De outro mundo!

De outro mundo!

O genial comediante George Carlin, infelizmente já falecido, tem um texto muito famoso chamado “Save the Planet”. O texto fazia parte dos shows de stand up de Carlin e é super fácil, e recomendável, de se achar legendado no Youtube. Neste texto, o comediante mostra a arrogância e megalomania do ser humano frente a esta gigantesca bola girando no espaço há mais de 4,5 bilhões de anos. Realmente temos certa dificuldade em assumir nossa pequenez diante do universo. Isso fica evidente quando vemos que muita gente não acredita, ou simplesmente ignora, que haja vida em outros planetas universo afora. Em contra partida, tem um pessoal que não só acredita que haja vida extraterrestre, como afirma que eles interferem na nossa vida desde os primórdios da humanidade. Entre o 8 e o 80, é melhor a gente ficar no meio do caminho. Mas isso não nos impede de nos divertir com as teorias estapafúrdias que essa turma defende.

Pra começar pelo começo, tem a maravilhosa teoria da Sopa Primordial. Basicamente consiste no conceito de que, quando a Terra estava em desenvolvimento, partículas vivas, microrganismos  e etc, teriam vindo do espaço em meteoros e caído no mar, dando origem assim à vida no planeta. A combinação da água com as diferentes temperaturas e reações químicas fariam dos mares essa sopa primordial da vida. A história é muito bonitinha, mas sem o menor fundamento científico. O simples fato de que qualquer objeto vindo do espaço que entre na atmosfera terrestre sofre um impacto fortíssimo e entra em combustão já basta pra colocar a teoria em xeque . É muito improvável que alguma partícula viva resistisse a isso. É muito mais provável que o surgimento da vida na Terra tenha se dado sim por combinações químicas e radiação que existiam aqui mesmo, no planeta Terra, em sua origem.

Ilustração de como seria a Terra em sua formação. Arte de Richard Bizely

Tá certo que diante do universo, o ser humano não seja lá grande coisa. Mas também não precisamos nos menosprezar tanto assim. Pois há quem diga que as pirâmides do Egito e dos povos Maia e Asteca foram erguidas por alienígenas, e não por seres humanos, que seriam incapazes de tais feitos. Os defensores dessa teoria afirmam que não tinha como o homem ter naquela época conhecimento suficiente de engenharia, nem mesmo ferramentas adequadas para erguer tais edificações, cortar pedras e etc. Pois por incrível que pareça, as pirâmides foram erguidas por seres humanos, sim senhor! No Egito, foram encontradas nos anos 1990 tumbas dos operários que trabalharam na construção da pirâmide de Gizé, uma das mais conhecidas das pirâmides egípcias. Ali encontraram fornos, onde preparavam alimentos, bem como onde dormiam, pois a obra durou mais de 30 anos para ficar pronta. Do outro lado do mundo, os povos mais avançados que viviam na América muito antes da chegada dos europeus, os maias e astecas, tinham conhecimento de matemática, astronomia e engenharia. A cidade asteca de Mexihco-Tenochtitlán, por exemplo, tinha mais de 300 mil habitantes, possuía pontes elevatórias, templos, estradas, mercado, aquedutos… era uma cidade melhor organizada e maior em extensão do que Constantinopla, a maior cidade da Europa na era medieval. Pra esse povo, construir uma pirâmide era moleza!

Ilustração da cidade deMexihco-Tenochtitlán antes da chegada dos europeus. Arte de autor desconhecido.

Mas chega de falar do passado e vamos falar de tempos atuais! Ainda hoje é alvo de muito mistério a famosa Área 51. Trata-se de uma base militar norte americana ultra restrita, que fica no meio do deserto, no estado de Nevada. No fim dos anos 40, diziam que fora levada para lá uma nave extraterrestre que teria caído no estado do Novo México. A tal nave, dizem, está lá até hoje e é objeto de estudo, bem como os seres que nela estavam, que foram dissecados. Toda e qualquer atividade suspeita de ser extraterrestre acaba indo pra lá e o caso é abafado. Tudo que é de difícil explicação ou envolve forças sobrenaturais é levado para a Área 51. Lembra do final do filme Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida? Então, depois de ser recuperada das mãos dos nazistas, a arca é entregue ao exército norte americano que a leva pra onde? Para a área 51, claro! E lá está até hoje. Mas é claro que assim como a Arca mágica que continha as pedras com os Dez Mandamentos, discos voadores e restos mortais de ETs, se existissem e lá estivessem mesmo, de algum jeito isso acabaria se tornando público. São segredos muito difíceis de se manter.  O que realmente acontece na área 51 é que ali são feitos treinamentos militares perigosos, que podem ferir e até matar algum civil que esteja passeando desavisado pela região. Por isso toda a área é cercada e muito bem protegida.

Imagem das cercanias da Área 51. Crédito da imagem: www.bbc.com

Pra concluir, apresentamos a mais recente teoria da conspiração. Pode esquecer essa balela de que o Coronavirus foi forjado em laboratório pela China ou pelos Estados Unidos. Segundo o astrônomo e astrobiólogo Chandra Wickamasinghe. do Sri Lanka, o Coronavirus veio do espaço! Sim, é um vírus alienígena! Segundo esse figura aí, o vírus veio grudado num asteroide que caiu na China em outubro de 2019 e se espalhou. Aliás, ele afirma que essa não é a primeira vez. Nos anos 1970, o doutor Wickamasinghe escreveu um livro chamado Doenças do Espaço, onde afirma que outras epidemias como a gripe, por exemplo, vieram do espaço. Eu não sei o que esses cientistas do Sri Lanka andam fumando, mas parece ser coisa muito boa, porque, olha… acreditar nessas paradas é de doer! Pra refutar essa teoria, basta lembrar da mesma justificativa que rebate a teoria da sopa primordial. Um asteroide que cai na Terra, ao entrar em contato com a atmosfera, é quase obliterado e pega fogo! Se a porcaria do vírus não resiste a um simples álcool em gel, vai resistir ao impacto e ao fogo ao entrar na atmosfera?

Dr. Chandra Wickamasinghe – Crédito da imagem: www.dailymirror.com

Mas chega de falar de vírus alienígenas, né? Se é pra falar de ETs, vamos falar de ETs grandões, asquerosos, que querem saber de vir pra Terra pra dominar a humanidade, quiçá destruir o mundo! Por isso, preparamos uma top 5 filmes de ETs. E não pense você que vamos cair no clichê de filme do Spilberg, ou Independence Day! Aqui a gente gosta de filmes que tratam este tema com a seriedade e sobriedade devidas.

5 – Eles Vivem (título original: They Live). Filme de 1988 escrito e dirigido pelo mestre John Carpenter. Nesta beleza de filme sci-fi, um homem comum encontra uns óculos escuros que o permitem ver que algumas pessoas aparentemente normais são, na real, aliens, e que rola toda uma conspiração pela dominação da raça humana. É bom de verdade, um filme muito divertido.

4 – Cowboys & Aliens. Filme lançado em 2011 e dirigido por Jon Favreau. Em pleno ano de 1873, aparece uma baita nave espacial no meio do Arizona. Mas tá tranquilo, mesmo os ETs estando super mal intencionados, estão por lá Daniel Craig e Harrison Ford pra dar fim nesses bichos! Não tem como ser ruim um filme desse, fala a verdade. É diversão garantida!

3 – Cocoon, filme de 1985 do grande Ron Howard! Este é um clássico! Uns velhinhos encontram uma espécie de fonte da juventude, mas que na verdade está cheia de casulos (cocoons) de ETs! Premissa melhor que essa, não há!

2 – MIB – Homens de Preto (título original: Men in Black). Filme de 1997 dirigido por Barry Sonnenfeld. Se é teoria da conspiração alienígena que você quer, é de MIB que você precisa! Filme empolgante, engraçado e que revela pra nós que os ETs estão por aqui há muito tempo vivendo entre nós, e tem uma polícia ultra secreta que controla isso tudo. Um clássico dos anos 90!

3 – Marte Ataca! (título original: Mars Attacks!). Filme lançado em 1996 e dirigido por Tim Burton. Olha, no quesito filmes de ETs, não existe nada igual! É o melhor filme do gênero! É divertidíssimo, com um elenco de arrasar, aquela aura de filme B. É impagável ver o Jack Nicholson como presidente dos Estados Unidos, o Tom Jones atuando com uma canastrice encantadora… é um filmaço! Com certeza um filme menosprezado pelos fãs do Tim Burton.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist com canções que falam sobre ETs para acompanhar este texto do outro mundo! Top 10 tracks Músicas de Outro Mundo.

Pet Friendly?

Pet Friendly?

Não vamos negar que algumas regras existem para serem quebradas. A transgressão é um dos temperos da vida. Um tempero que deve ser usado com muita parcimônia, é claro. Afinal são só algumas regras que existem para serem quebradas. Quer saber outra coisa que dá um tempero todo especial à vida? Ter um bichinho e estimação! Ah, nada mais gostoso que ter um bichinho em casa pra fazer companhia, pra cuidar, dar e receber carinho, se divertir… e pode ser o animalzinho que você quiser, um peixinho, um cachorro, gato, passarinho, porquinho da índia, tanto faz. O importante é cuidar bem e dar bastante carinho.

Aliás, no quesito pet as regras são essenciais e, essas sim, não devem ser quebradas nunca. Se você tem um cachorro em casa, você deve dar comida duas vezes por dia, você deve passear com ele com frequência, deve dar vacina, vermífugo e por aí vai. São regras que precisam ser seguidas para o bem estar do cachorro e do seu próprio, já que você convive com ele e não quer o bichinho doente e tal. E cada pet tem suas regras específicas. Agora você pode estar pensando de onde saíram todas essas informações. De algum veterinário, ou de livros sobre o comportamento dos bichos… Não! Nada disso! Esses aprendizados foram todos tirados de um dos filmes mais emblemáticos dos anos 1980.

No natal de 1984 Rand Peltzer resolve comprar um presente único para seu filho, um animal de estimação diferente. Numa loja obscura em Chinatown, ele se depara com um mogwai, bichinho todo fofinho e peludinho, além de muito exótico. Era perfeito! Porém  o velho chinês dono da loja se recusa a vender o bichinho, dizendo tratar-se de um animal que requer muito cuidado, além de ser muito perigoso. Eis que enquanto o velho se ocupa de outra coisa, seu neto faz a venda, entregando o pequeno mogwai pela quantia de 200 dólares. Mas antes de entregar o animalzinho, deixou claro que 3 regras deveriam ser seguidas à risca para o bem estar de todos: 1 – o mogwai nunca deverá ser alimentado após a meia noite, mesmo que ele chore desesperadamente. 2 – Em hipótese alguma o mogwai poderá entrar em contato com água. 3 – O mogwai nunca poderá ser exposto à luz do sol. 3 regras simples que, obviamente, seriam descumpridas.

Os Gremlins foi lançado em 1984 e se tornou instantaneamente um filme aclamado pelo público. Sua mistura certeira de terror, humor negro e aventura fez dele um desses filmes para toda a família curtir, já que não contém exageros nem na parte de fantasia e aventura que conquistam crianças e nem nas piadas de humor negro, violência e eventuais sustos que conquistam os adultos.  Além do mais, ele tem aquele charme de filme B, com efeitos especiais toscos, que tornam tudo mais divertido. Apesar de não ter nenhum nome de peso no elenco e diretor e roteirista serem razoavelmente desconhecidos, o longa é produzido (leia-se bancado) por Steven Spielberg. E você sabe que o Spielberg não dá ponto sem nó. O filme foi um estouro e arrecadou milhões de dólares.

O fato de Steven Spielberg estar por trás do projeto proporciona várias referências super interessantes, os famosos easter eggs, ao longo do filme. A começar por uma ponta do próprio Spielberg em uma cena rápida, onde ele aparece numa cadeira de rodas. Homenageando  os clássicos do terror, em determinado momento um dos monstrinhos assiste na TV o icônico Invasores de Corpos (1956), de Don Siegel. No cinema onde todos os gremlins vão para se esconder da luz do dia, aparecem nos letreiros anúncios de dois filmes, A Boys Life e Watch the Skies, títulos usados provisoriamente por Spielberg durante a produção de E.T. – O Extraterrestre (1982) e Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977), respectivamente. O ET de Spielberg aparece ainda quando um dos gremlins se esconde numa loja entre vários brinquedos de pelúcia, e um doesses brinquedos é o famoso ET. Outro ícone homenageado é a série Perdidos no Espaço, na cena em que acontece uma feira de ciências e aparece um robô idêntico ao da série.

Hoje estamos recordando este clássico do cinema oitentista pra te lembrar que o cinema está sempre ensinando coisas legais pra gente. Em especial os filmes dos anos 1980 nos trazem inúmeras lições para a vida, como por exemplo pintar muros e encerar carros para ser um bom lutador de caratê, não andar com um extraterrestre na cestinha da bike se você tiver medo de altura, matar aula pode fazer com que você destrua a Ferrari do pai do seu amigo, caso você vá para o passado, não entre em contato com seus familiares, mas saiba tocar Johnny B. Goode por via das dúvidas… enfim, tantos ensinamentos enriquecedores. Os Gremlins também nos lembram que, no caso de cuidar de bichinhos de estimação, acaba valendo a pena seguir as regras e conselhos para cuidar bem do seu pet. Afinal ninguém quer correr o risco de ficar com seu bichinho doente, menos ainda ninguém quer correr o risco de ter que explodir o cinema da cidade por causa dele.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist com 10 tracks que embalaram os filmes mais divertidos dos anos 80! Top 10 tracks 80’s movies!

Para assistir: Óbvio que a recomendação é para assistir ao clássico primeiro filme, lançado em 1984. Confesso que as 2 sequências que foram lançadas nos anos 90 são bem decepcionantes. Mas já estão confirmadas duas temporadas de uma série animada que contará a origem dos mogwai. A série será exibida pela HBO Max, mais uma plataforma de streaming. Apesar de ainda não ter lançamento oficialmente marcado, a série promete agradar. Vamos esperar.

Alfred Hitchcock e a invenção do suspense.

Alfred Hitchcock e a invenção do suspense.

A definição mais sintética e objetiva da arte pode ser a seguinte:
talento + técnica = arte de qualidade.
Claro que a arte é uma parada muito intangível e que tem significados e representações distintas, que variam de pessoa para pessoa. Mas, de maneira geral, a equação acima é válida. A fotografia é a manifestação artística que melhor exemplifica isso. Se o fotógrafo conhece todas as técnicas de medição de luz, proporções de abertura de diafragma e obturador, foco e etc, mas não tem um olhar apurado e a sensibilidade para captar a cena desejada, ele vai obter um bom resultado, mas não será uma grande obra de arte. Já se o fotógrafo tem a sensibilidade  e o olhar apurado suficiente para captar um momento incrível, mas não tem as técnicas de manuseio da câmera, o resultado também pode até ser bom, mas não será uma obra de arte. Agora, se o fotógrafo consegue juntar tudo, aí sim terá uma foto incrível, que será admirada como verdadeira obra de arte.

Crédito da imagem: Silverscreen Archives

Mas tem alguma coisa a mais. Tem um elemento misterioso, um brilho, uma parada natural em poucas pessoas, que, somada a técnica e ao talento, consegue conceber obras primas, incomparáveis e eternas. Já que falamos de fotografia, vamos dar um pulinho e ir pro cinema, para falar de um dos grandes mestres desta que é conhecida como a sétima arte. Alfred Hitchcock foi um dos mais produtivos e geniais cineastas da história. Concebeu mais de 50 filmes, inventou um dos gêneros  mais populares e foi responsável por uma verdadeira revolução no cinema.

Crédito da imagem: Rex Features Archives

“Todos temos dentro de si um lugar escuro, cheio de violência e horror. Eu sou apenas o cara no canto com uma câmera, assistindo.” Com essa frase, Hitchcock conseguiu resumir sua obra. O suspense e o terror psicológico são invenções dele. Numa época em que o cinema era extremamente conservador, Hitchcock apresentava tramas sombrias, repletas de traições, cobiça e mistério. Seus personagens não eram claramente bons ou ruins, apesar de serem sempre carismáticos. Desta forma, tornaram-se clássicos filmes como Festim Diabólico (1948), Disque M Para Matar (1954), Janela Indiscreta (1954), O Homem que Sabia Demais (1956), Um Corpo que Cai (1958), Os Pássaros (1963) e sua obra máxima, Psicose (1960). Com estes filmes, Hitchcock apresentou ao mundo uma nova maneira de fazer cinema, tanto na estética, como na forma de contar as histórias e até na atuação dos atores.

Quando lançou Psicose, Hitchcock já era um diretor consagrado em Hollywood, Mas foi com este filme que ele quebrou todas as barreiras. Tanto é que produtora nenhuma encarou financiar o filme, com medo de lança-lo e ter prejuízo, acreditando que o público não aceitaria tanta violência e sadismo, isso se o filme chegasse ao público, porque corria o risco de ele esbarrar na censura. Por fim, o diretor bancou o filme do seu próprio bolso, fazendo dele uma produção independente. E ele investiu pesado.

Crédito da imagem: Rex Features Archives

Pra começar, o filme é adaptado de um livro. Psicose foi escrito por Robert Bloch, publicado originalmente em 1959 e inspirado num caso de assassinatos famoso na época, o caso Ed Gein, conhecido como o assassino de Wisconsin. Quando Alfred Hitchcock leu o livro, no ato comprou os direitos para filmá-lo e mandou comprar todos os exemplares à venda em todas as grandes cidades do país, para que ninguém soubesse o final da história. O protagonista da história se tornaria no futuro um verdadeiro clichê do cinema, um clichê muito eficiente, diga-se: o assassino esquizofrênico, travestido, sedutor e violento. Isso sem falar da icônica cena do chuveiro.

Crédito da imagem: Silverscreen Archives

Por ser um filme independente, com orçamento reduzido, tudo foi feito a toque de caixa, além do mais, Hitchcock não entregou o roteiro todo de uma vez na mão dos atores, e filmava as cenas sem muitas repetições, para captaras reações mais naturais possível dos atores ao se depararem com as cenas. O filme todo foi filmado em 6 semanas, tempo curtíssimo para os padrões de Hollywood. Todas as cenas foram filmadas de bate pronto, no máximo com três ou quatro takes. A exceção foi a cena do chuveiro, que levou uma semana para ser concluída. Provavelmente Hitchcock tinha consciência que aquela cena seria o ponto alto do filme.

Marion Crane, a personagem interpretada pela atriz Janet Leigh, era uma mulher insatisfeita com a vida, trabalhava num pequeno escritório e tinha um amante, com quem não podia se casar. Quando ela consegue algum dinheiro, combina com seu amante que fujam para finalmente se casar. É nessa fuga que ela vai parar no Bates Motel, um hotelzinho fuleiro de beira de estrada, gerenciado por Norman Bates, um homem simples, que vive sob os caprichos de sua velha mãe. Marion é a protagonista do filme. E, passada apenas meia hora do início do longa, ela é morta a facadas no chuveiro. Além da cena ser icônica, era novidade no cinema uma personagem principal morrer tão cedo, aliás, de maneira geral, personagens principais raramente morriam. Os cortes rápidos, tensão, uma trilha sonora inacreditável, closes e ângulos fechados, fizeram da cena do chuveiro a cartilha que todos os filmes de suspense e terror até hoje seguem.

A extensa filmografia de Alfred Hitchcock é permeada de filmes brilhantes, como os que já foram citados aqui. Não é à toa que ele é conhecido como o mestre do suspense. Hitchcock mudou o jeito de se fazer e de se consumir cinema. Para se ter ideia, antes de Psicose, era muito comum as pessoas entrarem numa sala de cinema com o filme já pela metade, aí a pessoa voltava em outra sessão para ver do começo e ia embora  quando entrava a parte que já tinha visto. Ou seja, era um entra e sai dos infernos durante a sessão. Os primeiros cartazes de divulgação de Psicose traziam uma foto do próprio Hitchcock informando que ninguém deveria entrar na sala de cinema se o filme já tivesse começado, além de instruir os donos de cinema a impedirem que isso acontecesse, para que as pessoas tivessem a experiência completa.

Enfim, Hitchcock foi um cineasta genial, uma dos maiores nomes do cinema, cultuado até hoje. Por isso ele tem tudo a ver com a Strip Me, um cara que representa o encontro entre o entretenimento (diversão) e a arte, com personalidade e sem barreiras para a criatividade.

Vai fundo!

Para ouvir: Já que o filme mais famoso de Hitchcock é Psicose, preparamos uma playlist com 10 canções sobre psicopatas, esquizofrênicos e malucos em geral. Curte aí esse Top 10 Psycho Tracks!

Para assistir: Lógico que toda a obra do Hitchcock é mai que recomendada e está espalhada por aí, em plataformas digitais, boxes de DVDs e blurays e etc. Então, vamos recomendar o ótimo filme Hitchcock, lançado em 2012 e que conta a história da produção de Psicose com um elenco matador (com o perdão do trocadilho). Hitchcock é interpretado por Anthony Hopkins, Helen Mirren interpreta Alma, a esposa do diretor e Scarlett Johansson interpreta Janet Leigh. A direção é de Sacha Gervasi e é um filme mais que recomendado.

Para ler: A excelente editora Darkside, especializada em literatura de terror e livros com um acabamento e concepção gráfica invejáveis, relançou Psicose, o livro de Robert Bloch lançado originalmente em 1959, numa edição lindíssima. Além do livro ser uma delícia de se ler e ter muito mais detalhes sórdidos dos crimes do que no filme, tem uma capa linda. Um livro que vale a pena ler e ter em destaque na estante.

Rolê After (Pandemia)

Rolê After (Pandemia)

A empatia, paciência e compreensão são algumas das mais louváveis características que o ser humano pode ter. E muitos de nós temos sido pacientes, compreensivos e empáticos uns com os outros. Mas a verdade é que já deu, né? O Coronavírus já consumiu tanto da gente, que fica cada vez mais difícil continuar acompanhando as notícias, conversar com pessoas mais radicais e tal. É por isso que hoje estamos aqui pra falar sobre um futuro de esperança, sobre a volta às coisas boas da vida! Afinal de contas a vacina já é uma realidade e agora é só esperar chegar a nossa vez de tomar essa agulhada delícia e correr pro abraço! E já vamos nos preparando porque rolê bom é o que não vai faltar!

Claro que ainda vai demorar um pouquinho. Por mais ansiosos que a gente esteja, ainda vão uns bons meses aí. O pessoal do legendário festival Coachella, na California, por exemplo, está otimista até demais. O festival está com as datas confirmadas para os dias 9, 10 e 11 de abril! Porém, não há nenhuma informação sobre o lineup. Levando em consideração que os Estados Unidos não estão numa situação muito mais confortável que a nossa, aqui no Brasil, em relação a pandemia, 3 meses é muito pouco tempo pra conseguir normalizar tudo, e para que as pessoas se sintam seguras suficiente para se acotovelar na frente de um palco entoando hinos do rock. Outra lenda dos festivais, o Tomorrowland, que rola na Bélgica e reúne a nata da música eletrônica, também está confirmado. Mesmo ainda sem lineup anunciado, a data está confirmada: 16 a 18 de julho. São grandes festivais, com um otimismo quase utópico. Pouco provável que eles se realizem nessas datas, mas não custa sonhar.

No Brasil a turma está sendo um pouco mais modesta e menos afobada nas datas. Por aqui as programações são todas para o segundo semestre, com exceção de um. O João Rock, festival super concorrido, que acontece em Ribeirão Preto (SP) já há 20 anos, segue com data confirmadas para 19 de junho. Porém, é claro, sem lineup definido. A edição que rolaria em 2020 e foi adiada tinha nomes como Gabriel, o Pensador, Erasmo Carlos, Planet Hemp, Titãs, CPM 22 e outros. Especula-se que este lineup será mantido. Outro que ainda não tem nenhum artista confirmada no cast, mas já tem data certa e ingresso á venda é o mundialmente famoso Lollapalooza. A edição brasileira está confirmada para 10, 11 e 12 de setembro. Na real, parece que todo mundo está apostando em setembro como o mês do liberou geral! O Coala Festival, que também rola na cidade de São Paulo e é mais ligado à MPB também está confirmado. E adivinha pra quando. Dias 11 e 12 de setembro! No mesmo fim de semana do Lolla! Pelo menos no quesito lineup o Coala saiu na frente. Já tem confirmados nomes como Gal Costa, Alceu Valença e Maria Bethânia.

Mas calma que ainda tem mais coisa para setembro, o mês da esperança! 24, 25, 26 e 30 de setembro, bem como 1, 2 e 3 de outubro, rola o inabalável Rock In Rio! Convenhamos que um festival que, em sua primeira edição, em 1985, com o Brasil nadando numa inflação estrambólica, conseguiu trazer Queen, AC DC, Iron Maiden e mais uma car@*#%da de artistas grandes, realizou edições especiais fora do Brasil e etc, merece a alcunha de inabalável. Pois bem. Tem lineup confirmado? Claro que tem! Tem novidade?  Novidade, novidade mesmo, não tem. É o Iron Maiden de novo, o Dream Theater, Megadeth, Sepultura… que são bandas legais, mas já tocaram mais de uma vez no Brasil e tal. De diferente mesmo, vai rolar o Living Colour, uma baita banda bacana e que vai ter participação do Steve Vai, um show que, com o perdão do trocadilho com o guitarrista, vai valer a pena ver.

Mas não é só de shows, festivais, filas imensas para ir ao banheiro químico e enlamear o tênis que a gente sente falta, né? Também dá uma saudade danada daquele cineminha esperto no domingo de tarde, aquela pipoca e refri caríssimos, mas que são uma delícia, entrar naquela sala escura, ver um filme massa naquela puta tela enorme, com sonzão… putz! Que coisa boa! E, olha, se tudo der muito certo e a gente puder voltar a frequentar uma sala de cinema em segurança ainda neste ano, lançamento bom tem de sobra! Em março tem o curioso confronto Godzilla Vs Kong, em abril o controverso Marighella deve chegar aos cinemas e, para os fãs da Marvel, rola a Viúva Negra. Em maio tem uma das franquias mais prolíficas do cinema, Velozes e Furiosos 9 será lançado. Em junho tem mais super-heróis com Venom – Tempo de Carnificina e a sequência de terror Invocação do Mal 3. Em julho o pessoal saudoso dos anos 1980 vai pode vibrar com Top Gun – Maverick, o pessoal dos anos 1990 vai poder pirar no remake de Space Jam e o pessoal 2000 tem mais um da Marvel pra conta: Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis. Em agosto é a vez da DC Comics entrar em cena com o Esquadrão Suicida. Em outubro, James Bond já chega deixando claro que está sem tempo, irmão, porque estreia 007 – Sem Tempo para Morrer. Novembro chega com mais um lançamento nostálgico, Ghostbusters – Mais Além e mais uma franquia longeva, Missão Impossível 7. Pra fechar o ano, dezembro chega com Matrix 4, pra tentar corrigir a catástrofe que foram os dois últimos  filmes da franquia, ou jogar a última pá de cal na coisa toda.

É isso. 2021 chegou, já tem vacina e a gente está começando o ano a todo vapor! Tá todo mundo cansado, sem paciência e tudo mais com essa situação toda de pandemia. Mas vamos fazer essa forcinha e continuar sendo pacientes e, principalmente, tendo empatia e cuidado uns com os outros. É assim que a gente vai conseguir passar por isso mais rápido e poder curtir todos esses rolês incríveis e muitos outros, que nos fazem tão bem!

Vai fundo!

Para ouvir: Caprichamos numa playlist só com aquelas músicas clássicas pra pirar e cantar junto num festivalzão lotado! Top 10 tracks pra cantar junto em arenas!

Para assistir: A sugestão hoje é assistir Matrix, o primeiro filme da franquia e obra prima dos irmão Wachowski. É um filme que dispensa apresentações, lançado em 1999, foi super inovador nos efeitos especiais e trouxe várias questões filosóficas amarradas a um roteiro excelente. Quem sabe você não toma coragem para assistir os Matrix 2 e 3, pra esperar dezembro chegar.

Strip Me Clothing: Retrô 2020 & The Highlights Top 10

Strip Me Clothing: Retrô 2020 & The Highlights Top 10

Uma das frases mais célebres do século XX, na real, uma verdadeira profecia, foi dita por Andy Warhol nos idos dos anos 1960: “No futuro todo mundo vai ter seus 15 minutos de fama.”. Na época, Warhol se referia às suas próprias obras, baseadas em ícones passageiros como latas de sopa, garrafas de refrigerante e atrizes de cinema. Mal sabia ele que estaríamos falando dessas mesmas obras e tantas outras até hoje! E a profética afirmação de Warhol se provou cada vez mais verdadeira, com os reality shows e e suas celebridades com curto prazo de validade e youtubers que somem com a mesma rapidez que viralizam algum vídeo. E, por falar em viralizar, 2020 ficou marcado pela pandemia do Corona Vírus. Um bichinho que abusou dos seus 15 minutos de fama e se manteve em cena o ano todo.

Mas cabe a nós sempre resistir! E resistimos! Através da arte,conseguimos inspiração e força para continuar trabalhando, e você que nos apóia e incentiva comprando nossas camisetas é parte essencial nisso. Portanto, a Strip Me Clothing orgulhosamente apresenta a sua retrospectiva, destacando as estampas que mais bombaram no site neste 2020. E se todo dia a vida só começa depois de uma caneca de café goela abaixo, óbvio que a camiseta “Gimme Coffee or Gimme Death” foi um dos destaques do ano. Afinal, haja café pra se manter focado no home office! Mas não foi só pra trampar que ficamos na frente do computador. Reuniões, festinhas e etc aconteceram aos montes de maneira virtual. O que nos remete a mais um dos highlights do ano, a Monalisa Look. Quem não ficou com aquela cara de paisagem fingindo que está prestando a atenção na conversa, mas na real está mexendo no celular por baixo da câmera, né?

Mas não foi fácil ficar esse ano todo dentro de casa sem poder sair, encontrar a turma e fazer aqueles rolês delícia. Nem sair pra comprar alguma besteira, resolver aqueles pepinos de trampo que tem que ser pessoalmente, ou simplesmente ficar de bobeira pela rua a gente não pôde fazer. Todo mundo teve que inventar o que fazer dentro de casa pra espantar o tédio. E tome curso online, fazer pão, plantar suculenta, yoga, TikTok, tocar sax na varanda do apê… Ficamos parados, mas cheios de ideias, aprendendo umas paradas novas. Tudo a ver com a nossa estátua no lugar do prisma, da capa daquele disco do Pink Floyd, mais uma das camisetas mais procuradas no site neste ano.

Outra coisa que, com certeza, todo mundo fez em 2020 tendo que ficar em casa foi assistir mais filmes e séries e ouvir mais música. Todas as plataformas de streaming, tanto de vídeo como de áudio, foram uma dádiva indispensável neste ano. Amantes da música e do rock n’ roll que somos, até fizemos um post aqui elencando os principais documentários musicais encontrados pela internet, com opções do punk ao jazz. Então não é de se estranhar que a camiseta Guitarra Vintage, uma das estampas mais tradicionais da Strip Me de todos os tempos, tenha se tornado um big hit do ano.

E o que seria de nós neste ano desgraçado se não fosse a arte e os nossos amigos? Muita gente fez reuniãozinha no Zoom com a galera pra tomar cerveja, colocar a conversa em dia, reclamar da vida e xingar o Corona. With a little help from my friends, a Strip Me também se manteve firme e forte com seus camaradas. Entre as 10 mais vendidas do ano, 4 são estampas dos nossos estimados collabs! O Baby Yoda do Kaio Mushroom e o Abapulp Fiction do Adão Iturrusgarai são leituras super originais, psicodélicas até, pode-se dizer, de ícones do cinema. Já o Guilherme Hagler arrebentou ao atualizar a clássica obra de Vermeer, Moça com Brinco de Pérola, numa versão selfie moderninha! Pra balancear, a leve e divertida camiseta do bode, da Iaanks, traz a edificante mensagem “Deixa acontecer naturalmente.” #ficaadica

Importante a gente ressaltar aqui como somos gratos e orgulhosos do trampo de todos os nossos collabs!

Enfim, tá tudo muito bom, tá tudo bem, mas realmente precisamos dizer que tá todo mundo de saco cheio desse ano! Não adianta vir com essa conversinha que foi um ano de aprendizado, que veio para nos mostrar a importância de valorizar as pequenas coisas da vida, a liberdade, que foi um ano de resiliência… olha, f*#@-se! Foi um ano de m*@#a! Tá todo mundo cansado disso tudo, a gente quer mais é que tudo passe de uma vez e a gente possa voltar a viver a nossa vida como bem entendemos, sem nos preocupar em pegar essa doença maldita, ou transmiti-la sem querer para alguém.  Lógico que a camiseta Fucking Tired foi um dos maiores hits de 2020! Fucking Tired com selinho azul de verificação e tudo, pra não deixar dúvida que, olha… já deu.

Mas, por fim, fica claro que nem nós e nem vocês queremos fechar o ano de forma amarga e desanimada. Apesar de tudo, a gente tá seguindo o baile, né? A gente faz o que gosta e o que acredita, a gente coloca nas nossas camisetas todos os nossos valores e verdades. E é muito legal perceber pelas vendas que muita gente pensa e sente da mesma maneira. Exemplo disso é a camiseta Colors, uma das nossas estampas mais marcantes. É minimalista, sofisticada e tem a representatividade das cores, evidenciando a diversidade que a gente tanto valoriza! E ela também foi uma das mais vendidas em 2020.

Então é isso. Fechamos 2020 da melhor forma possível. Foi um ano punk pra todo mundo. Agora é respirar fundo, olhar pra frente, aprender com os erros e acertos da vida e encarar 2021 com saúde, esperança, garra e, é claro, muita diversão e arte!

Vai fundo!

Para ouvir: A playlist de hoje faz uma retrospectiva do que de melhor rolou nas playlists de cada post feito ao longo deste ano! Um top 10 tracks Playlists 2020 STM!

Para assistir: Eu sei que não tem nada a ver com o tema do post de hoje, mas não posso deixar de te recomendar uma minissérie documentário que assisti esses dias. Quebra Tudo: A História do Rock na América Latina! É uma produção da Netflix, um documentário dividido em 6 episódios que narra a evolução do rock nos países de origem espanhola na América. Dos anos 1960 até hoje, a gente conhece a história de bandas da Argentina, Uruguai, Chile Peru, Colômbia e México! É muito interessante e tem muita música boa!

Perfil Collab STM: O ESTRANHO MUNO DE KAIO

Perfil Collab STM:                     O ESTRANHO MUNO DE KAIO

Kaio era um menino introvertido, mas muito observador. Como tantas tardes, ele estava em casa lendo uma divertida história em que o Louco saía de dentro da televisão da casa do Cebolinha, quando ouviu seu pai chegar em casa vindo do trabalho. O pai foi até o garoto e entregou a ele um pedaço de papel, dizendo que um amigo do escritório havia feito. Era um desenho simples, mas muito bacana, uma caricatura. Kaio ficou empolgadíssimo e correu para pegar papel e lápis e reproduzir o desenho que acabara de ganhar. Esta cena se repetiria por muitas vezes e o futuro de Kaio começava a ser traçado ali.

Sim, essa é a história de um menino que sempre quis contar histórias, e descobriu no desenho o veículo perfeito para isso. Tudo começou em Itapevi (SP), onde o pequeno Kaio cresceu entre os livros didáticos e infantis cheios de ilustrações convidativas que sua mãe, professora, tinha em casa. Um pouquinho adiante abrem-se as portas do vasto mundo das histórias em quadrinhos. Rodeado de obras de mestres como Mauricio de Sousa, Ziraldo e Quino, Kaio já traçava seus primeiros desenhos. Com o incentivo do amigo do trabalho do pai, isso só cresceu. Até que mais uma onda atingiu esse garoto, virando seu mundo de ponta cabeça, mas aumentando ainda mais seu desejo de desenhar e contar suas histórias. Essa onda foi o cinema.

Além das animações da Pixar, DreamWorks e outras produtoras, foram os filmes do Tim Burton que despertaram o Kaio para um mundo novo, mais inventivo, mais surreal e talvez um pouquinho mais sombrio. Um mundo que viria a fazer toda a diferença no futuro, mesmo tendo ele se distanciado dessas referências no futuro, consumindo muitas outras diferentes ao longo de sua vida. Adolescente, Kaio seguia desenhando, muitas vezes sozinho, algumas vezes com amigos, agora ele já percebia que o norte de sua vida estava em seus traços e entendia que queria ser multimídia, já que o cinema e as animações inundavam cada vez mais seu imaginário. Incluindo aí até as animações malucas do Cartoon Network na TV à cabo.

O jovem Kaio entra na faculdade de Produção Audiovisual e começa uma revolução.  A começar por seu modo de trabalhar. Até então ligado ao analógico: papel, lápis, caneta, tela e tintas, agora se via diante de um computador, produzindo arte de forma digital. Uma mudança muito bem assimilada, diga-se. A faculdade rendeu. Veio o aprendizado com animações, o aperfeiçoamento de novas técnicas e os contatos profissionais. O ano era 2018, e foi quando tudo começou pra valer. Aparece o primeiro trabalho profissional.

O garoto que começou copiando os desenhos do amigo do pai e seus heróis dos quadrinhos e da TV estava agora trabalhando… na TV! Sim! Logo de cara Kaio conseguiu trabalhar fazendo alguns desenhos para a animação Irmão do Jorel (que é um desenho animado divertidíssimo), justamente do canal Cartoon Network. Daí em diante, tudo aconteceu muito rápido. Convites para ilustrar revistas e livros foram pintando, ilustrar e animar clipe musical e por aí vai. O melhor de tudo é que todo mundo vem atrás do traço peculiar do Kaio, seja para a Super Interessante ou para um livro infantil, que foi ilustrado com um delicioso sabor de gratidão, já que foram os livros infantis que despertaram nele o amor pela arte.

O Kaio Mushroom hoje é um artista reconhecido. Apesar da pouca idade, já produziu muito. A história que contamos aqui em poucas linhas não é suficiente para descrever quem ele é de verdade. Um artista emocional, que tira do ambiente em sua volta inspiração para criar e se manifestar, e para se divertir. Para quem diz que o traço dele é único e muito original, ele prefere esclarecer que seu traço é só uma mistura de tantas influências… desde os desenhos do Ziraldo, até a trilha sonora do Ratatouille, passando pela chuva que cai lá fora e pela leve tristeza que passa por dentro. Um artista inquieto que quer contar histórias, inspirar as pessoas e que ama mais que tudo a liberdade.

O encontro do Kaio com a Strip Me parece que seria inevitável. Pois o que chamou a atenção dele na marca e fez com que ele entrasse em contato para uma parceria, foi justamente a diversidade de estampas, o cuidado com a estética e a liberdade que a marca inspira. Atualmente o Kaio integra o seleto hall dos collabs da Strip Me, numa parceria cada vez mais bem entrosada e que não dá sinais de cansaço.

Você acompanha o trampo do Kaio no Instagram dele: @kaiomushroom

Na Strip Me você confere todas as estampas do Kaio clicando aqui.

Vai Fundo!

Para ouvir: Como em todo post, temos uma playlist matadora pra você. Hoje trazemos 10 tracks escolhidas pelo próprio Kaio Mushroom, as favoritas dele! Se liga que tá especial!

Para assistir: Já que o Tim Burton é uma das grandes referências do Kaio, hoje eu recomendo uma das produções mais divertidas de Burton: O Estranho Mundo de Jack (título original: The Nightmare Before Christmas), uma animação lançada em 1993 e que apresenta um bizarro conto de natal e/ou de Halloween. Dá pra assistir de graça completinho no Youtube.

Para ler: Outra referência do Kaio é a Turma da Mônica. Pra ser honesto, eu queria recomendar toda a coleção Graphic MSP, HQs incríveis que fazem interpretações dos personagens do Maurício de Sousa de maneira brilhante. Mas pra sugerir um título só, eu escolho Arvorada, uma história ótima com ilustrações inacreditáveis do super talentoso Orlandeli.

Diversão & Arte!

Diversão & Arte!

Já diz a canção: a gente não quer só comida, a gente quer comida diversão e arte! A gente quer mais! A gente quer ser quem a gente é, e pronto! A gente quer representar e se sentir representado! E é tão bom quando encontramos alguém que combine com a gente, que dá match! E não estou falando só de relações amorosas não. Falo também de quando você encontra uma marca, um produto, que você gosta e que tudo nessa empresa condiz com o que você acredita e gosta. É como as aproximadamente 400 estampas que já passaram pelo site da Strip Me, tão diversas, mas que encontram um lugar comum, se combinam. Diversão e arte!

Identificação é quando de longe você já reconhece alguma coisa, porque você já está familiarizado, gosta… tem a ver com você. Não precisa ser um especialista em artes pra saber o que é belo. Assim como em tudo na vida, um pouco de ousadia faz muito bem! O clássico é clássico, mas não é imutável! Lembra do Warhol? Então. O toque de Deus, obra máxima de Michelangelo, se tornar um ícone moderno é prova disso. Nada mais justo, afinal, assim como hoje, Deus criou a vida simplesmente usando ativação digital.

E a arte está aí pra todos os gostos, para expressar diversos sentimentos. A complexidade de uma obra de arte é imensa. São muitos detalhes a serem apreciados e interpretados. É por isso que os museus são lugares silenciosos e agradáveis. É para que você fique ali o tempo que achar necessário apreciando cada detalhe da obra. Mas no dia a dia, a gente vai direto ao que importa. É a perfeição dos traços, a leveza e a beleza cândida da face da Vênus de Botticelli, é a expressão de pavor que grita nas cores fortes e pinceladas nervosas de Munch, que mais nos chama a atenção e resultam em obras icônicas, diretas e incríveis estampas de camiseta!

Diversão e arte! Aliás, diversão é arte. Tá aí o cinema que não me deixa mentir. Quentin Tarantino evidencia isso de muitas maneiras. Seus filmes são repletos de ícones , referências, citações… não só relacionadas ao cinema, mas também histórias em quadrinho, arte, música. Pulp Fiction, a obra mais marcante de Tarantino, tem o poder da iconoclastia que tanto nos encanta! Um frame consegue nos remeter ao filme, à cena específica, e nos faz querer saber que gosto tem um milkshake que custa 5 dólares. Uma obra tão icônica que consegue manter sua personalidade forte, ainda que inserido no contexto tropical e positivista de uma das maiores obras de arte brasileira: o Abaporu.

Por falar em diversão, dá uma olhada no teu círculo de amizades. Pessoas bem diferentes, né? Desde a cor do cabelo até o tipo de personalidade, todo mundo é diferente, tem características próprias, é único. Mas sempre tem um ou mais pontos em comum que conectam todo mundo. A diversidade faz parte da diversão em todos os aspectos, seja no rolê, ou no trabalho, ou conversando naquela padoca ou cafeteria que é o ponto de encontro da turma. Afinal, assim como em Friends, o café une muita gente! Muita gente diferente. Tão universal quanto falar inglês, é carregar o amor e as cores da diversidade estampados no peito.

É muito legal se sentir representado. A identificação que rola entre tanta gente com a série Friends é um exemplo disso. Pessoas comuns, cheias de problema, convivendo e levando a vida. Mas mais legal ainda é quando você mesmo representa. Parece papo egoísta, mas não é. Sua vida depende muito do quanto você assume suas broncas, leva adiante suas crenças, trabalha, se diverte… tudo depende da sua própria perspectiva! O punk rock cunhou a melhor frase de efeito do século: Do it Yourself! Uma pena que o tiro saiu pela culatra e o punk virou um negócio meio esquisito… mas isso é outro papo. Assuma suas broncas, cara! Sua perspectiva! Do Epic Shit, but do it yourself!

No gancho do punk rock, voltamos ao início. Diversão e arte. Não há nada que consiga condensar arte e diversão em um elemento só como a música, em especial o rock n’ roll. Foram os Beatles quem primeiro conseguiu elevar o rock ao status de arte. Mas Jimi Hendrix foi adiante. Além de uma imagem carismática, instigante, sedutora, o cara produzia uma música genial e ao mesmo tempo divertida, cheia de energia. Barulhos, ruídos, melodias incríveis! O olhar displicente de Hendrix envolto pela fumaça de seu cigarro é a tradução mais fiel do que nós somos e queremos. Diversão e arte!

Neste post reunimos as 10 camisetas da Strip Me mais vendidas, mais curtidas, mais elogiadas e que provavelmente você já esbarrou em alguma delas por aí. Foi uma maneira que encontramos de expor, com palavras e imagens, um pouco da alma da Strip Me. Personalidade, qualidade, atitude, responsabilidade, diversidade, diversão e arte. Mas o que está aqui é só a ponta do iceberg. No site você confere todas as nossas estampas clássicas e também fica por dentro das estampas novas, que pintam por lá frequentemente! www.stripme.com.br

VAI FUNDO!

Para ouvir: Esta playlist traz uma canção para cada uma das estampas apresentadas neste post. Top 10 tracks das top 10 camisetas!

Para assistir: Recomendo a tão comentada e aguardada cinebiografia de Jimi Hendrix. O filme Jimi: All is by My Side, lançado em 2013 e dirigido pelo John Ridley não é um filme incrível, tem algumas falhas, é verdade. Mas ainda assim é muito divertido e conta boa parte da história do Hendrix, em especial a transição dos Estados Unidos para a Inglaterra. Vale a pena ver. Tem pra alugar no Youtube.

Para ler: Inspirado na Vênus de Botticelli, recomendo um livro de contos inacreditável do mestre Rubem Fonseca: Secreções, Excreções e Desatinos. Apesar do título pouco convidativo, este livro, lançado em 2001 pela editora Companhia das Letras, traz contos maravilhosos, deliciosos de se ler. Caso você esteja se perguntando o que tem a ver, a Vênus de Botticelli está na capa do livro e é citada em um dos contos.

As tramas das revoluções.

As tramas  das revoluções.

Você faz ideia do tanto de história que você carrega? Não, cara, eu não estou falando de vidas passadas, karma nem nada disso! Eu estou falando dessa camiseta que você está vestindo. Você sabe que é uma camiseta  de um tecido 100% algodão, fabricada de maneira sustentável, com toda a qualidade e tudo mais. E é o algodão justamente que traz embrenhado na sua trama séculos e séculos de história. O algodão sempre esteve presente e foi responsável por grandes mudanças na humanidade.

Photo by: stripme.com.br

Ninguém sabe dizer a origem geográfica do algodão. Aparentemente, ele já estava presente em várias regiões do mundo com clima mais quente. Há registros de tecidos de algodão no oriente médio e na Ásia muito antes da era cristã, bem como também sabe-se que os povos das Américas, os Maias , Incas e Astecas, também já usavam tecidos de algodão, inclusive tingidos de várias cores, séculos antes dos europeus chegarem fazendo suas “descobertas”. Aliás, a Europa demorou muito pra conhecer os tecidos de algodão. O europeu só conheceu o algodão por volta do século II d.C. quando mouros e árabes chegaram por lá.

Séculos depois de conquistar os europeus e se tornar produto indispensável na sociedade, o algodão foi o protagonista da maior revolução da humanidade: a Revolução Industrial. A Revolução Industrial, você já sabe, começou na Inglaterra no século XVIII, com a produção em larga escala de produtos manufaturados. O que interessa pra gente aqui é que o algodão protagonizou essa revolução porque, ao contrário de utensílios de metal, de couro e etc, que necessitavam de conhecimento e habilidade para serem manuseados e forjados, os teares de algodão eram simplíssimos, não exigiam conhecimento ou habilidade prévia para o seu uso. Até mesmo crianças eram capazes de operá-lo. Por isso, a indústria têxtil foi a que primeiro e mais rápido cresceu, e enriqueceu seus donos.

Photo by: revistaforum.com.br

E foi no século XIX, quando o algodão chegou nas planícies do sul dos Estados Unidos que ele protagonizou mais uma revolução imensa. Mas desta vez uma revolução cultural. Ao final do século XIX já não havia escravidão nos Estados Unidos, mas a população negra acabou sendo marginalizada e relegada a guetos, em especial no sul do país, justamente onde as plantações de algodão encontraram solo fértil para florescer. Precisando de emprego, os negros passaram a trabalhar nas lavouras de algodão em troca de baixos salários e condições precárias de trabalho. Nas lavouras, nasciam os lamentos em forma de canção. Surgia o gênero musical mais influente da música moderna, o blues.

E não acaba aí a saga do algodão. Durante a Primeira Guerra Mundial, fez-se necessária uma vestimenta que fosse confortável e prática para que os soldados usassem por baixo das fardas. Foi desenvolvida então uma peça de roupa feita de algodão, de mangas curtas que envolvia o torso, com um corte no formato da letra T. Era a T-Shirt, a nossa camiseta! Esta peça começou a se popularizar fora dos quartéis após a década de 40, quando ainda eram peças lisas usadas exclusivamente por baixo de camisas. Em 1948 o candidato a presidência Thomas E. Dewey teve a brilhante ideia de imprimir e distribuir camisetas com seu slogan: “Dew it with Dewey”. Nos anos 50 as camisetas viraram símbolo de atitude e rebeldia juvenil através do cinema, onde Marlon Brando e James Dean apareciam vestindo jeans e camisetas lisas justas. A camiseta virou símbolo da juventude  e liberdade.

Photo by: imdb.com

Daí pra frente, a camiseta se popularizou cada vez mais e solidificou seu status como ícone da liberdade. Indo além, passou a representar a personalidade, ideias e atitudes de quem a veste. Por exemplo, quem veste Strip Me, além de se sentir representado pelas estampas e modelos, também tem a certeza de usar uma peça feita de maneira sustentável, com um tecido 100% algodão de alta qualidade. A produção é toda on demand, ou seja, não tem estoque, logo, não há desperdício em nenhuma das fases da produção. Portanto, hoje estamos aqui para dar graças ao algodão, que tanto fez pela evolução da humanidade, nos dando o blues e as camisetas Strip Me.

VAI FUNDO!

Para ouvir: Uma playlist caprichada com 10 tracks essenciais das raízes do blues.

Para assistir: Apesar de ser um filme difícil de achar atualmente ( não tem na Netflix, Amazon, Youtube…), vou recomendar o clássico Juventude Transviada, filme de 1955 onde James Dean está no auge e o filme é bem divertido, apesar de ser um drama. Vale a pena garimpar a internet atrás deste filme.

Para ler: Um dos maiores representantes da contra cultura norte americana foi o cartunista e escritor Robert Crumb. E ele capturou a essência do blues e as origens do que viria a ser o rock n’ roll em uma HQ incrível chamada simplesmente Blues. Dado o grau de importância do blues na música pop e a genialidade do Crumb, dá pra dizer sem medo que é um livro essencial.

.doc

.doc

É natural do ser humano ser questionador. Querer entender os porquês da vida fez com que a humanidade dominasse o fogo, usasse o poder das águas, gerando energia e desenvolvendo civilizações. Ainda hoje vivemos numa eterna busca de conhecimento, tentando entender o passado para trilhar os novos caminhos do futuro. Claro que toda essa gana de saber, essa curiosidade tão salutar não se volta apenas para temas antropológicos e sociais. É essa curiosidade que faz da imprensa britânica, por exemplo, uma das mais fofoqueiras do mundo. Aliás, dizem que é pra isso que a família real britânica existe, né… quem manda no país é o primeiro ministro e a família real alimenta os tabloides sensacionalistas que entretêm o povo.

Photo by the guardian.com

Indo além, não é à toa que um dos gêneros literários mais consumidos no mundo é a biografia. Se o livro vem com o título “Fulano de Tal – Uma Biografia Não Autorizada”, aí que vende horrores mesmo! Artistas e celebridades em geral despertam muita curiosidade nas pessoas. E se naturalmente a gente já tem o hábito de querer saber sobre o que se passa na vida dos nossos familiares e amigos, claro que também vamos querer saber sobre a vida dos nossos ídolos e artistas favoritos. Em especial na música, isso sempre foi muito forte. Desde o final dos anos 1950, quando começam a surgir os primeiros ídolos teens (James Dean, Elvis Presley…), as bancas de jornais são inundadas por publicações especializadas em vida de artistas. De 1967 pra frente, com a música pop sendo levada mais a sério, algumas dessas publicações passam a ser realmente interessantes, indo além de qual o prato favorito ou se tal artista é casado, para falar sobre influências, analisar obras, enfim, mostrar o que realmente importa de um artista.

Photo by bagbagsydvintage.com

E assim chegamos nos documentários musicais! São filmes que contam a história de artistas, movimentos, épocas… tudo de forma muito atraente, com entrevistas de pessoas importantes e filmagens raras que ajudam a dissecar o tema abordado. Esses documentários servem tanto para deliciar aficionados como para introduzir o tema a curiosos. A música pop é uma parada bem complexa, se a gente parar pra pensar. E se cavoucar bastante, vamos acabar chegando no jazz. Tudo começou ali. Música com sensibilidade e energia para embalar ricos e pobres (no início, mais pobres do que ricos, diga-se).  Um ótimo documentário que retrata isso é Miles Davis, Inventor do Cool. O filme conta a trajetória turbulenta do genial trompetista que mudou o mundo e revolucionou a música. Parece exagero, eu sei, mas basta assistir ao doc pra sacar a importância desse cara. Por falar em importância, outro documentário que envolve o mundo do jazz e o extrapola é Quincy, filme que retrata vida e obra de Quincy Jones. Quincy Jones este que não só foi um músico de jazz brilhante como trilhou uma exuberante carreira como produtor musical, tendo trabalhado com nomes como Michael Jackson, Frank Sinatra e Amy Winehouse. Outro doc imperdível é What Happened, Miss Simone. Um filme imperdível sobre uma das maiores representantes da música negra norte americana. Nina Simone era pianista e cantora que viveu uma vida turbulenta dividida entre a arte, o ativismo e uma vida pessoal complicada. E para a sua sorte, estes três documentários estão disponíveis na Netflix!

Claro que o bom e velho rock n’ roll não deixa a desejar neste quesito. Talvez o rock seja o gênero que mais rende documentários, tantos são as bandas e artistas fundamentais para a música e cultura pop. Já começo falando do momento mais importante e cultuado da história do rock e da contra-cultura: Woodstock. O festival que rolou em 1969 em uma fazendo próxima a New York e reuniu Jimi Hendrix, Janis Jopin, The Byrds, The Who, Joe Cocker, Santana, Crosby, Stills & Nash, Jefferson Airplane… enfim, a elite do rock sessentista. Os três dias de festival foram registrados em filme e renderam um documentário clássico e memorável dirigido por Michael Wadleigh e lançado em 1970. Além de registrar as apresentações mais marcantes do festival, conta com depoimentos e cenas de bastidores e capta a aura de paz, amor e brodagem que rolava por ali. Falando em captar auras, um documentário curto, mas bem interessante, que contém várias curiosidades, imagens raras e depoimentos, é Stones in Exile, que mostra o que rolava antes e durante as míticas gravações do álbum Exile on Main Street. Este doc traz imagens e depoimentos que chegam a ser perturbadores, nos fazendo pensar como diabos alguém conseguia viver sob aquelas condições, não só simplesmente viver, mas criar e trabalhar. E o resultado é um dos discos mais impactantes da história da música moderna. Pra fechar cito um dos documentários mais legais e empolgantes que vi nos últimos tempos: Punk. Este doc é uma minissérie dividia em 4 episódios que conta toda a história do punk rock, do início das bandas de Detroit (MC5, Stooges) até a explosão pop de Green Day e Offspring. Sob a produção de Iggy Pop, literalmente o pai da matéria, este doc traz depoimentos marcantes de todas gerações. Ramones, Bad Religion, Sex Pistols, Green Day, Nofx… tá todo mundo lá! O Woodstock não sei se é tão fácil de achar, mas vale procurar. Já o Stones in Exile está disponível na Amazon Prime e o Punk na Globoplay.

O texto já está enorme e nós nem falamos nos filmes que são quase como documentários de tão fiés, didáticos e divertidos, como o The Doors, do Oliver Stone, Dirt!, que conta a história do Motley Crue, Walk the Line, cinebiografia incrível do Johnny Cash… e tem os ficcionais que são tão divertidos, como This is Spinal Tap, Rock Star, Still Crazy… É muita coisa boa! Quem sabe um dia a gente não volta a falar desse assunto. Por hora, ficamos por aqui. Essa é a deixa pra você ir fazer aquela pipoquinha e escolher um desses docs sensacionais pra curtir.

Vai fundo!

Para ouvir: Claro que tem playlist com o que há de melhor nos docs citados acima. Vai lá conferir nosso top 10 tracks de grandes documentários.

Para assistir: Além dos já citados acima, vou te recomendar um documentário que não está disponível nas plataformas de streaming por aí, mas vale a pena procurar pela internet, seja pra baixar ou pra comprar o DVD. Hype! É um documentário lançado em 1996 que dá uma geral na cena grunge de Seattle que dominou o mundo no começo dos anos 90. Com uma pegada bem descontraída, muitas entrevistas legais, este doc é essencial pra quem gosta de rock!

Para ler: Já que citei as biografias no começo do texto, vou recomendar pra você a excelente autobiografia do João Gordo! Livin la Vida Tosca é um livro saborosíssimo de se ler. Apesar de todos os excessos, o João Gordo tem uma memória de elefante (desculpa o trocadilho…) e conta em detalhes toda a sua trajetória, influências, as pessoas que conheceu, shows, festas… está tudo lá de forma muito bem escrita, sob a supervisão do irrepreensível jornalista musical André Barcinski.

Mais que uma imagem e mil palavras sobre a fotografia

Mais que uma imagem e mil palavras sobre a fotografia

Apesar de não ser reconhecida como tal, a fotografia é uma expressão artística de igual grandeza às artes plásticas, a música, literatura e, principalmente, ao cinema, que sem a fotografia sequer existiria. Claro que não estou me referindo aqui àquela selfie tremida que você tirou bêbado na balada. Estamos falando da fotografia feita com apuro técnico e talento ao olhar para alguém ou alguma coisa e enxergar uma foto. Sim, esta é a síntese do conceito de arte: técnica + talento. Você pode conhecer todas as escalas musicais, tocar um instrumento com habilidade e rapidez, mas se não tiver o talento para exprimir as mais simples notas, você fará uma música correta, mas sem sentimento. Você pode ter a sensibilidade de imaginar belas harmonias em sua mente. Se você não tiver a técnica para aplica-las no instrumento, você vai acabar fazendo uma música pobre e mal executada. Mas se você tem técnica e talento juntos, você vai conceber verdadeiras obras de arte. O mesmo conceito vale para a fotografia, a pintura, o teatro…

Napalm Girl by Nick Ut (1972)

Prova disso é que algumas das fotografias mais belas e conhecidas do mundo são fotos jornalísticas. É o caso da icônica imagem da menina vietnamita correndo nua com uma nuvem de napalm atrás de si. Esta fotografia rendeu ao fotógrafo Nick Ut o Pulitzer de 1973. O fotógrafo Jeff Widener também capturou um momento histórico do século XX, na famosa foto O Rebelde Desconhecido, onde um homem se coloca frente a uma fileira de tanques de guerra na Praça Tiananmen, em Pequim, em 1989. Até mesmo as obras incomparáveis de Henri Cartier-Bresson e Sebastião Salgado podem ser consideradas foto-jornalismo, já que se dedicam a registrar o cotidiano sob um olhar mais sensível e poético.

Zo’e women in State of Para, Brazil by Sebastião Salgado (2009)

Mas nem tudo na fotografia são cenas de cunho social e político. Também temos grandes nomes que se dedicaram a às artes, cultura e celebridades. Fotógrafos que nada devem em técnica e talento aos citados acima. Estamos falando de nomes como Helmut Newton, Bob Gruen, David LaChapelle, Charles Peterson e Astrid Kirchherr. A maioria desses profissionais estiveram ligados a movimentos artísticos e trabalharam para a imprensa especializada, principalmente na música e moda. Eles também tem suas obras gravadas na história, como a foto de John Lennon de óculos escuros, usando uma camiseta escrito New York City e com os prédios de Manhattan ao fundo, feita por Bob Gruen, ou Salvador Dali deitado numa cama de hotel parisiense em 1973, fotografado por Helmut Newton.

Stage Dive at Nirvana’s Gig by Charles Peterson (1990)

Como já foi dito, o cinema não existiria sem a fotografia, já que um filme nada mais é que um monte de fotos em sequência. Por isso, a maioria dos grandes diretores tem ao seu lado grandes fotógrafos, formando parcerias de longa data. É o caso de Michael Chapman , diretor de fotografia de clássicos como Taxi Driver, Touro Indomável e tantos outros filmes de Martin Scorsese. Mas existe um caso muito curioso envolvendo essa relação entre diretor e fotógrafo de cinema: Seguindo o famoso ditado “se você quer uma coisa bem feita, faça você mesmo”, surgiu a parceria Peter Andrews-Steve Soderbergh. Acontece que Peter Andrews e Steve Soderbergh são a mesma pessoa! O Soderbergh passou a usar o pseudônimo Peter Andrews para assinar a direção de fotografia de seus filmes!

A verdade é que a fotografia é uma das expressões artísticas mais legais que existem! É a realidade exposta de maneira direta, mas marcante, imponente. Pode ser a realidade nua e crua, como uma exposição surreal da realidade, com contrastes, foco e enquadramentos explorados ao extremo! Imagens que nos transmitem e despertam os mais distintos sentimentos, como a hipnótica Menina Afegã, capa da revista National Geographic de 1985, clicada por Steve McCurry, o inacreditável monge budista em chamas fotografado por Malcolm Browne em 1963 ou o emocionante Le Baiser de l’Hôtel de ville (O Beijo Do Hotel de Ville), foto clássica de Robert Doisneau, tirada em 1950.

The Beatles in Hamburg by Astrid Kirchherr (1960)

Aliás, essa foto do beijo, do Doisneau, chega a dar saudade de quando a gente andava livre pela rua, se aglomerando, se abraçando e se beijando sem máscara. Imagina essa imagem hoje em dia, todo mundo com máscara. Daria até uma ótima estampa de camiseta, né…

Le Baiser de l’Hôtel de ville’ by Robert Doisneau (1950)

VAI FUNDO!

Para ouvir: Uma imagética e fulgurante playlist com 10 tracks que se entrelaçam e funcionam como trilha sonora para este fotogênico texto!

Para assistir: Um dos filmes mais clássicos da história do cinema e que tem a fotografia como ponto crucial de sua trama. Claro, é o excelente Janela Indiscreta (título original: Rear Window), filme do gênio Alfred Hitchcock lançado em 1954.

Para ler: Pessoalmente, eu considero o Henri Cartier-Bresson o maior fotógrafo que já pisou neste planetinha. Por isso, recomendo o ótimo livro Cartier-Bresson: Olhar do século, escrito pelo jornalista francês Pierre Assouline, lançado pela L&PM em 2012 e que traça com riqueza o perfil deste gênio.

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.