10 alternativas para aproveitar o Carnaval sem cair na folia.

10 alternativas para aproveitar o Carnaval sem cair na folia.

O Carnaval chegou! Mas há de se compreender que não é todo mundo que gosta dessa bagunça toda. Mas de feriado prolongado todo mundo gosta. Por isso, a Strip Me, sempre muito livre de quaisquer convenções, apresenta 10 alternativas pra curtir o feriado sem samba no pé.

“Quem não gosta de samba bom sujeito não é. Ou é ruim da cabeça ou é doente do pé.” Quem somos nós para questionar Dorival Caymmi? Todavia, podemos argumentar que, ainda que se goste de um bom sambinha ao entardecer, não é todo mundo que gosta do frenesi enlouquecido e do calor humano em demasia que o Carnaval emana. Vá lá, de samba todo mundo gosta. Já do Carnaval… Mas precisamos lembrar que o Carnaval é um feriado prolongado. São 4 dias para esquecer o trabalho e relaxar. E se você não quer ir pro bloquinho, tá tudo bem. A Strip Me te ajuda a aproveitar esse tempo livre da melhor forma possível!

Viajar.

Sim, é a opção mais óbvia. E tanto pode ser uma viagem curta, uma road trip tranquila para algum lugar próximo, mais tranquilo, como também pode ser uma viagem para um lugar mais distante, aí já dependendo de compra de passagens e um planejamento prévio. A dica aqui é procurar destinos pouco procurado por turistas entusiasmados, lugares onde o contato com a natureza é valorizado. Para quem mora em São Paulo, uma ótima opção é a cidade de São Francisco Xavier, no Vale do Paraíba, uma região montanhosa de belas paisagens e muitas cachoeiras. Já nas regiões mais ao norte, podemos citar a imponente região da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, ou ainda as belas paisagens do Jalapão, no Tocantins. Ao sul, as serras catarinense e gaúcha revelam pequenas cidades onde impera a tranquilidade e as delícias dos embutidos artesanais e dos bons vinhos. Se você não quer samba no pé, bote o pé na estrada!

Ler.

É sério. Ler é uma das atividades mais relaxantes que existem! Ainda mais nos dias atuais. Claro que estamos falando aqui de leituras leves. Não adianta você querer apaziguar os pensamentos e relaxar, e escolher ler Nietzsche ou Schopenhauer. Mas pensa bem. Você na tranquilidade do seu lar, aquele ambiente fresco, aromatizado por todas as plantas da sua urban jungle, o sofá macio… e você vai pegar o celular pra ficar vendo stories no Instagram? Não dá, né! Até porque sempre aparece, entre gatinhos fofos e receitas na airfryer, gente xingando político e falando de desgraça. Você já fica na frente do computador e do celular a semana toda. Pega esses dias livres e deixa o smartphone de lado e lê um bom livro. Pode ser um clássico como A Viagem ao Centro da Terra do Julio Verne, que é um livro curto e super empolgante. Ou o recentíssimo Imperfeitos, romance divertido e um dos livros mais vendidos de 2023, da escritora Christina Lauren. Sem falar nos autores brasileiros incríveis e deliciosos para esse tipo de leitura, como Mário Prata, Moacyr Scliar, Rubem Fonseca, Luis Fernando Verissimo, Marcelo Rubens Paiva… Opções não faltam!

Maratonar séries.

Os streamings realmente mudaram as nossas vidas. E mudaram para melhor, é claro! Para quem é do tempo que tinha que ir numa locadora, escolher um ou dois filmes, assistir em 48 horas, rebobinar a fita VHS e voltar na locadora para devolver a fita e pagar o aluguel, é quase inacreditável ligar a televisão e ter uma infinidade de filmes e séries à disposição para assistir quando quiser. Depois da popularização dos streamings, as plataformas identificaram esse novo hábito das pessoas: maratonar séries. Assim a Netflix, principalmente, começou a investir com muito êxito em minisséries, ou seja, histórias contadas em 6 ou 8 episódios de 50 minutos, uma hora cada, para maratonar sem aquela preguicinha de ver uma série que parece legal, mas tem 6 ou 7 temporadas, quando não é algo interminável como Grey`s Anatomy. Algumas das minisséries mais legais da Netflix para maratonar são:
O Gambito da Rainha
A Garota na Fita
Inventando Anna
Som na Faixa
A Grande Ilusão

Ir ao cinema.

Apesar de todo o conforto e praticidade que o streaming oferece, ir ao cinema ainda é uma experiência incomparável. Quem viu Oppenheimer no cinema não nos deixa mentir. Todos os sentidos do seu corpo estão voltados para o filme, que, sendo bom, vai fazer você abstrair de todos os problemas e preocupações, para fazer parte daquela história! Inclusive Barbie, que tanta controvérsia gerou, e é sim um bom filme, no cinema tem um desempenho bem mais eficiente! Então se programe aí, procure a sala de cinema mais perto da sua casa e se entregue a essa sala escura mágica. Para dar um incentivo, se liga em alguns filmes que estarão em cartaz durante o Carnaval:
A Cor Púrpura
Duna: Parte 2
Segredos de um Escândalo
Aquaman 2: O Reino Perdido
Anatomia de uma Queda

Cozinhar.

Alimentação é uma parada bem série, envolve saúde e tudo o mais. Mas a culinária pode muito bem ser um hobby, uma atividade realmente relaxante, como o artesanato ou a pintura. Afinal, demanda uma boa dose de técnica e atenção e trabalha com quase todos os sentidos do corpo. Não é à toa que a pandemia gerou toda uma geração de padeiros e confeiteiros. Pois bem, que tal aproveitar o tempo livre durante o Carnaval para experimentar novas receitas, aproveita pra chamar uns amigos pra provar o rango, tomar uma cervejinha e colocar o papo em dia. A internet é uma fonte inesgotável de receitas legais, mas se você quiser já utilizar uma das dicas dadas neste texto, vai atrás do excelente livro O Que Tem na Geladeira, da Rita Lobo! É um livro muito bom, com uma linguagem leve e receitas deliciosas!

Spa.

Mas se a intenção é relaxar mesmo, nada melhor do que ficar nas mãos de profissionais. Atualmente existem vários spas com diferentes propostas e serviços, sempre visando o bem estar. Desta forma, quem decide passar um dia, ou um feriado prolongado, num spa, vai ter toda a sua estadia organizada, desde uma alimentação leve e saborosa, até sessões de massagem, tratamento de pele e etc. E não pense você que spa é coisa de mulher. A maioria dos spas tem pacotes para casais irem juntos e também recebem muitos homens dispostos a relaxar e se desintoxicar da rotina massacrante de trabalho. O Carnaval também é uma baita oportunidade para você cuidar de você mesmo.

Reunir amigos em casa.

Não curtir as muvuca, o aperto e o barulho do Carnaval é uma coisa. Outra bem diferente é não curtir uma festinha com os amigos mais chegados. Ainda mais durante o feriado prolongado de Carnaval onde o calor ainda impera soberano e implacável! Sério, se você tem uma piscina em casa e não vai convocar a turma pra agilizar um churrasquinho domingo de tarde, você está marcando touca! Tudo bem. Não tem piscina em casa, não come carne… sem problema. Mas dá pra fazer aquela reuniãozinha de queijos e vinhos em casa de noite, sem preocupação de horário pra acabar. Ou então, sejamos francos, aquela cervejada bruta com amendoim e salgadinhos de procedência duvidosa, só pra juntar a turma e dar risada! Abrir mão da maior festa do Brasil pra fazer aquela festinha intimista em casa é sempre bom negócio!

Visitar museus.

Já que o nosso negócio é barulho, diversão e arte, não poderíamos deixar de recomendar que você aproveite o tempo livre do Carnaval para dar um passeio por um ou mais museus da sua cidade. Prestigiar as exposições dos museus é muito importante para a própria existência dos mesmos. Se a população não visita os museus, o poder público ou privado que os sustenta não vê necessidade de investir em infra estrutura e melhorias. Assim, os museus ficam abandonados, obsoletos e acabam até pegando fogo por falta desses cuidados. Então, procura aí na sua cidade, nas cidades vizinhas, uns museus e galerias de arte legais pra conferir! Dá essa força, porque a gente já viu que arte e história sem manutenção é fogo.

Colocar o sono em dia.

Eu sei que agora estamos falando a língua de muita gente! A gente vê por aí todas essas dicas de passeios incríveis, trilhas pela natureza, reunir um monte de gente em casa… Mas a real é que muita gente quer aproveitar pra dormir mesmo! Descansar nos lençóis desse reggae! Tirar o atraso do sono acumulado. Ainda mais quem tem criança pequena em casa, certamente esse é o tópico deste texto que chega a marejar os olhos da mãe exausta e do pai esbaforido. Então, meu querido e minha querida, fecha essa cortina, liga o ar condicionado, que o bloquinho da soneca vai passar!

Nada!

Sim! É isso mesmo! Você tem todo o direito de pegar esse feriadão de meu deus e não fazer absolutamente nada. Sabe aquele pedacinho da tarde de domingo em que você já lavou a louça do almoço, deu uma geral na casa e se dá conta que não tem absolutamente nada pra fazer? A televisão está ligada, mas sem volume, pode ter uma musiquinha rolando no fundo em algum lugar. Você senta no sofá, troca de canal algumas vezes e larga a tv lá ligada sem volume, aí pega o celular dá aquela geral… Basicamente você tem 4 dias pra fazer isso. Lembre-se que não fazer nada inclui beliscar alguma coisa na geladeira, tomar uma cervejinha, mandar meme no whatsapp e, eventualmente levar o cachorro pra fazer cocô no jardim. Em resumo, você está livre, meu anjo! Assim como o Carnaval é liberdade pra dentro da cabeça, pra se esbaldar, se fantasiar e ser quem quiser na folia, ele estende essa liberdade pra você ficar em casa seminu e completamente desocupado. Aproveite!

A Strip Me curte se desdobrar, cruzar e cabecear pro gol ao mesmo tempo. Então a gente curte a folia, mas também não dispensa tirar uma tarde inteira pra tirar um cochilo e depois tomar uma cerveja de noite com a turma. E pra cada ocasião a Strip Me te deixa provido de inúmeras opções de looks incríveis! Na nossa loja você confere as coleções de camisetas de arte, cinema, música, cultura pop, bebidas e, é claro, verão e carnaval! São camisetas confortabilíssimas, com tecido com certificado BCI e corte que proporciona um caimento irrepreensível do P ao XGG. Ah sim, e no nosso site você também fica por dentro de todos os lançamentos, que pintam toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist relax, pra quem não quer saber da muvuca do bloquinho. CarnaRelax Top 10 tracks.

Carnaval Strip Me: 10 camisetas para quem vai cair na folia.

Carnaval Strip Me: 10 camisetas para quem vai cair na folia.

O carnaval de rua é uma mistura de cores e ritmos que transforma as ruas em verdadeiros palcos de folia. No meio desse turbilhão de confetes e serpentinas, a Strip Me te dá a letra de como chegar no bloquinho no maior estilo!

Os bloquinhos são uma espécie de pequenas revoluções carnavalescas, são como pequenos tesouros perdidos pelas ruas das cidades, que foram redescobertos de uns tempos pra cá. Com seus temas inusitados e fantasias improvisadas, os bloquinhos democratizaram de vez o Carnaval. Aqui não tem ingresso caro, abadás nem nada do tipo. É só colar junto e sair sambando, seja você um folião de carteirinha ou se está estreando sua primeira fantasia. Pode ser ao som de marchinhas tradicionais ou de hits do momento, tanto faz. Afinal, quem tem limite é município.

A real é que os bloquinhos de rua se tornaram verdadeiros refúgios da autenticidade, onde a espontaneidade e a criatividade reinam, junto com o Rei Momo, é claro. O Carnaval é em sua essência barulho, diversão e arte. E você sabe que de barulho, diversão e arte a Strip Me entende melhor do que ninguém. Portanto, hoje estamos aqui para recomendar dez camisetas pra você cair na folia numa boa. Afinal, além de super estilosas, são camisetas feitas com tecido com certificado BCI. Ou seja, são frescas e confortáveis, com um corte que proporciona um caimento perfeito, do tamanho P ao XGG. Confere aí!

Vai desculpar, mas não tem nada desse papinho de apropriação cultural! O Carnaval pode até ter suas origens séculos atrás, com romanos e tal… mas o Carnaval mesmo é coisa nossa, ninguém faz igual. Nem Veneza, nem New Orleans. Por isso, a camiseta Feito no Brasil já escancara isso e não deixa margem para dúvida. Para reforçar a ideia, a camiseta Rosa Samba remete aos grandes clássicos do Carnaval carioca, para mostrar quem manda de uma vez por todas. Numa pegada mais contemporânea, ali entre o vintage o meme, a camiseta Carnaval de Rua dá o tom para quem é mais descolado, bem humorado e quer curtir o bloquinho na liberdade total!

Pois é. Curtir o Carnaval na liberdade total! Esse é o princípio básico da parada, né? Pode ser bloquinho, baile no salão do clube, desfile de escola de samba na avenida… o importante é curtir como cada um acha melhor. Afinal, tudo isso é Carnaval. Com muito charme e estilo, é isso que a camiseta Le Carnaval transmite, ideal para quem vai direto ao ponto. Já a camiseta Carnaval Advisory é mais sapequinha, tem essa pagada mais moderna, parodiando aquele selinho malandro que vinha nas capas dos discos com um som mais agressivo. Uma camiseta pra quem não tem medo de abrir as asas e voar. Mas tudo isso lembrando de se hidratar bem, pra aguentar o tranco. Beber água é importante, mas não só, afinal é Carnaval. Acordou, é cafezinho pra dentro, depois é só dar uma lavada no copo americano e já passar pra cervejinha! Pra quem está sempre se hidratando no Carnaval, a camiseta Café Cerveja Carnaval é ideal!

Olha, curtir o Carnaval de rua é uma delícia, mas pode ser bem cansativo. Anda-se muito. E não só isso, afinal, no bloquinho impera a caminhada dançante, modalidade exclusivamente brasileira de andar atrás do trio dançando ao som da música. Portanto, o pit stop é sempre recomendável. Aquele botequinho com mesa na calçada é o ideal para se parar por um tempinho, pra descansar e tomar uma cervejinha, observando o movimento do bloquinho. Para quem não dispensa o boteco como parte essencial do Carnaval, a camiseta Mesa de Bar é perfeita. Linda, confortável e já vem com a mensagem prontinha. Da mesma maneira, a camiseta Duas Cervejas traz essa representatividade de uma maneira mais ampla e sedutora. Uma imagem que vale mais que mil palavras, o mais puro suco de Brasil.

O Carnaval é uma festa. E, sejamos francos, festa sem uma biritinha não é a mesma coisa, né? Sendo o Carnaval a festa mais brasileira do mundo, se faz óbvio associá-lo à mais brasileira de todas as bebidas: a caipirinha, é claro! Assim sendo, a Strip Me apresenta a camiseta Caipirinha Receita, uma camiseta linda, minimalista e super estilosa, além de super confortável, é claro. Uma camiseta para quem está sempre em busca de combinações perfeitas! Para quem não liga tanto nos destilados, mas faz questão de se refrescar e matar a sede durante a festa, a Camiseta Cerveja é a melhor pedida, além de pedir uma cervejinha gelada no capricho, é claro! A cerveja é uma das paixões nacionais. Sim, porque no Carnaval não dá pra ter uma paixão só, é ou não é?

O Carnaval está chegando. Aproveita pra dar uma olhada no nosso site e conferir as camisetas que selecionamos aqui e muitas outras. Nas coleções Carnaval, Verão, Tropics, Cultura Pop, Cartola, Bebidas e Música você encontra uma infinidade de camisetas incríveis, super confortáveis e estilosas! Na nossa loja você também pode ficar por dentro de todos os Lançamentos da Strip Me, que pintam toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Depois de conferir as dez camisetas campeãs do Carnaval Strip Me, você curte uma playlist com os mais clássicos sambas enredo campeões do carnaval. Samba Enredo Campeão top 10 tracks.

6 fenômenos que só vemos no Carnaval.

6 fenômenos que só vemos no Carnaval.

Estamos na metade de janeiro, mas já mirando no Carnaval que desponta no horizonte. Para ir esquentando os tamborins, a Strip Me listou 6 fenômenos maravilhoso que nós só presenciamos no Carnaval!

Basicamente, todos os superlativos utilizados para descrever o Carnaval são justificados e verdadeiros. Pode chamar de o maior espetáculo da Terra, a maior festa popular do mundo, os dias mais divertidos do ano e por aí vai. É tudo verdade. E quem melhor que o próprio brasileiro para afirmar isso com propriedade? Quem já dormiu no corredor de uma casa de dois cômodos ocupada por 17 pessoas, quem já reuniu uma turma de mais de 10 pessoas pra curtir o bloquinho e dez minutos depois já se perdeu de todo mundo, quem passa o ano ouvindo Black Sabbath no Spotify, mas sai pulando de abadá atrás do trio cantando todas da Ivete, quem já curou a ressaca tomando uma latinha de cerveja nove e meia da manhã, quem já achou que era domingo e na verdade já era terça feira, quem já encheu um isopor de gelo e latas de cerveja e pegou vários potinhos de glitter e foi pra rua vender tudo e levantar uma grana (mas curtir a festa também, que ninguém é de ferro), quem já entrou no metrô pra ir embora e se viu cantando a plenos pulmões Sandra Rosa Madalena em coro com o vagão inteiro. Enfim, quem já viveu tudo isso pode afirmar com tranquilidade, não existe nada como o Carnaval. E tem algumas coisas que a gente só vê no Carnaval. 

Para começar a concentração e preparar o corpo e o espírito pro Carnaval, a Strip Me vem falar sobre esses fenômenos maravilhosos que só se manifestam no Carnaval.

A metamorfose ambulante da música.

Não existe Carnaval sem música. E a música do Carnaval é essencialmente o samba, certo? É. Mas também tem outro detalhe importante a ser observado sobre o Carnaval: a elasticidade dos limites. Hoje em dia ouve-se de tudo no carnaval. Um exemplo claro disso é o Carnaval de rua paulistano. Os bloquinhos de São Paulo são muito plurais. Tem bloquinho que toca Beatles, que toca Rita Lee, que toca Pablo Vittar. Tem bloquinho de punk rock, de tecno, de sertanejo…e até de marchinhas carnavalescas, veja você! A mesma coisa pode ser observada nos trios elétricos do nordeste e no Carnaval de rua de todas as grandes cidades brasileiras. Importante também citar os sambas enredo, que embalam os desfiles das escolas de samba. Os desfiles das escolas de samba são um show à parte do Carnaval e fazem parte do imaginário carnavalesco, principalmente pros gringos, essa coisa da mulata porta bandeira sambando exuberante e os sambas enredos com todos os seus clichês maravilhosos e os puxadores animando ainda mais a festa. Mas o que mais impressiona e realmente só se vê no Carnaval é essa metamorfose do gosto musical das pessoas. É o fã de AC DC que passa o ano inteiro de camiseta preta, ou a moça que não perde uma festa de Barretos e canta todas do Bruno e Marrone, que chegam no Carnaval, vestem o abadá e saem pulando incansavelmente, cantando todas as músicas do trio elétrico! Cada um tem seu gosto musical, mas o Carnaval não tem nada a ver com isso.

O acúmulo de funções da rua.

A rua é uma faixa de concreto quem tem apenas uma função: servir de via pública para o trânsito de veículos motorizados ou não. A rua é margeada por calçadas, que são as vias por onde transitam os pedestres, as pessoas caminhando. E é isso. Simples assim.  Mas durante o Carnaval isso muda.  A rua continua tendo sua função de via pública de trânsito no Carnaval, mas também acumula as funções de pista de dança, palco de atrações artísticas, local para o comércio de bebidas, alimentos e outras coisinhas. Da mesma forma, a calçada, com suas sarjetas convidativas, acumulam a função de local de descanso, repouso, recuperação e enlaces amorosos. Tudo que envolve a rua acaba acumulando funções no Carnaval. Placas, além de informar direções, também são utilizadas como pontos de referência e encontro. Muretas e marquises tornam-se úteis apoios para copos e alimentos e por aí vai. O Carnaval não transforma só as pessoas, mas também as cidades.

Fantasiar.

Uma das tradições mais divertidas do Carnaval é usar fantasia para curtir a festa. Seja no bloquinho, no baile de salão do clube ou na arquibancada do sambódromo, todo mundo que ama Carnaval costuma caprichar na fantasia.  Nos tempos atuais, é importante notar a diferença entre a tradicional fantasia carnavalesca e a recente febre dos cosplays. Popular em convenções geek como a CCXP, o cosplay é quando a pessoa se esforça para ficar o mais parecido possível com determinado personagem, já a fantasia de Carnaval não se leva a sério e não tem esse compromisso com o fidedigno. Por exemplo, o vilão Coringa é muito popular em ambos os ambientes. A pessoa que faz cosplay vai se ligar em cada detalhe da maquiagem e da roupa, para ficar mais parecido, seja lá com qual versão do personagem. Já a fantasia de Carnaval, não só se atenta aos detalhes como pode acrescentar adereços que não tenham nada a ver. Assim, no Carnaval, uma pessoa fantasiada de Coringa pode facilmente ser confundida com o genial cantor cearense Falcão. Agora, o grande fenômeno do Carnaval é que, todo ano, depois que a festa acaba,  existe uma delírio em que a pessoa sempre pensa em tom de promessa: “Pro Carnaval do ano que vem vou me organizar pra arranjar a fantasia com antecedência, e não de última hora, no improviso, igual esse ano.” Todo fim de Carnaval, as pessoas fantasiam isso, mas no ano seguinte acabam indo atrás da fantasia um dia antes da festa do mesmo jeito.

Revogação das leis da física.

Durante o ano letivo é muito bonita essa história de que dois corpos não ocupam o mesmo espaço. Mas durante o Carnaval isso é uma conversa fiada danada! Primeiro porque nessa lei da física aí, os tais corpos que não ocupam o mesmo espaço não são necessariamente corpos de seres humanos, mas qualquer tipo de matéria. Por exemplo, duas rochas com dimensões e pesos idênticos não podem ocupar o mesmo espaço, o mesmo lugar. Cada uma no seu quadrado. E isso é a antítese do Carnaval. Segundo que no Carnaval dois corpos são dois corpos mesmo, de pessoas. E esses dois corpos vão estar junto com milhares de outros corpos. Todos se mexendo freneticamente (algo também conhecido como dança), suados e grudentos e cobertos por glitter. Com o som alto, todo mundo levemente embriagado, seguindo o suíngue da música e, muitas vezes alguns corpos justamente com a intenção maliciosa de ocupar o mesmo espaço de outros corpos… numa situação dessa, me diz como é que vai se decidir qual espaço pertence a qual corpo? E mais, no meio desse enrosco um no outro, no ápice do forrozinho Falamansa, sequer é possível definir com clareza qual corpo é qual. Acaba que é tudo a mesma coisa. No Carnaval o que menos importa é a física. Aliás, se você reparar bem, vai achar o Einstein de língua de fora e caipirinha na mão puxando a coreografia de Macarena ali no meio do povo.

Volatilidade da resistência ao alcool.

É comum, e até saudável, que cada pessoa tenha seus milites em relação ao consumo de bebidas alcoólicas. Tem gente que chega num ponto e pára de beber, pede uma água, um suco, para seguir firme no rolê. Tem gente que passa batido por esse ponto, e vai acabar a noite vomitando no banheiro do bar. Tem gente que aguenta um pouco mais e quer emendar uma balada na outra…Mas tudo dentro de um limite, sabendo que em algum momento é necessário ir pra casa tomar um banho e ir trabalhar. Mas isso é ao longo do ano, né. Porque naqueles 4 dias mágicos entre sábado e terça feira de Carnaval, isso muda. Muda também algo dentro de nós. Parece que nosso organismo se prepara o ano inteiro para quando o Carnaval chegar, e permite que você consuma doses excessivas de álcool e seguir festejando. É aquela época do ano em que não só é socialmente aceito abrir uma cerveja às nove da manhã, como é assim que se cura a ressaca do dia anterior. Isso no caso de você ter dormido, é claro. Porque, se vocë não dormiu, não parou de beber, logo a ressaca ainda não lhe alcançou. Também, não é para menos que tenhamos tanta resistência aos efeitos do álcool no Carnaval, afinal é a única época do ano que vemos alguém vendendo três cervejas latão por 10 reais e achamos isso super normal. 

A diversidade une as pessoas.

Outra coisa que não é exagero nenhum afirmar é que o Carnaval é uma festa democrática. Total verdade! Não só pelas inúmeras maneiras que você pode escolher aproveita-lo. Desde ficando em casa vendo filme e maratonando série, até fazer uma viagem pra praia com os amigos. Ou ir pro nordeste curtir os trios, ou os bloquinhos de Minas e São Paulo, ou carnaval dos desfiles glamourosos do Rio de Janeiro. Ou curtir na cidade onde você mora mesmo, onde certamente vai ter alguma coisa acontecendo. Mas além disso, tem o fator que, talvez por conta das fantasias, da energia e alegria contagiantes, da música… as pessoas se dão bem! Você pode se perder da sua turma no bloquinho, começar a conversar com uma galera diferente e, de repente, fez uma amizade boa. Todo mundo se sente livre para se expressar. Todo mundo se solta pra dançar como acha melhor. Não tem rico e nem pobre, gay, hétero… é todo mundo da galera! Isso fica muito evidente em cidades grandes, quando de repente você entra num vagão de metrô ou num ônibus cheio de gente coberta de glitter, com a cara cansada… mas aí, um abençoado puxa a primeira frase do refrão do hino nacional, e todo mundo canta em coro “E nessa loucura de dizer que não te quero!” E o mundo parece que é um só. Só no Carnaval.

A gente não vê a hora de chegar o Carnaval! Claro, porque é mais que uma festa, mas uma expressão cultural tão nossa, tão brasileira, que a Strip Me celebra com amor e cai na folia sem pudor! Por isso temos uma coleção inteira dedicada ao Carnaval, além de várias outras camisetas que celebram a brasilidade na coleções Tropics, Verão, Cultura Pop, Cartola, Florais e outras. São todas camisetas ideais para o Carnaval. Além de lindas, são feitas com um tecido levíssimo, super confortável, e com um corte que dá um caimento perfeito, do P ao XGG. Dá uma olhada no nosso site todas as nossas coleções. Na nossa loja você também confere todos os lançamentos, que pintam toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist caprichada pra ir esquentando os motores para quando o Carnaval chegar! Pré-Carnaval top 10 Tracks.

É samba no pé, meu! Os 5 melhores blocos de SP!

É samba no pé, meu! Os 5 melhores blocos de SP!

Agora sim o carnaval chegou! Para muitos de nós, brasileiros, a época mais aguardada do ano. Aqueles dias em que nada mais importa, além de festejar, dançar, cantar e sair pela cidade, cabelo ao vento, gente jovem reunida! Como dizia Vinícius de Moraes, a gente trabalha o ano inteiro por um momento de sonho, pra fazer a fantasia de rei, de pirata ou jardineira, pra tudo se acabar na quarta-feira. E aqui está a Strip Me pra se jogar na no bloco com você, no maior estilo e com a empolgação a mil! Temos uma coleção todinha dedicada ao carnaval pra você escolher uma camiseta para cada dia de folia!

O carnaval arrebata o Brasil inteiro. De leste a oeste, norte a sul, não tem metrópole, cidade, cidadezinha ou vilarejo que não tenha um baile de carnaval e um bloco pela rua! E cada lugar tem seu jeitinho único, tem sua tradição. O carnaval mais famoso do Brasil é o carioca, é claro. O berço do samba, das marchinhas, dos primeiros cordões e blocos. Em Salvador a história maravilhosa dos afoxés e da criação do trio elétrico. Em Recife o frevo e o maracatu. Mas, sem dúvida, um dos carnavais que, apesar de ter uma carinha de vintage e tradicional, mais se renovou no Brasil foi o carnaval de rua paulistano.

Os blocos de carnaval na cidade de São Paulo sempre existiram. Mas viveram uma fase de baixa popularidade ali pelos anos 90. À medida que o século XXI foi avançando, os jovens de São Paulo passaram a ocupar cada vez mais os espaços da cidade. A diversidade fez com que manifestações festivas, mas também reclamando direitos e liberdades, transformassem São Paulo numa cidade de ruas abertas ao povo, em eventos como a Virada Cultural e a Parada do Orgulho LGBT+. Com isso, os blocos de carnaval se fortaleceram. Além dos já tradicionais da cidade, como os blocos das agremiações de escola de samba, nasceram novos blocos em várias regiões, como o Acadêmicos do Baixo Augusta, o Raízes de Casa Verde e o Ressaca do Cambuci. E a cada ano surgem novos blocos, temáticos, engraçados e que juntam muita gente. É o caso de blocos como Tarado Ni Você, que celebra canções de Caetano Veloso, o Bloco do Sargento Pimenta, que transforma em samba e marchinhas as clássicas músicas dos Beatles, o Tô de Bowie, o Siga Bem Caminhoneira, um bloco formada por um grupo de amigas lésbicas, o Carnavelhas, formado por integrantes da banda Velhas Virgens, o Domingo Ela Não Vai, focado em clássicos do axé anos 90, o Samby & Júnior e muitos outros.

Bom, olha só, tá tudo muito bom. Mas o carnaval já é nesse fim de semana! Então, como diria o sábio Elvis Presley, a little less conversation, a little more action, pelamor, meus amores! Pois bem! Vamos ao que interessa. A Strip Me preparou um Top 5 dos melhores blocos de São Paulo com suas respectivas agendas, um bloco para cada dia do carnaval! Então se liga na listinha e já faz seu roteiro.

Sábado, 18 de fevereiro.
Bloco Agrada Gregos

O Agrada Gregos já virou tradicionalíssimo no carnaval de São Paulo, e sempre com atrações imperdíveis! Criado em 2016, hoje é considerado o maior bloco LGBT+ da capital paulista. Neste ano o Agrada Gregos traz como atrações  Aretuza Lovi, Gretchen e Vanessa Apetitosa. O palco estará montado ao lado do Monumento Às Bandeiras, no Parque do Ibirapuera. O som rola a partir das 13h. A estimativa é que o bloco reúna uma média de 250 a 300 mil pessoas.

Domingo, 19 de fevereiro.
Bloco Ritaleena

Ali por volta de 2014, 2015, as amigas Alessa Camarinha e Yumi Sakate encasquetaram de montar um bloco que representasse a cidade de São Paulo e tivesse uma cara de mulher. A resposta óbvia veio na imagem de Rita Lee. Junto, para completar o trocadilho, o remedinho Ritalina que ajuda a regular a hiperatividade e déficit de atenção. Mais paulistano impossível! O bloco logo agradou multidões, embalado por canções da Rita Lee em ritmo carnavalesco. Neste ano, o bloco fica entre os bairros Vila Mariana e Saúde, partindo da Rua Caramuru, altura do número 500, ao meio dia em ponto, e vai até a avenida Senador Casimiro da Rocha.

Segunda-feira, 20 de fevereiro.
Bloco Vou de Táxi

Mais um bloco criado em 2014. Aqui um grupo de amigos paulistanos na casa dos 30 anos de idade, sacaram que a música que embalou sua geração tinha tudo pra bombar no carnaval em qualquer tempo! Evidências para isso não faltam, da boquinha da garrafa até aquela brincadeira de beijar! O bloco Vou de Táxi desde então reúne mais de 100 mil pessoas nos carnavais paulistanos. Em 2023 a concentração do bloco começa no obelisco da avenida Pedro Álvares Cabral 11h e sai de rolê em volta do parque do Ibirapuera.

Terça-feira, dia 21 de fevereiro.
Bloco MinhoQueens

Alguns anos atrás, um grupo de drag queens do centro de São Paulo resolveram organizar um bloco para pular o carnaval montadérrimas! E que lugar melhor para pular muito do que no Minhocão? Surgiu assim o excelente nome do bloco. O MinhQueens logo se popularizou no centro de São Paulo, sempre na região da Santa Cecília e da praça Marechal Deodoro. Neste carnaval a previsão é que o bloco junte aproximadamente 5 mil pessoas, que vão se reunir à partir o meio dia na praça Marechal Deodoro e vai até a praça Alfredo Paulino, passando pelas rua da Palmeiras e pela Sebastião Pereira.

Sábado, 25 de fevereiro.
Bloco Navio Pirata feat. BaianaSystem

Navio Pirata é o bloco formado pela excelente banda BaianaSystem para embalar o carnaval de São Paulo, através das tradições baianas do trio elétrico e da icônica guitarra baiana. Desde 2009 o bloco é sucesso absoluto! Então se você achou que o carnaval acabou na terça feira, dia 21, achou errado, otário! Sábado, dia 25 o BaianaSystem se apresenta no trio elétrico do bloco Navio Pirata em São Paulo também no Ibirapuera, perto do Monumento às Bandeiras, pontualmente 13h. Imperdível!

Antes de finalizar, cabe aqui uma menção honrosa para um bloco inusitado. Com um nome criativo e uma proposta muito divertida, vale a pena conferir no sábado, dia 18 de fevereiro, na Barra Funda o Bloco 77, os Originais do Punk. Bloco formado por amantes do punk rock e do carnaval, que pegam clássicos do punk nacional e gringo e transformam em marchinhas e sambas para fazer a folia! O bloco sai da rua Barra Funda, na altura do número 1000, às 14h. Dali percorre as ruas Conselheiro Brotero, Sérgio Meira e finaliza na rua Lopes Chaves! É diversão garantida.

Pronto! Agora é só se programar direitinho, fazer o roteiro, convocar os amigos e abastecer o cooler para curtir todos os blocos! E não esquece de escolher suas peitas favoritas pra curtir a folia! A Strip Me tem a Coleção Carnaval pra facilitar a sua vida, mas tem também camisetas de música, cinema, arte, cultura pop e muito mais. Na nossa loja você confere tudo isso e ainda fica por dentro dos lançamentos que pintam toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist perfeita pra fazer aquele esquenta, com os maiores sucessos dos principais blocos do Brasil! Bloquinho top 10 tracks.

Para assistir: Claro, a gente poderia vir aqui te sugerir um monte de filmes, documentários sobre samba, carnaval, marchinhas… mas é carnaval, porra! Ninguém quer ficar em casa vendo filminho! Então nossa recomendação hoje é um simples vídeo do Youtube com 3 minutinhos de duração, dando dicas valiosas para você curar a ressaca! Isso sim é utilidade pública! Link aqui.

Carmem Miranda: muito além das bananas.

Carmem Miranda: muito além das bananas.

O Brasil não é mesmo para amadores. Quando a família real portuguesa veio para cá em 1808, fugindo de Napoleão Bonaparte, chegou em frangalhos. A viagem durou meses e foi um martírio. Uma epidemia de piolhos assolou a nau em que estava a princesa Carlota Joaquina e outras mulheres da nobreza, que foram obrigadas a raspar seus cabelos. Quando desembarcaram no Brasil, usavam turbantes para esconder os cabelos curtos. Dias depois praticamente todas as mulheres brasileiras andavam pelas ruas do Rio de Janeiro usando turbantes, desconhecendo a epidemia de piolhos e acreditando que aquela era a última moda na Europa. Mas convenhamos, isso não faz de Carlota Joaquina a primeira influencer brasileira, afinal, além de tratar-se de um equívoco, eram súditos querendo agradar sua realeza. Influencer mesmo foi Carmem Miranda, que um século depois criava seus figurinos e conseguiu mostrar para o mundo um Brasil que até hoje é reconhecido por sua alegria, extravagância e musicalidade. E na sua época, realmente influenciou a moda e fez muita loja, aqui e nos Estados Unidos, investir em turbantes, brincos de argolas grandes e muitos penduricalhos e bijuterias. Por isso a Strip Me fez questão de prestar esta justa homenagem à eterna Pequena Notável.

Carmem Miranda é uma das personalidades mais importantes da história moderna do Brasil. Uma artista de múltiplos talentos e beleza única. Uma celebridade tão aclamada e, ao mesmo tempo, injustiçada, que ainda hoje divide opiniões. Ao contrário de Carlota Joaquina, que bateu os tamancos antes de partir de volta a Portugal, pois não queria levar do Brasil nem mesmo um grão de areia, Carmem Miranda se mudou para Los Angeles, mas fez questão de levar o Brasil consigo. Um Brasil meio estereotipado, é verdade, mas que, em meio a tantos exageros, podia ser facilmente identificado. Para fazer justiça ao incalculável valor de Carmem Miranda, selecionamos 10 curiosidades essenciais para você conhecer melhor essa personagem tão emblemática.

1. Eu que nasci com o samba.

Se pai e mãe é quem cria, o mesmo deve valer para a nacionalidade, não é? Carmem Miranda nasceu Maria do Carmo Miranda da Cunha na pequena cidade de Marco de Canaveses, no norte de Portugal, no dia 9 de fevereiro de 1909. Foi a segunda filha do casal José Maria Pinto da Cunha e Maria Emília Miranda. O casal já vivia muita dificuldade e estava com passagens compradas meses antes, para tentar uma nova vida no promissor Brasil. A viagem foi adiada quando Maria Emília soube que estava grávida de Maria do Carmo. Sabendo das condições precárias dos navios e do longo tempo de duração da viagem, o casal decidiu esperar a criança nascer para se mudar. A família chegou ao Rio de Janeiro no fim de outubro de 1909. Portanto, Carmem Miranda nasceu em Portugal, mas chegou ao Brasil com nove meses de idade. Depois que chegou aqui, nunca mais voltou a Portugal, nunca cantou um fado ou assou um pastelzinho de Belém na vida. Portanto é brasileiríssima, sim senhor!

2. Fazendo moda.

Aos 14 anos de idade, Maria do Carmo já era chamada pela família de Carmem, porque a menina adorava cantar e todos na casa gostavam da ópera Carmem, de Georges Bizet. Com aquela idade a menina já ajudava no sustento da família trabalhando numa chapelaria. Lá ela era responsável por montar chapéus femininos com diferentes ornamentos. Foi onde ela desenvolveu naturalmente uma excelente noção de moda e estética, combinando chapéus com vestidos das clientes. Além disso, vivia cantarolando enquanto trabalhava. Foi notada por uma cliente da loja, muito rica, que perguntou se ela cantava profissionalmente, pois era muito boa. Foi quando Carmem assumiu o nome Carmem Miranda e começou a buscar oportunidades para se apresentar em festas e no rádio. Em pouco tempo ela começou a cantar em bares e ser muito elogiada. Em 1928 foi contratada como cantora na rádio Roquete Pinto.

3. Eu fiz tudo pra você gostar de mim.

Em 1930 Joubert de Carvalho compôs a marchinha Ta-Hí (Pra Você Gostar de Mim), e Carmem Miranda foi a escolhida para interpretar e gravar a canção. Numa época em que pouca gente tinha uma vitrola dentro de casa e ainda menos gente tinha poder aquisitivo para se dar ao luxo de comprar um disco, O compacto de Ta-Hí de Carmem Miranda vendeu impressionantes 35 mil cópias, um recorde avassalador para a época. Com apenas 21 anos de idade, Carmem Miranda era alçada ao posto de maior cantora do Brasil. Do rádio, ela migrou logo para o cinema, o que só fez aumentar sua popularidade. Entre 1932 e 1939 ela estrelou 7 filmes, sendo que o último imortalizou sua imagem.

4. Tem graça como ninguém.

Na década de 1930 o cinema sonorizado era novidade e uma verdadeira mania em todo o mundo. No Brasil, os filmes produzidos eram muito simples. A maioria trazia histórias bobas, muitas vezes sem pé nem cabeça, mas que serviam como desculpa para números musicais, em especial marchinhas e sambas que seriam apresentadas no carnaval. Em 1939 o filme Banana da Terra era mais um desses filmes carnavalescos. Tudo girava em torno de uma ilha fictícia chamada Bananolândia, que estava com uma produção excessiva de banana e resolve-se vende-la ao Brasil. O longa contava com Oscarito como protagonista, mas Carmem Miranda roubou a cena ao aparecer cantando num chiquérrimo cassino carioca pela primeira vez vestida de baiana, com um turbante ornamentado por frutas, estética pela qual ela seria eternamente lembrada. Além disso, ela aparecia naquele traje cantando O Que é Que a Baiana Tem. Banana da Terra fez com que se estabelecesse a imagem de Carmem Miranda, que ao perceber tamanho sucesso, passou a criar variações para aquele mesmo modelo. Sim, era ela que criava todos os seus figurinos, mesmo depois de ficar famosa. Ah, sim. O filme também ajudou a catapultar a carreira do jovem compositor Dorival Caymmi.

5. Daqui não saio, daqui ninguém me tira.

Com o sucesso de Banana da Terra, Carmem Miranda passou a se apresentar vestida de baiana, como no filme, em seus shows no Cassino da Urca. Foi num desses shows que um dos mais importantes produtores da Broadway, Lee Shubert, se encantou com Carmem Miranda e decidiu leva-la consigo para se apresentar no seu próximo espetáculo em New York. Shubert fez uma daquelas propostas irrecusáveis, com um salário polpudo. Para sua surpresa, o produtor ouviu Carmem dizer que só aceitaria se seu conjunto fosse junto. Carmem Miranda já se apresentava acompanhada do conjunto Bando da Lua desde 1934 e sabia que, por mais que houvessem ótimos músicos de jazz nos Estados Unidos, nenhum conseguiria tocar sambas e marchinhas como músicos brasileiros. O conjunto era formado por seis músicos. Depois de muita negociação, Shubert aceitou pagar por 4 músicos, os outros dois foram junto bancados pela própria Carmem Miranda. E a cantora estava certa, o conjunto fez toda a diferença em suas apresentações e até mesmo nos filmes.. O Bando da Lua a acompanhou até sua prematura morte em 1955.

6. The South American Way.

Eu sei que vai parecer teoria da conspiração, mas a verdade é que o sucesso enorme de Carmem Miranda nos Estados Unidos não se deveu somente ao talento dela ou ao acaso. Em 1940 a Segunda Guerra Mundial avançava a passos largos e os Estados Unidos haviam acabado e entrar pra valer no conflito. Precisando do apoio de outras nações do continente americano, os Estados Unidos iniciaram uma campanha massiva de boa vizinhança e homenagens aos países latinos, incentivando principalmente o cinema a criar obras com essa temática. O Brasil e a Argentina, além de serem os países mais fortes da América do Sul na época, eram também liderados por ditaduras que flertavam com o fascismo e estavam propensos a apoiar o Eixo. Carmem Miranda caiu como uma luva para essa campanha e logo saiu dos palcos da Broadway direto para Hollywood. Assim, além ela protagonizou filmes como o famoso That Night in Rio, além de uma produção equivocada e de mau gosto chamada Down Argentine Way, uma suposta homenagem à cultura argentina, mas protagonizada por uma brasileira, que mais irritou do que agradou aos hermanos. Para você ver como não é teoria da conspiração, não por coincidência, na mesma época foi criado, sob encomenda, o personagem Zé Carioca pelo Walt Disney

7. Dizem que eu voltei americanizada.

Carmem Miranda partiu para os Estados Unidos no fim de 1939. Um ano depois, no fim de 1940, ela já era aclamadíssima nos Estados Unidos pelas suas apresentações na Broadway e também por já ter protagonizado seu primeiro filme em Hollywood. Foi com essa bagagem que ela desembarcou no Rio de Janeiro para o fim de ano de 1940. Após receber uma recepção muito calorosa no aeroporto e pela imprensa em geral, ela resolveu fazer algumas apresentações no Cassino da Urca. Acontece que ela resolveu apresentar alguns números novos junto com seus números antigos, incluindo algumas canções em inglês. E é importante você saber que a elite rica brasileira sempre foi, em sua maioria, conservadora, retrógrada, amarga e intolerante. Na noite do primeiro show de Carmem, estavam na plateia alguns militares ligados ao governo e muitos ricos que apoiavam a ditadura do Estado Novo, todos com um discurso de nacionalismo conservador. Carmem Miranda foi recebida por uma plateia fria e carrancuda, que a considerava artificial e americanizada. E conservador nenhum gosta do imperialismo ianque, certo?  Ela não foi aplaudida em nenhum momento e saiu do palco desolada. Mas deu a volta por cima. Antes de voltar para os Estados Unidos, fez outro show, onde abriu a apresentação com a novíssima canção Dizem que Eu Voltei Americanizada. O show foi um sucesso.

8. E agora, com saudade, vou cantar pra não chorar.

Em dado momento, a carreira de todo artista grandioso ganha os mesmos contornos. Por ter que trabalhar muito e por muito tempo sem parar, acabam pintando as anfetaminas pra ficar acordado e as pílulas para dormir. O auge de Carmem Miranda nos Estados Unidos se deu em 1942, onde, mesmo com o Brasil já unido aos Aliados na Segunda Guerra, ela se consolidou como grande estrela. Ela chegou a ser a mulher mais bem paga de Hollywood e era conhecida como Brazilian Bombshell. Com os excessos de remédios e álcool, seu círculo de amizades foi mudando. Além disso, depois de 1945, a indústria cinematográfica perdeu o interesse pela latinidade e passou a procurar outros temas. Mesmo assim, Carmem Miranda continuava com prestígio e continuou atuando. Em 1947 ela conheceu David Sebastian, um aspirante a produtor de Hollywood e conhecido por ser um aproveitador barato. Mas Carmem se apaixonou por ele. Com dois meses de namoro já se casaram. Além de aproveitador, Sebastian era um homem violento, e Carmem Miranda viveu sob um relacionamento extremamente abusivo. Sebastian tomou conta das finanças da artista, a proibia de sair e a agredia verbalmente e fisicamente, em algumas ocasiões. Carmem Miranda, era muito católica e não aceitava o divórcio de jeito nenhum. Muitos afirmam que a morte prematura de Carmem, causada pelo aumento do consumo de drogas, muito se deve ao seu casamento infeliz.

9. Bananas is my business.

Outra coisa que ajudou a fazer com que Carmem Miranda se tornasse cada vez mais amargurada era o fato de ela estar presa à sua personagem. Depois de 1945, Hollywood diminuiu muito suas produções com temática latina. No filme Sonhos de Estrela, Carmem aparece interpretando uma dama brasileira da alta sociedade vivendo nos Estados Unidos. Aparece sem seu figurino, não canta e seu papel de uma mulher espevitada e irreverente é secundário na trama. O jornal New York Herald Tribune publicou uma crítica ao filme que diz em certo ponto: “Carmen Miranda faz o que sempre fez, só que não tão bem”. As críticas fizeram com que ela tivesse cada vez mais dificuldade de abandonar a personagem Carmem Miranda vestida de baiana e de turbante com frutas. Dificuldade reforçada pelos produtores que sempre a chamavam para o mesmo tipo de papel, muitas vezes com aquele tipo de figurino, e sempre para fazer pontas ou números musicais nos filmes, mas não para atuar como protagonista, como acontecia no início dos anos 1940. Em 1947 ela escreveu junto com Ray Gilbert e Aloysio de Oliveira a música I Make My Money With Bananas, com uma letra irônica, onde dizia que ela queria contracenar com Clark Gable uma cena de amor, mas os produtores diziam que ela não era capaz, então ela ganhava dinheiro com bananas. A música nunca foi gravada oficialmente, mas fez parte dos shows da cantora até o fim de sua vida.

10. E dos balangandans já nem existe mais nenhum.

Em 1955 Carmem Miranda já era considerada uma veterana de Hollywod e era respeitada como uma grande artista. Entretanto, ela estava longe das telonas desde 1953. Acontece que ela sempre teve uma agenda de shows em Las Vegas, New York e até mesmo nos cassinos de Havana muito concorrida, mesmo durante as produções cinematográficas. Em 1954 ela teve um colapso por consumir muita anfetamina e estar dias sem dormir. Em dezembro ela voltou para o Brasil, onde estivera pela última vez em 1940. No Rio de Janeiro, foi “internada” numa suíte do Copacabana Palace para uma desintoxicação monitorada por médicos. No começo de 1955 ela voltou para Los Angeles, onde morava. Voltou também para seu marido abusivo e para as drogas. Ainda assim, a CBS ofereceu a ela um programa de TV, o The Carmem Miranda Show, nos moldes do popularíssimo I Love Lucy. Estava tudo pronto para o programa ser elaborado e começar a ser gravado. Porém, na noite do dia 4 de agosto, ela se apresentou no programa de Jimmy Durante. Em seu número, onde dançava com o apresentador, ela chegou a ter falta de ar e quase cair, mas chegou ao final do número e se despediu do público muito aplaudida. Depois do show, ela estava animada e convidou parte do elenco para ir a sua casa tomar umas bebidas. A festinha ainda rolava quando ela se despediu, às três da manhã, dizendo que ia dormir. Subiu as escadas até seu quarto, tirou a roupa, vestiu um roupão, acendeu um cigarro e foi ao banheiro, provavelmente para remover a maquiagem. Pegou um espelho de mão e, quando voltava para o quarto, caiu no corredor. Foi encontrada morta com o cigarro em uma mão e o espelho na outra, na manhã seguinte pela faxineira. Carmem Miranda morreu aos 46 anos de idade de um ataque cardíaco fulminante.

Todas as homenagens a Carmem Miranda são mais que merecidas. Dessa gente que diz que ela só estragou a imagem do Brasil no exterior com um estereótipo caricato e irreal, a gente só lamenta! Carmem Miranda foi grandiosa, virou ícone pop no mundo e levou a música, a alegria e a diversidade do Brasil mundo afora! É a nossa primeira e única influencer, que a Strip Me fez questão de homenagear! Assim, como tantos outros nomes incríveis permeiam as coleções de cinema, arte, música e cultura pop! Cola na nossa loja pra conferir e ficar por dentro dos lançamentos que pintam toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist com os maiores clássicos da Carmem Miranda! Carmem Miranda Top 10 tracks

Para assistir: O documentário lançado em 1995 chamado Bananas is My Business, escrito e dirigido pela Helena Solberg é excelente e muito revelador de toda a história de Carmem Miranda, com depoimentos de gente de Marco de Canaveses, onde ela nasceu, até grandes figuras de Hollywood que a conheceram! Vale a pena demais assistir. Tem completinho e legendado no Vimeo. Link Aqui.

Eu quero é botar meu bloco na rua!

Eu quero é botar meu bloco na rua!

Fevereiro ainda nem chegou, mas já foi dada a largada para as festividades carnavalescas urbanas independentes. São os popularmente conhecidos bloquinhos de rua. Cada vez mais amados e celebrados em grandes cidades! Sim, os tempos dos grandiloquentes bailes de carnaval em clubes da alta classe ficaram no passado! Hoje em dia, todo mundo quer ir pra rua, se misturar, cantar, dançar, fazer folia! A Strip Me, que não é ruim da cabeça e nem doente do pé, também entra na bagunça e apresenta várias estampas perfeitas para curtir o bloquinho, como a camiseta Samba no Pé por exemplo. Além disso, vamos aproveitar o embalo pra não perder o rebolado e falar tudo sobre os bloquinhos e como aproveitar cada minuto dessa festa.

Sejamos francos. Esse amor pelos bloquinhos de rua é um hype relativamente novo. Os blocos de foliões carnavalescos estão aí desde 1930, é verdade. E teve muitos momentos de glória e popularidade. Mas ali pelos anos 1990 e começo dos anos 2000 estavam em baixa. Eram frequentados por poucos foliões veteranos e um ou outro entusiasta. Mas de uns dez anos pra cá, virou hype mesmo! Principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro, já que a o carnaval no nordeste sempre foi muito forte e sempre teve a cultura do trio elétrico e do carnaval de rua.

Na real, a história do carnaval, muito antes do Cabral pisar na Bahia, já começou no esquema do bloquinho de rua lá no Velho Mundo. A turma saía em grupo, cantando, fazendo algazarra e bebendo como se não houvesse amanhã. Ou melhor, eles bebiam como se houvesse uma quaresma por vir. E havia mesmo. Aquele período em que os cristãos jejuam e se privam de prazeres carnais por 40 dias antes da Páscoa, quando se celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Os portugueses que vieram colonizar o Brasil no século XVI já trouxeram essa tradição. E ao longo dos 5 séculos que se passaram a mágica aconteceu. Veio a influência dos ritmos e danças dos africanos e tudo se misturou. No século XIX, durante o império de Dom Pedro II, o carnaval de rua chegou a ser proibido, porque rolava aquela baderna generalizada e os ricos queriam curtir a festa, mas tinham certo nojinho de interagir com os pobres. Assim, surgiram os bailes de salão, onde a elite podia curtir o carnaval com requinte, sem se misturar com o povão, que ficou privado de fazer a sua festa. Mas isso não durou muito.

Foi na época da era Vargas, depois do golpe de 1930, que o carnaval começou a voltar para as ruas, incentivado pela popularização do rádio e das marchinhas, marchas-rancho e sambas. Desde então, foram se formando blocos tradicionais em diferentes bairros das principais cidades do Brasil, alguns deles em atividade até hoje. E hoje em dia, esse ano, pra ser mais exato, se você acha que o bicho pega mesmo só no dia 17 de fevereiro, primeiro dia de carnaval, se engana! Já tem bloquinho rolando Brasil afora hoje mesmo! Para ficar por dentro, você pode acessar o site blocosderua.com Lá você encontra a agenda dos blocos mais importantes de 10 cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Olinda, Florianópolis, Belo Horizonte, Salvador, Brasília, Porto Alegre e Fortaleza.

Pra completar, vamos dar algumas dicas importantes e super valiosas para você curtir ao máximo o seu bloquinho favorito, sem passar por perrengue nenhum! Se liga.

Planejamento para ir e voltar.

Se você não tem a sorte (ou o azar, depende do ponto de vista) de ter um bloquinho que passe na porta da sua casa, é bom você fazer um roteiro, pegar o trajeto que o seu bloquinho favorito vai percorrer e planejar como você vai chegar e como vai embora. O ideal é contar sempre com o transporte público (ônibus e metrô) e aplicativos, afinal, a chance de você querer tomar uma cerveja ou uma caipirinha durante a festa é grande. Além de não ser boa ideia dirigir depois de beber, lembre-se que os blocos alteram todo o trânsito da cidade. Tendo todos os trajetos planejados, você vai aproveitar a festa com muito mais tranquilidade.

Segurança.

Você sabe como é festa em lugar público. Pinta todo o tipo de gente, inclusive gente mal intencionada. Além do mais sempre tem quem passe do ponto na cachaça, o que sempre atrapalha também. Então, se joga na folia, mas fique sempre de olho no que está rolando em volta. Se viu que tá saindo uma briga do teu lado, se afaste, vá para o lado oposto e segue com a tua festa. Também é sempre bom ficar esperto com furtos. Então, dê preferência para bermuda, short ou vestido cujos bolsos tenham zíper, ou então leva uma bolsinha bem fechada, ou até mesmo uma pochete, que fique junta ao corpo. E ali dentro leve apenas o essencial, celular, cartão do banco, um documento e dinheiro trocado. Para as meninas, ter um pacotinho de lenço umedecido também é sempre boa ideia.

Olha, olha, olha, olha a água mineral!

É sempre bom lembrar que o carnaval rola no verão e você estará pulando e cantando sob um sol de trinta graus, pelo menos. Então não deixe de se hidratar de jeito nenhum. Claro que você vai tomar sua cervejinha, uma caipirinha e tal… mas junto, vá tomando água. Para facilitar a sua vida e a de quem está trabalhando no evento, procure levar uma quantia de dinheiro em notas de cinco e dez reais para facilitar o troco. E não se esqueça também de se alimentar. De preferência  consumindo coisas leves como frutas ou sanduíches naturais.

A cor dessa cidade sou eu.

Uma das belezas do carnaval é a integração do povo com a cidade. Uma simbiose mágica e transcendente. Para que essa mágica aconteça em sua plenitude, é fundamental que você faça a sua parte para manter a cidade limpa. Se você estiver ligado, vai ver que em muitas esquinas tem latas de lixo, e também as tem os vendedores espalhados pela rua. Também tem espalhados por todo o trajeto dos bloquinhos, vários banheiros químicos. Sem falar no bares e padarias, que às vezes até cobram cinquenta centavos ou um real pra você usar o banheiro, mas estão sempre por perto. Então, não tem desculpa pra ninguém fazer suas necessidades pelos cantos nas ruas, certo?

Todo povo brasileiro, aquele abraço!

Carnaval é amor e alegria! Então, quem tem qualquer tipo de preconceito nem desce pro play! Claro, em momento nenhum da vida em sociedade racismo, homofobia ou qualquer outro tipo de discriminação é tolerável. No carnaval então, nem se fala! Se você presenciar qualquer tipo de ato desrespeitoso com outra pessoa, não se omita. Claro, não vá você se meter e comprar a briga sozinho, mas procure ajuda e chame a polícia.

Livre, leve e solto!

Por fim, não se esqueça de se sentir bem, confortável, para curtir o bloquinho. Você não vai abrir mão do estilo, é lógico! Mas algumas dicas são válidas: Use tênis ou qualquer outro calçado confortável que não tenha salto e não corra o risco de arrebentar durante a festa. Bermudas ou shorts são a melhor opção, tanto para meninos quanto para meninas, pois, você vai andar e dançar muito, a bermuda ou o short vão evitar que você fique com o interior das coxas “assadas”. E use roupas leves. No caso, as camisetas da Strip Me são o seu número! São camisetas feitas com malha certificada, leve e super confortável! É só escolher a sua estampa favorita e ir pra galera!

Pronto. Agora você já sabe tudo o que precisa para encarar o seu bloquinho de rua favorito! Então chega de teoria e vai pra folia! Lembrando que a Strip Me tem uma coleção todinha dedicada ao carnaval, além de muitas outras como as camisetas de cinema, música, arte e cultura pop! Se liga na nossa loja pra conferir os lançamentos que aparecem por lá toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist perfeita pra fazer aquele esquenta com os maiores sucessos dos principais blocos do Brasil! Bloquinho top 10 tracks.

Para assistir: É imperdível o documentário Chame Gente – A História do Trio Elétrico, lançado em 2005, dirigido pela Mini Kerti, escrito pelo Rafael Dragaud e com depoimentos de Armandinho, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Dorival Caymmi e muitos outros. Além de ser uma história fascinante, tem uma trilha sonora empolgante, que comprova que atrás do trio elétrico só não vai mesmo quem já morreu. Recomendadíssimo e tem free no Youtube completinho.

Bloco Unidos do Netflix

Bloco Unidos do Netflix

Se você não é um gringo maluco e vermelho torrado de sol, já faz muito tempo que carnaval não é unanimidade. Tem gente que já não tá mais a fim de beber cerveja Crystal quente em quantidades industriais, correr atrás de um caminhão barulhento com um monte de gente suada em volta e cheirando urina no paralelepípedo do centro da cidade.

Para esses seres inconformados com o status quo desse país que tem mais pernilongos que deveria, existe essa benção estadunidense chamada Netflix, a única coisa (fora a sua cama, provavelmente) que faz esses quatro dias de feriado valer a pena.

Pensando em você, que acha que esse pessoal do carnaval tá marcando, separamos uma lista de séries e filmes para assistir nesses dias de folia. Então é só ligar a internet, colocar o soro na veia e dar play em todas as 83 temporadas de Days of Our Lives! Ou não.

FILMES SOBRE VIAGENS

Nossa primeira categoria é para você, que queria desaparecer do seu círculo de convívio habitual por quase uma semana, mas foi sumariamente impedido por uma falta de planejamento prévio ou por um orçamento apertado. Separamos três filmes que vão no mínimo te inspirar a conhecer novos lugares em suas próximas viagens.

Into the Wild

O diretor Sean Penn narra à história de Chris McCandless, que após se formar com louvor em uma universidade, decide abandonar todas suas posses e caminhar até o Alasca, e como uma série de encontros ao longo do caminho mudam sua personalidade.

Clique aqui para acessar no Netflix 

Pequena Miss Sunshine

Uma família excêntrica e disfuncional, determinada a levar sua caçula para um concurso de beleza na Califórnia, atravessa o país em sua Kombi.

Clique aqui para acessar no Netflix

Meia Noite em Paris

Em uma viagem com a família de sua noiva para Paris, um escritor misteriosamente volta para as noites francesas da década de 1920, onde encontra romance e inspiração ao lado de seus ídolos.

Clique aqui para acessar no Netflix

FILMES PRA CURAR O TÉDIO

Quem disse que só porque você escolheu não pular o carnaval tem que dormir por 96 horas sem parar? Enquanto você se anima pra ir até o bar mais próximo, um filme pode te ajudar a chutar para longe o cheiro da cama.

O Lobo de Wall Street

Scorsese conta a história de Jordan Belfort, um magnata de Wall Street. De seu ponto mais alto, em festas homéricas e movimentações milionárias até seu envolvimento com corrupção, crimes e problemas com o governo.

Clique aqui para acessar no Netflix 

Planeta Terror

Uma arma biológica experimental é liberada acidentalmente e transforma milhares de pessoas em zumbis, enquanto um grupo de renegados tenta parar a infecção e os responsáveis por sua exposição. Um clássico thrash de Robert Rodriguez.

Clique aqui para acessar no Netflix 

Trovão Tropical

Três dos maiores atores de Hollywood vão gravar um filme (já atrasado e fora do orçamento) no Vietnã, e são obrigados a se transformar nos personagens que foram interpretar.

http://www.youtube.com/watch?v=jNV7gFOKA10

Clique aqui para acessar no Netflix 

FILMES PRA CURAR A RESSACA

Se a noite anterior foi comprida (em um bar ou casa localizada bem longe da folia, de preferência), o dia seguinte vai exigir muita neosaldina, comida e um filme batido no fundo pra ajudar a pegar no sono e esquecer essa maldita dor de estômago que não vai embora.

Forrest Gump

O ingênuo Forrest Gump, acidentalmente se envolve na maior parte dos eventos históricos do século XX, enquanto busca viver ao lado de sua amada Jenny.

Clique aqui para acessar no Netflix

De Volta para o Futuro

Marty McFly acidentalmente viaja 30 anos no passado com um DeLorean transformado em máquina do tempo de seu excêntrico amigo inventor Doc Brown e tem que fazer seus pais se reunirem antes de voltar para o futuro.

Clique aqui para acessar no Netflix

Edward Mãos de Tesoura

Um jovem com tesouras no lugar das mãos vive recluso em seu castelo até ser adotado por uma família e se apaixonar pela garota que o acolheu.

Clique aqui para acessar no Netflix 

“EU MATO, EU MATO…” QUEM TOCAR MAIS UMA DESSAS MARCHINHAS AQUI PERTO

Com centenas de milhares de blocos em cada rua do seu bairro, fica difícil não ouvir lá no fundo que a pipa do vovô não sobe mais ou que a cabeleira do Zezé insinua algo. Para tentar evitar mais essa mazela, um bom som de qualidade, ou até mesmo um documentário sobre, pode ser o melhor remédio.

All Apologies: Kurt Cobain

Neste documentário da BBC, a trajetória de Kurt Cobain é revisitada através de diversas entrevistas com jornalistas, parte de sua equipe e amigos pessoais vinte anos após sua morte.

Clique aqui para acessar no Netflix

Michael Jackson’s Is This It

Os ensaios para uma turnê de 50 apresentações do eterno rei do pop ao redor do mundo são apresentados nesse documentário de quase duas horas. Infelizmente essas apresentações foram canceladas devido a morte de Jackson em 2009.

Clique aqui para acessar no Netflix

David Bowie: Five Years

Época mais prolífica na carreira de David Bowie, este documentário apresenta um período de cinco anos, que vai do fim da década de 1970 até meados de 1980, quando o camaleão compôs dezenas de clássicos como Heroes, Let’s Dance e China Girl.

Clique aqui para acessar no Netflix

PLANTADO NO SOFÁ

Se a sua intenção é aproveitar toda a folia para colocar em dia sua série favorita, ou até mesmo começar uma nova, você realmente tem muitas opções. Essa é a hora ideal pra assistir tudo de uma só vez e esquecer que existe Sol ou vida fora do seu quarto.

House of Cards

Um congressista Norte Americano que faz de tudo para conseguir o poder que deseja. Série original do Netflix, tem a estreia de sua próxima temporada marcada para o fim de fevereiro.

Clique aqui para acessar no Netflix

Bates Motel

Esse prequel do clássico “Psicose” de Alfred Hitchcock, mostra como Norman Bates se tornou uma das figuras mais assustadoras da história do cinema.

Clique aqui para acessar no Netflix

Better Call Saul

Derivada de Breaking Bad, Better Call Saul apresenta Jimmy McGill, um advogado com muitas ambições e poucos clientes, e sua transformação no advogado criminoso Saul Goodman.

Clique aqui para acessar no Netflix


Sobre a Strip Me

Se música, cinema e séries também são suas paixões, você tem que conhecer a Strip Me, uma marca de t-shirts e acessórios focada no universo da cultura pop e do rock’n’roll. Visite nossa loja virtual, a www.stripme.com.br e conheça nossas camisetas de filmes, camisetas de rock e camisetas de seriados, a gente garante que você vai curtir 😉

stripmepostproduto

Carnaval Rock’n’Roll: escolha sua máscara

Carnaval Rock’n’Roll: escolha sua máscara

Vai pra folia? Então vai com estilo!

Pois bem, a Strip Me decidiu dar uma forcinha e disponibilizar pra você 11 máscaras, digamos, inusitadas… (Totalmente grátis!)

É só você baixar, imprimir, colar em um papel durinho que resista o tranco da folia, e escolher como você vai usar.

Isso mesmo, você pode tanto fazer um furinho nas laterais e colocar um elástico amarrado que dê a volta na sua cabeça, ou usar um palitinho (pode até ser de sorvete) pra ser a haste da sua máscara.

Então é isso, escolha o seu personagem e leve o rock’n’roll para desfilar com você nesse carnaval. Bora pro fervo! 😉

amy-winehouse-stripme-mask

 

dave-grohl-stripme-mask

courtney-love-stripme-mask

 

elvis-presley-stripme-mask

 

lana-del-rey-stripme-mask

 

gene-simons-stripme-mask

 

madonna-stripme-mask

 

michael-jackson-stripme-mask

 

miley-cyrus-stripme-mask

 

keith-richards-stripme-mask

 

paul-mccartney-stripme-mask

 


A Strip Me

Camisetas de bandas, camisetas de artistas, camisetas de filmes, camisetas de seriados. A Cultura Pop é o universo Strip Me, que desenvolve produtos modernos e cheios de estilo. Por isso, se a ideia é abafar nesse carnaval com um look bacanudo, dá um pulo em nossa loja virtual. Só tem coisa linda pra você cair na folia 😉

 

 

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.