fica aberto desde de manhã até o começo da noite e funciona como padaria, lanchonete, restaurante e bar do happy hour. Geralmente está localizado em centros urbanos de grande movimento, tem um balcão extenso com banquetas, além das mesas e cadeiras de madeira, normalmente as paredes são revestidas de azulejos, atrás do balcão tem uma grande chapa, na parede, uma prateleira metálica com frutas para o preparo de sucos, no caixa uma plataforma de acrílico com uma grande variedade de marcas de cigarro e rola uma movimentação frenética entre o pessoal que trabalha ali, mas tudo parece funcionar bem, como uma colmeia de abelhas. É um lugar mágico e delicioso, onde todos os seus sentidos são provocados. E é em lugares assim que encontramos o menu mais democrático e delicioso do mundo.

Pão na chapa

Como dissemos, este tipo de boteco funciona como padaria. Não que as pessoas vão lá para comprar pão, mas sim para tomar um café da manhã rápido antes de ir trabalhar. E qual melhor opção para um desjejum do que um pingado quentinho e um pão na chapa com bastante manteiga? Não existe registro da origem do pão na chapa, mas especula-se que surgiu nas padarias de São Paulo nos anos 40, e logo se popularizou Brasil afora. Tanto que o carioca Noel Rosa, um dos maiores nomes do samba, imortalizou a receita no clássico samba Conversa de Botequim, ao pedir ao garçom que lhe trouxesse depressa uma boa média que não fosse requentada, um pão bem quente com manteiga à beça, um guardanapo e um copo d’água bem gelado.

PF

Muita gente vai no boteco pra almoçar. Afinal, o boteco é a casa do PF, o prato feito! O PF é uma instituição brasileira. E, no boteco reina o calendário semanal do PF, que consiste em: Segunda feira virado à paulista, terça feira picadinho, quarta feira e sábado feijoada, quinta feira frango à milanesa e sexta feira peixe frito. As guarnições são sempre um arroz e feijão bem temperados e uma salada de folhas ou maionese de legumes. Este calendário pode variar de lugar pra lugar, mas tradicionalmente, é isso aí. Além de tudo, o boteco proporciona essa refeição com um preço acessível, quantidade generosa de comida e sempre tem aquele molhinho de pimenta da casa que dá o toque final! PF de boteco é simplesmente uma refeição inigualável, cujo sabor é impossível de ser reproduzido em outra cozinha, senão a do próprio boteco.

Conservas

A partir do meio da tarde, o boteco já começa a ser frequentado por pessoas que buscam relaxar, tomar uma cervejinha e conversar. Uma das opções clássicas de um bom boteco são as conservas. Existem 4 que são as mais comuns e populares: o ovo de codorna, a mini salsicha, a cebolinha e o tremoço.São conhecidos como conservas porque são conservados imersos numa mistura de água, vinagre e temperos variados. O ovo de codorna ganha uma textura mais rígida, mas também um sabor mais intenso. A mini salsicha, já naturalmente condimentada, também agrega complexidade ao seu sabor. A cebolinha, de sabor forte, funciona como adstringente, tornando cada gole de cerveja mais refrescante e o tremoço, o rei dos milhos, é uma iguaria única, imortalizada pelos botecos do Brasil e adorada por qualquer botequeiro que se preze. Os potes de conserva acabam sendo parte da identidade e decoração do boteco.

Porção fria

Aqui já entramos de vez no cardápio do boteco relacionado aos petiscos que vão acompanhar e engrandecer o bate papo e a cervejinha. No caso da porção fria, cada boteco tem a sua particularidade, mas em geral, se resume a uma porção com salaminho fatiado, azeitonas verdes com caroço e queijo cortado em cubinhos, normalmente muçarela, tudo regado com limão e azeite de oliva e já com alguns palitinhos espetados para facilitar a vida do cliente. É sempre uma porçãozinha simples, mas muito saborosa. Lembrando que não é de bom tom questionar a procedência dos produtos. Isso pode enfurecer o dono do estabelecimento, e a resposta pode ser um tanto desanimadora para você.

Pastel

Uma iguaria trazida pelos orientais, mas que o brasileiro já abraçou como sua há muito tempo. Pode aparecer no boteco de duas maneiras. Uma em seu tamanho normal, aproximadamente 15x15cm e de consumo individual, outra em porção de mini pastel, para ser compartilhada. Ambas são deliciosas e imperdíveis. Tamanha é a criatividade do brasileiro, que já existem pastéis com os mais inusitados sabores, de strogonoff a brigadeiro. Mas o boteco tem uma aura retrô por natureza e costuma evitar tais extravagâncias. Portanto, no caso do pastel normal, os sabores podem variar entre carne, queijo e pizza (presunto, muçarela, tomate e orégano), já na porção de mini pastel, os sabores se restringem a carne e queijo, sendo que uma porção pode conter ambos os sabores. Ao pedir pastel, é primordial solicitar junto o molho de pimenta da casa.

Mandioca frita

A mandioca é o símbolo máximo da gastronomia brasileira. Nativa dessas terras desde tempos imemoriais, a mandioca já era a base da alimentação dos povos originários, que não só a consumiam como farinha, como também extraíam dela um caldo que, após fermentado, era bebido e dava um barato, o famoso cauim, uma espécie de cachaça de mandioca, altamente alcoólica e muito usada em rituais pelos indígenas. Hoje em dia, a mandioca segue presente na nossa culinária, tanto na farofinha, quanto cortada, cozida com sal e depois bem fritinha. Uma porção clássica de boteco que permanece super popular. Realmente, o brasileiro tem mais é que saudar a mandioca mesmo!

Peixe frito

Aqui temos uma porção muito comum na maioria dos botecos. Uma das explicações para isso, apesar de não ter nenhuma comprovação científica ou empírica, é que, em geral, o dono de bar é aquele senhor de meia idade que não perde a oportunidade de fazer uma pescaria num domingo de tarde qualquer. Claro, essa é uma teoria, uma suposição, mas é tão sugestiva, que a gente aceita como verdade. Neste caso, temos também duas possibilidades. Uma, a mais comum, é que a porção seja preparada com iscas de filé de tilápia, ou algum outro peixe de água doce criado em cativeiro. Já a outra opção, mas difícil de encontrar, mas extremamente saborosa, é a porção de lambari frito. O lambari é um peixe pequeno, que depois de limpo, é preparado inteiro. É uma porção simplesmente maravilhosa, além de atestar com mais categoria a expertise de pescador do dono do bar, já que o lambari não é tão fácil assim de pegar.

Torresmo

O torresmo é o rei absoluto do boteco, isso é inquestionável. Seu sabor intenso, a textura que mistura a crocância da gordura bem frita com a carne tenra da barriga do porco, sua coloração convidativa de um dourado queimado, e o valor acessível também, é claro, fazem do torresmo a porção mais tradicional e mais consumida do boteco. Cabe aqui incluir a pururuca como iguaria igualmente ímpar e popular no boteco, mas vale uma ressalva para não haver confusão. Afinal, são petiscos parecidos, mas de preparo diferente. O torresmo consiste em pedaços da pele e gordura, eventualmente com carne, da barriga do porco, que é frita, ficando crocante por fora e macio por dentro. Já a pururuca consiste apenas na pele da barriga do porco, que é frita em óleo até ficar completamente desidratada e crocante. Ambas as porções são irresistíveis e reinam impávidas no topo dos menus, sendo as porções mais pedidas.

Caldos

Dando um tempo nas frituras, temos sempre nos bons botecos a opção de saborosos caldos quentes. Normalmente são poucas opções de sabores, sendo os mais populares os caldos de feijão e de mocotó. No inverno, alguns botecos investem e oferecem alguns sabores a mais, como o caldo de mandioca com costela ou o caldo de peixe. Nos estabelecimentos mais rústicos o caldinho é servido num copo americano, mas também pode ser servido em cumbucas, para se consumir com uma colher. Para ficar nos dois mais populares, o caldo de feijão é sempre delicioso, o feijão é cozido com bastante toucinho e bacon, a maior parte desse feijão vai ser servido nos PFs, mas uma parte do caldo e um punhado de feijões cozidos são batidos no liquidificador, formando um caldo cremoso, que será servido com salsinha e cubinhos de bacon. Já o mocotó nada mais é do que o tutano extraído das patas do boi. Tem um sabor intenso e riquíssimo em colágeno. Deve ser bem cozido, com bastante tempero com molho de tomate e cheiro verde. Apesar de ter gente que torce o nariz com um pouco de nojo, é uma iguaria deliciosa e barata.

Cafezinho

Antes de passar a régua e fechar a conta, não pode faltar o cafezinho pra equilibrar o paladar. O cafezinho do boteco tem sempre um sabor especial, mas também varia um pouco de lugar para lugar. Alguns botecos possuem aquelas grandes cafeteiras de aço que comportam mais de 30 litros e mantém o café bem quente. Já outros lugares optam por coar café várias vezes ao longo do dia, mantendo numa garrafa térmica comum. Nestes casos, é muito comum que o café já seja adoçado, normalmente beeem adoçado, inclusive. Mas seja depois de almoçar aquele exuberante PF, ou tomar algumas cervejinhas e comer um petisco, o cafezinho pra fechar a tampa cai como uma luva! Assim como o boteco, é uma das nossas mais importantes instituições nacionais.

O ambiente plural, democrático e tão instigante para os sentidos que é o tradicional boteco é um dos mais preciosos pilares da cultura popular brasileira. Berço e inspiração para tantos sambas e modas de viola, o menu do boteco também conta uma história e tem um valor que supera o simplesmente monetário. Tudo isso faz parte da nossa cultura e nos inspira de tal forma, que a Strip Me tem toda uma coleção de camisetas dedicadas à brasilidade e ao nosso estimado boteco! Basta conferir as coleções de Bebidas, Carnaval, Verão e Tropics, além, é claro das camisetas de música, cinema, arte, cultura pop e muito mais. na nossa loja você fica por dentro disso tudo e também dos nossos lançamentos, que pintam toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist caprichada só com canções sobre boteco. Menu de Bar top 10 tracks.


Para assistir: Para entender esse ambiente único e acolhedor ao qual nos referimos neste texto, vale assistir ao maravilhoso Tarantino’s Mind, um curta genial da dupla Bernanrdo Dutra e Manitou Felipe lançado em 2006, onde Selton Mello e Seu Jorge nos papéis de suas vidas, interpretam dois amigos num boteco conjecturando sobre a obra de Quentin Tarantino.

As 5 edições mais polêmicas do Rock in Rio.

As 5 edições mais polêmicas do Rock in Rio.

A recente polêmica envolvendo o Rock in Rio e os sertanejos é mais uma na coleção de várias tretas que o festival acumula em seus 40 anos de existência e 9 edições realizadas. Conheça aqui as mais marcantes.

Sem dúvida o Rock in Rio é o festival de música mais importante do Brasil. Fez história em 1985 para além do showbiz, sendo um dos símbolos da redemocratização do país. De lá pra cá, se vão 40 anos (vá lá… 39) e 9 edições recheadas de histórias, concertos memoráveis, momentos inusitados e, é claro, muita treta! Sabendo que o que o brasileiro gosta mesmo é de ver o circo pegar fogo, a Strip Me separou as 5 edições mais recheadas de tretas e polêmicas do Rock in Rio pra te contar.

Rock in Rio 1 (1985)

Na real, a primeira edição de festival teve várias tretas, mas muito por conta do amadorismo e, até certo ponto, ingenuidade por parte dos organizadores de um evento daquela magnitude no país. Uma das tretas mais famosas dessa edição foi o estrelismo do Freddie Mercury, que exigia que por onde ele passasse nos bastidores, os corredores deveriam estar vazios. Então sempre tinha alguém a frente dele, pedindo que artistas e técnicos que confraternizavam nos corredores, entrassem em seus camarins para que passasse a rainh… quer dizer, o vocalista do Queen. Em um desses momentos, enquanto Mercury passava, ouvia-se um coro vindo de dentro das salas: “Bicha! Bicha! Bicha!”. Outra treta foi protagonizado por Erasmo Carlos. A organização do festival teve a brilhante ideia de colocar o Tremendão para tocar antes de Whitesnake e Iron Maiden. Pra piorar, o ingênuo Erasmo quis homenagear os metaleiros usando uma roupa de couro preta cheia de tachinhas. Agora imagina um tiozão fantasiado de metaleiro tocando Gatinha Manhosa diante de uma horda enfurecida de adolescentes cabeludos esperando o Iron Maiden. O Tremendão deixou o palco debaixo de uma saraivada de cusparadas e vaias.

Rock in Rio 2 (1991)

A segunda edição do festival também foi cercada de barracos e polêmicas. A começar pela escolha do local. Ao contrário da primeira edição, realizada num campo aberto, um descampado nos arredores do Rio de Janeiro, a edição de 1991 rolou no estádio do Maracanã. Essa foi a primeira das grandes tretas daquele ano. Alguns laudos feitos no ano anterior por conta do campeonato brasileiro de futebol indicavam que alguns pontos da estrutura do estádio estavam comprometidos e o estádio chegou a ser interditado uma semana antes do festival acontecer. Porém, o jeitinho brasileiro se fez presente e a organização do Rock in Rio conseguiu liberar o estádio e, ainda bem, não aconteceu nenhum acidente grave. Algumas bandas brasileiras se recusaram a participar do festival, fazendo críticas pesadas na imprensa sobre o descaso com os artistas nacionais e privilégios dos gringos. Barão Vermelho, Caetano Veloso e Legião Urbana, foram os que mais fizeram críticas. Já os artistas brasileiros que tocaram, realmente sofreram com a falta de apoio. Muitos fizeram shows ruins por não terem feito passagem de som, ter espaço de palco bem reduzido e etc. E teve também uma treta com os Guns n’ Roses, que quase desistiram de tocar horas antes de subir ao palco, quando ficaram sabendo que seu show seria transmitido por uma estação de rádio local. Mas no fim deu tudo certo, e eles fizeram um dos melhores shows daquela edição.

Rock in Rio 3 (2001)

Para a terceira edição, a equipe do Rock in Rio achou melhor voltar para onde tudo começou. O mesmo terreno onde havia acontecido a edição de 1985. Mas isso não evitou que muitas tretas acontecessem, principalmente porque, ao tentar organizar melhor e colocar tudo em pratos limpos, os organizadores oficializaram o que tanto havia acontecido em 1991. Constava nos contratos que as bandas brasileiras não teriam direito a passar som, interferir na montagem do palco ou escolher que horário preferiam tocar. O resultado foi um boicote das principais bandas brasileiras que se apresentariam, como O Rappa, Skank, Raimundos, Cidade Negra e Charlie Brown Jr. Outra treta foi a inclusão de uma noite teen , que contaria com artistas como N’Sync, Britney Spears e Sandy & Júnior. Os puristas do rock ficaram ressentidos com a inclusão desses artistas. Pra piorar, aquela turma das bandas brasileiras do boicote ficaram sabendo que a dupla Sandy & Júnior receberia um cachê bem maior do que o acertado com os outros artistas brasileiros. Britney Spears protagonizou pelo menos duas polêmicas em sua apresentação. Primeiro que ela foi muito criticada por utilizar playback em vários momentos, mas o mais engraçado foi que, em certo momento de sua apresentação, ela vai para o backstage para uma troca de roupa. Ela usava um microfone desses de headset, e acabaram deixando o microfone dela aberto e toda a conversa dela com a produção nos bastidores foi ouvida pelo público e transmitida ao vivo pela TV, incluindo ela xingando e criticando sua própria equipe.

Rock in Rio 8 (2019)

O tempo é o melhor professor. Indiscutivelmente a organização do Rock in Rio aprendeu muito com os erros do passado e, ao longo dos anos, foi alinhando melhor sua relação com artistas, melhorando sua infra estrutura e investindo cada vez mais para que o público possa viver uma grande experiência. Mas, a edição de 2019 voltou a ter um número acima da média de tretas e polêmicas. Uma delas é uma polêmica que sempre perseguiu e continua perseguindo o festival: a crítica a outros gêneros musicais. Em 2019, a presença de artistas do funk e rap em larga escala fez muita gente xingar muito no Twitter. E boa parte das polêmicas daquele ano giraram em torno desse núcleo. O Rock in Rio 8 foi marcado por muitas manifestações políticas do público, contra o então presidente Jair Bolsonaro e em homenagem à vereadora assassinada Marielle Franco. Durante o show do Black Eyed Peas, uma das principais atrações, Will.i.am disse, em inglês, claro, que amava bossa nova. Porém, sua pronúncia das palavras bossa nova saiu embolada. O público entendeu que ele havia mencionado Bolsonaro e desabou em vaias e xingamentos. Anitta também causou polêmica. Após forte apelo de seu público, ela não foi escalada para tocar na sétima edição do festival, em 2017. Mas em 2019 estava lá e causou geral. Ficou marcada sua frase “Vocês pensaram que eu não ia rebolar minha bunda no Rock in Rio?” Por fim, uma das atrações mais importantes do festival, o rapper Drake também fez o clima desandar ao proibir que seu show fosse transmitido pela TV, coisa que já estava até acordada em contrato. O bonitão quase não sobe ao palco e conseguiu barrar a transmissão. Sujeitinho bem antipático…

Rock in Rio 10 (2024)

O Rock in Rio 10 só vai rolar daqui dois meses, do dia 13 ao dia 22 de setembro. Mas a porrada já está lambrando desde já internet afora! O que acontece é que muito gente está criticando o line up do festival. O Rock in Rio comemora este ano seus 40 anos. Sim, a primeira edição foi em 1985, e os 40 anos completos seria só ano que vem, mas como o festival já vem de uma programação de rolar a cada dois anos e tal, acaba que a celebração foi adiantada alguns meses. A treta já começou quando os primeiros headliners foram sendo anunciados, e o público sentindo falta do rock. Confirmaram Mariah Carey, Ed Sheeran, Cindy Lauper, Katy Perry… e, até então, nenhum megadethzinho pra alegrar a turma. Já com praticamente todas as datas fechadas, o dia 21 de setembro ainda se mantinha vazio, e era a esperança dos roqueiros, daquele ser o dia do metal ou algo assim. Para desgosto desse pessoal, o dia 21 foi anunciado como o Dia Brasil, e vai contar com atrações nacionais apenas. Sepultura, Ratos de Porão, Angra… ? Nada disso! Chitãozinho & Xororó, Ana Castela e Luan Santana! É a primeira vez que artistas sertanejos participam do evento. E a internet veio abaixo! Muita gente vem dizendo que é um absurdo que o festival que traz o rock no nome, ao celebrar seus 40 anos e 10 edições não só não valorize o rock, como inclua sertanejos no line up. Uma verdadeira afronta, é o que dizem. A treta ainda segue movimentando as redes sociais. E quem acha que não tem nada de rock no Rock in Rio, saiba que estão confirmada as bandas Avenged Sevenfold, Evanescence e os veteranos da banda Journey, sim, aqueles da música Don’t Stop Believing. O Rock in Rio 2024 parece ter optado por não ter nenhuma banda de rock pesado, mas compensa mantendo um clima pesadíssimo nas redes sociais.

No fim das contas, em qualquer evento grande, que envolva muita gente, muitos artistas de egos inflados e fãs coléricos, a chance de sair tretas e polêmicas é praticamente 100%. Em especial o Rock in Rio, em praticamente todas as edições, as críticas mais frequentes são justamente referentes à inclusão de outros gêneros musicais que não o famigerado rock. Conclui-se portanto que o erro foi de quem criou o festival, lá em 1985, e botou a palavrinha rock no nome. Se fosse Music In Rio, não estaríamos aqui nos deliciando com tanta polêmica. E além de não dispensar uma boa fofoquinha com um cafézinho coado e bolo de fubá, na Strip Me todo mundo é entusiasta de grandes festivais e apaixonado por música! Isso pode ser facilmente constatado nas nossas coleções de camisetas de música, cultura pop e brasilidades, além das camisetas de arte, cinema, bebidas, games e muito mais. Na nossa loja você confere tudo isso e ainda fica por dentro dos nossos lançamentos, que pintam toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist com o que de melhor passou pelos palcos do Rock in Rio ao longo desses 40 anos. Rock in Rio Top 10 tracks.

Para assistir: A Globoplay produziu uma série documental de 5 episódios bem legal sobre o festival. Rock in Rio – A História, foi lançado em 2022 e vale a pena conferir. Tem entrevista de muita gente bacana e várias histórias interessantes.

8 artistas sul-americanos que ganharam o mundo.

8 artistas sul-americanos que ganharam o mundo.

Os sons ancestrais, vibrantes e plurais de europeus, indígenas e africanos, quando combinados à música contemporânea pop são irresistíveis. E não é de hoje. Portanto, a Strip Me apresenta 8 artistas da América do Sul que ficaram mundialmente famosos e você precisa conhecer melhor.

O imperialismo cultural está por aí faz séculos. Claro, a coroa passou por diferentes cabeças, mas sempre esteve presente. Do ponto de vista ocidental, no passado ainda tinha a vantagem de o mundo ser um lugar bem menor. Antes das navegações, o que se conhecia era ali a Europa, um pedacinho da África e um pedacinho da Ásia. Quem mandava culturalmente no mundo eram os romanos. Depois, com a criação dos reinos e o advento das navegações, Espanha e Portugal dominaram, mas por pouco tempo. Logo a Inglaterra se destacou e passou a ter influência fortíssima, mais política e econômica do que cultural, é verdade. No século XIX a França despontou como grande pólo de artes, literatura, música e teatro, ditando tendências para o mundo até o comecinho do século XX. Depois disso, os Estados Unidos dominaram a parada e até hoje são sua música e cinema que dominam o mundo.

Mas se a maioria dos artistas da música conhecidos mundialmente são dos Estados Unidos (ou da Inglaterra, vá lá…), vira e mexe pintam algumas exceções. Artistas que não cantam em inglês, mas que conseguem se comunicar e expressar uma arte tão vigorosa e única, que acabam conquistando o mundo. E olha que isso não se restringe ao nosso mundo acidental. Tá aí o K-Pop que não nos deixa mentir. Mas aqui a gente, descaradamente, puxa a sardinha pro nosso lado, então a Strip Me está aqui hoje para mostrar que a América do Sul sempre foi celeiro de artistas brilhantes e que conquistaram fama mundial. Confere aí a nossa lista dos principais.

Carmen Miranda

A história da Carmen Miranda é louqíssima, cheia de êxitos e reveses. A gente já fez um texto só pra ela aqui no blog, dá uma olhada aqui. Cantora extraordinária, afinadíssima, e dona de uma beleza e carisma magnéticos. Ela fez sucesso no Brasil, depois foi para os Estados Unidos, onde caiu nas graças de Hollywood e levou a música brasileira e toda uma estética de cores e alegria para todo o mundo. Ela nasceu em Portugal, mas se mudou para o Brasil antes de completar um ano de idade. Passou perrengue na infância, começou a trabalhar ainda adolescente, com 21 anos se descobriu cantora e logo foi alçada ao posto de grande cantora do rádio. No fim dos anos 30, começo dos anos 40, conquistou os Estados Unidos e o mundo se apresentando na Broadway e protagonizando filmes. Passou por um casamento complicado e morreu nova, aos 46 anos. Uma das primeiras divas do showbusiness do mundo!

Astor Piazzolla

Muita gente acredita que, para alguém ser considerado um gênio, antes precisa ser incompreendido. Se isso é uma verdade absoluta a gente não sabe, mas com certeza o argentino Astor Piazzolla se encaixa encaixa nessa descrição. Músico desde garoto, Piazzolla sempre foi apaixonado pelo tango, começou a tocar bandoneón com oito anos de idade. Viveu alguns anos de sua juventude nos Estados Unidos, onde tomou gosto pelo jazz. Com vinte e poucos anos, começou a compor e misturar seus conhecimentos de música erudita, tango tradicional e jazz. Foi taxado de louco e herege pelos puristas, por desvirtuar as bases tradicionais do tango. Mas criou uma música envolvente e contemporânea que conquistou o mundo. Chegou a gravar com grandes nomes como Gary Burton e o nosso maestro Tom Jobim. Hoje em dia Piazzolla não só é reconhecido no mundo todo como um dos músicos mais notáveis, como é um dos grandes orgulhos dos argentinos.

Tom Jobim

Falando no maestro, não tem como não incluir nessa seleta lista o nome de Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim. Afinal, estamos falando do cara que praticamente inventou a bossa nova, junto com João Gilberto e Vinícius de Moraes, e o autor da segunda música mais regravada em todo o mundo, ficando atrás apenas de Yesterday, dos Beatles. Tom Jobim era único! Multi instrumentista, arranjador, e compositor, fazia tudo com perfeição. Não por acaso, dizia que sua maior influência era a natureza, ele gostava de ir pro meio do mato ouvir os passarinhos cantar. Por isso sua música era sofisticada e simples ao mesmo tempo. Morou um tempo nos Estados Unidos, onde chegou a gravar um disco com Frank Sinatra e acabou influenciando muita gente da música norte americana. Ainda hoje reverenciado aqui no Brasil e lá fora, o homem que é brasileiro até no nome é um dos maiores compositores do mundo.

Lucho Gatica

Luis Enrique Gatica Silva nasceu no Chile e, ainda jovem, deu início a uma carreira promissora como cantor de boleros. Com uma voz imponente e carisma indubitável, viu seu sucesso crescer gradativamente, o que permitiu que ele tivesse uma centrada, sem se entregar a excessos. Em 1956 fez uma turnê que percorreu a costa do pacífico, do Chile até a Venezuela, consolidando sua carreira na América Latina. No ano seguinte conquistou a América Central e decidiu, por fim, se estabelecer no México, onde se casou. Em 1959, ia regularmente aos Estados Unidos, onde fez amizade com celebridades tais quais Elvis Presley e Nat King Cole. Gatica foi um dos responsáveis por tornar o bolero um gênero musical popular no mundo inteiro. Em sua voz se tornaram clássicos absolutos No Me Platiques Mas, Con Mi Corazón Te Espero, Tu Me Acostumbraste e a inconfundível Besame Mucho. Hoje isso tudo pode parecer meio irrelevante, o bolero é coisa de velho e tal… mas a real é que caras como Lucho Gatica foram responsáveis por levar a cultura sul-americana para o mundo, fazendo sucesso sem abrir mão de sua música e nem mesmo seu idioma. Gatica atuou ainda como apresentador de televisão e ator, se apresentou nos palcos de todos os continentes do mundo e, em 2008 ganhou uma estrela na Calçada da Fama em Hollywood. Faleceu aos 90 anos de idade em 2018, encerrando uma carreira de 70 anos.

Jorge Drexler

Drexler é um desses personagens tão brilhantes quanto pitorescos. É uruguaio e teve uma formação rígida e formal. É formado e atua como médico otorrinolaringologista. Além disso é um compositor com fama mundial. Após cumprir suas obrigações perante a família, completando os estudos e se formando médico, investiu em sua grande paixão: a música. E não é que ele acabou se mostrando um compositor de talento? Com 14 discos lançados desde 1992 até agora, foi em 2005 que Drexler ganhou notoriedade para além de América Latina. Sua canção Al Otro Lado del Rio foi incluída na trilha sonora do filme Diários de Motocicleta e acabou por se tornar a primeira música cuja letra não é cantada em inglês, a ganhar o Oscar de Melhor Canção Original. Desde então, Jorge Drexler tem seus discos muito elgiados e com boas vendas nos Estados Unidos, Europa e, é claro, aqui na América do Sul.

Shakira

Shakira é, indiscutivelmente, um fenômeno, uma força da natureza. Nasceu de uma família modesta na Colômbia. Aos 8 anos de idade, estava com os pais num restaurante árabe e se encantou com uma apresentação de dança do ventre e o som do doumbek, instrumento de percussão típico do Oriente Médio. Desde então passou a viver para a música e dança. Lançou seu primeiro disco aos 13 anos de idade, com canções de sua autoria. Seus dois primeiros discos, lançados em 1991 e 1993 respectivamente, foram razoavelmente bem sucedidos na Colômbia. Já em 1995, influenciada por mulheres como Alanis Morissette, Shakira amadureceu suas canções e lançou o ótimo disco Pies Descalzos. Este foi o disco que deu o pontapé definitivo nas portas do mundo, entrando na lista de mais vendidos da Billboard nos Estados Unidos. De lá pra cá, já são 12 discos lançados e turnês mundiais super concorridas. Além de uma estrela pop mundial, Shakira é atriz e empresária no ramo da moda, além de ser a embaixadora da Unicef na Colômbia e manter uma importante entidade de acolhimento á crianças desamparadas. Um diva do tamanho do mundo.

Anitta

Por falar em mulheres fortes e empreendedoras, também não poderia ficar de fora a maior diva brasileira dos últimos tempos. Anitta é um exemplo a ser seguido, muito mais por sua postura perante a vida do que pelo conteúdo de sua obra musical. Mas, calma. Claro que a música da Anitta é relevante e tem qualidade, mas assim como boa parte da produção de funk, pop e reggaeton, muitas das letras giram em torno de festas, ostentação e frases de duplo sentido, o que para conservadores em geral, pode soar um pouco chocante. Mas o importante é saber que Anitta veio de uma comunidade pobre do Rio de Janeiro, cantou em coral de igreja, deu aula de dança de salão e estudou administração e marketing, até que teve a oportunidade de ter uma música sua lançada pelo selo de funk Furacão 2000. A faixa Mega e Abusada viralizou e abriu caminho para o seu primeiro disco, lançado em 2012 e impulsionado pelo megahit Show das Poderosas. De cara, seu primeiro disco já foi indicado no Grammy Latino. Daí em diante, Anitta, que até hoje gerencia e planeja suas ações de marketing, já fez de tudo. Atuou em séries e cinema, empresaria outros artistas, lança linhas de cosméticos com seu nome, além de, em sua carreira musical, estar em frequente movimento, não se prendendo a um estilo. Já fez parcerias com muita gente, de Caetano Veloso a Madonna, já ganhou prêmios no mundo inteiro e é, ainda hoje, uma das artistas mais ouvidas no Spotify no mundo inteiro! Ufa!

Alok

Alok Achkar Peres Petrillo nasceu em Goiânia num lar já envolto em música. Seus pais, Adriana Peres Franco e Juarez Achkar Petrillo são DJs profissionais, foram os precursores do psy trance no Brasil e idealizaram o maior festival de música eletrônica do país, o Universo Paralello. Alok viajou o mundo acompanhando os pais e tomou gosto pela profissão. Em 2004 iniciou sua carreira com o projeto Lógica, um duo com seu irmão Bhaskar Petrillo. Em 2013, já como artista solo, Alok emplacou o sucesso We Are Underground em seu perfil do Soundcloud e no Youtube, sendo convidado a se apresentar em vários festivais ao redor do mundo. Em 2016 ganhou o mundo de vez com o hit Hear Me Now, que, à época de seu lançamento, encabeçou a lista de mais executadas no iTunes e Spotify, além de superar 10 milhões de views no Youtube. Hoje é considerado um dos melhores DJs em atividade no mundo, é produtor musical e dono de um selo e foi considerado recentemente uma das pessoas mais influentes do mundo com menos de 30 anos de idade. Ainda com 32 anos de idade e um currículo desses, o céu é o limite.

Bonus Track

Para não dizerem por aí que somos muito bairristas, faremos uma menção honrosa a dois artistas latinos que não são sul-americanos, mas que tem imensa relevância na música mundial. Um é o conjunto cubano Buena Vista Social Club, formado por músicos veteranos da cena de Havana sob a coordenação musical do guitarrista Ry Cooder. Em 1996 Cooder produziu e gravou um disco do conjunto, que acabou vendendo milhões, tirou do ostracismo músicos de mais de 70 anos de idade como Compay Segundo e Ibrahim Ferrer e rendeu um documentário, lançado em 1999, dirigido por Wim Wenders, que não só rendeu uma indicação ao Oscar, como reavivou o interesse do mundo pela música cubana. E o disco é realmente maravilhoso. Também não dá pra deixar de falar da banda mexicana Cafe Tacvba, uma das bandas mais inventivas e interessantes da década de 90. O segundo disco da banda, Re, foi lançado em 1994 e é considerado sua obra prima. O disco extrapolou as fronteiras do México e conquistou toda a América Latina, além de ser considerado um dos melhores discos do ano pela revista Rolling Stone. A Cafe Tacvba carrega ainda o êxito de ser a primeira banda a gravar um disco acústico lançado oficialmente pela MTV dos Estados Unidos cantando em outra língua que não o inglês. E, tanto o Re, como o MTV Unplugged da banda são maravilhosos. Aliás, toda sua discografia é sensacional.

Esse mundão véio sem porteira é maravilhoso e tem de tudo! Mas é sempre bom a gente lembrar das coisas boas que a gente tem aqui em volta de nós, né? E nós, aqui do Brasil, precisamos valorizar cada vez mais o que é produzido pelos nossos vizinhos, afinal, estamos todos no mesmo barco. E a América Latina como um todo produz tanta coisa incrível, que a Strip Me tem uma coleção toda dedicada a essa latinidade, a Coleção Tropics. Mas tem também as camiseta de música, cinema, arte, cultura pop, brasilidades, bebidas… dá uma olhada lá no nosso site! Lá você também fica por dentro de todos os lançamentos, que pintam toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist caprichada com cada artista que foi citado neste texto. Latinos no Mundo Top 10 Tracks!

Para assistir: Vale a pena demais conferir o documentário Quebra Tudo! A História do Rock na América Latina, uma produção da Netflix lançada em 2020. Nos 6 episódios do doc, aparecem bandas vindas desde a Argentina até o México. É muito interessante e dá pra ficar conhecendo muita banda legal.

Top 10: Os melhores filmes de Almodóvar.

Top 10: Os melhores filmes de Almodóvar.

Histórias únicas, personagens complexos e uma paleta de cores vibrante fazem de Pedro Almodóvar um cineasta único. A Strip Me hoje celebra a obra de mais este grande mestre da sétima arte ao elencar seus 10 melhores filmes.

La Movida Madrileña foi um movimento cultural de renascimento e liberdade. A Espanha viveu, de 1939 a 1975, uma ditadura truculenta, que, entre outras atrocidades, perseguia e calava artistas que ousavam se expressar livremente. Com a morte do ditador Francisco Franco, a Espanha voltou a ser uma democracia e finalmente as pessoas experimentavam o sabor da liberdade. Um dos movimentos mais conhecidos deste período foi a Movida Madrileña, um grupo de artistas de Madri que produziam uma arte moderna e cheia de vida, que explorava sem pudor temas como sexualidade, família, drogas e costumes. O maior expoente deste movimento foi o cineasta Pedro Almodóvar.

Nascido em 24 de setembro de 1949, na pequena cidade de Calzada de Calatrava, na Espanha, Pedro Almodóvar cresceu em uma família modesta. Sua infância foi marcada por um desejo incontrolável de contar histórias, e ele logo percebeu que a melhor forma de fazer isso era através do cinema. Nos anos 70, Almodóvar mudou-se para Madri, onde mergulhou na vibrante cena cultural da cidade. Foi nesse período que ele começou a fazer seus primeiros curtas-metragens com uma câmera Super-8. Ele mesmo fazia de tudo: roteirizava, dirigia e, se precisasse, até atuava! Naturalmente o cinema europeu já se distingue das produções hollywoodianas por ter um ritmo diferente, uma dinâmica de cenas mais bem elaborada e usar muito mais de ironia e sarcasmo no texto. Mas Almodóvar vai além, porque tem como marca registrada uma fotografia ousada e cheia de cores, além de histórias aparentemente simplórias, mas riquíssimas e carregadas de significados, além de construir muito bem seus personagens.

Almodóvar tem mais de 20 filmes no currículo, mais de 40 se juntarmos longa e curta metragens. Mas para sintetizar a genialidade deste mestre, a Strip Me selecionou os 10 melhores filmes de sua filmografia para comentar aqui. Confira.

Julieta (2016)

Julieta marca o retorno de Almodóvar a sua boa forma depois de alguns trabalhos pouco inspirados e um hiato no trabalho pra uma cirurgia nas costas. Trata-se de um filme típico de Almodóvar, porém com um clima mais contemplativo e ausência daquele humor cáustico que permeia suas boas obras. Culpa, fracassos, abandono e mentiras marcam este drama familiar denso e muito bem executado. Destaque para a fotografia, sempre impactante e as atuações arrasadoras de Emma Suárez e Adriana Ugarte.
Onde assistir: Mubi, Apple TV

Abraços Partidos (2009)

Uma verdadeira viagem sensorial e uma declaração de amor ao cinema. Em Abraços Partidos Almodóvar se permite ser auto referente e até zombar de si mesmo em certos momentos. O longa conta a história de um diretor que fica cego durante uma de suas produções mais aguardadas, cuja protagonista é uma atriz casada com um milionário magnata do cinema e tem uma vida pessoal cheia de percalços. Aliás, Penélope Cruz entrega aqui uma atuação apaixonante. É um filme delicioso, que consegue dar leveza a dramas palpáveis. Um filmaço!
Onde assistir: Mubi

Carne Trêmula (1997)

Carne Trêmula marca o amadurecimento de Almodóvar como diretor. Ele se consagrou com um cinema cheio de cores, roteiros recheados de dramalhões temperados com humor, foco em personagens femininas e uma estética kitsch. Aqui, Almodóvar apara as arestas, evita exageros e entrega um filme sóbrio, com uma história muito bem contada, com muitas camadas, uma construção de personagens masculinos mais profunda e uma fotografia de muito bom gosto. Um filme maravilhoso onde Almodóvar prova ser um cineasta versátil e sensível.
Onde assistir: Netflix, Amazon Prime

Má Educação (2004)

Almodóvar nunca fez um filme explicitamente autobiográfico, mas muito de suas experiências de vida permeiam seus roteiros. Má Educação talvez seja o filme onde as experiências pessoais do diretor mais apareçam. Além de ser homossexual, Almodóvar foi educado na infância em colégios católicos. Ele próprio afirmou que o filme não se trata de uma vingança e que não tem nada contra a igreja católica, mas tem lá suas críticas a fazer. De fato, críticas religiosas ficam á margem numa trama muito bem escrita de relacionamentos complicados, emoções dúbias e comportamentos duvidosos de personagens de moral questionável. Um filme brilhante, com uma atuação magistral de Gael Garcia Bernal.
Onde assistir: Netflix

Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos (1988)

O filme que fez Almodóvar ficar conhecido no mundo todo, pode facilmente ser considerado uma subversão genial do gênero comédia romântica, que se cristalizava à época no cinema norte americano depois de clássicos como Noivo Neurótico, Noiva Nervosa e Procura-se Susan Desesperadamente. Mulheres À Beira de Um Ataque de Nervos é uma comédia sensacional! Caótico, histriônico, com um texto excelente e uma história bem amarrada, além de trazer a estética do cinema europeu, mas com uma pegada mais dinâmica, típica dos filmes de Hollywood. Um filme imperdível! Ah, sim, e também o filme que apresentou ao mundo o sempre excelente Antonio Banderas.
Onde assistir: Netflix, Amazon Prime

Dor e Glória (2019)

Metalinguagem define bem Dor e Glória. Um filme onde podemos entender quem é Pedro Almodóvar através do personagem Salvador Mallo. Neste roteiro intimista e delicado, Almodóvar não expõe suas próprias vivências, mas deixa muito claro os paralelos entre a vida do protagonista do filme e sua própria. O longa retrata a vida de um diretor de cinema cansado, que interrompeu sua vida profissional por problemas de saúde, e que começa a confrontar algumas memórias e momentos do passado. Salvador Mallo é interpretado por Antonio Banderas, talvez em sua melhor performance já vista, realmente arrebatador. Filmaço mega recomendado!
Onde assistir: Apple TV

Volver (2006)

Volver é um filme impecável! Almodóvar promove uma verdadeira ode às mulheres, expondo suas forças e fraquezas com sensibilidade, sem paternalismo. Penélope Cruz, Carmen Maura e Lola Dueñas estão irrepreensíveis, atuando com leveza e muita química. Na trama, duas irmãs voltam ao vilarejo onde cresceram para o velório de uma tia, mas acabam se deparando com o fantasma de sua mãe e precisam lidar com alguns dramas familiares antigos. Apesar da temática fúnebre, é um filme inspirador e divertido, com um roteiro excelente e uma estética exuberante, com muitas cores fortes e ângulos abertos, que tão berm caracterizam o trabalho único de Almodóvar.
Onde assistir: Netflix

A Pele que Habito (2011)

Numa das primeiras entrevistas sobre o lançamento de A Pele que Habito, Almodóvar disse que sempre quis fazer um filme de terror sem sustos ou gritos. Nesta versão moderna e um pouco deturpada de doutor Frankenstein, é exatamente isso que Almodóvar entrega. Um filme sinistro, denso e impactante, sem necessariamente causar reações histéricas no expectador. No filme, um médico amargurado pela morte da esposa se dedica a construir a pele perfeita, capaz de resistir à dor, misturando DNA humano com suíno. Claramente, sua intenção é recriar a sua mulher por meio da ciência. Aqui Almodóvar dá um passo adiante em sua carreira de cineasta ao deixar de lado as fórmulas que o consagraram para conceber um filme ótimo, com a sua assinatura, mas com outra linguagem.
Onde assistir: HBO Max, Amazon Prime

Tudo Sobre Minha Mãe (1999)

Um dos filmes mais premiados de Almodóvar, incluindo o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, Tudo Sobre Minha Mãe é realmente uma obra de arte. Acima de tudo, traz um roteiro sensível e envolvente, muito bem escrito e com boas pitadas de ironia ao abordar temas polêmicos. O filme conta a saga de uma mãe cujo filho acaba de falecer. O jovem queria conhecer seu pai, mas morreu antes de fazê-lo, e a mãe vai em busca deste pai, um travesti que sequer sabia da existência do filho. É uma trama complexa e densa, é verdade. Mas Almodóvar consegue contar essa história com maestria, equilibrando como ninguém as emoções e falando com naturalidade sobre sexualidade, maternidade, perda e individualidade. Uma preciosidade do cinema!
Onde assistir: Amazon Prime, Apple TV

Fale com Ela (2002)

Apesar de ser esteticamente o filme mais ousado e deslumbrante de Almodóvar, Fale com Ela rendeu ao cineasta seu segundo Oscar, mas apenas na categoria Melhor Roteiro Original. Não à toa. Realmente é um roteiro brilhante! Instigante, dramático, cheio de lirismo e sentimento e, acima de tudo, com uma história bem contada, sem pontas soltas e envolvente. A trama gira em torno de dois homens que se conectam por estarem cada um cuidando de um mulher em coma. Encontros e desencontros fazem deste filme uma obra única. Com cenas lindíssimas, uma montagem dinâmica e fotografia primorosa, Fale com Ela é um afago na alma, uma expressão pura e inquestionável de arte.Se é este o melhor filme de Almodóvar? É sim, sem sombra de dúvida.
Onde assistir: Netflix

Bem vindo ao mundo de Almodóvar, onde a vida é uma tela cheia de cores, emoções e histórias incríveis. A obra de Almodóvar é desafiadora, imponente e inovadora. Para a Strip Me é uma fonte inesgotável de inspiração. Basta dar uma olhada na nossa coleção de camisetas de cinema para confirmar. Além, é claro, das nossas camisetas de arte, música, cultura pop, games e muito mais. Na nossa loja você confere todas as nossas coleções, além das camisetas básicas e os lançamentos, que pintam toda semana.

Vai fundo.

Para ouvir: Uma playlist delícia com algumas das músicas mais marcantes dos filmes de Almodóvar! Almodóvar top 10 tracks.

A era do Streaming e suas 5 melhores plataformas.

A era do Streaming e suas 5 melhores plataformas.

Há mais de 10 anos as plataformas de streaming se multiplicam, mudando completamente a nossa maneira de consumir filmes e séries. A Strip Me dá uma geral nas 5 plataformas mais populares no Brasil.

Poucas coisas são tão atrativas e maravilhosas quanto um bom rodízio. Pode ser de carnes, de comida japonesa, de pizza… só o fato de você pagar um valor fixo e poder comer à vontade o que quiser de um cardápio amplo e variado é sensacional! Por isso mesmo, nos adaptamos tão rápido e já amamos tanto as plataformas de streaming. Porque elas funcionam exatamente da mesma maneira. Um catálogo imenso de filmes e séries à sua disposição pagando um valor fixo por mês.

Imagine entrar em uma locadora com infinitas prateleiras de filmes e séries de todos os gêneros, épocas e países. Do velho oeste ao espaço sideral, está tudo lá, sem ter que rebobinar a fita antes de devolver. Mas vamos com calma. Afinal, não é assim também que tem tudo, tudo mesmo, num lugar só. São várias plataformas de streaming, cada uma com um catálogo diferente. Muitos filmes e séries se repetem em mais de uma plataforma, claro, mas cada uma tem sua particularidade. Por isso, a Strip Me te entrega hoje uma breve análise das 5 plataformas de streaming mais populares no Brasil e suas vantagens. Confira!

Netflix

Foi a primeira plataforma a se popularizar de fato. Funcionando desde 2010, passou por algumas reformulações ao longo dos anos, melhorando a navegabilidade da plataforma e refinando seu design. O catálogo já foi melhor. Passou por muitas mudanças, e hoje se concentra mais em produções próprias.
A plataforma: Tem boa navegabilidade, é bem intuitiva e organizada. Seu algoritmo funciona bem e apresenta indicações muito interessantes, baseadas no que você costuma assistir.
O catálogo: Hoje o catálogo da Netflix se destaca pelo seu conteúdo original, produções bancadas pela própria plataforma. Mas também tem uma coleção considerável de filmes blockbuster. Além disso, tem uma rotatividade interessante. É sempre certo que vai ter novidades interessantes no catálogo, de lançamentos recentes a filmes e séries antigas.
Destaques: Filmes: O Irlandês, Rocketman, Garota Exemplar, A Lista de Schindler, O Jogo da Imitação. Séries: House of Cards, Stranger Things, Seinfeld, Breaking Bad, Ozark.

Amazon Prime

A Amazon Prime Video já rolava nos Estados Unidos há um tempo, mas chegou ao Brasil somente em 2016. É uma plataforma robusta, com um catálogo muito interessante, mas errático. Seu lay out e navegabilidade deixam um pouco a desejar, mas vem melhorando com o tempo.
A plataforma: A navegabilidade pela plataforma é funcional, mas não encanta. A organização é um pouco confusa, eles misturam filmes e séries disponíveis no catálogo com outras que é preciso alugar ou fazer assinatura de streamings parceiros. Isso incomoda um pouco.
O catálogo: Assim como a Netflix, a Amazon vem investindo em produções próprias, algumas delas muito boas. Tem uma coleção invejável de filmes clássicos e conta com a opção de assistir alguns canais de TV como a CNN ou o Universal Channel, além de muitos canais premiere de esportes.
Destaques: Filmes: Oppenheimer, A Outra História Americana, Os Infiltrados, Apocalypse Now, Noivo Neurótico Noiva Nervosa. Séries: The Boys, O Homem do Castelo Alto, Daisy Jones & The Six, Little Fires Everywhere, Hunters.

Globoplay

No ar desde 2015, a Globoplay, bresileiríssima, se destaca por seu enorme conteúdo de produções brasileiras que extrapolam em larga escala o que é feito para a TV. Atualmente, seu maior filão tem sido os documentários, a maioria excelentes, como Vale o Escrito, Doutor Castor, Sullivan & Massadas, Senna por Ayrton e outros. A plataforma permite assistir ao vivo todos os canais do Grupo Globo (Globo, GNT, Multishow, Sportv…) e outros como Megapix e Canal Brasil.
A plataforma: É direta, intuitiva e atraente, lembra muito a Netflix. A navegabilidade é boa, mas pode ser um pouco lenta, se comparada a outras plataformas. O algoritmo funciona muito bem, dando sugestões e colocando em destaque conteúdos compatíveis com o que é consumido habitualmente.
O catálogo: De maneira geral, é um catálogo ótimo. O ponto fraco definitivamente é a variedade e qualidade dos filmes, em especial filmes hollywoodianos famosos e tal. Em compensação tem um acervo de produções nacionais excelente, com filmes, documentários, séries e até mesmo as novelas e séries da tv Globo, que tem muita coisa boa. A Globoplay também tem investido pesado em produções originais e tem se saído muito bem.
Destaques: Filmes: Bacurau, Parasita, Terra em Transe, Queime Depois de Ler, Estômago. Séries: Os Outros, Sessão de Terapia, The Handmaid’s Tale, House, Vale o Escrito.

HBO Max

O canal de TV HBO entrou na onda do streaming em 2020. Não precisamos nem dizer que o seu ponto forte são as séries, já que mesmo para a TV, desde sempre a HBO já investia e produzia séries de altíssimo nível. Como o canal faz parte do grupo Warner, o catálogo de filmes da plataforma também é recheada de ótimos títulos. Com um lay out moderno e atrativo, a HBO Max é uma das melhores plataformas de streaming da atualidade.
A plataforma: Tem ótima navegabilidade, é simples e direta. Além das seções de filmes e séries, você pode acessar os conteúdos exclusivos dos canais que fazem parte do grupo Warner, como HBO, Discovery, Carton Network e outros, tudo separado e fácil de achar.
O catálogo: O acervo de filmes da plataforma é muito bom, mas o ouro está nas séries e nos conteúdos dos canais, especialmente da HBO e do Cartoon Network, ainda mais para os saudosistas da TV à cabo dos anos 90, que se divertiam com desenhos como Freakazoid, Johnny Bravo e o impagável late show Space Ghost de Costa a Costa.
Destaques: Filmes: Bons Companheiros, Joker, Zodíaco, Beetlejuice, A Origem. Séries: Família Soprano, Succession, Game of Thrones, True Detective, The Deuce.

Star+

A Star+ é basicamente a plataforma de conteúdo “adulto” da Disney, ou seja, boa parte do foi produzido e veiculado pela Fox, que foi comprada pela Disney. Começou a funcionar em 2021 tendo como atrativo todas as temporadas d’Os Simpsons, os filmes dos X-Men e outras produções. Em 2022 chamou a atenção por lançar uma série brilhante e avassaladora, The Bear. Recentemente foi anunciado que a Star+ será extinta e todo seu conteúdo será integrado à plataforma da Disney+.
A plataforma: É bem atrativa e simples de navegar. Pode ser um pouco repetitiva nos destaques apresentados na home e não explora bem o algoritmo para apresentar sugestões. Provavelmente, na migração para a plataforma da Disney isso vai melhorar.
O catálogo: É muito bom! No quesito filmes vai um pouquinho mais fundo dos que as outras plataformas nos filmes mais cults no estilo 500 Days of Summer. Não tem um número enorme de séries memoráveis, como a HBO, por exemplo, mas tem um punhado ali que são realmente boas e engrossam esse caldo.
Destaques: Filmes: Birdman, Pequena Miss Sunshine, Cisne Negro, Alta Fidelidade, Bastardos Inglórios. Séries: The Bear, American Horror Story, O Faz Nada, Only Murders in the Building, Atlanta, Walking Dead.

Para concluir, importante dizer que não entramos aqui no mérito financeiro porque cada uma das plataformas tem diferentes planos, com muitas variáveis e diferentes valores. Por isso, preferimos manter o foco no conteúdo. Até porque é disso que a gente gosta e entende, curtir bons filmes e séries! Então nada mais justo do que celebrar essas ferramentas maravilhosas que nos permitem ter acesso a tanta coisa boa. E tão variado e cheio de opções de altíssimo nível quanto os catálogos das plataformas de streaming, é o catálogo de camisetas da Strip Me, com coleções de camisetas de cinema, arte, música, cultura pop, bebidas, games e muito mais. Cola lá no nosso site para conferir e ficar por dentro dos lançamentos, que pintam lá toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist divertida, com canções que falam sobre o velho hábito de assistir televisão! TV Top 10 tracks.


Top 10 Sustentabilidade Strip Me

Top 10 Sustentabilidade Strip Me

Sustentabilidade não é apenas um conceito de preservação e consciência. Atualmente é palavra de ordem, é necessidade básica, é urgência. Ciente disso, a Strip Me apresenta uma coleção de camisetas inteira dedicada à sustentabilidade e à ciência. Aqui você confere 10 camisetas que fazem parte dessa coleção.

Pode não parecer, mas falar sobre sustentabilidade, biodiversidade e ecologia pode ser um trabalho bem complexo. Afinal envolve muito mais do que simplesmente argumentar sobre preservação da natureza. Podemos resumir tudo na conceito de ecologia. A ecologia é uma ciência complexa e plural, que se presta a entender o funcionamento de toda a natureza. Para tanto, é necessário, por exemplo, conhecer um pouco de Evolução, Genética, Biologia Molecular, Botânica, Fisiologia, Anatomia e outros temas relativos. É aqui que a coisa começa a ficar complicada.

Não é de hoje que teóricos e ativistas da ecologia são rechaçados, ignorados e até mesmo ridicularizados. Não é à toa que todo filme de catástrofe natural começa com um cientista sendo ignorado. Nos dias atuais, mesmo com tanta informação disponível, ainda há quem desacredite não só ecologistas, mas também cientistas. Gente que insiste em dizer que vacinas não funcionam e que o aquecimento global é uma invenção. São os infames negacionistas.

Desde 2004, quando tsunamis e terremotos devastadores atingiram 14 países, a maioria asiáticos, a humanidade já vem se ligando que ninguém está salvo de eventos extremos da natureza. Se não há como evita-los, podemos, pelo menos, tentar ameniza-los e estarmos preparados para eles. E isso está inevitavelmente ligado à ecologia e sustentabilidade. Pensando nisso, a Strip Me uniu o útil ao agradável, fazendo o que sabe fazer melhor: camisetas incríveis. Uma coleção todinha dedicada à sustentabilidade e fortalecimento da ciência. Tudo feito com leveza, bom humor e muito bom gosto. Separamos 10 camisetas dessa coleção para apresentar aqui para você. Se liga.

Camiseta Green Again

Já começamos com os dois pés na porta! Afinal, não tem nada melhor do que subverter o slogan usado por conservadores sabidamente negacionistas para proclamar que precisamos voltar a ter esperança num futuro verde e sustentável.

Camiseta Mata Atlântica

Fizemos recentemente um post aqui dando uma geral sobre a situação e importância da Mata Atlântica para a América do Sul. Leia aqui. É um bioma complexo e encantador que está em constante ameaça. Por isso, fazemos questão de incentivar todo mundo a carregar no peito a Mata Atlântica, com muito estilo, é claro.

Camiseta Advisory

Muito tempo atrás, numa época em que streaming não passava de uma palavra em inglês que significava transmitindo, quando um disco era lançado, e em seu conteúdo havia canções com letras violentas, obscenas ou impróprias, os defensores dos bons costumes mandavam imprimir na capa um selo com os dizeres Parental Advisory: Explicit Content, avisando aos pais que seus filhos adolescentes poderiam estar expostos a tais conteúdos. Bom, como o mundo dá voltas, é hora dele próprio avisar à humanidade que para a natureza não tem escapatória. Ou a gente cuida, ou ela se volta contra nós.

Camiseta Politics

Não dá pra dissociar ações sustentáveis da política. Até porque política não se limita a eleições e cargos de poder. Toda manifestação artística e de ideias, toda ação social, tudo é política. E a política como um todo é um retrato instantâneo, uma Polaroid, da própria sociedade que a exerce. Tá nossa mão sair bem na foto ou queimar o filme.

Camiseta Activism

O negócio é não ficar parado e nem achar que tanto faz.Se consideramos justa toda forma de amor, também consideramos necessária toda forma de ativismo. Pode ser uma marcha coletiva e pacífica pelas ruas da cidade, pode ser um artigo científico, pode ser um discurso público, e pode ser também qualquer barulho, diversão e arte! Toda forma de expressão deve ser livre e exercida!

Camiseta Rethink

Nós só chegamos até aqui porque nos adaptamos e evoluímos. Assim diz a ciência, e a gente bota fé. Com tantas mudanças climáticas, biomas ameaçados e o avanço populacional e tecnológico desenfreado e caótico, precisamos, mais do que nunca, repensar nossas ações e reciclar nossos conceitos. Rethink. Reuse.

Camiseta Science

Muitas vezes, se colocar contra o negacionismo e o retrocesso social requer literalidade. Ir direto ao ponto. Ciência, educação, meio ambiente e direitos iguais são conceitos básicos que devem guiar a vida em sociedade. São princípios nos quais acreditamos com orgulho, e com muito estilo!

Camiseta Terra Curvy

Falando em acreditar… É um conceito curioso o da crença. Acreditar é uma afirmação de que alguma coisa é real, verdadeira. Algumas coisas dependem unicamente da crença individual, como a existência de deus ou o mundial do Palmeiras. Já outras coisas são fatos comprovados cientificamente e não requerem crença, mas simplesmente aceitação, como por exemplo, a existência do ar que respiramos, a eficácia das vacinas… E QUE A TERRA É REDONDA, P#RR@!

Camiseta Universo

Apresentamos agora um ilustrativo e didático infográfico, muito mais crível e melhor elaborado que certos power points de ex-juristas brasileiros. Pra deixar claro de uma vez por todas que o fardo mais pesado que o universo inteiro carrega é essa multidão de gente que nega vacinas, que desdenha das mudanças climáticas, que espalha fake news nos momentos mais delicados. Aliás, o desenho evidencia que essa turma não é só um fardo pesado a se carregar, mas também é o mais baixo tipo de gente que existe. Tá dado o recado!

Camiseta Básica Verde Água

Tudo que foi dito até aqui são princípios básicos. Deles derivam muitos outros princípios e ações que vão fazer a diferença no mundo. Da mesma forma, toda a Coleção Sustentabilidade, como todas as outras coleções da Strip Me, partem de camisetas básicas. Camisetas de tecido certificado, com excelente caimento e conforto. São muitas as cores disponíveis na nossa linha de camisetas básicas, mas essa, verde água, acaba sendo muito sugestiva para o tema aqui abordado.

A Coleção Sustentabilidade da Strip Me conta com várias outras camisetas, além das dez publicadas aqui. Aliás, a sustentabilidade para nós vai muito além das camisetas. Cada compra feita na nossa loja pode gerar uma doação, sem custo adicional nenhum para o comprador. A doação é por nossa conta. Em todos os seus pedidos na Strip Me você pode apoiar uma causa. Você escolhe entre a causa animal e o combate à fome. E a gente doa através do nosso parceiro O Pólen. Ou seja, não custa nada pra você e ajuda muita gente. Além disso, a Strip Me trabalha exclusivamente com tecidos com certificado BCI (Bertter Cottom Initiative) na confecção das camisetas e as estampas são impressas com tinta 100% à base de água, sem químicos e totalmente biodegradável. Nossa produção é toda feita sob demanda. Dessa forma não são gerados resíduos e não há desperdícios de produção. Visite o nosso site para saber mais detalhes, além de conhecer todas as nossas coleções e ficar por dentro de todos os lançamentos, que pintam toda semana.

Vai fundo.

Pata ouvir: Uma playlist daquelas com músicas inspiradoras e questionadoras, sobre meio ambiente, sociedade e tudo o mais! Sustentabilidade top 10 tracks.

8 fatos sobre a Mata Atlântica que você precisa saber.

8 fatos sobre a Mata Atlântica que você precisa saber.

Bioma de diversidade incalculável e carregado de história, a Mata Atlântica é um retrato fiel do Brasil. A Strip Me te ajuda a conhecer melhor esse caleidoscópio de fauna, flora e paisagens estonteantes.

A legendária carta de Pero Vaz de Caminha e os relatos de outros navegantes, incluindo Américo Vespúcio, retratam a costa brasileira como um lugar idílico. O próprio Vespúcio chegou a escrever em seu diário: “Se existe algum paraíso terrestre, ele certamente não fica longe dessas terras.” Essa visão paradisíaca se justifica. De suas naus, os europeus avistavam praias de águas claras, areia branca e uma densa floresta ao fundo, repleta de cores e vida. Isso sem falar no relevo, com montes e serras, que completavam a paisagem. Imagine, por exemplo, esses navegantes, vindos de uma terra com cidades sujas. de clima frio e sem grandes atrativos naturais, chegando na baía de Guanabara, com o exuberante Pão Açúcar se erguendo sobre uma mata verdejante, sob a brisa do mar e o calor tropical.

Essa exuberância que encantou os europeus era a Mata Atlântica em todo o seu esplendor. Atualmente a Mata Atlântica é considerada um bioma distinto, com características próprias, assim como o Pantanal, o Cerrado ou a Amazônia. Sua formação data de 50 milhões de anos aproximadamente, conhecido como período quaternário. Nessa época o que hoje é a América do Sul já era uma porção de terra isolada como continente, mais ou menos como a conhecemos hoje. Por estar numa localização tropical, todas as eras glaciais que rolaram ao longo de todo esse tempo, esfriando, esquentando e alagando, propiciaram à região a proliferação de uma biodiversidade imensa. Até a chegada dos europeus, a Mata Atlântica ocupava boa parte do território leste e central da América do Sul, se estendendo do nordeste brasileiro até a costa do Uruguai, e avançando em alguns pontos para o interior do sudeste e sul, chegando ao interior do Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, interior e São Paulo, Paraná e chegando a algumas partes do Paraguai.

Hoje temos, em toda a América do Sul, apenas 16% do que era a Mata Atlântica 500 anos atrás. E, infelizmente, a tendência é esse número diminuir ainda mais. Para que a gente possa evitar ao máximo a diminuição da Mata Atlântica e ter noção da importância da sua conservação, a Strip Me apresenta 8 fatos que você precisa saber sobre esse nosso bioma tão essencial.

Geografia.

A Mata Atlântica ocupa 1,1 milhão de km² em 17 estados do território brasileiro, estendendo-se por grande parte da costa do país. Possuem áreas preservadas da Mata Atlântica os estados Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia,  Alagoas, Sergipe, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí. A WWF (World Wide Fund for Nature Inc.) dividiu o bioma em 15 ecorregiões, para que as ações de preservação possam ser feitas localmente, atendendo às necessidades de cada região, já que a Mata Atlântica abrange ambientes montanhosos, litorâneos, mangues e etc.

Povos originários.

A chegada de seres humanos nas regiões de Mata Atlântica data de doze a dez mil anos atrás, de acordo com achados arqueológicos em Lagoa Santa, Minas Gerais. A interação desses primeiros povos impactaram muito o bioma. Eram povos nômades, mas que já praticavam uma agricultura rudimentar. Há teorias (ainda não comprovadas cientificamente) que dizem que os pampas gaúchos, num passado muito distante, era uma área de Mata Atlântica que passou por frequentes derrubadas e queimadas feitas por esses primeiros povos, até se estabelecer como vastos campos descampados que conhecemos atualmente. Ainda hoje as áreas preservadas de Mata Atlântica abrigam muitas etnias de indígenas, que lutam para conservar sua cultura e estilo de vida. Esses povos são cada vez mais ameaçados por demarcações de terras, garimpos ilegais e projetos de leis espúrios. Algumas das etnias ainda vivendo na Mata Atlântica são os Kaingang, Terena, Potiguara, Kadiweu, Pataxó, Krenak, Guarani, Caiová e Tupiniquim.

Descobrimento.

A Mata Atlântica está intrinsicamente ligada à história do Brasil e sua colonização pelos portugueses. Nos primeiros anos de exploração, os portugueses buscavam ouro e pedras preciosas, o que não encontraram. Mas encontraram uma infinidade de árvores nativas da Mata Atlântica cuja madeira lhes era muito valiosa: o Pau Brasil. Foi o primeiro alvo de comércio dos europeus. Em seguida veio a era dos paulistas, ou bandeirantes, que desbravaram a aparentemente intransponível muralha da Serra do Mar e se embrenharam pelo interior do Brasil em busca de índios para escravizar e também de ouro, é claro. Com a descoberta do ouro nas Gerais, áreas imensas de Mata Atlântica vieram abaixo, e as áreas que se mantiveram de pé eram um grande obstáculo para o transporte das pedras preciosas para os portos, para serem levadas para a Europa. Em contra partida, sempre houve preocupação em torno da conservação das matas, especialmente entre os missionários jesuítas, que acreditavam numa agricultura florestal dinâmica, mas eram frequentemente ignorados por governadores e outras autoridades. Mas as missões jesuíticas do sul do Brasil e da Argentina e Uruguai comprovam isso. Após a vinda da família real para o Brasil, até o reinado de Dom Pedro II, houve também alguma consideração relacionada à busca de conhecimento e conservação da biodiversidade. Mas o ciclo do café atropelou isso tudo, desmatando desenfreadamente. E, por fim, o êxodo rural, crescimento populacional e desenvolvimentos das grandes metrópoles completam este quadro tão preocupante.

Diversidade.

Quando a corte de Dom João VI se estabeleceu por aqui, vieram também cientistas e botânicos que ficaram impressionados com a diversidade das matas brasileiras. Posteriormente, Dom Pedro II incentivou e financiou muitas expedições de cientistas para estudar a fauna e flora da Mata Atlântica. São mais de 20 mil espécies de plantas e 2 mil espécies de animais (sem contar insetos e aracnídeos). Para se ter uma ideia, um levantamento feito na Reserva Biológica de Una, no sul da Bahia, constatou a maior diversidade de árvores do mundo, com 450 espécies diferentes num só hectare de floresta. Nos anos 90 o mico leão dourado, na iminência da extinção na época, virou símbolo da preservação da Mata Atlântica. O primata ainda é o maior símbolo da Mata Atlântica, e graças ás inúmeras campanhas e esforços, a espécie do primata está cada vez mais longe da extinção, através da ação de ambientalistas promovendo a reintrodução no habitat natural de indivíduos criados em cativeiro.

Água.

A Mata Atlântica abriga uma rede imensa e muito importante de bacias hidrográficas, que fornecem água para mais de 145 milhões de pessoas. O desastre recente no Rio Grande do Sul mostra de forma trágica a consequência do desmatamento e a importância da mata em margens de rios e encostas. São as matas ciliares que ajudam a conter a força das águas, e o solo permeável que absorve a água e ajuda a evitar grandes inundações. A Mata Atlântica é o lar de sete das nove maiores bacias hidrográficas do Brasil. São elas Paraná, Uruguai, São Francisco, Parnaíba, Atlântica Sul, Atlântico Sudeste, Atlântico Leste, Atlântico Nordeste Oriental. Isso sem falar de um dos maiores aquíferos do mundo, o Aquífero Guarani, que fica sob a Mata Atlântica. A diminuição da Mata Atlântica pode ser fatal para muitos desses rios.

Sobrevivência.

A Mata Atlântica é uma das florestas com maior diversidade de plantas no mundo e considerada uma das áreas mais importantes para a conservação da biodiversidade do planeta. Além disso, abriga 70% da população brasileira. Aliás, 61% da área urbana do Brasil se encontra neste bioma e responde por 80% da economia nacional. Porém e portanto ao mesmo tempo, é o bioma mais devastado e ameaçado do país. Se faz cada vez mais necessário que toda e qualquer iniciativa que promova a preservação da Mata Atlântica seja apoiada e divulgada. Aqui estão algumas delas para você conhecer.
SPVS (Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental) siga @spvsbrasil
SOS Mata Atlântica siga @sosmataatlantica
IA-RBMA (Instituto Amigos da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica) siga @rbmataatlantica
IMAFLORA (Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola) siga @imaflorabrasil
IPÊ (Instituto de Pesquisas Ecológicas) siga @institutoipe

Turismo.

O turismo ecológico vem se tornando cada vez mais popular. Ainda bem. Afinal de contas, quanto mais gente interessada em conhecer e desfrutar da natureza, maior vai ser o interesse em preservar áreas de mata nativa. A Mata Atlântica possui em seu vasto território algumas das atrações turísticas mais atraentes e deslumbrantes do Brasil. Começando pelo primeiro, temos o Parque Nacional de Itatiaia, o primeiro parque nacional de preservação do Brasil, criado em 1937. O parque fica entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais e abriga 360 espécies de aves (incluindo gaviões, codornas e tucanos) e 67 espécies de mamíferos (como a paca, macacos e preguiças). E, é claro, possui trilhas inacreditáveis. O Passeio de trem Curitiba-Morretes é o mais bonito do Brasil, passando por paisagens deslumbrantes de Mata Atlântica através da Serra do Mar paranaense. A Pedra da Gávea no Rio de Janeiro, conhecida como a cabeça do imperador, é o maior bloco monolítico à beira mar do mundo, a 842m acima do mar, e cercada por uma floresta exuberante. Por incrível que pareça dá pra curtir uma pedaço de Mata Atlântica no coração da cidade de São Paulo. O Parque Trianon, na avenida Paulista, é um pedacinho de mata nativa preservada. Pra finalizar, temos uma das sete maravilhas naturais do mundo, as majestosas Cataratas do Iguaçu, um conjunto de 275 quedas d’água que formam uma paisagem de beleza única em meio a Mata Atlântica. Isso sem falar na Ilha do Mel, Ilha do Cardoso, o Parque Estadual do Turvo, O Parque da Pedra Branca, a Pedra do Baú, a Gruta da Casa de Pedra, o Parque Nacional da Serra de Bocaina…

Cogumelos.

Para finalizar essa lista, uma curiosidade, no mínimo, instigante. Na Reserva Betary, trecho de 60 hectares de Mata Atlântica localizada na cidade de Iporanga, no estado de São Paulo, é possível ver exemplares de Mycena lucentipes. Durante o dia, são fungos como outro qualquer, mas à noite eles emitem um brilho luminoso verde neon. Sim, eles literalmente brilham no escuro! Das cerca de 100 espécies de cogumelos bioluminescentes identificadas em todo o mundo, 27 foram encontradas na Reserva Betary. A primeira pergunta que surge é: Por que esses danadinhos brilham no escuro? A resposta é simples. É para atrair insetos e aranhas, que ajudarão a disseminar os seus esporos pela floresta. A segunda pergunta óbvia é: Dá barato? Ainda não há uma resposta para essa pergunta, pelo menos, ninguém se manifestou a este respeito. Mas a probabilidade de ele ser alucinógeno é grande, pois pertence a família Mycena, a qual boa parte dos fungos são alucinógenos, mas pode ser que ele seja venenoso também. Mas só o fato de você estar dando uma banda pela floresta no meio da noite e dar de cara com um cogumelo brilhante, já é naturalmente uma baita doideira!

Para além do barulho, diversão e arte, faz parte do DNA da Strip Me o amor pela natureza e os animais, fazendo com que a marca coloque em prática várias ações que vão desde a utilização de tecido certificado e tintas biodegradáveis até a doação de parte do valor de cada venda realizada para ONGs de combate á fome e pelos direitos dos animais. Fazemos questão de exaltar a nossa flora inigualável com a coleção de camisetas florais, além de sempre levantar a bandeira da sustentabilidade. Dá uma olhada no nosso site para conferir essa e outras coleções, para conhecer um pouco mais sobre nós e ficar por dentro dos nossos lançamentos, que pintam por lá toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist caprichada com músicas excelentes que falam sobre a preservação da natureza. Mata Atlântica Top 10 tracks.

Enchentes no Rio Grande do Sul: Saiba como ajudar.

Enchentes no Rio Grande do Sul: Saiba como ajudar.

O momento é delicado, e todas as atenções devem estar voltadas para as vítimas da catástrofe climática no Rio Grande do Sul. A Strip Me dedica este espaço a divulgar os principais canais de doação e auxílio aos gaúchos.

Em menos de um ano o sul do Brasil, especialmente o estado do Rio Grande do Sul, vive um período muito difícil, por conta de fortes chuvas, cheias de rios e outras intempéries naturais. Todo mundo sabe que isso é uma consequência direta dos abusos humanos que resultaram no aquecimento global. Mas o momento não é de apontar dedos, mas sim de estender a mão. Nos últimos dias, o estado viveu seu mais grave momento da história, tendo paralelo apenas com a histórica enchente de 1941, que inundou boa parte da cidade de Porto Alegre.

Portanto, hoje estamos aqui para ajudar a divulgar os principais canais de doação e auxílio às vítimas das enchentes gaúchas. Confira.

Crédito da Imagem – Matheus Piccini

PIX e doações em dinheiro.

Toda forma de ajuda é bem vinda neste momento, é claro. Mas, considerando a vasta extensão territorial do Brasil, para a maioria dos brasileiros, a forma mais eficiente de colaborar é doando dinheiro. Para isso, foram abertos alguns canais que são cem por cento confiáveis para quem tiver condição poder fazer sua contribuição com qualquer quantia. Os principais são o governo do estado, a prefeitura de Porto Alegre, o Ministério Público do Rio Grande Sul e a Associação do Ministério Público do estado. O valor arrecadado será destinado ao apoio humanitário às vítimas das enchentes e à reconstrução da infraestrutura das cidades. Os CNPJ são:

  • Governo do Rio Grande do Sul: 92.958.800/0001-38
  • Prefeitura de Porto Alegre: 92.963.560/0001-60
  • Ministério Público do Rio Grande Sul: 25.404.730/0001-89
  • Associação do Ministério Público do Rio Grande do Sul: 87.027.595/0001-57

Doações internacionais devem ser feitas pela conta corrente no código (IBAN: BR48 0036 0305 0282 2000 0713 361C 1; nome/razão social: Município de Porto Alegre; CPF/CNPJ: 92.963.560/0001-60; conta: 2822 0006 000000071336-1; código swift: CEFXBRSP).

Para quem não quiser fazer doações diretamente ao governo, a ONG Ação da Cidadania, criada em 1993 pelo Betinho, vem atuando em todo o Brasil ao longo de seus 30 anos de existência com muita dedicação e eficiência. A organização abriu um canal específico para as colaborações destinadas ao Rio Grande do Sul. A chave PIX é  sos@acaodacidadania.org.br

A Ação Cozinha Solidária já entregou mais de 10 mil marmitas aos desabrigados e vem montando cozinhas em vários abrigos das cidades mais atingidas. Eles também precisam de contribuição para abastecer as cozinhas. O PIX é o CNPJ 10.568.281/0001-37

Mantimentos, produtos de higiene e roupas.

Outra forma de ajudar as pessoas afetadas pela tragédia gaúcha é doando alimentos, roupas, produtos de higiene e água potável.

Tão importante quanto os recursos financeiros, é a ajuda com esses materiais. As pessoas desabrigadas, instaladas em abrigos, precisam escovar os dentes, tomar banho e ter todos os cuidados de higiene e saúde. Desta forma, são necessárias doações de escovas e pasta de dente, sabonetes, desodorantes, absorventes femininos, álcool gel e fraldas (para bebês e também fraldas geriátricas).

Levando em consideração que todos precisam tomar banho, se fazem necessárias doações de toalhas. Também de roupas limpas. Roupas íntimas (cuecas, calcinhas e sutiãs), meias, camisetas, shorts, bermudas, calças e também blusas de frio. A gente sabe que não parece, mas o inverno se aproxima, no sul faz muito frio e não sabemos até quando as pessoas ficarão desabrigadas por lá. Então é realmente importante que sejam doadas blusas de frio.

Também são essenciais alimentos e água potável. No caso de quem está doando de lugares distantes do sul, é importante que sejam alimentos não perecíveis, que suportem dias de viagem, como arroz, feijão, farinha, sal, açúcar, óleo e leite. A doação de água potável, sejam. em garrafas ou em galões de 20 litros também são muito importantes. Afinal, as pessoas estão rodeadas de água, mas uma água sujeita a lixo e animais mortos, sendo imprópria para banho ou para beber.

A forma mais fácil de doar tudo isso é através dos Correios. Em boa parte dos estados do Brasil as agências dos Correios estão recebendo as doações e fazendo o transporte gratuito para o Rio Grande do Sul. Outro ponto de coleta e transporte de doações sãos os postos da polícia rodoviária federal. Mas também vale a pena se informar aí na sua cidade. Em vários locais tem tido arrecadação em estacionamentos de supermercados e prefeituras.

O Rio Grande do Sul tem recebido muitos voluntários para ajudar no acolhimento dos desabrigados e também na limpeza e reconstrução das cidades. Portanto, quem puder também pode doar utensílios e produtos de limpeza como baldes, vassouras, pás, sacos de lixo, desinfetante, água sanitária, detergente e etc.

Crédito da Imagem – Marcelo Gross

Voluntários.

A dimensão do estrago é realmente alarmante. Por isso mesmo, se faz necessário o auxílio do maior número de pessoas para executar várias tarefas. Há de se catalogar as pessoas desabrigadas, para assim facilitar a busca por pessoas desaparecidas, receber com carinho as pessoas nos abrigos, separar e distribuir as roupas e produtos de higiene doados, fazer limpeza e cozinhar. Nos locais onde a água já baixou precisa-se de pessoas para ajudar a limpar as ruas.

Quem possui barco ou jetski e puder ajudar, também é muito importante. Os veículos aquáticos são fundamentais na busca e resgate de pessoas ilhadas em lugares que seguem alagados.

Portanto, quem tem disponibilidade e energia, pode se apresentar nos postos da defesa civil de qualquer uma das cidades atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Animais.

Precisamos lembrar que também estão precisando de água, comida, abrigo e carinho são os pets. Cães e gatos estão precisando de ração, água, potes para ração e roupinhas para enfrentar o frio que deve chegar logo. As doações podem ser feitas nos locais de coleta citados acima, bem como sua colaboração em dinheiro, em parte, também vai acabar sendo destinada ao bem estar dos animaizinhos. Quem quiser doar especificamente para esta causa, pode fazer um PIX para o GRAD Brasil (Grupo de Resposta a Animais em Desastres). É uma instituição que está sendo muito atuante no sul. Você pode ver mais detalhes no perfil deles no Instagram (@grad_brasil). O PIX para colaborações é o CNPJ 54.465.282/0001-21

Crédito da Imagem – Marcelo Gross

Para concluir, é bom ressaltar que qualquer tipo de colaboração é muito bem vinda neste momento. Qualquer que seja a quantia da doação em dinheiro, em roupa, em produto de higiene, em comida, em água potável, em produto de limpeza, em ração para animais, e até mesmo do seu tempo.

Estamos todos juntos nessa e podemos colaborar de alguma forma.

Força, Rio Grande do Sul!

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.