10 curiosidades sobre o café.

10 curiosidades sobre o café.

O cafezinho nosso de cada dia é mais que um hábito, é uma instituição brasileira. Algo tão representativo da nossa cultura, que a Strip Me, sempre de olho em cada aspecto da nossa brasilidade, destaca hoje 10 curiosidades sobre o café!

São três horas da tarde. O sol lá fora está fervendo, você, sentado em frente ao computador, tenta se concentrar no trabalho, enquanto o ventilador só faz espalhar um vento morno. Uma gota de suor escorre pelas suas costas, você olha para o relógio, três e dois da tarde. Fica difícil se concentrar no trabalho. O calor é opressor. Só uma coisa pode restaurar seu bom desempenho: um copo americano com café bem quente!

A relação do brasileiro com o café é meio inexplicável mesmo. Não se resume a uma dose de cafeína pra ajudar a acordar, logo de manhã, ou para dar um up pra trabalhar ou estudar. É uma coisa mais ampla, uma forma de se sentir em casa. O café é social, é familiar e até mesmo companheiro solo para quem quer tirar o dia de folga e ficar em casa sem fazer nada. O nosso bom e velho cafezinho faz parte da vida do brasileiro, portanto, hoje vamos conhecer um pouco mais sobre ele.

Cereja.

Sim, pouca gente sabe, mas o café é um tipo de cereja, é uma frutinha carnuda com uma semente, normalmente bipartida, dentro. E o que a gente consome é justamente o extrato dessa semente, que é seca, torrada e moída. Por muito tempo, a fruta em si era descartada, desperdiçada. Mas atualmente, a indústria acaba aproveitando tudo, o fruto e a semente do café. Do fruto, faz-se, por exemplo, farinha, usada para fazer pães, muffins e outros produtos. Mas essa farinha não tem gosto de café, mas sim algumas notas mais florais e cítricas.

Chegando no Brasil.

O café é nativo do norte da África. Inicialmente tornou-se popular no oriente médio, e de lá se espalhou para o mundo através das invasões mouras e, posteriormente, das grandes navegações. No século XVIII os franceses cultivavam café em algumas ilhas do mar do Caribe. Qualquer tipo de exportação de mudas e sementes de plantas cultiváveis era expressamente proibida de um país para o outro. Se você está tomando seu cafezinho hoje, agradeça a Francisco de Melo Palheta, um sargento brasileiro a serviço da coroa portuguesa que fazia uma expedição pela América Central. Em 1727 ele estava na Ilha de Martinica, se engraçou com a esposa do governador da ilha, o francês Claude d’Orvilliers. Ela então, presenteou secretamente o brasileiro com sementes e mudas de café. Tais mudas e sementes foram plantadas no estado do Pará. Anos depois, novas mudas foram levadas para o Rio de Janeiro e São Paulo, onde elas realmente se adaptaram bem. E o resto é história.

Trem bão, sô!

O café se adaptou bem à região do vale do Paraíba, no interior do Rio de Janeiro. Em meados de 1840 a produção cafeeira na região já era forte e começou a ser exportada. Assim surgiu a primeira ferrovia brasileira, a Estrada de Ferro Mauá. Na segunda metade do século XIX a produção de café decaiu no Rio de Janeiro, mas novas lavouras já floresciam e davam nova cara ao interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais. Com essas novas lavouras, surgiram novas estradas de ferro. A Santos-Jundiaí, também conhecida como São Paulo Railway, foi inaugurada em 1867, seguida das ferrovias Paulista, Mogiana e a Sorocabana. As ferrovias ajudaram a fundar cidades e desenvolver centros urbanos por todo o sudeste brasileiro.

O café alimentou a aviação.

Acho que ninguém aqui sequer cogita entrar na discussão de quem é o pai da aviação, né? Esse título é brasileiro e ninguém tasca! É tão brasileiro que tem lá sua ligação com o café. Santos Dumont cresceu numa fazenda em Palmira, sul de Minas Gerais. Seu pai, Henrique Dumont, foi um dos grandes barões do café da época. A família Dumont era riquíssima e o pequeno Alberto Santos vivia pelos barracões da fazenda desmontando e montando ferramentas e máquinas. Já adulto, teve uma excelente educação na Europa. Graças ao dinheiro da família, não precisou trabalhar e investia todo o dinheiro que recebia do café de seu pai em suas pesquisas, que resultariam na invenção do avião!

Imigração e formatação do sudeste.

A expansão das fazendas de café do meio pro fim do século XIX, junto com as ferrovias e o fim da mão de obra escrava, trouxe para o sudeste uma verdadeira invasão de imigrantes europeus, em especial italianos e espanhóis, além de japoneses e libaneses, para trabalhar nas lavouras. Essa miscigenação ajudou a criar uma sociedade economicamente forte, já que muitos imigrantes começavam nas lavouras de café, mas logo juntavam um dinheirinho e abriam vendas, quitandas, oficinas… Assim foi forjada a região que hoje é a mais populosa e mais rica do país, através do café.

Semana de Arte Moderna

Os barões no café no estados de São Paulo eram muito poderosos no início do século XX. Influenciavam diretamente na política e começavam a querer ter cada vez mais protagonismo. Assim, o primeiro centenário da Independência do Brasil teve São Paulo como seu principal palco, com grandes construções e pavilhões pela cidade, além do Museu do Ipiranga e o fortalecimento da mística do grito de independência às margens do tal riacho. E foi nessa onda ufanista e prodigiosa que os artistas modernistas paulistanos decidiram criar a Semana de Arte Moderna, que só pode acontecer por causa de gente como Paulo Prado, um dos cafeicultores mais ricos de São Paulo e entusiasta da arte, que financiaram a coisa toda.

Terroir.

É verdade. O café já alcançou status de bebida gourmet. Por isso, torna-se cada vez mais relevante saber a origem dos grãos de café a serem consumidos. E para cada região, esses grãos ganham particularidades. Veja bem, tem só dois tipos de café: o arábica e o robusta, o arábica é o mais comum, é mais suave, com um leve adocicado, já o robusta é mais intenso e amargo. Mas o arábica cultivado nas montanhas de Minas Gerais nunca será igual ao arábica do interior de São Paulo. Assim como a uva merlot argentina é diferente da chilena, por conta do que passaram a chamar de terroir, o mesmo vale para o café. Só no Brasil são 24 regiões diferentes produzindo café, das montanhas do Espírito Santo ao Planalto Central, passando pelo Cerrado Baiano e pelas matas de Minas, são regiões muito diferentes, capazes de produzir cafés muito distintos, e deliciosos!

Cafeína.

A cafeína é uma ilusão! Calma, não é assim também. A cafeína existe e seus efeitos são comprovados. Ela é estimulante e tudo o mais que você sabe. A ilusão é que a gente tende a achar que aunto mais forte for o café, mais cafeína estamos mandando pra cachola. Ledo engano. No caso do arábica, o café mais comum consumido, o nível de cafeína vai variar de acordo com o tipo de moagem que o grão recebe e principalmente da torra. Até mesmo a temperatura da água na hora do preparo para o consumo, pode influenciar. Quanto mais torrado o grão for, mais ele perde cafeína, afinal, a torra queima o grão, com isso, muitas de suas propriedades naturais são perdidas. No caso de cafés em pó, prefira os tradicionais aos extrafortes. Além do tradicional ter um pouco mais de cafeína, ele é mais saboroso. O extraforte é mais torrado, o que faz com que os produtores coloquem ali os grãos de pior qualidade, já que a torra vai mascarar isso. O café extraforte tem sabor mais intenso e amargo mas não necessariamente sabor de café. Fica esperto!

Cafezinho brasileiro.

Sim, se você pedir um cafezinho em qualquer lugar do mundo, as chances de consumir um produto brasileiro são altíssimas. Pra você ter uma noção, mesmo somando o volume produzido pelos outros três maiores produtores de café do mundo (Vietnã, Colômbia e Indonésia), o valor total ainda é menor que a produção brasileira. Em 2018, por exemplo, foram produzidas 69 milhões de sacas, cada uma contendo 60 quilos de café brasileiro. Assim como o futebol, o café não tem sua origem por aqui, mas já se tornou 100% brasileiro, com a vantagem que com o café não tem 7×1!

Futuro.

Muitos séculos atrás, os povos do oriente médio tinham um ritual antes de partir para longas viagens: Tomar um café e, depois vislumbrar seus caminhos e obstáculos na borra do café que se acumulou no fundo da xícara, afinal, na época eles não tinham o hábito de coar o café antes de beber. Surgiu a cafeomancia, uma prática que persiste até hoje! É isso mesmo! Tem gente que vê o futuro na borra de café. E, aparentemente, não tem muito segredo. Para iniciar o ritual, você precisa de uma xícara de água morna, uma colher de café em pó moído e uma xícara de açúcar, além de escutar a sua intuição. O açúcar, no caso, é importante porque ele é considerado um condutor à espiritualidade. Então, aprecie lentamente o café e eleve o pensamento positivamente. Concentre-se naquilo que deseja saber e tome o café ainda morno. Em seguida, quando o café acabar, inicie o processo de observação das figuras que surgiram no fundo da xícara. Para facilitar a sua vida, aqui estão alguns significados do que você pode ver neste teste de Rorschach do café.
Árvore: sinal de que algo esperado será concretizado.
Bailarina: uma mulher que vive ao seu lado oferecerá ajuda.
Boca: a sexualidade está em baixa.
Buquê com flores: alegrias em relacionamentos (amorosos ou amigos)
Cadeado: pode ser o tempo de se mudar para longe.
Cobra: cuidado! Alguém pode traí-lo.
Sol: felicidade como ponto auge.
Coração: aquela paixão arrebatadora pode chegar e mudar sua vida.
Estrela: realização em todos os campos da vida.

Realmente, o que não faltas é história e bons motivos pra gente seguir tomando o nosso cafezinho de todo o dia! Pode ser espresso ou do coador, na xícara ou no copo americano, com açúcar ou sem açúcar… o importante é sempre ter café por perto! A gente, aqui na Strip Me, brasileiríssimos que somos, não ficamos sem o nosso cafezinho e também fazemos questão de exaltá-lo em nossas camisetas! Dá uma conferida na nossa loja, nas camisetas florais, nas coleções Tropics, Verão e Bebidas, e você certamente vai encontrar nossas estampas cafeinadas! No nosso site você também fica por dentro de todos os nossos lançamentos, que pintam toda a semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist caprichada com canções que fazem referência ao café! Coffee Time top 10 tracks.

Para assistir: Vale a pena acompanhar no Youtube o canal Arquitetura do Café, criado inicialmente para falar sobre a arquitetura e engenharia das antigas fazendas de café, mas atualmente é um verdadeiro portal interessantíssimo sobre a cultura do café de maneira geral, com várias informações e conteúdos interessantes. Link aqui: Arquitetura do Café.

Tupi or not Tupi: 5 hábitos indígenas que mantemos até hoje.

Tupi or not Tupi: 5 hábitos indígenas que mantemos até hoje.

O Brasil deve muito a seus povos originários, isso todo mundo sabe. Para reforçar essa ideia, a Strip Me traz hoje 5 hábitos que mantemos atualmente, e que são herança direta dos indígenas que viviam aqui antes da chegada dos europeus.

Todo mundo que já entrou numa trip de auto conhecimento, seja na ayahuasca ou na psicanálise, teve que entrar em contato com um passado distante, entender um pouco seus antepassados e etc. Bom, faz todo o sentido, né. É como diz aquela frase, povo que não sabe de onde veio, não sabe pra onde vai. Conhecer o passado, a história, é fundamental para a gente entender o presente e evoluir na futuro. E entrar nessa onda de conhecer o passado pode ser bem interessante, a gente acaba se ligando e entendendo muita coisa mesmo! Imagina que muito antes do Cabral e sua turma chegar aqui, há milênios já existiam várias nações vivendo ao longo de todo o território da América do Sul. Dos Incas aos Tupiniquins, vários povos se espalhavam por essas bandas. Na porção mais a leste do continente, abrangendo o litoral do norte, nordeste e sudeste, predominava a nação Tupi, que tinha várias tribos diferentes, como os Tupiniquins, Tupinambás, Tamoios, Carijós e outros. Já na porção central, do cerrado até boa parte da floresta amazônica, se estabelecia a nação Jê, como os Xavantes, Bororós, Botocudos, Crenaques, Caiapós, Goitacás e outros. No sul, na região dos pampas vivia a nação Charrua, os Guayantiranes, Minuanos, Mepenes, Tocagues e outros. Por fim, mais a oeste, na região do pantanal, onde hoje temos as fronteiras com o Paraguai e Bolívia, vivia a nação Guarani, cujas tribos mais conhecidas são os Kaiowás, Mbiás, Tapietês, Nhandevas e outras. Isso pra ficar só no território brasileiro, ainda tinham outras nações ao longo da cordilheira dos Andes, no deserto da Patagônia e na mata tropical próxima ao mar do Caribe.

Photo by: Sebastião Salgado

Apesar de povos muito diferentes, com culturas e crenças distintas, essa turma toda tinha muita coisa em comum. Por conta da colonização do Brasil ter acontecido de leste para oeste, os primeiros europeus, e em especial os bandeirantes, tiveram muito mais contato com os povos Tupi do que qualquer outro. Aliás, sabemos hoje que os bandeirantes, também conhecidos como paulistas, eram homens violentos e inescrupulosos, que viviam da captura e escravização de índios. Foi por isso que eles acabaram desbravando todo o interior do Brasil. E esses paulistas viviam praticamente como os indígenas. Andavam pela mata de pés descalços, dormiam em redes e falavam fluentemente a língua tupi. Mesmo com o genocídio indígena produzido pelos europeus (mais de 5 milhões de indígenas viviam no Brasil em 1500, no início do século vinte, restavam menos de 500 mil), muitos dos seus hábitos e cultura foram incorporados pelos homens brancos ao longo do tempo e perduram até hoje. Orgulhosamente, a Strip Me resgata um pouco da história dos povos originários do Brasil falando sobre cinco hábitos que herdamos dos indígenas.

Pés Descalços.

Antes de mais nada, é sempre bom lembrar: Andar descalço pode trazer uma série de benefícios para o corpo e a mente. Os pés descalços ajudam a fortalecer os músculos dos pés, tornozelos e pernas, promovendo uma melhor postura e equilíbrio. Além disso, essa prática pode aumentar a sensação de conexão com o ambiente ao redor, estimulando os sentidos e proporcionando uma sensação de liberdade. Talvez os indígenas não tivessem consciência disso tudo, mas viviam de pés descalços, mesmo depois que o os europeus chegaram com suas botas e sapatos. E não demorou para que esses mesmos europeus se ligarem que andar na mata com os pés descalços era realmente bem melhor, pois acabavam prestando muito mais atenção por onde andavam e conhecendo com mais detalhes cada particularidade da mata. Sem falar no calorão e o bem estar que dá ficar com os pés descalços, descansando numa boa. Ainda hoje, é o que a gente faz.  A primeira coisa que a maioria das pessoas faz quando chega em casa é tirar o sapato, quem tem uma graminha em casa então, aproveita ainda mais! E aquela caminhadinha na areia da praia no fim da tarde? Andar descalço é tudo de bom!

Caiu na rede, é gente!

Dormir na rede é coisa nossa! Literalmente! Isso porque não existe registro da rede como os indígenas a utilizavam em lugar nenhum do mundo até a chegada dos europeus por aqui. Então é bem capaz de a rede ter sido uma invenção dessa turminha que vivia por aqui. E é indiscutivelmente uma maravilha! Na rede o corpo fica numa posição levemente inclinada, relaxando a coluna e as pernas, e ainda ajuda no fluxo da circulação sanguínea. O leve balanço ajuda a proporcionar um sono mais tranquilo e reparador, além de, mesmo nas noites quentes de verão, poder sentir um leve frescor. Dar uma relaxada na rede tem raízes profundas na cultura indígena, refletindo não apenas a busca por conforto, mas também uma relação com o ambiente e a natureza. A praticidade, a leveza, a facilidade de transporte e a adaptação a diferentes tipos de terreno tornaram as redes um item indispensável para os povos indígenas, e essa tradição tem sido preservada ao longo dos séculos. Hoje a rede é mais que um legado, é uma forma prática e toda nossa de descansar.

Banho é todo dia!

Se hoje em dia o europeu ainda tem fama de não tomar banho todo dia, imagina 500 anos atrás! Para nós, brasileiros, um banho por dia é o mínimo. Com o calor que tem feito, tem gente que toma banho igual remédio: um ao acordar, outro na hora do almoço e mais um antes de jantar. Imagine você que nosso primeiro monarca, o rei Dom João VI, no período em que esteve no Brasil, de 1808 a 1821, tomou apenas um único banho! E só o fez por recomendação médica, pois estava com alguma pereba ou irritação brava na pele, que só um banho poderia curar. Já o seu filho, o nosso galante imperador Dom Pedro I, logo que chegou no Brasil, se adaptou à vida dos nativos, tomava banhos diários nas praias do Rio de Janeiro e explorava cada centímetro da mata atlântica que cercava a quinta da Boa Vista. O fato é que desde muito antes da chegada dos europeus, os povos originários brasileiros tinham hábitos de higiene como tomar banho todo dia e manter unhas e pelos bem aparados. E muitos dos colonizadores que chegaram na América riam e desdenhavam desses costumes. Ainda bem que, nesse quesito, a gente puxou para os nossos ancestrais indígenas e prezamos por bons hábitos de higiene, e não dispensamos um bom banho, seja de chuveiro, de piscina, de rio ou de mar

Comida.

Certamente uma das heranças mais fortes e presentes dos indígenas até hoje é a culinário e os hábitos alimentares. A alta gastronomia tipicamente brasileira é cada vez mais celebrada no mundo todo, através de chefs renomados como Alex Atala e Thiago Castanho. E mesmo essa gastronomia super requintada e elitista é quase toda baseada em hábitos e conhecimentos que herdamos dos indígenas. A começar pelo uso da mandioca em seus mais diferentes formatos: cozida em pedaços, farinha e em caldo, o famoso tucupi. Além disso, os indígenas sempre foram exímios caçadores e pescadores. E costumavam secar as carnes de peixe ou de caça e misturar com a farinha de mandioca, socando no pilão, produzindo uma paçoca salgada que podia ser guardada por muitos dias e era extremamente nutritiva. Uma tribo na nação Tupi que vivia no nordeste brasileiro, por exemplo, era conhecida como Potiguara, palavra que em tupi significa comedores de camarão. Imagina se eles conhecessem a cervejinha naquele tempo! Mas é real, a nossa relação com a comida, com os bichos e frutas tem muito a ver com a cultura indígena. O peixe assado na folha de bananeira, o pato no tucupi, a paçoca, a farinha de mandioca, as frutas que nos habituamos a comer direto do pé, jabuticaba, caju, pitanga, carambola, manga, goiaba… aliás, nomes esses todos de origem indígena, né? Não dá pra negar, a nossa cozinha é raiz demais!

PT BR, A língua portuguesa é nossa!

Outra grande marca da cultura indígena que está permanentemente atrelada a nós até hoje é a nossa língua. Não é novidade pra ninguém que o português falado em Portugal é bem diferente que o falado aqui. E uma das razões para isso foi a mistura da língua de Camões com as línguas indígenas e africanas. Em especial a língua tupi se mesclou muito ao português, muitas vezes criando um novo vocabulário. Pra começar, temos ainda muitos nomes de lugares que são de origem indígena. Os estados da Paraíba e o Paraná, cidades então, tem centenas, desde Campo dos Goitacazes até Botucatu, passando por Ubatuba, Parati e tantas outras. Só na cidade de São Paulo, o tanto de lugares com nomes indígenas é incrível. Anhangabaú, Jabaquara, Tucuruvi, Tietê, Tatuapé, Itaquera, Guaianases, Ipiranga, Ibirapuera, Butantã… Isso sem falar nas inúmeras palavras que usamos e que tem origem etimológica no tupi. Confira algumas:
Carioca – Do tupi kari’oca, que significa casa (oca) do homem branco (kari).
Pindaíba – Do tupi pinda’ïwa, que significa  pinda (anzol) + ‘ïwa (vara). Essa expressão, indicava que o índio possui apenas uma vara pra pescar, mostrando que ele estaria na miséria, daí o termo “estar na pindaíba”.
Mingau – Do tupi minga’u, quer dizer comida que gruda.
Peteca – Do tupi pe’teka, que indica bater com a palma da mão.
Nhem-nhem-nhem – do tupi “Nhem”, que quer dizer “Falar”. Os portugueses durante o século XVI, ficavam irritados com o falatório dos índios, sem entender o que eles diziam. Assim popularizaram a expressão “Os índios só ficam de nhem nhem nhem.”, significando falatório irritante.
Catupiri – Não. Não é um tipo de queijo. A palavra vem do tupi e significa “ótimo”, “excelente”. Em 1911 uma empresa desenvolveu esse queijo cremoso e adotou Catupiry como marca.
Aipim – Do tupi aipĩ, é algo que nasce ou brota do fundo da terra.
Samambaia – Do tupi çama-mbai, significa algo “trançado de cordas”, e faz referência às raízes da planta.
Moqueca – palavra tupi que quer dizer peixe assado embrulhado em folhas, que geralmente é folha de bananeira ou de caeté.
Paçoca – Do tupi pa’soka ou po-çoc, tem o sentido de esmigalhar o alimento com a mão.
Capenga – Do tupi “akanga”, que é “osso” e “penga”, que significa “quebrado”. Portanto, é algo ou alguém que puxa a perna, é manco.
Inhaca – Em tupi “yakwa” tem o sentido de “odoroso”, alguma coisa que tem o cheiro forte.
Caipira – do Tupi caaipura, sigbnifica de dentro do mato. Nome que os índios do interior de São Paulo deram aos colonizadores.

A gente nem pára pra pensar, aí, quando a gente vê isso tudo até se espanta ao se ligar o quanto a nossa vida está ligada à cultura indígena! Uma cultura milenar, interessantíssima e ainda tão pouco conhecida por termos tão poucos registros históricos. Sem falar que, ainda por cima, tem gente que quer negar aos poucos descendentes diretos desses povos o seu direito a manter essa cultura viva e poder viver e cuidar das terras que são deles por direito! E a Strip Me que além de ter em seus princípios mais básicos o cuidado com a natureza e com os animais, não pode ver uma brasilidade que já sai correndo pra abraçar, faz questão de estampar em suas camisetas esse Brasil moleque, ou melhor, curumim! Confere lá na nossa loja as coleções Tropics, Carnaval e Verão, onde a brasilidade impera! No nosso site você ainda tem à disposição muitas outras coleções e os lançamentos, que pintam toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist totalmente dedicada aos índios! Tupi or not Tupi top 10 Tracks.

Para assistir: A Muralha. Série produzida pela Globo e exibida no início do ano 2000, para celebrar os 500 anos do descobrimento. A série é excelente e mostra com relativa fidelidade o início da colonização no litoral paulista, a constante travessia da grande muralha que é a Serra do Mar e a busca dos paulistas por índios para escravizar e de ouro no sertão. Tem na Globoplay e vale a pena demais conferir.

Para ler: Recomendadíssimo o box com 4 livros Coleção Brasilis. Integram o box quatro livros do jornalista Eduardo Bueno sobre a colonização do Brasil. São Eles A Viagem do Descobrimento, Náufragos, Traficantes e Degredados, Capitães do Brasil e A Coroa, a Cruz e a Espada. Todos eles livros deliciosos de se ler, com uma linguagem moderna e fluiída, além de trazer detalhes interessantíssimos sobre esse período tão instigante da nossa história. O box é um lançamento da Editora Sextante.

8 versões da música brasileira.

8 versões da música brasileira.

A música brasileira é tão diversa e original quanto o povo de cada região do país. A Strip Me dá uma geral em cada gênero musical tipicamente brasileiro, que fazem da nossa música tão rica e fascinante.

Existe uma universalidade na música. Isso é inquestionável. Músicas tradicionais de povos que nunca se encontraram tem semelhanças. Desde os batuques aborígenes que são parecidos com a música feita pelos nativos de toda a América antes da chegada dos europeus, até a música contemporânea, onde a sétima menor, nota que caracteriza o blues (a blue note) é a mesma que marca as melodias características do baião. Se duvida, cantarole aí a melodia da introdução de Asa Branca, mas mude o andamento para o compasso de blues. Claro que estamos aqui falando sob um ponto de vista mais ocidental e eurocêntrico. Claro que existem as escalas orientais, como nas músicas indianas e árabes que tem campos harmônicos distintos, com microtons e melodias truncadas e estranhas aos nossos ouvidos. Mas convenhamos que aqui para a nossa realidade e foco de interesse, não precisamos  ir tão longe.

Chorinho – Candido Portinari (1946)

Até porque o nosso negócio aqui é o Brasil mesmo! E a música brasileira, por si só já é incrivelmente diversa. E cada gênero tem distinções e peculiaridades impressionantes! E não dá pra cravar que um gênero é mais brasileiro ou original que o outro, porque cada um vem de uma região, de uma cultura e realidade totalmente diferentes. Então, hoje a Strip Me mergulha no vasto universo da música brasileira, onde cada gênero é um planeta distinto. E vamos falar um pouco sobre cada um deles.

Samba

Quando a gente fala em música brasileira, a primeira coisa que vem à cabeça é o samba. Não à toa. É provavelmente o gênero musical mais popular no país inteiro. Ainda que com sotaques diferentes, todo mundo faz samba no Brasil. O samba tem origem nos ritmos africanos trazidos pelos escravizados, que, na maioria das vezes, praticavam sua religiosidade na clandestinidade. Os primeiros registros do samba como o conhecemos aconteceram no Rio de Janeiro, no começo do século vinte. Existe muita discussão sobre a origem do samba pra valer ter acontecido no Rio de Janeiro ou na Bahia. Mas o primeiro samba gravado é de um carioca e foi gravado no Rio de Janeiro. O samba Pelo Telefone foi composto por Donga e Pixinguinha em 1917 e gravado no mesmo ano. Se você quiser aprofundar um pouco mais neste assunto, confere o post que nós publicamos aqui no blog recentemente:
10 fatos que você precisa saber sobre o samba.

Frevo

O frevo nasceu nos primeiros carnavais de rua de Recife e Olinda, no estado de Pernambuco, na primeira metade do século vinte. Musicalmente é uma mistura do maxixe, subgênero do baião, com as marchinhas, e isso tocado numa velocidade mais acelerada. Por isso mesmo o nome frevo, vem do verbo ferver, que muitos populares diziam “frever”. Isso porque aa principal característica do frevo é a combinação de música e dança. Uma música frenética, que conta inclusive com alguns movimentos de capoeira. O frevo ja se tornou Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco e é uma das mais vibrantes e únicas manifestações musicais do Brasil.

Carimbó

O carimbó tem suas raízes em uma mistura bem interessante de influências culturais. Ele é resultado da combinação de elementos musicais de origem indígena, africana e dos países vizinhos da América Latina. Assim como o frevo, ele tem como uma de suas características mais marcantes a dança. A cadência e a dança vem dos índios, o uso dos instrumentos de percussão são influência dos africanos e as melodias misturam cantigas tradicionais com a cumbia colombiana e o calipso da América Central. O carimbó tem origem no norte do Brasil, mais especificamente no Pará, e tem como seus nomes mais importantes o compositor Pinduca e a cantora Dona Onete. O carimbó originou a guitarrada, gênero que, tanto pode ser instrumental como cantado, mas tem como marca o protagonismo da guitarra elétrica. A guitarrada é a versão tupiniquim da surf music.

Maracatu

A origem da palavra é tupi: maracá-tu, que significa batida do maracá. Maracá é um chocalho, um instrumento de percussão. Só por aí, já dá pra sacar que o maracatu é genuinamente brasileiro, com forte influência indígena. Mas não só isso. Ele surgiu no século dezessete em Pernambuco, quando os escravos dos engenhos de açúcar celebravam a coroação do rei do Congo, um líder entre todos os negros escravizados. O rei do Congo era o único que tinha contato com o dono da fazenda e podia fazer reivindicações. A coroação era a única noite do ano em que a senzala podia festejar, e eles aproveitavam para celebrar seus orixás e professar sua fé. A mesma coroação rolava nos quilombos dos escravizados fugitivos, que se uniam aos algumas tribos de índios. Com o tempo a coroação ganhou contornos indígenas e influência de dança e música dos brancos. E no fim do século dezenove virou bloco carnavalesco. Na década de 1990 o maracatu foi reinventado ao ser mesclado com o rock n’ roll e o hip hop, dando origem ao maravilhoso movimento Manguebeat. Se você quiser mais detalhes sobre o maracatu, confere o texto que publicamos sobre o tema aqui no blog em fevereiro de 2021:
Maracatu Atômico!

Baião

O baião é um patrimônio de todo o nordeste brasileiro. Mas tem sua origem mesmo no estado de Pernambuco. Como já é amplamente difundido, o precursor do baião foi Luiz Gonzaga, que é pernambucano. Como todos os gêneros musicais brasileiros, o baião é uma mistura de diferentes culturas. A sanfona traz a influência europeia, a zabumba é um instrumento percussivo africano, e o triângulo é uma criação genuinamente nordestina. O baião começou a se popularizar na década de 1940. Portanto, é um gênero musical novo, que aglutinou toda a cultura nordestina e africana de Pernambuco, incluindo o maracatu, bem como as cantigas de roda, os cantos de lavoura e os repentes. O baião acabou se tornando símbolo do nordeste e teve várias ramificações como o forró e o xote, por exemplo. Nos anos noventa, o baião chegou a virar rock n’ roll, quando a banda Raimundos mesclou de maneira brilhante o hardcore e o baião em seus dois primeiros discos.

Sertanejo

A música sertaneja talvez seja a mais diversa e fascinante do Brasil, porque acabou se ramificando em muitos subgêneros e gera muita discussão até hoje. Ela remete aos trovadores que andavam pelo sertão nas comitivas dos bandeirantes. Com o fim das bandeiras, muitos desses trovadores se estabeleceram nas cidades dos estados de São Paulo e Minas Gerais e seguiram tocando sua violinha em festejos. Com o fim da escravidão e a imigração massiva de trabalhadores nas lavouras de café daquela região, essa música ganhou novos contornos e influências até se tornar no que hoje conhecemos como música caipira, as modas de viola de tônico e Tinoco e outras duplas. Foi ali onde tudo começou. Com o passar do tempo, essa música caipira começou a aglutinar outros gêneros. Na região sul, as milongas argentinas, no centro oeste as guarânias paraguaias e assim por diante. A música caipira tradicional evoluiu para a música sertaneja, que nos anos 80 ganhou instrumentos elétricos e moldura pop. Ao mesmo tempo surgia a música brega de Reginaldo Rossi e Odair José, depois veio o sertanejo universitário, que hoje já se tornou um subgênero difícil de definir, tamanha a miscelânea estética e musical. No contexto geral a música sertaneja só perde para o samba na representatividade da diversidade e amontoado de culturas que é o Brasil.

Bossa Nova

Apesar de mais contemporânea e já nascendo sob forte influência da música pop dos Estados Unidos, a bossa nova é legitimamente brasileira, e um dos nossos gêneros musicais mais ricos. Ah, sim, pra não ficar dúvida, lá nos anos 1950 o Cole Porter, o Nat King Cole e tantos outros artistas do jazz eram o que havia de mais pop no mundo. Em resumo, a bossa nova é a fusão do samba com o jazz, onde todo o aparato percussivo e o canto empostado e forte do samba deu lugar ao minimalismo do violão e do canto suave, enquanto as harmonias mais básicas ganhavam acordes truncados com o acento do jazz. Tom Jobim, João Gilberto, Johnny Alf e Dick Farney são considerados os criadores da bossa nova, que depois ganhou outros nomes fundamentais como Nara Leão e Roberto Menescal. Sendo um gênero musical mais novos com forte apelo pop, a bossa nova já teve sua história contada em livros e filmes aos montes. Inclusive nós publicamos um texto bem legal aqui no blog em janeiro de 2021 detalhando de forma muito interessante a origem da bossa nova. Confira no link abaixo.
Bossa Nova!

Tropicalismo

Esse conceito, hoje já super manjado, de globalização começou a florescer no final dos anos sessenta, embalado pela massificação dos meios de comunicação e a contra cultura. Era uma época realmente fértil para que artistas questionassem sua própria existência e origens ao mesmo tempo que absorviam tudo que era novo para criar e se expressar. Foi assim que o samba, o maracatu, o rock n’ roll, o naturalismo e o modernismo da literatura e da pintura se uniram num movimento novo, pungente, pop, único e irresistível, que, tal qual um Macunaíma, botava o dedo nas feridas do país, mas com leveza e bom humor. Em nenhum outro lugar do mundo se viu algo assim. O tropicalismo foi mais que o Flower Power à brasileira, foi um movimento artístico, musical em sua essência, de vanguarda mesmo! Tanto que, ainda hoje, a gente vê artistas gringos conceituadíssimos que descobrem Mutantes, Tom Zé, Novos Baianos, Caetano Veloso… e ficam chapados no som! Nós também já publicamos aqui um texto muito bacana dando uma geral no movimento tropicalista, em setembro de 2020. Link abaixo.
Soy loco por ti, Tropicália.

A música é mesmo fascinante e essencial para a vida. Ela funciona como veículo para a religiosidade, mas também como mero entretenimento. Também se presta a inspirar, emocionar e expressar todo e qualquer sentimento. Da alegria à frustração, da raiva à paz de espírito. Particularmente, a música brasileira, com toda a sua originalidade e diversidade, consegue imprimir ainda cores físicas e metafísicas através do som e da dança. Por isso, a Strip Me se presta a celebrar a música brasileira em sua totalidade, abraçando todos os gêneros e estilos! Isso fica nítido na nossa coleção de camisetas de música, bem como nas camisetas de cultura pop, brasilidades, arte, cinema, bebidas e muito mais! Confere lá no nosso site e aproveita pra ficar por dentro de todos os lançamentos, que pintam por lá toda semana.

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist brasileiríssima com cada um dos gêneros musicais abordados neste texto. Música brasileira top 10 Tracks.

Para ler: Realmente um dos gêneros brasileiros mais fascinantes, pela sua diversidade e trajetória é a música sertaneja. Para entender tudo sobre o gênero, o livro Cowboys do Asfalto é perfeito! Além de contar com uma pesquisa detalhada e muita informação, o livro é bem escrito, tem uma escrita direta e fluída, uma leitura muito agradável! O livro é escrito por Gustavo Alonso e foi lançado em 2015 pela editora Civilização Brasileira.

6 Clássicos do Design Brasileiro.

6 Clássicos do Design Brasileiro.

O Brasil é tão original que, até mesmo no design dos utensílios domésticos e decoração das casas, alguns ítens brasileiríssimos se tornaram ícones pop. A Strip Me selecionou os 6 mais famosos!

Cada país tem sua identidade e cultura. Mas vamos combinar que o Brasil tem um borogodó a mais aí. Da jabuticaba ao cheque pré datado, do chuveiro elétrico à caipirinha, passando pelo candomblé, a paçoca, a capoeira, a tomada de três pinos e, é claro, nosso amado vira lata caramelo! É muita coisa que faz do nosso Brasil um lugar único e maravilhoso! Alguns de nossos hábitos mais comuns são considerados inusitados pelos gringos. Pra eles é estranho que a gente escove os dentes no banheiro do trabalho, depois de almoçar, por exemplo. Banho todo dia então, muitas vezes dois por dia, dependendo do calor, é outra aberração pra eles. Cumprimentar desconhecidos com beijinho no rosto e abraço é outra anomalia. Tem muita coisa que é herança dos africanos escravizados, mas que acabaram se tornando coisas genuinamente brasileiras. O candomblé mesmo é um grande exemplo, já que é uma religião que só existe aqui, pois é um sincretismo entre as religiões africanas com o cristianismo europeu. A mesma coisa acontece com a capoeira e o samba. A gastronomia é outro ponto emblemático na personalidade brasileira. Não precisamos nem falar das frutas, como o caju, o cupuaçu e a jabuticaba. Mas podemos falar da feijoada e da caipirinha, da paçoca, do pastel de feira, da coxinha, do brigadeiro… até dos crossovers culinários, como o nosso dogão com salsicha, purê de batata, vinagrete, milho, ervilha, bacon e o que mais couber ali, o sushi frito (hot roll), o cheeseburguer que virou x-tudo, a pizza de strogonoff, o churros recheado de doce de leite com cobertura de chocolate e muitos outros.

Além disso tudo, o brasileiro também tem suas particularidades nos utensílios domésticos e na decoração de casa. O Design BR é único! Desde as capas de crochê para botijão de gás até a mesinha de centro feita de vime e bambu. Tem pra todos os gostos. Até mesmo o uso amplo de plantas como ;itens de decoração é uma parada bem brasileira. Apesar do nome em inglês, a urban jungle também é coisa nossa! Alguns desses ítens são tão marcantes na nossa cultura, que se tornaram ícones pop! Hoje a Strip Me exalta a brasilidade selecionando os ítens domésticos e de decoração mais marcantes do país!

Boneca namoradeira.

Num tempo em que não existia rádio e nem televisão, quem ficava em casa sem ter muito o que fazer, ia pra janela, para ver o movimento da rua. Na época, o comum era que as mulheres ficassem em casa, portanto, eram elas que ficavam nas janelas. E era comum acabar rolando uns flertes com os homens que passavam. Com base nesse hábito, vários artesãos e escultures começaram a fazer bustos de mulheres, com argila, cerâmica ou gesso, e as pintavam com muitas cores. Isso começou em algumas cidades de Minas Gerias, mas logo se tornou comum no Brasil inteiro. Ficaram conhecidas como bonecas namoradeiras e são usadas em bancadas e janelas.

Rede.

Talvez o mais brasileiro de todos os ítens da casa. Afinal as redes já estavam presente na ocas dos índios séculos antes dos europeus chegarem por aqui. Vale, ela não era exclusividade dos indígenas do território brasileiro. Mas pode ser considerada originalmente brasileira por ser amplamente utilizada por aqui há tempos imemoriais. Além de trazer todo um charme para qualquer cômodo da casa, ou sacada do apartamento, varanda da casa, a rede é deliciosamente confortável para se deitar e curtir um dia de descanso.

Filtro de barro.

Outro item brasileiríssimo e descendente direto dos indígenas. Sim, pois os índios já usavam as famosas moringas, vasilhas de barro que deixavam a água fresca independente do calor do ambiente. Tais moringas continuam sendo utilizadas até hoje, vale dizer. Na Europa, em especial na Itália, os filtros de água já eram utilizados, mas eram recipientes de pedra ou metal, com uma vela de carvão ou algum material semelhante, que filtrava a água. Os imigrantes que chegaram ao Brasil no fim do século dezenove trouxeram consigo alguns desses filtros. E quando se depararam com as moringas, que mantinham a água numa temperatura mais baixa, desenvolveram um recipiente maior e incluíram a vela. Pronto. Nasceu assim o nosso popular, saudável e charmosíssimo filtro de barro!

Copo americano.

Sabe a história da batata frita, que é um ícone dos Estados Unidos, onde é conhecida como french fries, porque, na real, é uma invenção francesa? Então, o mesmo acontece com a gente, aqui no Brasil, em relação ao copo americano. Ao contrário do que alguns podem concluir, o copo americano não é de origem estadunidense, sequer de qualquer lugar do continente americano. Esse copo foi originalmente elaborado e concebido pela designer russa Vera Mukhina, no início da década de 1940. Ficou popular nos Estados Unidos na época e era conhecido como soviet glass! Em 1947 ele chegou ao Brasil através da empresa Nadir Figueiredo Indústria e comércio, que começou a fabricar o modelo de copo com uma máquina que havia sido importada dos Estados Unidos. Daí vem a origem do nome copo americano. Ele é uma das preciosidades do Brasil, um copo com capacidade de 190 ml, que recebe com perfeição o café e a cervejinha.

Piso de caquinho.

Como se pode imaginar, o piso de caquinho surgiu com a simples intenção de reaproveitar pisos quebrados. Tudo começou no fim da década de 1930 em São Caetano, São Paulo. Estava super na moda as áreas externas das casas terem o chão revestido com lajotas de cerâmica. A empresa Cerâmicas São Caetano cresceu exponencialmente nessa época vendendo lajotas de 40×40 cm nas cores vermelha, amarela e preta. Era um produto caro, e quem o consumia era a classe média alta. Na produção e transporte, sempre acontecia de algumas peças se quebrarem. Um dos funcionários da empresa, estava reformando sua casa e, para não deixar o seu quintal só no cimento, pediu autorização ao dono da empresa para usar os cacos das peças quebradas. Ele fez um mosaico com os cacos que agradou a vizinhança e os outros funcionários, que passaram a pegar também os cacos. A moda se espalhou rapidamente por toda a cidade e, ä partir dos anos 70 por todo o estado e até mesmo outras regiões, ao ponto da empresa fabricar as lajotas e quebra-las para vender. A Cerâmicas São Caetano encerrou as atividades em 1997 e o uso do piso de caquinhos entrou em desuso. Mas hoje em dia é celebrado como kitsch e símbolo do design brasileiro!

Fitinha do Nosso Senhor do Bom Fim.

A fitinha do Nosso Senhor do Bom Fim é muito mais que um acessório para se amarrar no pulso ou no tornozelo. Isso sem falar nas suas propriedades sobrenaturais, concedendo desejos e protegendo quem a usa. Mas ela também pode ser usada amarrada em certa quantidade numa grade de janela ou no portão da casa, ou apenas uma ou duas na grade do ventilador. Além de toda a sua representatividade cultural, as fitinhas dão um toque especial em qualquer decoração por conta de suas cores e simplicidade.

Ah! Meu Brasil brasileiro! Que lugar pra se viver! Onde se plantando tudo dá! Temos no tropicalismo a melhor tradução do que é viver neste país de tantas cores e tantos contrastes. Natureza e cidade, samba e rock n’ roll, folclore e cultura pop, barulho, diversão e arte! Portanto, é lógico que a Strip Me faz questão de sempre celebrar cada detalhe encantador do Brasil, sua cultura, comportamento, hábitos e principalmente sua arte! Pra conferir, basta se ligar nas coleções Tropics, Carnaval e Verão, além de sempre pintarem brasilidades nas camisetas de arte, música, cinema, cultura pop, bebidas e muitas outras. Tudo isso você tem acesso na nossa loja, onde também pintam toda semana novos lançamentos!

Vai fundo!

Para ouvir: Una música o Brasil é igualmente diverso. Então apresentamos uma playlist com os diferentes gêneros musicais, do carimbó à moda de viola, passando pelo samba e baião. Brasilidades Top 10 Tracks.

10 fatos que você precisa saber sobre o samba.

10 fatos que você precisa saber sobre o samba.

O samba é a voz do Brasil. Por isso, é fundamental que a gente o conheça muito bem. A Strip Me está aqui hoje para te contar 10 coisas que você precisa saber sobre o samba.

Falar sobre o samba, em especial sua origem e e fundamentos, parece uma tarefa simples, mas não é. Trata-se de uma música que faz parte da nossa identidade, quer você goste dele ou não. Certa vez, o músico César Camargo Mariano, um brilhante arranjador, também conhecido por ter sido casado com Elis Regina, disse numa conversa sobre música e mistura de elementos do jazz com o samba, que ele não era um jazzista, jamais poderia ser, mas usa elementos daquela linguagem para se expressar musicalmente. Uma declaração muito sensata. O jazz é uma música que surgiu das plantações de algodão no sul dos Estados Unidos, somente quem cresceu naquele contexto, ouvindo as histórias e sentindo as vibrações daqueles sons pode ser considerado um jazzista genuíno. E o mesmo acontece conosco, com o samba. Faz sentido que qualquer brasileiro, que tenha contato com sua história e se envolva com música brasileira, possa ser considerado um sambista. Mas, claro, uns sempre serão mais sambistas que outros.

O samba, e todas as suas variações ao longo da história, é uma das mais importantes manifestações artísticas do brasileiro, mas principalmente dos africanos escravizados, que aqui criaram raízes. Assim como o jazz nos Estados Unidos, o samba por aqui veio das cantigas e dos batuques dos negros em suas lamentações e também celebrações ritualísticas. Isso foi se misturando às músicas de origem européias e acabou no que conhecemos como o samba e o choro. Toda a trajetória do samba é uma história longa e interessantíssima. E a Strip Me, sempre afim de te contar boas histórias, hoje traz 10 fatos fundamentais sobre o samba, pra você poder batucar com propriedade na mesa do bar.

Samba – Di Cavalcanti (1925)

Origem.

A origem do samba é controversa, uns dizem que surgiu na Bahia, outros no Rio de Janeiro… mas seja onde for, o fato é que foi uma evolução das cantigas tradicionais africanas, misturadas às músicas populares européias. Mas podemos considerar, por ser algo documentado, que o samba nasceu na extinta Praça Onze, no Rio de Janeiro. A Praça Onze era uma praça no bairro Cidade Nova, no Rio de Janeiro, um pouco ao norte do centro histórico da cidade. Aquela região foi largamente habitada por negros, escravizados recém libertos, após a assinatura da Lei Áurea no fim do século dezenove. Particularmente, na casa de uma baiana bem sucedida, que morava de frente para a praça e era uma excelente cozinheira, alguns músicos se reuniam no início do século XX. Entre eles, Donga, João da Baiana, Sinhô e Pixinguinha. Também foi na Praça Onze que aconteceram as primeiras reuniões populares carnavalescas, que dariam origem às escolas de samba. Na década de 1940, o então presidente do Brasil, Getúlio Vargas mandou abrir uma vasta avenida que ligaria o centro à zona norte do Rio. Essa avenida, que acabou levando seu nome, inclusive, passou por cima da Praça Onze, deixando somente sua história de pé.

Primeiro registro.

Reza a lenda que o primeiro samba gravado foi composto justamente na casa da tal baiana, em frente a Praça Onze. Segundo contam os sambistas mais antigos, que viveram naquela época, a música Pelo Telefone surgiu de improviso numa roda de samba, na qual estavam presentes Donga, Sinhô, Pixinguinha, João da Baiana, Caninha e Lalau de Ouro em outubro de 1916. Porém, na hora de registrar a canção, Donga ficou com o crédito. Em novembro do mesmo ano, Donga deu entrada no Departamento de Direitos Autorais da Biblioteca Nacional a partitura do samba, partitura esta escrita por Pixinguinha. Donga gravou Pelo Telefone em 1917. Na época fez muito sucesso no carnaval, e depois foi amplamente revisitada décadas depois por artistas como Martinho da Vila.

Samba popular.

Até o início da década de 1930, o samba era música de gueto, coisa preto e pobre. As coisas começaram a mudar quando intérpretes das grandes rádios começaram a cantar alguns sambas. Além das rádios, o Brasil estava sendo governado por Getúlio Vargas, um ditador, mas também um astuto populista. Ele viu no samba uma maneira de se comunicar melhor com o povo, promoveu shows e elogiava alguns artistas. É verdade também que nessa época rolou uma tentativa de branquear o samba. Enquanto os grandes compositores como Donga e Pixinguinha não apareciam nunca como intérpretes, Francisco Alves e Lamartine Babo tinham alta circulação nos cartazes das principais rádios do país. 

Revolução de 1930.

Calma. Não estamos aqui pra falar de política. Estamos aqui pra falar da verdadeira revolução de 1930! Até porque aquela que a gente estuda nos livros de história do colégio não foi revolução, foi golpe de estado. Mas isso não vem ao caso. O fato é que em 1930, um jovem compositor do bairro de Vila Isabel, no Rio de Janeiro, começou a compor umas músicas que mudariam o jeito de se fazer samba e colocaria o gênero no gosto popular de vez. Noel Rosa só tinha vinte anos de idade em 1930, ano que ele compôs Com que Roupa, Feitiço da Vila e Palpite Infeliz. Além de músico inventivo, Noel era um excelente letrista, usando o cotidiano e o bom humor. Seus sambas inspiraram muitos sambistas que surgiam na época, principalmente aqueles que vinham dos morros e bairros mais pobres, e que se identificavam com aquela linguagem simples. Além dos já citados, também é de Noel Rosa clássicos como Gago Apaixonado, Fita Amarela e Conversa de Botequim. O sambista revolucionou o samba, mas não viveu suficiente para viver suas glórias. Ele faleceu aos 26 anos de idade, em 1936, vítima da tuberculose.

Sem Título – Carybé (1984)

Samba consolidado.

Entre as décadas de 1940 e 1950 o samba se estabeleceu como grande expressão popular. Bairros e comunidades se organizavam para criar escolas de samba, e cada uma tinha um grupo de compositores. Neste contexto surgem nomes como Cartola, Nelson Sargento, Nelson do Cavaquinho, Zé Keti, Lupicínio Rodrigues, Élton Medeiros e Adoniran Barbosa. Porém, esses sambistas todos acabam vivendo quase no anonimato, pois eram compositores, mas suas músicas ficavam conhecidas nas vozes de intérpretes como Orlando Silva e Nelson Gonçalves. Ainda assim, esse foi um período importantíssimo, de consolidação do samba. Estava tudo pronto para que mais uma revolução acontecesse.

Velho samba e bossa nova.

Considerado o inventor da bossa nova, com sua batida característica ao violão e o jeito de cantar baixinho, João Gilberto certa vez explicou que sempre quis aprender a tocar samba no violão, mas achava muito difícil. Foi então que escolheu, entre os diferentes acompanhamentos rítmicos, a levada do tamborim para executar na mão direita, enquanto, na mão esquerda, misturava acordes do samba com harmonias truncadas de jazz que ele também adorava. Pronto, surgiu a bossa nova! E não dá pra dizer que a bossa nova não é samba, porque é sim! Mas também é algo mais. É um samba sofisticado, contemporâneo. Tanto é que logo ganhou o mundo. Mas era coisa de jovem universitário, de classe média alta. No meio daquela playboyzada toda, foi uma garotinha tímida que se ligou que o samba de verdade não estava nas praias do Leblon, mas nos morros do centro da cidade.

Resgatando o samba.

Foi Nara Leão que se desgarrou do grupo e foi procurar os velhos sambistas. Em seu primeiro disco, ela não quis gravar as bossas de seus amigos, como Menescal e Carlos Lyra. Preferiu subir o morro e procurar os sambas de Cartola e Zé Kéti. Foi quando esses compositores começaram a ganhar notoriedade e reconhecimento. A turma da bossa nova era formadora de opinião e logo esses sambistas, que ali pelos anos 60, comecinho dos 70, até já estavam com certa idade, mas conseguiram usufruir dessa popularidade tardia. Foi quando, por exemplo, Cartola promovia grandes encontros em seu bar, o Zicartola, onde jovens compositores como Paulinho da Viola e Chico Buarque deram seus primeiros acordes. Depois de Nara Leão, outro nome fundamental para o samba foi João Carlos Botezelli, mais conhecido como Pelão. Pelão foi um produtor musical dos bons. Fã de boa música, quando ele viu Nara Leão e tantos outros jovens gravando os velhos mestres do samba, se perguntou por que diabos ninguém pensou em fazer com que eles próprios gravassem suas canções. Pelão foi responsável pelos discos clássicos de Adoniran Barbosa, Cartola e Nelson Cavaquinho interpretando seus próprios sambas, todos com mais de sessenta e tantos anos, com a voz cansada, mas com uma emoção incomparável!


Carnaval – Cândido Portinari (1960)

Samba regional.

A tendência é que a gente identifique o samba como uma manifestação tipicamente carioca. De fato, grande parte dos grandes expoentes do samba são do Rio de Janeiro. Mas o samba é brasileiro, e se manifesta em diferentes regiões do país, e cada região tem um tempero, uma peculiaridade. Para começar, podemos citar um dos maiores gênios do samba: Lupicínio Rodrigues. Nascido e criado em Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Entre milongas e bugios, Lupicínio encontrou no samba a maneira de expressar seus amores e desilusões. Além de ter sido o criador do termo “dor de cotovelo”, ele compôs clássicos como Felicidade e Nervos de Aço. Já o paulistaníssimo Adoniran Barbosa criou um samba cosmopolita, urbano e até mesmo poliglota, versando em italiano e paulistanês. Já com influências das religiões de matrizes africanas e seus afoxés, a Bahia também sempre foi um expoente de bom samba, tendo como seu maior nome o inigualável Dorival Caymmi. Enfim, samba tem no Brasil inteiro, com diferente sotaques, mas sempre com muita qualidade.

Samba 90.

Apesar de não serem tão numerosos até os anos 70, grupos de samba sempre existiram. Desde O Bando da Lua, conjunto que acompanhava Carmem Miranda, até Os Originais do Samba, passando pelos Demônios da Garoa. Mas a partir dos anos 70 e 80 o sucesso do Trio Mocotó e do grupo Fundo de Quintal inspirou muitos jovens a formarem seus próprios grupos e também atiçou o faro das gravadoras. Nos anos 80 grupos como Raça Negra e Exaltasamba já davam suas primeira batucadas. E a coisa estourou mesmo nos anos 90, com uma enxurrada de grupos como Só pra Contrariar, Negritude Jr. Soweto, Art Popular e tantos outros. Fenômeno que ficou conhecido como pagode anos 90, e que faz sucesso até hoje. Não se trata exatamente de uma reinvenção do samba, mas sim uma modernização, dando ao gênero um verniz mais pop.

Carnaval em Madureira – Tarsila do Amaral (1924)

Samba de hoje.

Em 1975 Alcione já pedia pra não deixar o samba morrer. Até hoje seu pedido está sendo cumprido com êxito. A cada geração que surge, o samba é revisitado e repensado, se adaptando a novas linguagens e tecnologias, mas sem deixar o tradicionalismo pra trás. Enquanto nomes como Xande de Pilares e Mumuzinho levam adiante o samba de raiz, caras como Criolo e Marcelo D2 colocam o samba num caldeirão de rap, hip hop, soul e funk para trazer à tona grandes obras.  Em especial Marcelo D2 tem se mostrado um verdadeiro alquimista do samba. Em 2003 lançou o irretocável disco À Procura da Batida Perfeita, e desde então vem lançando trabalhos muito inspirados. Seu último disco, lançado em 2023, chamado Iboru é um disco de samba como há muito tempo não se via, uma mistura fina de tradição e contemporaneidade. O samba ainda vive, e não dá sinais de cansaço.

O samba é coisa nossa, é suco de Brasil, é música da nossa essência! E a Strip Me, que não é ruim da cabeça e nem doente do pé, ajuda no batuque e engrossa o coro de lerê lererê. Só no sapatinho, vamos fazendo várias camisetas, uma mais linda que a outra, inspiradas e referenciando o samba! Vem conferir no nosso site! São camisetas de música, cultura pop, arte, cinema, bebidas, brasilidades e muito mais! Na nossa loja você também fica sempre por dentro dos nossos lançamentos, que pintam toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Claro, uma playlist no capricho com o melhor so samba de todos os tempos! Samba no pé top 10 Tracks.

Para assistir: Imperdível o documentário O Samba, lançado em 2015 e dirigido por Georges Gachot. O filme tem Martinho da Vila como protagonista. Ele conta histórias do samba e de sua própria carreira, enquanto apresenta ao expectador o bairro de Vila Isabel, terra de Noel Rosa e do próprio Martinho, além de mostrar bastidores da escola de samba da comunidade, por vários anos vencedora do carnaval carioca. 

Os 10 Mandamentos do Boteco.

Os 10 Mandamentos do Boteco.

Apesar de ultra democrático, o bom e velho boteco não é terra de ninguém. Há um código de conduta não escrito, mas que deve ser respeitado. Portanto, hoje a Strip Me apresenta os 10 Mandamentos do Boteco.

Bar, doce lar! Não há lugar onde o brasileiro se sinta mais em casa do que o bar. Aquele boteco gostoso, com mesas na rua, cerveja estupidamente gelada e garçom gente boa. Mais que um simples estabelecimento comercial, é uma instituição brasileira e patrimônio socio-cultural. O bar é a materialização da democracia, onde todo o tipo de gente conversa sobre todo o tipo de assunto com liberdade. Mas falando assim, parece que é um lugar com certa pompa e circunstância. Mas é nada! É um lugar despojado e agradável que você pode ir de bermuda e chinelo ou de roupa social, que ninguém vai te julgar.

Mas não pense você que essa liberdade e despojamento fazem do boteco um lugar ao deus dará, uma terra de ninguém. Justamente por essa aura livre, não tem uma regra escrita de como agir e o que não fazer no bar. Mas claro que há um código de conduta, um decálogo de mandamentos a serem seguidos. Algo que está no consciente coletivo e que todo mundo meio que sabe, sem saber direito de onde aprendeu. Para exaltar a chegada desse calorão, o mês da Oktoberfest e simplesmente porque nós amamos um bom papo na mesa do bar, a Strip Me traz Os Dez Mandamentos do Boteco.

1. O que acontece no bar, fica no bar.

É meio que como as regras do Clube da Luta. A mesa do bar tem ares de confessionário, e o álcool tende a fazer com que as pessoas se tornem cada vez mais sinceras, além de ser um combustível muito eficiente para transformar pessoas comuns em hábeis dançarinos. Mas isso tudo não precisa ser motivo de buchicho ou chacota durante o cafezinho na segunda feira de manhã na empresa.

2. Serás cliente fiel de pelo menos um bar na cidade onde moras.

Olha, uma das características básicas do boteco é a boa convivência. E a boa convivência é algo que se constrói ao longo do tempo. Por isso, é muito importante você eleger em sua cidade o seu bar favorito, e frequenta-lo periodicamente, saber o nome do dono do bar, de pelo menos um dos garçons e etc. Isso te impede de ir a outros bares? Claro que não! Mas é sempre bom ter um porto seguro, onde você tem certeza que a cerveja estará gelada e que você não vai precisar pedir pra trocar a tulipa pelo copo americano.

3. Conversarás com o garçom além do essencial.

Esse negócio de falar somente o essencial é que com o motorista do busão. No bar, você tem total liberdade para pedir opinião do garçom não só sobre qual a porção mais apetitosa, mas também sobre o desempenho do time que vai jogar nos dias vindouros e até mesmo pedir conselhos amorosos. Garçons são sempre pessoas sábias e merecem ser ouvidas.

4. Não deixarás a cerveja esquentar no copo.

Não caia em conversa furada de falsos profetas, que teimam em levar etiqueta e melindres para a mesa de bar. Há quem diga que é indelicado colocar cerveja no copo de outra pessoa, sem que ela peça. Besteira! No bar, não se deixa a cerveja esquentar! Completar um copo que está com menos da metade é um favor que você faz àquele amigo que bebe mais devagar. Aquele golinho no fundo do copo pode rapidamente esquentar, tornando-se pouco atrativo ao paladar. Ao completar o copo com cerveja gelada, você restitui o equilíbrio da mesa.

5. Pedirás um petisco.

Nem que seja um amendoim. Mas um tira gosto é essencial para manter a mesa do bar funcionando perfeitamente, além de prolongar a qualidade da conversa ali desenvolvida. Afinal, todo mundo sabe que beber de barriga vazia faz com que o álcool faça efeito mais rápido. Para não começar a enrolar as palavras logo na quinta ou sexta garrafa, uma boa porção é fundamental. De preferência alguma fritura, como um belo torresmo, que ajudará a metabolizar o álcool no seu organismo. Além disso, tal ato vai colaborar com a arrecadação do bar, permitindo que ele se mantenha aberto e funcionando bem.

6. Saberás pedir cerveja gelada por diferentes expressões.

Não só por uma questão de entretenimento e diversão, mas também para evitar a monotonia da repetição da mesma frase muitas vezes na mesma noite, é importante que o frequentador do boteco tenha um bom vocabulário de expressões para chamar aquela cerveja gelada. “Vê uma trincando.” ”Me traz uma canela de pedreiro!” “Traz aquela com o véu de noiva.”  “Desce aquela tirada do cu da foca.” E por aí vai. O mesmo vale para a maneira como você se refere ao garçom. Amigão, doutor, mestre, consagrado, professor, meu querido, comandante…

7. Conversarás sobre todos os assuntos.

No bar é muito importante que você converse sobre todos os assuntos possíveis. Mesmo que você não entenda nada sobre o assunto em curso na mesa, opine, mostre-se curioso e tente aprender alguma coisa. Veja bem, não confunda a mesa do bar com um palanque ou uma sala de aula. Ninguém gosta de um palestrinha. Mas é sempre bom ter conversas leves e descomprometidas sobre os mais variados assuntos. O importante é não ficar a noite toda com a cara enfiada no celular só porque você não viu o último filme do Scorsese ou não liga a mínima que a Sandy é a mais nova divorciada da praça.

8. Não brigarás.

Esse é tão óbvio que não precisava nem ser dito, né? Até porque sair na mão é um troço muito demodê, é cafonérrimo, muito anos 90. Hoje em dia ninguém resolve mais nada brigando. Além disso, derruba o clima do bar, deixa todo mundo tenso, enquanto estão todos ali pra relaxar e curtir. Pra piorar, uma briga pode causar danos materiais ao bar e deixa-lo com fama de lugar mau frequentado. Portanto, se quiser brigar, não vá pro bar, vá pro Twitter.

9. Pedirás a saideira antes da conta.

Certas tradições são inquebráveis! Essa é uma delas. Todo mundo na mesa concorda que a conversa está boa, mas está ficando tarde, já comeram e beberam o suficiente e tal? Tudo bem. Então é hora de pedir a conta. Mas é absolutamente necessário manter o decoro e fazer como manda o figurino dizendo: “Campeão, traz pra gente a saideira e a conta faz favor!” A saideira é a responsável pelo brinde de despedida e por deixar o inebriante gostinho de quero mais, que fará com que todos na mesa aguardem ansiosamente pelo próximo fim de semana.

10. Se for embora antes dos demais, pedirás a parcial e pagarás sua parte.

Outro mandamento que nem precisava ser dito, de tão óbvio e ululante. Mas é sempre bom reforçar, porque sempre tem um espertinho que toma uma caixa de cerveja, joga trinta reais na mesa e vai embora de fininho. Ora, o fiel frequentador do boteco jamais faz isso. Se precisa ir embora antes dos demais da mesa, ele pede uma parcial, faz a divisão e paga sua parte. Assim, mantém todo um equilíbrio entre os presentes na mesa que ficarão até o final, além de fortalecer os vínculos de confiança e amizade.

Eu ouvi um amém? 10 Mandamentos desses é pra glorificar de pé, de preferência, com copo em riste, pronto pra brindar! O boteco é esse poço de brasilidade, lugar de barulho, diversão e arte, de diversidade, liberdade e democracia! Um lugar que a Strip Me leva no coração e se inspira para elaborar as mais lindas e descoladas camisetas de bebidas, mas também de cultura pop, onde o boteco está mais que inserido, aliás. E tem ainda as camisetas de arte, cinema, música, games e muito mais. Na nossa loja você confere tudo isso e ainda fica por dentro de todos os nossos lançamentos, que pintam por lá toda semana!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist digna de um fiel botequeiro! Bar, doce lar Top 10 tracks.

Para assistir: Recomendadíssimo o documentário sobre um dos grandes cantores de todos os tempos no Brasil: Cauby Peixoto. O filme Cauby: Começaria Tudo Outra Vez foi lançado em 2015 e dirigido por Nelson Hoineff. E o que um doc sobre o Cauby Peixoto tem a ver com o tema do texto? Ora, o Cauby fez sua fama e até seus últimos dias de vida se apresentou no bar mais famoso de São Paulo, o Bar Brahma! E, além disso, o Cauby tem uma história incrível que merece ser conhecida.

Festa Junina – 10 fatos sobre a festa mais querida do Brasil.

Festa Junina – 10 fatos sobre a festa mais querida do Brasil.

A Strip Me hoje traz 10 fatos que não deixam dúvida: a Festa Junina é a festa mais querida, é o xodó do Brasil!

Se tem uma coisa de que brasileiro entende é fazer festa. E tem de tudo. As festas de galpão no sul, a festa dos bois de Parintins, a folia de Reis  no interior de São Paulo e Minas Gerais, e, é claro, o nosso  Carnaval. E essas são as festas grandes e populares. Isso sem falar no nosso bom e velho churrasco do fim de semana, um verdadeiro coringa, que serve pra tudo quanto é comemoração. Aniversário? Churrasco. Passou no vestibular? Churrasco. Final de campeonato? Churrasco. É feriado? Churrasco. Não tem nada pra fazer? Churrasco. Mas, no meio de tanta festa, tem uma que é o nosso xodó. Aquela festa que a gente espero o ano inteiro, porque traz aquele quentinho no coração, tem umas comidinhas deliciosas que nos abraçam, o ar fica cheiroso com a mistura do cheiro de quentão e da madeira queimando na fogueira, a música é animada e, mesmo quem mora nas grandes cidades, acaba experimentando um pouquinho da vida simples de quem vive na roça!

A festa junina, é claro, tem suas origens na Europa. Mas chegou aqui, mais ou menos nos moldes que a gente conhece. Acabaram sendo feitas algumas apropriações culturais aqui e ali e criou-se esse imaginário do caipira vinculado às festas do mês de junho, que celebram 3 dos mais importantes santos da igreja católica: Santo Antônio, São João e São Pedro. Como toda festa cristã que se preze, a festa junina também é de origem pagã. Muito antes do cristianismo ser concebido, povos que viviam em aldeias por toda a Europa ocidental faziam uma grande fogueira no dia do solstício de verão, que marca a passagem da primavera para o verão no Hemisfério Norte, e faziam muita festa em volta dessa fogueira, celebrando o tempo de colheitas. Quando o cristianismo se tornou a religião predominante na região, essa festividade foi incorporada no calendário católico como celebração do dia de São João. Assim, tal festividade ficou conhecida entre os povos de língua latina como festa joanina. No futuro, por ocorrer no mês de junho, acabou virando festa junina e diz respeito não só ao dia de São João, mas também de Santo Antônio e São Pedro, pelo único motivo de esses dois santos também terem seus dias celebrados no mesmo mês.

Aqui no Brasil a festa joanina chegou com os primeiros colonos portugueses e foi se adaptando à nossa realidade. No início, era celebrada apenas pela elite, ou seja a nobreza e o clero. Originada na França, uma dança chamada quadrille, uma espécie de minueto dançado em grupo, começou a fazer parte das festividades, além de grandes banquetes e missas em homenagem aos santos. No fim do século XIX, com a abolição dos escravos, o crescimento das cidades e a vinda de muitos imigrantes para trabalhar nas lavouras fez com que a festa joanina se popularizasse, principalmente no interior, nas fazendas onde os imigrantes, muito religiosos, celebravam essas datas, mas sem a pompa de outrora. Assim, a quadrille virou quadrilha, as comidas passaram a contar com ingredientes mais baratos como o milho, a música misturava cantigas de roda e música tradicional, essencialmente italiana (onde o uso do acordeom é muito comum), com elementos brasileiros dos camponeses, a famosa moda de viola. E pronto! Temos a festa junina como conhecemos hoje.

Essa história toda é muito interessante, mas não explica por que razão a festa junina é tão adorada e querida pelas pessoas. Lembra da pandemia? Uma das coisas mais comentadas internet afora, quando o clima começava a esfriar, eram lamentos sobre a saudade da festa junina! Pois bem. A Strip Me está aqui para explicar essa paixão para você. Trouxemos 10 fatos que comprovam porque a festa junina é a festa mais querida do Brasil. Confere aí.

01 – Fogo

Você já deve ter ouvido falar que o fato de o cachorro dar uma ou duas voltas em círculo antes de se deitar é um traço de sua ancestralidade. Pois é, antes dos cães serem domesticados, eles viviam na natureza, e antes de se deitar, andavam em círculos para afofar a terra onde iriam se deitar. Da mesma maneira, o ser humano, desde os primórdios se reúne em volta de fogo. É uma parada que nos fascina até hoje. Então, certamente, uma das coisas que torna a festa junina tão atrativa é o fogo. A fogueira, os fogos de artifício, as bombinhas que tanto divertem as crianças. Passam-se eras e a gente ainda continua se reunindo em volta do fogo, tal qual um cachorro andando em círculos no concreto antes de se deitar.

02 – Clima

Na esteira do fogo, o clima também ajuda muito a fazer com que as pessoas gostem da festa junina. Em especial no sul e sudeste, junho é tempo frio. O clima ajuda muito a fazer com que tudo que envolve a festa junina se torne atrativo. As bebidas como o quentão e o vinho quente, as roupas como camisa e calça para homens e vestidos para as mulheres, a fogueira, a dança… enfim, tudo. E não é só no sul e sudeste que o clima conta. O estado da Paraíba se orgulha de realizar a maior festa de São João do Brasil. Nos arredores da cidade de Campina Grande, existem  pequenas cidades cujas festas juninas são muito concorridas, e são cidades de uma região serrana, onde, em pleno nordeste brasileiro, chega a fazer aproximadamente 15 graus.

3 – Roupa

Está aí o Carnaval que não nos deixa mentir. A gente sempre gostou muito de se fantasiar. Uma das coisas mais divertidas da festa junina e encarnar o personagem caipira. Se vestir à caráter, com chapéu de palha e tudo. Além de ser divertido, é muito fácil se vestir de caipira, e muito confortável também. A praticidade de sempre ter no guarda roupas uma camisa xadrez e uma calça jeans meio detonada é muito estimulante. Para as mulheres, acaba dando um pouco mais de trabalho, é verdade, mas mesmo quando dá um trampinho a mais pra montar a fantasia, isso acaba fazendo parte da diversão.

4 – Vida simples

Principalmente para quem mora em grandes cidades, a festa junina é um verdadeiro portal que transporta a pessoa para um mundo de simplicidade e alegria. Não é que não tenham desvantagens em morar no campo. Mas é indiscutível que quem mora no interior leva uma vida mais tranquila, tem hábitos mais saudáveis, se alimenta melhor… além disso, o estereótipo do caipira é de uma pessoa humilde, de gostos simples, bondosa e muita tranquila. Quem não quer ser assim? Nem que seja por uma noite, na quermesse, a gente consegue vivenciar um pouquinho dessa vida simples da roça.

5 – Tradição

Dentro dessa esfera da vida simples campesina, tem um outro fator que atrai a curiosidade de quem não conhece  a cultura sertaneja e desperta sentimentos em quem é familiarizado com essa cultura. É a tradição. Por toda a história da festa junina, que vimos no começo do texto, soma-se o fato de que no interior as pessoas tendem a ser mais religiosas, simplesmente porque isso é passado de geração para geração. A tradição das quermesses de Santo Antônio, por exemplo, são curiosíssimas. Sendo ele o santo casamenteiro, tem toda uma dinâmica na quermesse com simpatias para mulheres solteiras arranjarem marido. É uma parada que nem cabe muito em pleno 2023, esse negócio de mulher ter que casar… mas a coisa toda acaba sendo encarada como uma brincadeira.

6 – Quadrilha & Casamento

Toda quermesse que se preze tem uma bela dança de quadrilha e um casamento. Como já foi dito, a quadrilha é uma herança de uma dança da nobreza de séculos passados, e foi adaptada aos nossos costumes. O que chama a atenção aqui é que existe um grande fundo de deboche dentro dessas práticas tradicionais da festa junina. Quando as festas juninas se popularizaram entre trabalhadores da lavoura, o que animava a festa era satirizar os hábitos dos fazendeiros ricos, que tanto enganavam os trabalhadores com promessas falsas. Assim, a quadrilha passou a ser dançada com música sertaneja e sempre tem um animador contando mentiras para os dançarinos. “Olha a cobra!” “Olha a chuva!”. O casamento também é uma sátira aos casamentos pomposos da aristocracia, ao se realizar um casamento com noivos pobres e com roupas simples. Festa junina também é resistência e consciência de classe!

7 – Música

Por si só, a música tradicional, ou folclórica, é um tema fascinante e muito vasto. Mas basta dizer que muitas das músicas tradicionais de diferentes povos tem muitas similaridades. A começar que são geralmente cantadas em grupo, animadas e acompanhadas de dança. Assim são as tarantelas sicilianas, as polkas do leste europeu, as marchas dos alemães e etc. O que conhecemos hoje como música caipira tem em seu DNA boa dose dessas músicas europeias, em especial dos italianos, que foram a maioria que se instalaram tanto no Rio Grande do Sul quanto no interior paulista. Ouça músicas como Abballati e C’è la Luna a Mezzo Mare, que são tarantelas típicas italianas e perceba a semelhança rítmica com as músicas caipiras capitaneadas pela sanfona na dança da quadrilha. E são todas músicas divertidíssimas de se ouvir! A música é uma coisa só, bicho!

8 – Bebida

Quentão e vinho quente são essenciais para qualquer festa junina que se preze. Mas não é só isso. Essas bebidas deliciosas são um dos motivos do nosso amor pela festa junina. São bebidas de sabor único, quentinhas, que ajudam a aplacar o frio, além de servir como aquele eficiente lubrificante social. Á medida que você vai bebendo, vai ficando mais solto na quermesse. Quando se dá conta, já se sente apto a buscar aquela prenda em cima do pau de sebo  e até adoçar os lábios na barraca do beijo. Claro que quermesse boa tem de tudo, inclusive a cervejinha gelada pra quem preferir, mas tem também refri vendido no saquinho plástico e canudo e garapa. Enfim, é diversão garantida.

9 – Comida

O estilo de vida caipira, a música, a quadrilha, a fogueira… tudo lindo. Mas a verdade é que a gente curte mesmo comer! E é cada delícia na festa junina que não tem como a gente não amar muito essa festa. Amendoim torrado, pipoca, milho com manteiga, churrasquinho de carne, frango assado, pamonha, canjica, pé de moleque, bolo de fubá… é tudo maravilhoso! Acho que podemos assumir aqui que todos os demais fatos que compõe essa lista são apenas suporte para este tópico. A gente ama muito a festa junina é por causa a comida mesmo.

10 – Nostalgia

Para completar, tem mais um fato que explica o nosso amor pela festa junina. É a nostalgia, a lembrança daquele tempo gostoso de criança, quando a escola fazia festa junina. Os pais pintavam bigodinho nos meninos e sardas nas meninas, todo mundo se vestia à caráter e tinha muito brincadeira. Pesca, tiro ao alvo com bola de meia, correio elegante, cadeia… eram festas tão legais que é bem provável que todo mundo já teve um dia uma foto sua criança vestido de caipira. A festa junina traz também essa nostalgia gostosa de ser a mesma festa que a gente curtia quando criança, só que agora, ao invés de ir na barraca da pesca, a gente compra a rifa da leitoa e fica sentado curtindo a festa. enquanto toma quentão e cervejinha!

A festa junina pode até ter suas origens lá na gringa, mas já é uma festa brasileiríssima! É a nossa festa mais querida, o nosso xodó! Por isso, é claro, que a Strip Me tem estampas dedicas a ela! Mas não só. Tem também camisetas de carnaval e brasilidades em geral. E tem também as camisetas de música, cinema, arte, cultura pop e muito mais. No nosso site você confere todas elas e ainda fica por dentro dos lançamentos, que pintam semanalmente!

Vai fundo!

Para ouvir: Uma playlist tão boa quanto pé de moleque, com música que tem tudo a ver com festa junina! Festa Junina top 10 tracks.

A Democracia existe e é valiosa para nós.

A Democracia existe e é valiosa para nós.

2023 começou inspirador, com um leve perfume de esperança, que há alguns anos a gente não sentia no ar. Isso graças a democracia. No dia 1 de janeiro confirmamos de uma vez por todas o resultado da eleição presidencial, numa posse cheia de simbolismo, diversidade e grandes discursos. Mas foi um discurso feito no dia 3 de janeiro que realmente encantou todo mundo: o discurso de posse do ministro dos direitos humanos Sílvio Almeida. Jurista e filósofo, Almeida tem 46 anos de idade, é negro e é uma das mais brilhantes e ativas vozes no país contra o racismo e direitos humanos do Brasil. Seu discurso emocionado bradando que todas as vidas são valiosas e importam para o governo que assume o poder neste ano é muito revelador. E acabou inspirando a Strip Me a criar a camiseta Valiosos, uma peça minimalista linda, super estilosa, que retrata muito bem o momento em que vivemos.

Daqui 2 anos, em 2025, vamos comemorar os 40 anos da redemocratização brasileira. Em 1985 Tancredo Neves assumiria como o primeiro presidente civil depois de 20 anos de uma ditadura militar obscura. Tancredo adoeceu e foi internado na véspera de sua posse como presidente, 14 de março de 1985. José Sarney, seu vice, acabou sendo empossado, e Tancredo, após passar por 4 cirurgias, acabou falecendo no emblemático dia 21 de abril. Desde então, vivemos plenamente amparados politicamente pelas mãos da democracia. Mas não pense você que foi fácil assim.  Aliás, ao longo da nosso história, o que a gente menos teve foi facilidade para ter governos dispostos a garantir recursos e liberdade ao povo. Para você ter ideia, desde o fim do império e o estabelecimento da república, em 1889, nós passamos por 5 golpes de estado (incluindo a própria proclamação da república, que foi um golpe militar e o impeachment de Dilma Russeff, que não foi militar, mas foi um golpe que a tirou de o poder). E isso porque não estamos contando com as tentativas de golpe frustradas. Ao longo desses 133 anos de república tivemos 4 constituições promulgadas, a última, em vigor até hoje, é de 1988.

Mas, pensando nos acontecimentos recentes no país, vamos focar no que aconteceu de 1984 pra cá. Antes só um breve resumo do que acontecia anos antes. Em 1975 o então presidente Ernesto Geisel anunciou que tinha a intenção de dar início ao abrandamento da ditadura, a tal da abertura democrática. Em 1977 aconteceu a primeira manifestação popular contra o governo desde 1968, quando o AI-5 foi instaurado. Essa manifestação foi a enorme, e heroica, greve dos metalúrgicos no ABC paulista liderados pelo Lula. Os grevistas reivindicavam não só melhores condições de trabalho, mas também mais liberdade. Em 1979 assume a presidência João Figueiredo, que é quem realmente inicia a abertura política com a lei da anistia, a volta dos presos políticos e a permissão para que novos partidos políticos fossem criados. Nascem assim o PSDB  e o PT, que encabeçam movimentos exigindo eleições diretas. Em 1983 o deputado federal Dante de Oliveira dá entrada no congresso a PEC (projeto de emenda constitucional) que estabelecia eleições populares diretas. No dia 25 de abril de 1984 o Brasil parou para acompanhar a votação da PEC. Eram 479 deputados que votariam, sendo que eram necessário 320 votos favoráveis, ou um terço do plenário, para que a PEC fosse aprovada e o Brasil tivesse eleições para presidente. Acontece que, por manobras dos políticos que apoiavam a ditadura, houveram muitas abstenções e faltas. A PEC teve 298 votos e não foi aprovada.

Quando a emenda do Dante de Oliveira foi por água abaixo, o Brasil pegou fogo. Se intensificaram muito as manifestações e o movimento Diretas Já tomou proporções gigantescas. Vale lembrar aqui que essas manifestações já ocorriam desde 1980, depois do Figueiredo aprovar a lei de anistia e afrouxar um pouquinho (mas bem pouquinho mesmo) a censura. Acontece que entre 1980 e 1981, a linha mais radical dos militares, que não queriam saber de abertura politica nenhuma, começaram a agir. Esses militares começaram a plantar bombas em bancas de jornal que vendiam publicações “subversivas” como O Pasquim. E eles faziam isso pintando no lugar onde colocavam as bombas a sigla VPR (Vanguarda Popular Revolucionária), um grupo de guerrilheiros de esquerda que atuaram nos anos 70 combatendo a ditadura. Mas todo mundo sabia que aquelas bombas eram coisa dos militares, e essa situação explodiu (literalmente) mesmo no dia 30 de abril de 1981, durante uma manifestação que contava com vários shows musicais no Rio Centro, no Rio de Janeiro. Um coronel e um capitão do exército planejavam explodir duas bombas durante os shows, no meio da multidão mesmo. Mas uma das bombas explodiu por acidente no estacionamento, dentro do carro, onde estavam os dois militares! Foi um escândalo que só piorou a situação dos militares, já que se comprovou que eles promoviam violência, enquanto as manifestações pela democracia eram pacíficas. Entre 1980 e 1981 foram exatamente 28 bombas explodidas em Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, a última delas foi a do Rio Centro, que matou justamente os dois autores do atentado.

Depois do atentado frustrado no Rio Centro, mais e mais manifestações populares se espalharam pelo Brasil. Cada vez mais o movimento Diretas Já ganhava respaldo de políticos, intelectuais e artistas de muita relevância. No esporte também havia um apoio enorme, que ajudou a popularizar ainda mais o movimento. Pelé saiu na capa da revista Placar com uma camiseta escrito Diretas Já enquanto os jogadores do Corinthians, time mais popular do estado de São Paulo e um dos mais populares do Brasil, instauravam a Democracia Corinthiana. Tudo isso culminou na maior manifestação popular da história do Brasil, quando aproximadamente um milhão e meio de pessoas tomou o vale do Anhangabaú em São Paulo para um comício histórico. No palanque políticos como Ulysses Guimarães, Lula, Fernando Henrique Cardoso, Leonel Brizola, Miguel Arraes, Mário Covas, Franco Montoro e outros, além de artistas como Fernanda Montenegro e Fafá de Belém e representantes da Democracia Corinthiana, Sócrates e Casagrande. Até então, o Brasil nunca tinha visto uma manifestação tão numerosa. Tendo acontecido apenas 9 dias antes da votação da PEC de Dante de Oliveira, quando a emenda foi derrubada, Figueiredo mandou reprimir quaisquer outras manifestações, e muitos confrontos entre polícia e manifestantes passaram a acontecer.

O movimento Diretas Já era, em essência, uma manifestação de apoio à PEC de Dante de Oliveira. Quando ela foi derrubada no congresso, ao invés do movimento perder fôlego, se inflamou ainda mais, agora exigindo a redemocratização de qualquer maneira. E no fim do ano de 1984 seria escolhido pelo colégio eleitoral, ou seja, pela classe política, o sucessor de Figueiredo, já que o mandato de presidente até então era de 5 anos. Naquele ano admitiu-se pela primeira vez desde 1964 um representante civil para se candidatar a presidente. Neste caso, Tancredo Neves. Em cima da hora, o candidato dos militares, o coronel Mário Andreazza, abriu mão da candidatura e acabou sendo substituído por outro civil, mas bem conservador e ligado à direita: Paulo Maluf.  A eleição aconteceu no dia 15 de janeiro de 1985 e Tancredo Neves saiu vitorioso. No mesmo dia, no Rio de Janeiro acontecia o primeiro Rock In Rio, e foi muito marcante a cena do Barão Vermelho tocando Pro Dia Nascer Feliz na madrugada de 15 para 16 de janeiro, todo mundo sabendo, e comemorando, que o Brasil finalmente tinha um presidente civil eleito e que a ditadura militar chegava ao fim.

E mesmo com todos os problemas econômicos e crises políticas, a gente foi tomando gosto pela democracia. José Sarney, o vice de Tancredo Neves, governou o Brasil de 1985 a 1989, quando, aí sim, houveram eleições diretas, e o presidente do Brasil foi escolhido pelo povo. E que eleições foram aquelas! Até o Sílvio Santos chegou a se candidatar, mas o nome dele não poderia aparecer na cédula! Os dois principais candidatos eram Fernando Collor de Melo, um playboy alagoano que se dizia caçador de marajás, e Luís Inácio, o Lula, sindicalista de São Bernardo do Campo e líder do Partido dos Trabalhadores. Até hoje o debate entre Collor e Lula para o segundo turno na Globo é estudado nas faculdades de jornalismo. O debate não era ao vivo, foi gravado e editado. A Globo defendia abertamente a eleição de Collor e fez uma edição criminosa no debate favorecendo seu candidato. E ajudou muito. Collor foi eleito. Mal entrou no poder, em 1990, e já confiscou poupança dos brasileiros e saiu fazendo lambança atrás de lambança. Enquanto via sua popularidade despencar o presidente era bombardeado por acusações de corrupção por parte de seu irmão e de vários jornalistas, que investigavam os negócios obscuros de PC Farias, amigo íntimo e principal assessor de Collor.

Em 1992 rolava na Globo uma série que fez muito sucesso, chamada Anos Rebeldes, que contava a ação de jovens estudantes nos anos 60 contra a ditadura militar. No dia 29 de maio de 1992, a UNE (União Nacional dos Estudantes) convoca uma manifestação em São Paulo que tem uma adesão surpreendente, milhares de pessoas, a maioria jovens estudantes universitários. A manifestação pedia melhores condições de estudo e o fim da corrupção na política, entre outras coisas.Essa foi a primeira de muitas manifestações, e tornou-se famoso um cartaz na multidão que dizia: “Anos Rebeldes, O Próximo Capítulo”. A UNE passou a organizar cada vez mais manifestações, estimuladas pela CPI que fora aberta no dia 1 de junho para investigar as acusações de confisco, corrupção e pagamento de propinas contra o governo Collor. No dia 11 de agosto, mais de 10 mil pessoas lotaram o vão do MASP, na avenida Paulista para pedir o impeachment de Collor Para deixar claro o apartidarismo da manifestação, os jovens tinham seus rostos pintados de verde amarelo (bons tempos em que essas cores eram usadas para defender a democracia). Dois dias depois, Collor faz um pronunciamento em rede nacional dizendo que a mídia estava manipulando  as informações (!) que ele estava sofrendo falsas acusações (!!) e pedia que, para mostrar que o povo brasileiro não estava contra ele, como dizia a mídia, todos saíssem às ruas no domingo seguinte, dia 16, vestindo roupas com as cores do Brasil (!!!). Olha, parece que foi ontem que ouvimos uns discursinhos bem parecidos… mas o que aconteceu foi que milhares de pessoas em vários capitais do Brasil saíram ás ruas vestindo roupas pretas e com a cara pintada de preto! Foi o movimento que ficou conhecido como os caras pintadas, e que ajudou muito a fazer com que o impeachment de Collor fosse aprovado. Malandramente, Collor renunciou ao cargo antes de ser cassado e manteve seus direitos políticos. Tanto que depois se elegeu senador por Alagoas! Sim, teve gente que votou nele depois de tudo! Mas isso é outra história.

Enfim, este texto de hoje é sim uma celebração à democracia e à liberdade. Todos nós da Strip Me desprezamos todo e qualquer ato golpista contra a democracia, bem como manifestações violentas, vandalismo e, em especial, a depredação de obras de arte. O que aconteceu no último domingo, dia 8 de janeiro, foi um horror. Ainda bem que temos pela frente 4 anos com gente como o Sílvio Almeida e a Marina Silva do nosso lado, ajudando a comandar o país. É um governo que está longe de ser perfeito, tem seu lado questionável, mas pelo menos tem humanidade e apreço pela cultura, pela diversidade, pelo meio ambiente e pela liberdade. Assim como nós! Então você pode começar 2023 dando uma geral na nossa loja e conferindo os lançamentos, como a camiseta Valiosos, além das camisetas de música, cinema, arte e cultura pop.

Feliz 2023!

Vai fundo!

Para escutar: Uma playlist de protesto! Músicas que falam sobre democracia e contra governos autoritários! Música de protesto Top 10 tracks!

Para assistir: A TV Senado produziu um documentário bem legal sobre as Diretas Já, chamado Diretas Já – O Grito das Ruas, com depoimentos de várias pessoas que participaram das manifestações, de Lula a Fernanda Montenegro. Vale muito a pena conferir. Tem completo no Youtube, só clicar aqui.

A Copa do Mundo é Pop!

A Copa do Mundo é Pop!

É inegável. Se tem uma coisa que mexe com a gente, vira nossa rotina de cabeça pra baixo, nos deixa ansiosos, histéricos, empolgados e, muitas vezes, revoltados, mas a gente não sabe viver sem, essa coisa é a Copa do Mundo. Até quem não torce para time nenhum e não liga pra futebol, quando chega a Copa, curte assistir aos jogos, debater com os amigos sobre quem joga bem ou joga mal e quem vai ser campeão do mundo. Mas o que faz com que isso tudo aconteça?

Bom, pra começo de conversa, a Copa do Mundo já se tornou parte da cultura pop. Não se trata simplesmente de uma disputa esportiva entre seleções do mundo. Mas sim uma festa, jogos televisionados, com verdadeiros ídolos em campo, álbum de figurinhas, jingles e músicas marcantes e, mais recentemente, uma infinidade de memes e piadocas difundidas em larga escala em redes sociais. Só por aí, já temos um panorama da importância da Copa do Mundo. Mas vai além, principalmente no Brasil. Afinal, temos aqui uma tradição antiga de apaixonados por futebol. Ainda que o esporte não tenha sido criado aqui, indiscutivelmente nos apoderamos dele, e fizemos do futebol a nossa mais emblemática marca mundo afora.

Chega a ser engraçado que ainda hoje haja quem diga que futebol não se discute. Porra, é o assunto mais discutido no país desde sempre! Seja um Grenal, um Corinthians e Palmeiras, um Flaflu, o futebol está sempre na pauta do brasileiro. Nem que seja para puxar assunto com um desconhecido ou mudar de assunto durante uma conversa desconfortável, com a inabalável frase “E o Corinthians, hein… ?”. E na época da Copa do Mundo isso se intensifica. Começa no sorteio das chaves, onde a gente descobre quem vai jogar contra quem na primeira fase. Depois tem a convocação dos jogadores, momento sempre tenso e que gera muita conversa. E, por fim, os jogos! A melhor parte! Quem não gosta de ir almoçar em plena terça feira e conferir um jogão entre Tunísia e Coréia do Sul?

Mas, além disso tudo, cada edição de Copa do Mundo é marcado por pelo menos um momento muito inusitado, ou um placar de jogo impensável, uma jogada muito controversa, e até mesmo teorias da conspiração. Sendo o Brasil o país que mais participou de Copas do Mundo, aliás, o Brasil é o único país do mundo que esteve presente em todas as edições da competição, é natural que tenhamos muitos desses causos famosos, que entram para a história. Selecionamos aqui 5 destes momentos marcantes do Brasil em Copas do Mundo para contar para você.

Maracanazo

Também conhecido como Maracanaço, mas a expressão em espanhol, Maracanazo, parece mais apropriada. Trata-se do fatídico 16 e julho de 1950. Por incrível que pareça, a Copa do Mundo de 1950 tem muito em comum com a edição de 2014. Começa que ambas aconteceram no Brasil. Assim como em 2014, o Brasil esteve envolvido num jogo que terminou 7 a 1, porém, desta vez o Brasil saiu vitorioso marcando 7 gols na seleção da Suécia. Por fim, a Copa acabou em vexame para o Brasil, que não se sagrou campeão. O estádio do Maracanã acabara de ser inaugurado e era o palco para a final da Copa, entre Brasil e Uruguai. Nas quartas de final e na semifinal, o Brasil vinha de resultados espetaculares, como o 7 a 1 na Suécia e um 6 a 1 na Espanha, enquanto o Uruguai vinha de uma campanha mais sofrida, com um empate entre 2 a 2 e uma vitória de 3 a 2. O clima de “já ganhou” era tão exagerado que o jornalista e empresário Paulo Machado de Carvalho, que viria a ser homenageado no futuro  tendo seu nome na fachada do estádio do Pacaembu, esteve na concentração da seleção brasileira no dia anterior e ficou impressionado com o clima de festa. Ao chegar em casa, de noite, na véspera da final, chegou a dizer para o seu filho: “Vamos perder.”. Dito e feito. O Uruguai entrou em campo determinado, segurando os ataques brasileiros e avançando no campo de ataque. O primeiro tempo acabou sem gols, mas com a superioridade dos uruguaios evidente. No segundo tempo, o Brasil abre o placar com gol de França nos primeiros minutos de jogo.  A resposta uruguaia vem com o gol de Schiaffino com 20 minutos do segundo tempo. O jogo se torna dramático, e a torcida, que até então vibrava, diminui o tom, com ar preocupado. Mas aos 34 minutos do segundo tempo, o ponta direita Ghiggia recebe a bola no campo de ataque, entra na grande área e dispara um chute em diagonal. A bola passa entre as mãos do goleiro Barbosa e vai para o fundo do gol. Uruguai 2 a 1 e um silêncio fúnebre no estádio do Maracanã lotado, com 200 mil pessoas. Até daria tempo de correr atrás do prejuízo, mas a seleção brasileira, que já vinha jogando com dificuldade, desabou frente ao silêncio da torcida. O jogo acabou e o estádio foi se esvaziando. O então presidente da Fifa, Jules Rimet, entregou a taça ao capitão do time uruguaio, Obdulio Varela, em silêncio, com apenas um aperto de mão. O time do Uruguai sequer comemorou a vitória no estádio, dado o clima de velório. O goleiro Barbosa abandonou o futebol, e ainda assim, viveu marcado como o artífice do vexame, e a Confederação Brasileira de Desportos, CBD, Achou por bem remodelar o uniforme da seleção, trocando as camisas brancas com golas e detalhes nas mangas azuis, para o uniforme amarelo com calções azuis que conhecemos hoje. Tudo isso fez com que ficasse eternamente marcado na história o dia 16 de julho de 1950 como Maracanazo.

O Mágico Tricampeonato

Em partes, o Brasil nunca superou o Maracanazo, tanto que estamos aqui, em 2022, ainda falando dele. Mas, por outro lado, superou sim. E o futebol brasileiro se aperfeiçoou e cresceu. Na Copa da Suécia, em 1958, o Brasil foi campeão pela primeira vez. Em 1962, a competição foi no Chile e o Brasil se sagrou bicampeão. Ganhando o tricampeonato, o Brasil poderia levar a taça Jules Rimet para casa, e uma nova taça seria forjada para que a seleção que conquistasse o título por 3 vezes pudesse fazer o mesmo, coisa que não aconteceu até agora. A Copa de 1966 foi na Inglaterra o Brasil teve uma performance mediana, sendo eliminado nas oitavas de final. Mas em 1970, no México, a situação era diferente. O Brasil vinha com um time praticamente imbatível. Pelé estava no auge de sua forma física e já era um jogador experiente, de muita técnica. Ao lado dele um time impressionante com  Jairzinho, Tostão, Rivellino, Gérson, Clodoaldo, Piazza e Carlos Alberto Torres, todos jogadores habilidosos em seu melhor momento profissional. O Brasil simplesmente passou pela fase de eliminatórias e por toda a Copa do Mundo invicto, sem perder nenhum jogo sequer! Algumas das jogadas espetaculares de Pelé e sua turma durante aquela Copa são reprisadas até hoje e tidas como jogadas insuperáveis. É quando se imortaliza o salto de Pelé dando um soco no ar ao comemorar seus gols. Mesmo com as demonstrações ufanistas não sendo muito bem vistas por boa parte da sociedade brasileira, que vivia o auge da violência na ditadura militar, ninguém resistiu a comemorar o tricampeonato. A taça Jules Rimet finalmente era nossa, e ficaria exposta numa das salas da Confederação Brasileira de Desportos, CBD, que atualmente se chama Confederação Brasileira de Futebol, a CBF. A Jules Rimet lá permaneceu por pouco mais de 10 anos, até ser roubada, em dezembro de 1983, num dos episódios mais pitorescos e inacreditáveis da história do Brasil.

A Decepção de 1982

Em 1977 Pelé se aposenta. Com a sua aposentadoria e os malucos anos 70 chegando ao fim, o mundo clamava por renovação. No futebol brasileiro isso não tardou a acontecer. Logo no comecinho dos anos 80 despontavam alguns jogadores de força física impressionante e muita habilidade. E não só atacantes, mas em todas as posições, como meio campo, lateral e defesa. Sob o comando do experiente e sisudo técnico Telê Santana, a seleção brasileira foi para a Copa da Espanha, em 1982, considerada pela imprensa do mundo todo e, em especial pelos torcedores brasileiros, como a melhor seleção brasileira já vista na história, com craques em todas as posições. O time titular era formado por Waldir Peres, Leandro, Oscar, Luizinho e Junior; Toninho Cerezzo, Falcão, Sócrates e Zico; Serginho Chulapa e Éder. Na reserva o time ainda contava com Roberto Dinamite, Paulo Isidoro, Dirceu e outros mais. Era pra ser uma máquina de moer times e fazer gols. E a seleção até que chegou nas oitavas de final com certo conforto. Ganhou todos os jogos da primeira fase, com direito a goleadas de 4 a 1 em cima da Escócia e 4 a 0 em cima da Nova Zelândia. Mas já nas oitavas de final, a coisa mudou de figura. O Brasil precisou suar muito para ganhar da Argentina por 3 a 1. Ironicamente, o time vinha vencendo, mas não apresentava o espetáculo que se esperava dele. Mesmo assim, os brasileiros chegam às quartas de final para enfrentar a Itália como francos favoritos. A Itália fazia uma Copa sofrível, tendo vencido apenas um dos 5 jogos que fizera até então. Desta forma, instaurou-se mais uma vez o preocupante climão de “já ganhou” entre a comissão brasileira na Espanha. Em campo, o Brasil foi surpreendido por uma Itália aguerrida e bem organizada taticamente. Jogo foi duro. Com 5 minutos, o craque Paolo Rossi já abre o placar, marcando para a Itália. Aos 12 minutos, Sócrates responde pelo Brasil. Tudo igual. Mas Paolo Rossi estava impossível e faz o segundo da Itália aos 26 minutos do primeiro tempo. Começa o segundo tempo e o Brasil tem dificuldade de avançar. Mas num ataque rápido, Falcão marca para o Brasil e empata novamente. 2 a 2. A alegria dos brasileiros durou exatos 6 minutos. Aos 29 do segundo tempo, mais uma vez Paolo Rossi marca para a Itália, fechando o placar. O Brasil foi eliminado tendo, a que era considerada, a melhor seleção de todos os tempos, e foi eliminado no mesmo clima de “já ganhou” que fizera sua tragédia em 1950.

A Copa Vendida

Em 1998 a internet ainda engatinhava, sequer existia a banda larga, a conexão era feita através de pulso telefônico. Mesmo assim, foi a internet que desencadeou uma das teorias da conspiração mais estapafúrdias do Brasil, mas que, por se tratar de Copa do Mundo e futebol, ainda faz o maior sucesso, nem que seja pra tirar aquele sarrinho. Bom, na Copa de 1998, o time do Brasil vinha bem na competição e chegou na final contra a França, país que sediava aquela Copa. O Brasil vinha muito bem, em boa parte por conta do desempenho de Ronaldinho Fenômeno, que estava em seu auge. Pois bem, tudo naquela final conspirou para uma boa teoria da conspiração. Horas antes do jogo, Ronaldinho teve uma convulsão, chegou a ser cortado do time, mas acabou entrando em campo mesmo assim. O Brasil jogou mal e acabou perdendo de 3 a 0. França, campeã, a mesma França que sediava a Copa. Algumas horas depois do fim da final, o site da CBF foi invadido por um hacker, coisa que não era nada difícil na época. No lugar do site, entrou uma página com um texto, absolutamente mau escrito, diga-se, com passagens como “a perca da copa se deu porque…” e outros atentados à língua portuguesa. Mas enfim, o tal texto dizia que havia um acordo entre a FIFA, a CBF e a Nike, para que o Brasil entregasse o título para a França. Em troca, todos os jogadores do Brasil seriam patrocinados pela Nike, coisa que não aconteceu, a Copa seguinte seria no Brasil, o que não aconteceu, foi no Japão, a Copa de 2006 seria sediada em parceria por Japão e Austrália, um absurdo que não aconteceu, foi na Alemanha e, por fim, dizia que o Brasil seria campeão em 2002, na Copa realizada no Brasil. Até acertou que fomos campeões em 2002, mas foi do outro lado mundo. Enfim, ainda que pouca gente tivesse acesso a internet em 1998, a imprensa se encarregou de noticiar largamente a tal invasão do site da CBF e o conteúdo da teoria ali exposta, tornando a teoria popular em todo o canto. Obviamente, tudo foi rapidamente desmentido. Mas a teoria segue tendo seus adeptos até hoje. Afinal, se tem uma coisa que brasileiro gosta tanto quanto futebol, é de uma boa teoria da conspiração.

Manifestações, Memes e 7 a 1.

O ano de 2013 foi dos mais conturbados para o Brasil politicamente. Por todo canto eclodiram manifestações populares, que ganharam as ruas protestando contra corrupção e o establishment político do país de maneira geral. Tais manifestações, que culminaram com o impeachment da então presidente Dilma Rousseff, tinham, entre outras pautas, a realização da Copa das Confederações em 2013 e da Copa do Mundo em 2014 no Brasil, além das Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro. Tais competições acabariam promovendo a construção de estádios e arenas que teriam seus custos superfaturados e muito dinheiro público sendo desviado, como se provou ter acontecido realmente, anos depois. Por conta disso, durante toda a Copa, que acabou acontecendo no Brasil em 2014, eram muito comuns manifestações na frente dos estádios. Mas não foi só isso que marcou essa Copa. A produção de memes espalhados pelo Twitter e Facebook foi impressionante. Tivemos a Caxirola, um instrumento musical feito para a Copa, mas que não passava de um chocalho, o Canarinho Pistola, o mascote da Copa, que era pra ser um Canário simpático, mas aparentava estar puto da cara, o Mick Jagger pé frio e muitos outros memes. Mas a marca mais profunda da Copa do Mundo de 2014 foi a derrota avassaladora do Brasil para a Alemanha, o fatídico 7 a 1. O Brasil chegou nas quartas de final contra a Colômbia com um desempenho mediano, tendo uma vitória e dois empates. O jogo contra os colombianos foi quente. O Brasil ganhou de 2 a 1, mas perdeu seu nome mais importante. Neymar foi atingido pelo colombiano Zúñiga e teve que sair de campo. Contundido, Neymar não poderia jogar contra a Alemanha na semifinal, no dia 8 de julho de 2014. O jogo foi no estádio do Mineirão, em Belo Horizonte. Até hoje, ninguém consegue explicar direito o que aconteceu. Na imprensa, passou a ser usada a expressão “apagão” para designar a performance da seleção brasileira. Os alemães fecharam o primeiro tempo com 5 gols marcados. No segundo tempo vieram mais dois, e um gol brasileiro, marcado por Oscar aos 44 do segundo tempo. Foi uma derrota tão emblemática que, até hoje é comum que as pessoas, ao verem alguma coisa que prejudica o Brasil, seja corrupção, tragédia natural ou alguma outra coisa assim, se diga a frase “É todo dia um 7 a 1.”.

Sejam momentos tristes ou felizes, emocionantes ou engraçados, é disso que a Copa do Mundo é feita, e é por isso que gostamos tanto dela! A Copa e Pop! Por isso a Strip Me não resistiu a esse clima delicioso de Copa do Mundo que vem se aproximando e já soltou uma coleção novinha, super descolada e com estampas incríveis inspiradas na Copa do Mundo! Além das estampas exclusivas, você pode personalizar a sua camiseta inspirada nas figurinhas da Copa ou na camisa 10 da seleção. Para conhecer, entra na nossa loja e dá uma olhada na seção Coleção Copa do Mundo. Além disso, você ainda confere lá as camisetas de arte, cinema, música, cultura pop e muito mais, e ainda fica por dentro dos nossos lançamentos mais recentes! Então tá feito o jogo. Mata essa bola no peito e escolha a sua camiseta.

Vai fundo!

Para ouvir: Vamos então de playlist da Copa do Mundo, com todas aquelas músicas sobre futebol que a gente ama ouvir em época de Copa! Copa do Mundo Top 10 tracks

Para assistir: Tem no Youtube um curta metragem muito legal sobre um cara nos anos 80 que quer vingar a vida arruinada do goleiro Barbosa depois do Maracanazo de 1950. É uma historinha curta e bem divertida, protagonizada pelo Antônio Fagundes. O curta se chama Barbosa, foi lançado em 1988 e dirigido pela dupla Ana Luiza Azevedo e Jorge Furtado.

Para ler: Um livro leve, mas muito interessante e detalhado sobre a tragédia de 1950 é A Anatomia de uma Derrota. Escrito pelo jornalista Paulo Perdigão e lançado em 2000 pela editora L&PM, a obra traz numa linguagem agradável e muito direta minúcias que tentam explicar a derrota do Brasil para o Uruguai naquele fatídico 16 de julho de 1950.

Cadastre-se na Newsletter
X

Receba nossos conteúdos por e-mail.
Clique aqui para se cadastrar.