Números! Estamos cercados de números por todos os lados!

Números! Estamos cercados de números por todos os lados!

Meu nome é Paulo, eu tenho 38 anos de idade, sou publicitário e eu detesto matemática. Para se ter uma ideia, eu me formei em publicidade em 2012, já com 30 anos nas costas. Mas antes, aos 18 anos, ingressei na faculdade de jornalismo, a qual não concluí. Às vésperas de prestar o vestibular, ainda indeciso, escolhi o jornalismo por um conjunto de fatores, entre eles, um dos que mais pesou foi que eu havia conferido a grade curricular do curso e não tinha nenhuma disciplina ligada a qualquer tipo de cálculo matemático. Entretanto a vida, essa vadia que amamos, nos ensina na marra que não adianta a gente querer controlar muito nossos passos. Sendo assim, cá estou hoje escrevendo um texto sobre números e equações. E apesar de um pouco confuso, admito que estou achando isso tudo muito interessante.

A real é que a gente não pára muito pra pensar o quão presente os números e a matemática estão na nossa vida e nas coisas que nós gostamos. Algumas expressões artísticas dependem incondicionalmente da matemática, como a música e principalmente a fotografia e, por consequência, o cinema. As escalas musicais e campos harmônicos tão diversos nada mais são que sequências padronizadas que podem ser logicamente entendidas através de alguns cálculos. Da mesma forma, a fotografia depende do cálculo entre a abertura do obturador e do diafragma para equilibrar a entrada de luz e a profundidade de campo que vai dar o foco desejado. Mas a coisa vai muito além disso. Há indícios de que uma fórmula matemática está presente na natureza, nas artes plásticas e até na formação de galáxias.

Muitos séculos atrás, um  matemático italiano chamado Leonardo Pisa, também conhecido como Leonardo Fibonacci, chegou a uma equação matemática infinita depois de muito analisar várias coincidências, Especialmente após observar o crescimento exponencial de uma população de coelhos, em 1202 ele registrou a famosa Sequência Fibonacci. Basicamente, é uma sequência numérica que começa pelo número 1, seguido pela soma de cada numeral com o número que o antecede. Ou seja, 1 + 1 = 2, 2 + 1 = 3, 3 + 2 = 5, e assim por diante. Até aí, para mim, tá tranquilo. Quando começam a entrar letras e a serem formadas equações, a coisa fica um pouco mais confusa pra mim, de qualquer forma, vou colocar aqui. É assim: Fn = Fn – 1 + Fn – 2, no qual “n” é o chamado índice e “fn” o termo geral, então, f2 = f1 + anterior = 1, f3 = f2+f1 = 1+1 = 2, f4 = f3+f2 = 2+1 = 3, f5 = f4+f3 = 3+2 = 5 e assim por diante. Pra quê colocar letras misturadas com números eu realmente não sei. Deve ser só pra confundir mesmo. Enfim, segue o baile.

Até aí, nada de mais, né… uma sequência de números. Mas a coisa se complica, mas fica mais interessante também. Ao longo do tempo a sequência Fibonacci foi sendo estudada e foi convertida em figuras geométricas. Ao transformar esses números em quadrados e organizá-los de maneira geométrica, pode ser construído um retângulo com características muito específicas, mas tão específicas que ele é chamado de Retângulo de Ouro. O lance é que se você dividir esse retângulo em um quadrado e um outro retângulo, este novo retângulo será igual ao original. Partindo da sequência 1, 1, 2, 3, 5, 8, organizam-se os números e os separam em quadrados. Dentro deste grande retângulo, você vai ter 6 quadrados de diferentes tamanhos. Se você partir do vértice entre os dois menores quadrados traçando uma espiral, você terá a também famosíssima Espiral de Fibonacci. E é aqui que tudo fica realmente impressionante.

Em inúmeros elementos da natureza você encontra espirais que são idênticas à Espiral de Fibonacci. Estamos falando de conchas marinhas, caramujos, plantas, flores e até furacões e formações de galáxias. Até pode ser uma baita coincidência, mas faz a gente pensar. Afinal, o velho Fibonacci, lá no século XIII, não estava pensando em nada disso quando estava lá contando coelhos. Mas ainda tem mais. Ainda em cima dessa sequência numérica, chegou-se à Proporção Áurea, um conceito visual famosão nas artes plásticas, arquitetura e design, por ser considerado harmônico para os olhos humanos. O valor da proporção áurea é de aproximadamente 1,618, o chamado número Phi, que é obtido quando se divide um número com o seu antecessor da sequência de Fibonacci. Cuidado pra não confundir com o valor de Pi. São duas letras gregas diferentes: phi (Φ) e Pi (π).

A loucura é que se você aplicar essa proporção áurea e até sobrepor a Espiral de Fibonacci nas principais obras de arte, ela vai encaixar certinho, naquele esquema do ponto focal onde você começa a ver a obra e como seu olhar vai sendo atraído através dela. Dá pra sacar isso na Monalisa e no Homem Vitruviano do DaVinci, n’A Criação de Adão do Michelangelo, na Moça com Brinco de Pérola do Vermeer e em vários lugares da Igreja Sagrada Família, obra arquitetônica mais audaciosa e genial do Gaudí.

Mas não acabou, cara! Essa danada dessa sequência numérica é amplamente usada em estudos seríssimos. Na física, é aplicado no estudo da ótica e raios de luz. Na ciência da computação e elaboração de games ela é um dos fundamentos para organizar algoritmos, processamento de textos, ordenação de estrutura de dados, engenharia de software e testes de programas. Até o mercado financeiro se faz valer do velho Fibonacci, pois dizem que dá pra aplicar a sequência naqueles gráficos das bolsas de valores e ter uma ao previsão do mercado, se ações vão subir ou cair e por aí vai. Nada comprovado, claro. Mas, olha, eu não duvido não.

Crescente, harmônica, impressionante, que se relaciona com a natureza, com o universo e com as artes. Assim também é a Strip Me, que está sempre trazendo estampas novas, em harmonia com a atualidade e as artes, numa produção em harmonia com a natureza. É só clicar e conferir!

Vai fundo!

Para ouvir: Já que estamos falando de matemática, cálculos e equações, temos aqui uma playlist de gênios! Aqui só entra quem tem altas graduações, phD e etc. Tem físisco, engenheiro, bioquímico… em todas as bandas que estão nessa playlist tem um integrante que é um doutor sabe-tudo! Top 10 tracks com PhD!

Para assistir: Tem uma série de 2012 muito boa chamada Touch. Ela durou pouco, só duas temporadas. Mas que vale a pena procurar pra assistir. É sobre um jornalista que  passa a criar seu filho autista sozinho, após sua esposa, e mão do guri, morrer durante o atentado de 11 de setembro de 2001. O garoto não fala, mas tem o hábito de escrever muitos números. Através da nossa querida sequência de Fibonacci, o pai consegue entender um padrão e se comunicar com o filho. Mas a série não fica só nisso, tem várias outras tretas no meio. Vale a pena ver, mas não é muito fácil de achar.

Adicionar um comentário


Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.