7 filmes que dão muita fome!

7 filmes que dão muita fome!

O mundo da gastronomia é fascinante. Não à toa, muita gente diz que cozinhar é uma arte. Hoje a Strip Me junta a arte da culinária com a arte do cinema, recomendando 7 filmes que, além de serem muito bons, dão uma baita fome.

Um tempo atrás, a gente já comentou aqui no blog sobre alguns drinks que se tornaram famosos por aparecerem em filmes clássicos, como o o dry martini do James Bond ou o white russian do Dude. O link para este texto levemente alcoólico está aqui. Mas tais drinks nunca foram realmente o foco dos filmes, aparecem ali, em uma ou outra cena. Já para o lado da comida, existem alguns filmes onde a gastronomia é praticamente um personagem da trama.

A persona do chef de cozinha vem se fortalecendo cada vez mais na cultura pop. Principalmente a popularização de reality shows sobre gastronomia, além dos programas populares de simpáticas senhoras preparando receitas na televisão, ajudaram a fazer com que as pessoas tivessem mais acesso a pratos mais elaborados, indo além do trivial arroz com feijão. Isso não só o aqui no Brasil, mas no mundo inteiro. Tanto é que a maioria dos filmes que abordam a gastronomia com maior ênfase tem menos de 20 anos. No caso da nossa lista, o filme mais antigo é de 2007. Claro, existem muitos filmes mais antigos onde aparecem pratos muito bonitos e apetitosos, e que fazem referência à gastronomia. Exemplo disso é o clássico dinamarquês A Festa de Babette, de 1987, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, bem como o maravilhoso Volver, de Almodóvar.

Mas para esta lista, selecionamos filmes onde a cozinha realmente está presente e cozinheiros são protagonistas. E, consequentemente, passam pela tela pratos que dão água na boca!
Bon appetit!

Toscana (2022)

O primeiro filme da lista pode ser considerado um filme meio bobo. Trata-se de uma comédia romântica previsível (como a maioria delas são). Mas, também como sempre acontece no cinema em geral, o caminho acaba sendo mais importante que o ponto de chegada. Toscana traz um roteiro bem escrito, com uma história bem contada sobre um chefe dinamarquês que herda de seu falecido pai uma pousada e restaurante na Toscana, Itália. Ele vai até lá disposto a vender o estabelecimento, mas se encanta com a simplicidade da gastronomia local, e também pela cativante garota que gerencia o estabelecimento. Já dá pra adivinhar como o filme acaba, mas vale muito a pena acompanhar o caminho até este final esperado, pois, além de divertido, ele é repleto de apetitosos pratos.

Julie & Julia (2009)

Pra começo de conversa, este filme já é recomendadíssimo, simplesmente por ser escrito e dirigido pela Nora Ephron, uma roteirista brilhante, responsável por filmes deliciosos como When Harry Met Sally e Michael, Anjo e Sedutor. Mas além disso, Julie & Julia é baseado em duas histórias reais. Primeiro, conta a história da primeira mulher a lançar um livro de receitas e ter um programa de culinária na televisão, a visionária Julia Child, interpretada pela Meryl Streep. Em paralelo retrata a vida de Julie Powell, interpretada pela Amy Adams, uma mulher frustrada que decide publicar vídeos na internet preparando todas as 524 receitas do primeiro livro de Julia Child. Além de extremamente divertido, é um filme inspirador e emocionante. E dá uma baita fome!

Toast (2010)

Nigel Slater é um dos chefs de cozinha mais conhecidos do mundo. Mais conhecido por seus livros do que pelos seus pratos, é verdade. Mas, ainda assim, é uma grande personalidade da gastronomia. O filme Toast é sua cinebiografia, cujo roteiro foi inspirado na autobiografia que Slater escreveu em 2003. E é um filme muito bom. O roteiro é bem escrito, coeso e com personagens bem construídos. A fotografia é caprichada e a direção é eficiente. No enredo, temos a infância e adolescência de Nigel, cuja mãe nunca soube sequer fritar um ovo e que morre prematuramente. O garoto então passa a cozinhar para ele e o pai, até a chegada de uma empregada, contratada para cuidar da casa, que é uma cozinheira de mão cheia. Aliás, muito da qualidade do filme deve-se ao carisma da personagem Mrs. Potter, interpretada pela Helena Bonham Carter.

Burnt (2015)

A vida de um chef de cozinha pode se assemelhar a de um artista pop. Afinal, quanto mais renomado é o profissional, mais ele ganha fama, dinheiro e pode se perder em alguns excessos. É isso que mostra este ótimo filme protagonizado pelo Bradley Cooper e muito bem executado pelo excelente cineasta John Wells. Cooper dá vida a Adam Jones, um chef famoso que se afunda nas drogas, se recupera e, já sóbrio, assume o desafio de liderar um restaurante que pode ganhar uma terceira estrela Michelin. É um filme sobre amor ao trabalho, superação e humanidade. E também de muitos pratos invocados e apaixonantes.

Chef (2014)

Nada como ter liberdade para fazer o que quiser e poder exaltar as coisas que gostamos. O cineasta Jon Favreau ganhou notoriedade (e muito dinheiro) ao conceber o filme Homem de Ferro, cujo sucesso desencadeou uma avalanche de filmes de super heróis dali em diante. Bem quisto na indústria cinematográfica, com dinheiro no bolso e contando com o apoio do amigo Robert Downey Jr., Favreau finalmente tirou do papel um filme que sempre quis fazer, envolvendo uma de suas maiores paixões: a gastronomia. Chef é um road movie empolgante e divertido sobre um chef de cozinha bem sucedido que resolve se aventurar pilotando um food truck de comida cubana, enquanto reforça o elo da relação entre ele e seu filho. Além de muita comida na tela, o filme tem um roteiro bem amarradinho, direção vigorosa e uma trilha sonora excelente.

Estômago (2007)

Este filme é inacreditável de tão bom! Uma história improvável, cativante e muito bem elaborado. Realmente é um roteiro excelente. E neste filme, a comida é indiscutivelmente uma personagem central! O longa conta a história de um retirante nordestino em São Paulo que é descoberto num boteco fazendo coxinhas maravilhosas, é contratado para trabalhar num requintado restaurante italiano e acaba preso. Na cadeia, recebe o apelido de Alecrim e passa a ser o cozinheiro dos detentos. Essa trajetória é contada de maneira instigante através de idas e vindas no tempo, os famosos flashbacks. O representante brasileiro nesta lista não deixa nada a desejar. É um filme empolgante, divertido e que também vai te deixar com muita fome!

Ratatouille (2007)

O apetite é despertado por basicamente dois sentidos, além da fome, é claro. São eles o olfato e a visão. No cinema, com o olfato a gente já não pode contar (claro que tem aquele cheirinho irresistível de pipoca com manteiga, mas isso não vem ao caso). Já a visão sim, todos os filmes citados acima nos mostram pratos incríveis, comidas maravilhosas, que dão água na boca. Mas como é que uma animação, cujos desenhos nem são assim tão realistas, e ainda por cima mostram ratos manipulando comida, pode nos deixar com fome? A resposta esta no roteiro. Esta obra prima da Pixar ganhou mais de 50 prêmios ao redor do mundo, além de ter sido indicada ao Oscar de melhor roteiro original e ter ganhado o Oscar de Melhor Animação. Ratatouille é uma verdadeira ode à gastronomia, uma história de amor pela culinária, que é contada com paixão e leveza. A maneira como os personagens Linguini e Remy falam sobre comida é muito intensa e acaba por fazer com que a gente não só queira comer, mas também cozinhar pratos deliciosos!

Porção extra:
The Bear (2022)

Sem exagero, é uma das melhores séries já produzidas! Simplicidade é tudo. Trata-se, basicamente, da história de um chef de cozinha que herda de seu irmão morto uma lanchonete caindo aos pedaços e resolve reerguê-la. No meio desse processo, o roteiro impecável nos apresenta personagens complexos, conflitos pessoais, profissionais e familiares. Tudo isso num ritmo frenético, com uma fotografia provocadora de ângulos fechados, tal qual uma cozinha apertada e caótica. É realmente uma série imperdível! Ah, e além de tudo, tem na trilha sonora Wilco, R.E.M., Pearl Jam, Radiohead, Counting Crows…

E você, tem fome do quê? A gente não quer só comida, a gente quer barulho, diversão e arte! E é por isso que a Strip Me está aqui. Para te mostrar que a arte está em tudo, e tudo que você gosta e te inspira pode se tornar uma obra de arte. E os filmes apresentados aqui hoje reforçam essa ideia. Agora só falta você dar uma conferida no nosso site pra botar no peito toda essa inspiração e originalidade. Lá você encontra camisetas de cinema, música, arte e cultura pop, além de coleções super especiais de Carnaval, bebidas, games, florais e muito mais. Na nossa loja você também fica por dentro de todos os lançamentos, que pintam toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist saborosa com canções sobre comida. Comida top 10 tracks!

Para ler: A Arte Culinária de Julia Child: Técnicas e Receitas Essenciais de uma Vida Dedicada à Cozinha, lançado pela editora Seoman. Um livro simplesmente fundamental para qualquer um que se interesse por gastronomia. Uma leitura agradabilíssima onde técnicas de cozinha e receitas são explicadas com detalhes, mas sem ser chato ou cansativo. Recomendadíssimo!

10 curiosidades sobre o café.

10 curiosidades sobre o café.

O cafezinho nosso de cada dia é mais que um hábito, é uma instituição brasileira. Algo tão representativo da nossa cultura, que a Strip Me, sempre de olho em cada aspecto da nossa brasilidade, destaca hoje 10 curiosidades sobre o café!

São três horas da tarde. O sol lá fora está fervendo, você, sentado em frente ao computador, tenta se concentrar no trabalho, enquanto o ventilador só faz espalhar um vento morno. Uma gota de suor escorre pelas suas costas, você olha para o relógio, três e dois da tarde. Fica difícil se concentrar no trabalho. O calor é opressor. Só uma coisa pode restaurar seu bom desempenho: um copo americano com café bem quente!

A relação do brasileiro com o café é meio inexplicável mesmo. Não se resume a uma dose de cafeína pra ajudar a acordar, logo de manhã, ou para dar um up pra trabalhar ou estudar. É uma coisa mais ampla, uma forma de se sentir em casa. O café é social, é familiar e até mesmo companheiro solo para quem quer tirar o dia de folga e ficar em casa sem fazer nada. O nosso bom e velho cafezinho faz parte da vida do brasileiro, portanto, hoje vamos conhecer um pouco mais sobre ele.

Cereja.

Sim, pouca gente sabe, mas o café é um tipo de cereja, é uma frutinha carnuda com uma semente, normalmente bipartida, dentro. E o que a gente consome é justamente o extrato dessa semente, que é seca, torrada e moída. Por muito tempo, a fruta em si era descartada, desperdiçada. Mas atualmente, a indústria acaba aproveitando tudo, o fruto e a semente do café. Do fruto, faz-se, por exemplo, farinha, usada para fazer pães, muffins e outros produtos. Mas essa farinha não tem gosto de café, mas sim algumas notas mais florais e cítricas.

Chegando no Brasil.

O café é nativo do norte da África. Inicialmente tornou-se popular no oriente médio, e de lá se espalhou para o mundo através das invasões mouras e, posteriormente, das grandes navegações. No século XVIII os franceses cultivavam café em algumas ilhas do mar do Caribe. Qualquer tipo de exportação de mudas e sementes de plantas cultiváveis era expressamente proibida de um país para o outro. Se você está tomando seu cafezinho hoje, agradeça a Francisco de Melo Palheta, um sargento brasileiro a serviço da coroa portuguesa que fazia uma expedição pela América Central. Em 1727 ele estava na Ilha de Martinica, se engraçou com a esposa do governador da ilha, o francês Claude d’Orvilliers. Ela então, presenteou secretamente o brasileiro com sementes e mudas de café. Tais mudas e sementes foram plantadas no estado do Pará. Anos depois, novas mudas foram levadas para o Rio de Janeiro e São Paulo, onde elas realmente se adaptaram bem. E o resto é história.

Trem bão, sô!

O café se adaptou bem à região do vale do Paraíba, no interior do Rio de Janeiro. Em meados de 1840 a produção cafeeira na região já era forte e começou a ser exportada. Assim surgiu a primeira ferrovia brasileira, a Estrada de Ferro Mauá. Na segunda metade do século XIX a produção de café decaiu no Rio de Janeiro, mas novas lavouras já floresciam e davam nova cara ao interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Com essas novas lavouras, surgiram novas estradas de ferro. A Santos-Jundiaí, também conhecida como São Paulo Railway, foi inaugurada em 1867, seguida das ferrovias Paulista, Mogiana e a Sorocabana. As ferrovias ajudaram a fundar cidades e desenvolver centros urbanos por todo o sudeste brasileiro.

O café alimentou a aviação.

Acho que ninguém aqui sequer cogita entrar na discussão de quem é o pai da aviação, né? Esse título é brasileiro e ninguém tasca! É tão brasileiro que tem lá sua ligação com o café. Santos Dumont cresceu numa fazenda em Palmira, sul de Minas Gerais. Seu pai, Henrique Dumont, foi um dos grandes barões do café da época. A família Dumont era riquíssima e o pequeno Alberto Santos vivia pelos barracões da fazenda desmontando e montando ferramentas e máquinas. Já adulto, teve uma excelente educação na Europa. Graças ao dinheiro da família, não precisou trabalhar e investia todo o dinheiro que recebia do café de seu pai em suas pesquisas, que resultariam na invenção do avião!

Imigração e formatação do sudeste.

A expansão das fazendas de café do meio pro fim do século XIX, junto com as ferrovias e o fim da mão de obra escrava, trouxe para o sudeste uma verdadeira invasão de imigrantes europeus, em especial italianos e espanhóis, além de japoneses e libaneses, para trabalhar nas lavouras. Essa miscigenação ajudou a criar uma sociedade economicamente forte, já que muitos imigrantes começavam nas lavouras de café, mas logo juntavam um dinheirinho e abriam vendas, quitandas, oficinas… Assim foi forjada a região que hoje é a mais populosa e mais rica do país, através do café.

Semana de Arte Moderna

Os barões no café no estados de São Paulo eram muito poderosos no início do século XX. Influenciavam diretamente na política e começavam a querer ter cada vez mais protagonismo. Assim, o primeiro centenário da Independência do Brasil teve São Paulo como seu principal palco, com grandes construções e pavilhões pela cidade, além do Museu do Ipiranga e o fortalecimento da mística do grito de independência às margens do tal riacho. E foi nessa onda ufanista e prodigiosa que os artistas modernistas paulistanos decidiram criar a Semana de Arte Moderna, que só pode acontecer por causa de gente como Paulo Prado, um dos cafeicultores mais ricos de São Paulo e entusiasta da arte, que financiaram a coisa toda.

Terroir.

É verdade. O café já alcançou status de bebida gourmet. Por isso, torna-se cada vez mais relevante saber a origem dos grãos de café a serem consumidos. E para cada região, esses grãos ganham particularidades. Veja bem, tem só dois tipos de café: o arábica e o robusta, o arábica é o mais comum, é mais suave, com um leve adocicado, já o robusta é mais intenso e amargo. Mas o arábica cultivado nas montanhas de Minas Gerais nunca será igual ao arábica do interior de São Paulo. Assim como a uva merlot argentina é diferente da chilena, por conta do que passaram a chamar de terroir, o mesmo vale para o café. Só no Brasil são 24 regiões diferentes produzindo café, das montanhas do Espírito Santo ao Planalto Central, passando pelo Cerrado Baiano e pelas matas de Minas, são regiões muito diferentes, capazes de produzir cafés muito distintos, e deliciosos!

Cafeína.

A cafeína é uma ilusão! Calma, não é assim também. A cafeína existe e seus efeitos são comprovados. Ela é estimulante e tudo o mais que você sabe. A ilusão é que a gente tende a achar que aunto mais forte for o café, mais cafeína estamos mandando pra cachola. Ledo engano. No caso do arábica, o café mais comum consumido, o nível de cafeína vai variar de acordo com o tipo de moagem que o grão recebe e principalmente da torra. Até mesmo a temperatura da água na hora do preparo para o consumo, pode influenciar. Quanto mais torrado o grão for, mais ele perde cafeína, afinal, a torra queima o grão, com isso, muitas de suas propriedades naturais são perdidas. No caso de cafés em pó, prefira os tradicionais aos extrafortes. Além do tradicional ter um pouco mais de cafeína, ele é mais saboroso. O extraforte é mais torrado, o que faz com que os produtores coloquem ali os grãos de pior qualidade, já que a torra vai mascarar isso. O café extraforte tem sabor mais intenso e amargo mas não necessariamente sabor de café. Fica esperto!

Cafezinho brasileiro.

Sim, se você pedir um cafezinho em qualquer lugar do mundo, as chances de consumir um produto brasileiro são altíssimas. Pra você ter uma noção, mesmo somando o volume produzido pelos outros três maiores produtores de café do mundo (Vietnã, Colômbia e Indonésia), o valor total ainda é menor que a produção brasileira. Em 2018, por exemplo, foram produzidas 69 milhões de sacas, cada uma contendo 60 quilos de café brasileiro. Assim como o futebol, o café não tem sua origem por aqui, mas já se tornou 100% brasileiro, com a vantagem que com o café não tem 7×1!

Futuro.

Muitos séculos atrás, os povos do oriente médio tinham um ritual antes de partir para longas viagens: Tomar um café e, depois vislumbrar seus caminhos e obstáculos na borra do café que se acumulou no fundo da xícara, afinal, na época eles não tinham o hábito de coar o café antes de beber. Surgiu a cafeomancia, uma prática que persiste até hoje! É isso mesmo! Tem gente que vê o futuro na borra de café. E, aparentemente, não tem muito segredo. Para iniciar o ritual, você precisa de uma xícara de água morna, uma colher de café em pó moído e uma xícara de açúcar, além de escutar a sua intuição. O açúcar, no caso, é importante porque ele é considerado um condutor à espiritualidade. Então, aprecie lentamente o café e eleve o pensamento positivamente. Concentre-se naquilo que deseja saber e tome o café ainda morno. Em seguida, quando o café acabar, inicie o processo de observação das figuras que surgiram no fundo da xícara. Para facilitar a sua vida, aqui estão alguns significados do que você pode ver neste teste de Rorschach do café.
Árvore: sinal de que algo esperado será concretizado.
Bailarina: uma mulher que vive ao seu lado oferecerá ajuda.
Boca: a sexualidade está em baixa.
Buquê com flores: alegrias em relacionamentos (amorosos ou amigos)
Cadeado: pode ser o tempo de se mudar para longe.
Cobra: cuidado! Alguém pode traí-lo.
Sol: felicidade como ponto auge.
Coração: aquela paixão arrebatadora pode chegar e mudar sua vida.
Estrela: realização em todos os campos da vida.

Realmente, o que não faltas é história e bons motivos pra gente seguir tomando o nosso cafezinho de todo o dia! Pode ser espresso ou do coador, na xícara ou no copo americano, com açúcar ou sem açúcar… o importante é sempre ter café por perto! A gente, aqui na Strip Me, brasileiríssimos que somos, não ficamos sem o nosso cafezinho e também fazemos questão de exaltá-lo em nossas camisetas! Dá uma conferida na nossa loja, nas camisetas florais, nas coleções Tropics, Verão e Bebidas, e você certamente vai encontrar nossas estampas cafeinadas! No nosso site você também fica por dentro de todos os nossos lançamentos, que pintam toda a semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist caprichada com canções que fazem referência ao café! Coffee Time top 10 tracks.

Para assistir: Vale a pena acompanhar no Youtube o canal Arquitetura do Café, criado inicialmente para falar sobre a arquitetura e engenharia das antigas fazendas de café, mas atualmente é um verdadeiro portal interessantíssimo sobre a cultura do café de maneira geral, com várias informações e conteúdos interessantes. Link aqui: Arquitetura do Café.

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.