Nostalgia da modernidade.

Nostalgia da modernidade.

A escalada tecnológica que presenciamos ao longo dos últimos 25 anos é assombrosa. E é um tema muito interessante para uma boa conversa. Porém, a não ser que você seja um especialista em ciência da computação, TI, ou qualquer coisa assim, a única forma de abordar este tema de forma relevante é contando suas próprias experiências, já que a mesma história já foi contada e recontada de todas as formas, do Netscape até o Google Chrome, do Napster ao Spotify, do IBM 486 ao iPhone. Inspirado nas estampas analógicas e com uma pegada de informática old school da Strip Me, resolvi ser mais pessoal neste texto, apresentando a perspectiva do Paulo, 38 anos, formado em publicidade e ligado no 220w em música e cinema, sobre a evolução da internet.

Fui ter acesso à internet pela primeira vez por volta de 1997, em um computador na biblioteca do colégio onde estudei. Um ano depois meu pai passou a liberar o computador do escritório dele para mim e minha irmã. O escritório ficava a duas quadras da nossa casa e íamos pra lá por volta de onze e meia da noite pra ficar uns 40 minutos cada um na internet. Vamos lembrar que nessa época a internet era via telefone. Entrávamos depois da meia noite, porque o pulso telefônico ficava mais barato. Eu usava boa parte do meu tempo conectado para ler sobre as bandas que eu gostava e em sites de humor. Quando eu dava sorte de ir pro escritório sozinho, sem a minha irmã junto, claro que aproveitava para consumir conteúdos mais picantes, que se limitavam a fotos que demoravam uma eternidade para carregar.

Em 1999 o mundo mudou pra todo mundo que curtia música. Surgiu o Napster compartilhando MP3 gratuitamente. Rolou aquela polêmica com o Metallica, processando o Napster, por outro lado, bandas como Radiohead declaravam que viam com bons olhos aquilo tudo. E nós só baixando as músicas enquanto artistas, gravadoras e donos das plataformas de compartilhamento batiam cabeça. Eu entrava no saudoso site Dying Days, lia sobre alguma banda que ainda não conhecia e corria pro Napster pra baixar e poder ouvir. Eu ia pro escritório do meu pai meia noite, selecionava algumas músicas que eu queria baixar, deixava o computador lá ligado a noite toda fazendo o download e ia pra casa dormir. É, demorava, bicho…

Em 2001 entrei na faculdade de jornalismo, que acabei não concluindo. Nessa época, já tínhamos um computador em casa. Essa foi a época que eu mais conheci bandas diferentes, entrava em contato com bandas independentes, que me enviavam demos, tinha descoberto o Audiogalaxy, que foi a melhor plataforma de compartilhamento de música que eu já vi, depois veio o Soulseek… era foda! Todo CD que caía na minha mão, eu ripava e compartilhava nessas plataformas, fosse a demo de uma banda de Sorocaba, fosse o disco novo do Pearl Jam. Da mesma maneira, tantas outras pessoas faziam isso, então era muito fácil achar coisas legais e novas pra baixar e conhecer.

Um pouco depois disso, 2003, 2004, fui ter meu primeiro telefone celular, que não era smartphone, vale lembrar. Era só um aparelho que fazia ligações, mandava SMS e, quando muito, tinha um tetris ou aquele jogo da cobrinha que vai comendo os pontinhos e crescendo. Nessa época também começaram a aparecer as câmeras fotográfica digitais, as famosas Cybershot. Baita revolução! Daí em diante, foi tudo muito rápido. Apareceu a internet sem fio, os notebooks se popularizaram, o Google começando a mostrar a que veio, o Orkut abriu a porta para as redes sociais, depois veio Facebook, os smartphones botaram um computador inteiro no bolso da calça, apareceu Twitter, Instagram, Snapchat, TikTok… e cá estamos nós, online full time.

Quando vejo alguém hoje em dia falando que “antigamente, no meu tempo de criança, o mundo era melhor”, fico com uma pulga atrás da orelha. Será que era mesmo? Com certeza era um mundo mais simples. Sem falar que comparar a juventude, tempo de descoberta e intensidade com a vida de responsabilidades, poucas surpresas e eventuais dores nas costas da vida adulta, claro que a juventude vai parecer ter sido um tempo muito melhor. Mas também estamos falando de um tempo em que um jovem tinha que entrar na internet depois da meia noite e esperar mais de dez minutos para que uma simples foto carregasse por completo numa página, enquanto hoje um filme de duas horas de duração carrega em menos de cinco segundos no meu navegador. Um tempo em que pouquíssimas pessoas tinham telefone celular, que era um objeto grande e pesado, com uma bateria que durava duas ou três horas e que tinha um sinal péssimo. Hoje eu faço uma chamada de vídeo com o meu amigo que está na Holanda com ótima qualidade. A verdade é que, apesar de 25 anos não ser tanto tempo assim, não dá pra comparar uma época com a outra. As coisas mudaram muito. Cabe a nós aceitar, aprender a cada novo passo da tecnologia, aproveitar tudo que ela nos oferece e saborear o doce sabor da nostalgia de um tempo que não volta mais.

Ainda bem.

Vai fundo!

Para ouvir: Pra acompanhar esse mergulho no passado recente da tecnologia, separamos 10 das canções mais baixadas no Napster em 1999, ano que ele foi lançado.Só clica pra conferir as 10 tracks mais baixadas no Napster!

Para assistir: Uma das razões da gente falar sobre o passado é para tentar entender o presente e nos preparar para o futuro. Então, para complementar e aprofundar o tema aqui apresentado, recomendo o ótimo documentário O Dilema das Redes (The Social Dilemma), produção da Netflix lançada em 2020.

Para Ler: Não só para entender a evolução da tecnologia, mas também para se inspirar, recomendo a leitura do ótimo Steve Jobs – A Biografia, escrito pelo jornalista e escritor Walter Isaacson e lançado no Brasil em 2011 pela Companhia das Letras.

Adicionar um comentário


Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.