Um espelho chamado Taxi Driver.

Um espelho chamado Taxi Driver.

Martin Scorsese é um dos diretores de cinema mais aclamados e bem sucedidos do mundo. Sua obra é vasta e incrivelmente homogênea, onde a grande maioria de seus filmes são de qualidade acima da média, e alguns poucos atingindo o status de obras geniais. No entanto, demorou muito para que Scorsese fosse reconhecido pela academia norte americana de cinema e ganhasse um Oscar. No fim das contas, ganhou Oscar de melhor filme e melhor diretor por um filme que é muito bom, mas está distante de seus melhores trabalhos. Na verdade, no longínquo ano de 1977 Scorsese já merecia levar o Oscar, tanto de melhor diretor, como de melhor filme, após realizar o emblemático Taxi Driver. Um filme realmente brilhante. Mas talvez lançado na época errada. 

Taxi Driver foi o primeiro filme de Martin Scorsese a realmente fazer sucesso. Lançado em 1976, o longa nos apresenta a história de um veterano de guerra desajustado, solitário e antissocial. Paul Schrader era novato em Hollywood quando escreveu este roteiro denso e envolvente, que Scorsese executou com perfeição. Robert De Niro vinha de uma ótima fase na indústria. Acabara de ganhar o Oscar de melhor ator por O Poderoso Chefão II. Quando ele leu o roteiro, pirou e quis se envolver no projeto e interpretar o personagem principal de qualquer maneira. Scorsese teve muita dificuldade para encontrar uma produtora que bancasse o projeto. A presença de De Niro fez toda a diferença, afinal, Martin Scorsese, até então, não passava de um diretor de talento, considerado uma promessa, mas ainda muito pouco conhecido. 

É compreensível que não tenha sido fácil encontrar quem bancasse a produção do filme. Taxi Driver é um filme que fala de solidão e violência. Que retrata uma sociedade cruel e anestesiada, desigual, preconceituosa e suja. Muitos anos depois do lançamento do filme, surgiram vários estudos relacionados à psicologia analisando o personagem Travis Bickle, interpretado por De Niro. Bickle é um veterano da guerra do Vietnã que sofre de insônia e procura um sentido para a sua vida. Acaba sendo motorista de taxi nas madrugadas de uma New York suja, violenta e pervertida. Sua experiência nas ruas faz crescer nele um sentimento de desprezo, que vai culminar em violência, é óbvio. Mas, de fato, a construção do personagem é impressionante. O roteiro fornece todas as ferramentas para que Robert De Niro consiga interpretar Travis Bickle com profundidade e consistência. Para completar, a direção de Martin Scorsese complementa essa construção com planos e enquadramentos de câmera que se revezam entre a visão do personagem e a visão geral das cenas. Isso tudo junto faz com que quem assiste ao filme se conecte com o personagem, sinta a sua solidão e sua confusão, bem como sinta vergonha e desprezo por alguns atos dele. Essa força de atração é o grande trunfo de Taxi Driver. Mas por que diabos um filme tão impactante assim não foi tão reconhecido e não ganhou nenhum Oscar? 

A segunda metade da década de 1970 não foi nada fácil para os Estados Unidos. Depois do escândalo de Watergate, o então presidente Richard Nixon renunciou ao cargo em 1974. Seu vice, Gerard Ford, assume a presidência de um país em crescente crise. Em 1975 a guerra do Vietnã chega ao fim com a queda de Saigon, dominada pelos veitnamitas. As vergonhosas imagens da tresloucada evacuação da embaixada norte americana e dos helicópteros sendo jogados ao mar ganharam o mundo. O fim da guerra, onde bilhões de dólares foram investidos, ocasionava nos Estados Unidos uma crise econômica aguda e altíssimos números de desempregados. A intensificação do tráfico de drogas nas grandes cidades fazia a violência aumentar cada vez mais. Em resumo, o american way of life era maculado pela pobreza e violência. A moral do cidadão norte americano estava em baixa. E Taxi Driver era um retrato fiel até demais deste momento. 

Quando lançado, o filme foi muito bem aceito pela crítica, que rasgou elogios a Robert De Niro e à direção soberba de Martin Scorsese. Seu desempenho nas bilheterias também não foi nada mal. Fechou o ano arrecadando mais de 28 milhões de dólares, sendo a décima sétima maior bilheteria de 1976. Ganhou a Palma de Ouro em Cannes como melhor filme e teve 4 indicações ao Oscar, mas não levou nenhuma estatueta. E este é o ponto mais curioso em relação a este filme. Teoricamente, em termos de qualidade e relevância Taxi Driver rivalizava com apenas um dos outros 4 indicados ao Oscar de melhor filme. Todos os Homens do Presidente, filme de Alan J. Pakula, é um filme espetacular, roteiro excelente e grandes atuações. Entretanto, quem levou o Oscar de melhor filme naquele ano foi Rocky – Um Lutador. Sim a história do boxeador Rocky Balboa, idealizada e realizada por Sylvester Stallone. Ainda que seja um filme muito legal, está longe de ter a força artística de Taxi Driver ou Todos os Homens do Presidente. 

O que aconteceu é que Rocky foi moldado para o Oscar. O personagem Rocky Balboa merecia um post só pra ele. Stallone escreveu o argumento do filme como sua última cartada no mundo do cinema, após ter muitas portas fechadas em sua cara. Depois de assistir a uma luta antológica entre o campeão do mundo, Mohammed Ali, e o então desconhecido Chuck Wepner, Stallone teve a ideia e escreveu em apenas 3 dias o argumento de Rocky. A United Artists comprou os direitos e, mesmo mantendo o crédito do roteiro para Stallone, pediu que outros roteiristas aprimorassem o roteiro original. O filme que já trazia a história de um homem comum, pobre, sendo bem sucedido graças ao seu próprio esforço, foi propositalmente ambientado na Philadelphia, cidade onde foi assinada a independência dos Estados Unidos. Independência essa que, em 1976, ano de lançamento do filme, completava 200 anos. Rocky é uma ode ao triunfo dos Estados Unidos numa época em que o que as pessoas mais precisavam era esperança. Não à toa, em 1977 recebeu 10 indicações e venceu 3: melhor filme, melhor direção (John G. Avildsen) e melhor edição. 

Não é que Taxi Driver tenha sido o melhor filme de 1976. Ele é um dos melhores filmes já feitos na história do cinema. Mas é compreensível que não tenha levado o Oscar. Martin Scorsese concebeu pelo menos 9 filmes dignos de ganhar o Oscar, tanto de melhor filme, quanto de melhor diretor, ao longo de sua carreira. Mas isso só foi acontecer em 2007 com o filme Os Infiltrados, que não está sequer entre os 5 melhores filmes do diretor, mas isso não vem ao caso. O que importa é que, mesmo sendo um retrato fiel e desolador dos Estados Unidos de 1976, Taxi Driver continua sendo um filme contundente, impactante e fundamental. E, ainda bem, está mais acessível do que nunca, pois entrou recentemente no catálogo da Netflix. 

Taxi Driver é um filme tão indispensável que não poderia faltar no seleto e adorável rol de estampas de cinema da Strip Me. Que, aliás, conta também com estampas incríveis de arte, música, cultura pop, comportamento e muito mais. Dá aquela conferida na nossa loja e fica esperto nos lançamentos, que são frequentemente atualizados! 

Vai fundo! 

Para ouvir: Uma playlist especial com o que havia de mais controverso, provocador e ultrajante no submundo da música em 1976. Dirty ’76 top 10 tracks.

Para assistir: Sério. A filmografia inteira do Scorsese é absolutamente recomendável. Mas pra fazer um top 3 excluindo Taxi Driver, são filmes indispensáveis: 
Touro Indomável (1980) 
Bons Companheiros (1990) 
Cabo do Medo (1991) 

Adicionar um comentário


Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.