Like a Rolling Stone: por Bruno Vinicius Silva

Like a Rolling Stone: por Bruno Vinicius Silva

Qual a razão do eterno charme dos Rolling Stones? O que esses senhores de 70 anos, que já protagonizaram escândalos que fariam bandas como os Guns´n Roses ou os Sex Pistols ficarem coradas de vergonha, representam atualmente em uma indústria de entretenimento cada vez mais escassa de atitude e que parece ser planejada por contadores americanos ávidos por dinheiro? E porque ainda precisamos dos velhos e malvados Stones?

Precisamos dos Rolling Stones basicamente porque a função do rock´n roll desde o seu início é de romper com padrões vigentes, sair do marasmo e sacudir as pessoas e a sociedade em que essas estão inseridas. Os Stones parecem viver permanentemente em um túnel do tempo, em uma era que os astros do rock não eram apenas marionetes instruídas por assessores de imprensa em sintonia com o politicamente correto e sim dândis hedonistas da livre expressão artística.

stones1

Que figuras tristes são os astros atuais se comparados aos Stones. Mal começam a fazer sucesso e já começam a ostentar, menosprezar seu público, se acomodam e passam a se levar a sério demais.

stones2

E esse é um dos charmes dos Stones, não se levarem tão a sério. Como não gostar da única banda que ousou rivalizar com os sacrossantos Beatles, ao se comportarem de uma maneira tão espontânea, insolente e divertida. Algumas canções clássicas dos Stones renderiam uma visita inesperada da polícia se fossem lançadas atualmente (Exagero? Veja a letra de Stray Cat Blues de 1968 ou de Some Girls de 1978 só como exemplos).

Aliás, na contra capa de seu primeiro álbum já estava dada a dica: “Os Rolling Stones não são apenas uma banda, são um estilo de vida” – * (A contra capa do segundo disco, entretanto já ia além e sugeria ao jovem que não tivesse dinheiro para comprar o disco que roubasse de um cego, o que deu merda é lógico).

stones3

E o que seria esse estilo de vida Stones de ser? De acordo com Bill Wyman, ser um Stone é ser um aventureiro, uma pessoa que goste de viajar, que não fica parada no tempo e faz acontecer. Em outras palavras a tradução do trecho que inspirou o nome da banda – “A Rolling Stone gathers no moss”, ou seja, Pedra que Rola não cria Limo.

Assistir um show ou ouvir um disco clássico como Sticky Fingers nos conecta imediatamente com essas figuras insolentes e suas histórias de rebeldia, transgressão, prisões, brigas e traições entre integrantes e de sobrevivência. Aliás, essa tem sido a tônica do grupo desde os anos 60. Depois de terem sido escolhidos como bodes expiatórios da sociedade conservadora e passado por um numero infindável de batidas policiais, processos, perseguições da imprensa, a banda insiste em sobreviver.

Como diriam em uma de suas canções definitivas, Jumpin Jack Flash, em que Jagger cita ser criado por uma velha e desdentada bruxa, ter sido surrado nas costas, afogado e deixado para morrer, mas que estava tudo legal, de fato isso que dá gás, o que em outras palavras significa, “Passei pelo pior, mas sobrevivi com um sorriso.”

Para se livrarem de sua antiga gravadora (A famosa Decca que recusou os Beatles e que os censurava constantemente), os Stones estavam devendo três álbuns. Depois de uma combinação ardilosa de coletâneas antigas e discos ao vivo, ficou faltando um single exigido por contrato. Mick Jagger e Keith Richards então compuseram algo que sabiam que a gravadora não teria coragem de lançar. Um single homoerótico chamado Cocksucker Blues (O Blues do chupador de p**), com diversas palavras de baixo calão que acusava o próprio dono da Decca de procurar rapazes nos becos de Londres. Obviamente o contrato foi rescindido. Algum artista atual teria a coragem e autoconfiança para isso?

Feito isso a imagem definitiva dos Rolling Stones (aquela de 1972, época do inimitável Exile on Main Street) foi construída sobre esse amálgama de sobrevivência e decadência. 24 horas no ar, com farras intermináveis, agora donos da própria gravadora e do próprio nariz, tudo que era moderno, descolado e subversivo passava pelos Stones dos anos 70. O nome do documentário que foi censurado em todos os países que registrou esse período? Cocksucker Blues.

stones4

Keith Richards certa vez disse que Bob Dylan, no auge do seu estrelato nos 60, disse: “Eu poderia ter escrito Satisfaction, mas vocês não conseguiriam escrever Blowin in the Wind“. A resposta de Keith foi unicamente “Vá se Foder cara”.

stones5

Depois desse entrevero com os Stones, Bob Dylan escreveu seu hino máximo “Like a Rolling Stone” em 1965, e apesar de jurar que nada teve a ver com a banda, ironicamente descreve perfeitamente seu espírito livre, desimpedido e rebelde.

“How Does it Feel ?

To be without a home?

Like a complete unknow?

Like a Rolling Stone?”

(Qual a sensação?

De estar sem lar?

Como um completo desconhecido?

Como uma pedra rolando?)

Pra tentar sintetizar o que é o estilo de vida de um Rolling Stone, dá o play na sensacional versão de Tumblin’ Dice de 1972. Os Stones no seu auge!

 


Sobre a Strip Me:

A Strip Me desenvolve camisetas com estampas criativas e acessórios exclusivos. Seu foco são camisetas de filmes, camisetas de rock e camisetas de cultura pop, além da linha de acessórios produzidos em 100% couro, como cintos e braceletes. Confira os produtos em nossa loja virtual: www.stripme.com.br

Altamont Speedway Free Festival: por João Vitor Grassi

Altamont Speedway Free Festival: por João Vitor Grassi

Em Agosto de 1969, o gigante Woodstock Music & Art Fair provou que, com organização, era possível reunir milhares de jovens por 3 dias de paz, música, amor, e claro, muito ácido!

Stones Altamont

Em dezembro do mesmo ano, os membros da banda Jefferson Airplane queriam fazer uma espécie de Woodstock no velho oeste. Os shows seriam gratuitos e teriam bandas como Rolling Stones e Grateful Dead no line-up. Ao se referir aos Stones, o baterista do Jefferson Airplane foi enfático: “Perto dos Beatles eles são a maior banda de Rock n Roll do mundo e nós queremos que eles experimentem o que nós estamos experimentando em São Francisco.”

O evento aconteceu no dia 6 de dezembro de 1969 e teve show das bandas Flying Burrito Brothers; Santana; Jefferson Airplane; Crosby, Stills, Nash & Young; e, claro, os Rolling Stones fechando a noite. Mas a grande e tão esperada festa ao ar live não saiu como os organizadores imaginaram e foi marcada por vários incidentes, incluindo uma morte.

STONES ALTAMONT STONES ALTAMONT

Tudo começou quando os produtores dos Stones resolveram, por recomendação do Grateful Dead e do Jefferson Airplane, chamar a gangue de motoqueiros “Hell’s Angels” para participar do evento, uma vez que essas mesmas bandas já tinham trabalhado com a gangue anteriormente em outros eventos, sem nenhum imprevisto ou incidente.

As bandas concordaram em pagar 500 dólares cada uma para os Hell’s Angels, apenas para que eles tomassem cerveja e impedissem que alguma coisa saísse fora do controle. O que, obviamente, deu muito errado.

STONES ALTAMONT Altamont3

No começo do evento, tudo corria bem, até que no show do Santana as duas partes, público e Hell’s Angels, já estavam fora de controle, completamente bêbados e malucos, quando começaram a se desentender. Na apresentação do Jefferson Airplane a plateia já tentava invadir o palco, e os Hell’s Angels, tentando conter aquilo tudo, acabaram agredindo com um soco o vocalista Marty Balin, deixando-o inconsciente por alguns minutos.

O pessoal do Grateful Dead, ao saber do ocorrido, resolveu pegar o próximo helicóptero, indo embora do evento o mais rápido possível, nem se quer se apresentando.

Já com o clima tenso no ar, sobrou para os Stones a difícil tarefa de tentar acalmar o insano público do festival. Abriram o show com a explosiva Jumpin’ Jack Flash, seguida por Carol de Chuck Berry. A terceira música foi Sympathy for The Devil, que teve que ser interrompida por mais uma briga entre público e Hell’s Angels.

Após os nervos se acalmarem, a banda retoma a música com Mick Jagger dizendo: “It always happened something very funny when we start that number.” Irônico, né!?

Altamont4ok

O show continua, e, de repente, no meio da música Under My Thumb, o incidente mais trágico dessa história acontece. O jovem de 18 anos, Meredith Hunter, que tentava subir no palco junto com outros fãs, é pego por um dos Hell’s Angels, que desfere sobre ele facadas nas costas. O jovem morre logo após.

A banda, sem saber do grave ocorrido, continuou seu show até o final, terminando a noite trágica que nos deixa uma lição: nem sempre é bom reunir 300 mil malucos, no meio do nada, sem organização nenhuma.

Ficou curioso e quer saber mais sobre essa história? Tudo isso foi filmado e pode ser visto no documentário Rolling Stones – Gimme Shelter. Pegue o balde de pipoca, e enjoy!

 


Sobre a Strip Me:

A Strip Me desenvolve produtos originais e de alta qualidade. Seu foco é o desenvolvimento de camisetas de cultura pop, camisetas de filmes e camisetas de rock, além da linha de acessórios exclusivos. Confira tudo em nossa loja virtual: www.stripme.com.br

DIRECTOR’S CUT: resenhas por Paulo Argollo

DIRECTOR’S CUT: resenhas por Paulo Argollo

Os grandes diretores do cinema mundial merecem nosso respeito e admiração. Com a camiseta Director’s Cut Strip Me você carrega no peito a história do cinema e pode aproveitar para azarar umas gatinhas. Já pensou? A garota chega e fala: “Ainnn, eu adoro os filmes do Tarantino!”. É a sua chance de puxar um papo! Você pode perguntar quais os três filmes dele que ela mais gosta, e daí, começar aquele papo certeiro!

camiseta-directorscut-stripme

Mas o quê? Você não conhece a obra desses monstros sagrados?

Tudo bem, calma, rapaz. A gente dá um jeito.

  • DAVID LYNCH

Veludo Azul (Blue Velvet – 1986)

Um jovem encontra uma orelha humana, acredita tratar-se de um crime, começa a investigar e depara-se com um gângster maluco.

Drogas, sadomasoquismo e música dark/gótica/deprê completam a receita.

Precisa de mais? Filmaço!

1.BLUE VELVET

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Twin Peaks (série de TV – 1990-1991)

Não é um filme, eu sei. Mas trata-se de uma série única. Uma garota é encontrada morta e um agente do FBI chega à pequena cidade para investigar o crime.

É uma série genial! Lynch está livre, leve e solto! Mistério, erotismo, violência, humor negro, bizarrice…está tudo lá! Especialmente, a primeira temporada é irretocável.

2.twin

Império dos Sonhos (Inland Empire – 2006)

Uma garota que sonha em ser atriz numa Hollywood colorida e decadente desenvolve múltiplas personalidades, confundindo-se entre as personagens que interpreta.

Uma obra de arte! Fotografia lindíssima e extravagante, ótimos diálogos e toda aquela loucura gostosa do velho Lynch!

3.inland empire

  • BRIAN DE PALMA

Carrie, a Estranha (Carrie – 1976)

Adaptação do clássico livro de Stephen King, Carrie é uma garota com poderes paranormais. Tímida e retraída, é alvo de chacotas (para os mais novinhos: chacota = bulliyng) em todo o colégio. Mas chegou a hora dela revidar.

O cartaz de lançamento do filme vinha com a frase:

“Se você gosta de terror…convide Carrie para o baile.”

Clássico!

4. Carrie

Scarface (1983)

Um porto-riquenho residente em Miami quer ganhar a vida a qualquer custo.

Um dos filmes mais violentos e impactantes da história do cinema! Al Pacino dá um show de interpretação. Drogas e violência amarram com primor o roteiro de Oliver Stone (sim, ele mesmo!).

“Say hello to my little friend!”

5. scarface

Os Intocáveis (The Untouchables – 1987)

No auge da Lei Seca, Al Capone comanda a venda ilegal de bebida alcoólica nos Estados Unidos. Um agente federal, um policial e um contador armam uma ofensiva para prender o gângster mais famoso da história.

Um verdadeiro clássico! Atuações incríveis com destaque para Robert DeNiro como Al Capone.

Se você já viu uma cena de tiroteio em câmera lenta onde um carrinho de bebê rola escada abaixo, agradeça a Brian de Palma.

6. intocaveis

  • STANLEY KUBRICK

2001 – Uma Odisséia no Espaço (2001: A Space Odyssey – 1968)

Um objeto estranho é encontrado na superfície da Lua e um robô é enviado para desvendar o caso.

O grau de pioneirismo deste filme é absurdo! O homem sequer havia pisado na Lua e Kubrick já falava de viagens espaciais tripuladas, inteligência artificial e questões amplas sobre a existência humana.

Gênio!

7. Space Odyssey

Laranja Mecânica (A Clockwork Orange – 1971)

Num futuro distópico, um jovem delinquente é preso e vira cobaia de experimentos psíquicos numa tentativa exagerada de conter a violência.

Se na literatura, 1984 de George Orwell é tido como marco da ficção de um futuro distópico, Kubrick elevou Laranja Mecânica à obra de arte nesta adaptação irretocável, que contou ainda com a atuação inspiradíssima de Malcolm McDowell.

8. clockwork

Nascido Para Matar (Full Metal Jacket – 1987) 

Uma visão clara sobre a desconstrução de personalidade sofrida pelos recrutas que iam para o Vietnã e os horrores da guerra.

Um dos filmes mais icônicos sobre a guerra do Vietnã. Contundente e emocionante.

Ainda não apareceu até hoje na história do cinema um sargento tão casca-grossa como o Sgt. Hartman deste filme.

9. full-metal-jacket

  • FRANCIS FORD COPPOLA

O Poderoso Chefão (The Godfather – 1972)

Perto do estourar uma guerra entre as famílias da máfia italiana nos Estados Unidos, Michael Corleone é levado a assumir o papel de seu pai como chefe dos negócios.

Marlon Brando está um absurdo, Al Pacino impressionante, Robert Duvall, Diane Keaton, James Caan…são tantas atuações brilhantes! O roteiro de Mario Puzo é fantástico e a direção de Coppola é irretocável.

Ou seja, tudo o que você já sabe, já leu em tudo quanto é lugar e tem plena noção que é tudo a mais pura verdade.

10. godfather

Apocalypse Now (1979)

Um jovem capitão do exército é enviado ao Vietnã para matar um oficial desertor que se considera uma divindade para uma tribo perdida no meio do Camboja.

Nenhum filme sobre o Vietnã é mais impactante e contundente que este. Poucos filmes de guerra conseguem ser tão densos e claustrofóbicos. Mesmo sem tantas cenas de batalhas, é um filme violentíssimo.

Um filme indispensável que nos ensinou que tem gente que adora o cheiro de napalm pela manhã.

11. apocalypse now

Drácula de Bram Stoker (Dracula – 1992)

Filme adaptado do clássico livro de Bram Stoker sobre o mais famoso dos vampiros.

Fora as ótimas atuações de Gary Oldman, Winona Ryder e Anthony Hopkins, este filme é tão bom, mas tão bom que até o canastrão do Tom Waits está convincente. Um filme obscuro, Coppola foi buscar nos clássicos do expressionismo alemão inspiração para uma fotografia tão pesada e direção certeira.

Para quem acha que vampiro brilha no sol e chora ouvindo Paramore, fica a dica.

12. dracula

  • MARTIN SCORSESE

Taxi Driver (1976)

A guerra do Vietnã gerou mais que bons filmes de guerra no meio da selva. Taxi Driver é o filme mais impactante sobre um veterano da guerra que volta pra casa confuso, pois só sabe matar pessoas e não consegue viver em sociedade.

Robert DeNiro se mostra um ator descomunal neste filme denso e opressor.

Com Taxi Driver aprendemos que levar uma garota para um cinema pornô no centro da cidade não é uma boa ideia no primeiro encontro. Vlw flws!

13 Taxi-Driver

A última Tentação de Cristo (The Last Temptation of Christ – 1988)

Um filme corajoso retrata a vida de Jesus e seus últimos dias até sua crucificação.

Scorsese se enche de ousadia para mexer num vespeiro que é a religião. Com a ótima atuação de William Dafoe (possivelmente um dos atores mais feios de Hollywood) o filme apresenta um Jesus mais humano e inconstante, colocando em questão vários dogmas do cristianismo.

Um excelente filme para ser assistido com a mente aberta.

14 last_temptation_of_christ

Os Bons Companheiros (Goodfellas – 1990)

Possivelmente, este seja o filme mais didático sobre como funcionava a máfia italiana na metade do século XX, antes do tráfico de drogas aparecer. O filme conta a história de um rapaz ambicioso que escolhe a vida do crime para prosperar, aliando-se à máfia.

Além de dirigir o filme com maestria, pontuando cada época com uma trilha sonora matadora e muita violência, Scorsese merece aplausos por fazer um ator medíocre como Ray Liotta atuar muito bem.

Filme obrigatório!

15 goodfellas

  • QUENTIN TARANTINO

Cães de Aluguel (Reservoir Dogs – 1992)

Um gângster convoca um grupo de bandidos para um simples assalto a uma joalheria. Mas o trabalho não sai como o esperado.

Com certeza, este é um dos filmes mais geniais da história devido à sua simplicidade. O filme se passa praticamente o tempo todo num barracão e não é nem um pouco cansativo. Pelo contrário é instigante! Ninguém escreve diálogos como Tarantino! Ninguém é tão sádico como Michael Madsen, ninguém é tão casca-grossa como Harvey Keitel e ninguém morre tão bem como Tim Roth!

16 reservoir dogs

Pulp Fiction: Tempo de Violência (Pulp Fiction – 1994)

Refinando sua arte em escrever diálogos antológicos, Tarantino concebeu este clássico. Um filme que tem cara de filme independente europeu, mas é muito mais divertido e tem uma produção hollywoodiana e não é forçado. Aqui várias histórias se cruzam com um elenco de peso, muito sangue e humor negro.

Para informações relevantes tal qual como é chamado o quarteirão com queijo no McDonalds da França, como aplicar uma injeção de adrenalina ou se o Marcellus Wallace parece uma vadia, assista essa beleza de filme e divirta-se.

17 Pulp Fiction

Bastardos Inglórios (Inglourious Basterds – 2009)

Enquanto um grupo de judeus norte-americanos é enviado à Europa para trucidar nazistas, uma jovem parisiense tem a chance de praticar um atentado à grande cúpula alemã.

São tantos e tantos filmes sobre a Segunda Guerra Mundial, e todos mostram o sofrimento dos pobres judeus, que Tarantino colocou os livros de história de lado e a reescreveu à sua maneira. Ver judeus escalpelando nazistas e um Hitler mimado e ridículo é impagável! Isso sem falar nas atuações incríveis de Brad Pitt e Christoph Waltz.

Um verdadeiro filmaço!

18 Inglourious Basterds

por Paulo Argollo

 


Sobre a Strip Me:

A Strip Me desenvolve camisetas de qualidade com enfoque em estampas criativas e originais. Na loja virtual você encontra todas as coleções, que compreendem camisetas de rock, camisetas de cultura pop, camisetas de bandas e camisetas de filmes, além de acessórios modernos e exclusivos. Acesse: www.stripme.com.br

Especial Dia das Crianças: pequenos grandes fenômenos

Especial Dia das Crianças: pequenos grandes fenômenos

O showbiz é lugar de gente grande, porém, de tempos em tempos garotos e garotas prodígio aparecem para fazer muito barulho e mudar as regras do jogo, introduzindo influências e costumes de uma nova geração na cultura popular. Tudo isso com hora pra dormir, porque amanhã tem aula 😉

Jackson 5

Em 1964, os irmãos Jackie, Tito, Jermaine, Marlon e Michael começaram a se apresentar no circuito de shows de talento no meio-oeste dos Estados Unidos. Sob tutela do pai Joe Jackson, os irmãos ,que na época tinham entre 18 e 11 anos, assinaram com a Motown em 1969 e emplacaram 17 singles na Hot 100 da Bilboard, com os 4 primeiros chegando ao topo da lista. Na década de 80 o Jackson mais jovem, Michael, que começou sua carreira musical aos 6 anos de idade seguiu carreira solo e se tornou o maior ícone da música pop.

 

Silverchair

Uma das maiores bandas de rock da Austrália gravou seu primeiro disco, Frogstomp, em 1995. Os integrantes, todos com 15 anos na época, ainda frequentavam o colégio que os uniu. Após quase duas décadas de sucesso comercial e de crítica, a banda decidiu se aposentar em 2011, aos 31 anos de idade.

 

The Strypes

Os Irlandeses do Strypes formaram a banda em 2011 e não olharam para trás desde então. Nesses 3 anos eles passaram de pequenas apresentações na cidade Irlandesa de Carvan para turnês na Europa, Japão e América do Norte. O sucesso no YouTube com um cover do bluesman Bo Diddley, rendeu elogios de Liam Gallagher, Dave Grohl, Jeff Beck e do Sir Elton John. A banda lançou seu primeiro disco, chamado Snapshot, em 2013. E tudo isso aos 16 anos. Ouch.

 

Lorde

Essa neozelandesa de 17 anos emplacou o hit Royals em 2013, se tornando a artista solo mais jovem a liderar a parada americana da Billboard. Destacada em publicações da Times e Forbes como uma das adolescentes mais influentes da atualidade, ela se destaca por ser o avesso de suas artistas contemporâneas já que aborda temas mais profundos em suas músicas e é engajada em questões feministas.

 

Jordy

Filho de um produtor musical francês, Jordy foi atingiu o estrelato 1992 com 4 anos de idade. O single “Dur dur d’être bébé”  (“É duro ser bebê”) e entre uma fralda e outra, se tornou fenômeno mundial, é o artista mais jovem a atingir o topo da Billboard segundo o Guiness book, teve um reality show na Venezuela para encontrar uma sósia do pequeno francês e uma atração turística com seu nome. Hoje com 26 anos, Jordy segue na carreira musical se apresentando com sua banda, The Dixies.

 


Sobre a Strip Me:

A Strip Me desenvolve produtos de alta qualidade. Seu principal enfoque são camisetas com estampas criativas e modelagem exclusiva. Em nossa loja virtual, além de camisetas de filmes, camisetas de rock, camisetas de banda e camisetas de cultura pop, você também encontra nossa linha de acessórios. Acesse: www.stripme.com.br

10 músicas de política e protesto que marcaram a história

10 músicas de política e protesto que marcaram a história

Domingo, todo mundo sabe, é o dia da eleição. Para entrar no tema, selecionamos 10 músicas políticas e de protesto que marcaram a história. Aumenta o som e dá o play!

– Creedence Clearwater Revival – Fortunate Son

 

– Gil Scott Heron – The Revolution Will Not Be Televised

 

– Rage Against The Machine – Killing In The Name

 

– Bob Dylan: Blowing In The Wind

 

– The Clash – Clampdown

 

– Bob Marley – Get Up Stand Up

 

– John Lennon – Power to the People:

 

– The Who – Won’t Get Fooled Again:

 

– Sex Pistols – God Save the Queen:

 

– Public Enemy – Fight The Power:

 

Bônus:

– Billie Holiday – Strange Fruit:

http://www.youtube.com/watch?v=h4ZyuULy9zs

 

– Rolling Stones – Street Fighting Man:

 

Gostou?

Tem mais alguma pra entrar na lista?

Deixa aqui seu comentário!

 


Sobre a Strip Me:

A Strip Me desenvolve camisetas com modelagem e conceitos únicos. As estampas criativas e originais são abordadas em temas como camisetas de banda, camisetas de rock, camisetas de cultura pop e camisetas de filmes. Além disso, na loja virtual você também encontra a linha de acessórios exclusivos da marca. Acesse: www.stripme.com.br

Jailbreak: as histórias que estampam a camiseta

Jailbreak: as histórias que estampam a camiseta

jailbreak

Uma das preferidas aqui na Strip Me é a Camiseta Jailbreak; que em sua estampa apresenta diversas estrelas da música no momento em que tiveram que tirar aquela famosa foto na delegacia.

O termo para essas fotos é “Mug Shot”, e elas são feitas, tanto aqui no Brasil como lá nos Estados Unidos, para arquivo da polícia logo após o momento da prisão.

Na camiseta Strip Me Jailbreak escolhemos um time sensacional de músicos que se envolveram em situações complicadas com a lei, são eles: Mick Jagger, David Bowie, Elvis Presley, Jimi Hendrix, Frank Sinatra e Jim Morrison.

O porque das fotos

Mick Jagger

jailbreak3Mick, eterno bad boy do rock and roll, já se envolveu em inúmeras confusões com a polícia. Para a Camiseta Jailbreak nós escolhemos uma foto de 1966, onde ele foi preso por posse de “cannabis sativa”, aka maconha.

David Bowie

jailbreak1Já o Bowie, que também estampa nossa camiseta, coleciona algumas prisões em flagrante e condenações. Para a estampa, escolhemos uma foto de 1976, quando ele foi preso em NY por posse de maconha, em meio a uma turnê em conjunto com o Iggy Pop.

Elvis Presley

Elvis também foi preso mais de uma vez. A primeira nos anos 50, por dirigir acima do limite de velocidade. E a segunda, na foto que está na nossa camiseta, em 1976, por se envolver em uma confusão com outra lenda do rock and roll: Jerry Lee Lewis. Diz a lenda que a confusão se deu porque Jerry, provavelmente alcoolizado, insistia em ver Elvis em sua casa em Graceland. Sabe-se lá porque os dois acabaram discutindo e a confusão foi parar na delegacia.

Jimi Hendrix

http://www.youtube.com/watch?v=-CNh5kaVqgI

Sem sombra de dúvidas o maior guitarrista de todos os tempos também era um mestre na arte da confusão. A foto da nossa estampa, de 1969, é de uma prisão em Toronto, no Canadá, por porte de haxixe e heroína.

Frank Sinatra

jailbreak2Francis Albert Sinatra, mais conhecido como Frank Sinatra, era, além de um dos maiores talentos da música mundial, também um bon vivant de primeira categoria. A foto da estampa, de 1938 – quando ele tinha apenas 23 anos, é decorrente de uma prisão por adultério e sedução (!!!).

Jim Morrison

O eterno frontman do The Doors, também era um especialista em confusões, tanto que já foi preso até no palco, em um show de 1967. A foto que ilustra nossa camiseta é de 1970, quando Jim foi preso na Flórida por profanação e indecência.

Demais essas histórias, né? Aproveita e deixe aqui seu comentário! 😀

 


Sobre a Strip Me:

A Strip Me desenvolve camisetas exclusivas. Camisetas de rock, camisetas de bandas,  camisetas de filmes e camisetas de cultura pop são produzidas com máxima qualidade e estampas criativas e originais. Além disso, a marca também desenvolve sua linha de acessórios. Acesse: www.stripme.com.br

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.